• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 22 de Setembro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 26° / 16°
Períodos nublados
Dom.
 29° / 11°
Períodos nublados
Sáb.
 28° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  28° / 14°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Graças à geringonça

Opinião  »  2017-02-16  »  Jorge Carreira Maia

"Hoje somos um país mais moderado, mais sensato e equilibrado do que éramos no tempo do anterior governo e do que seríamos com um governo minoritário de direita."

Os recentes elogios da Comissão Europeia ao desempenho de Portugal representam, por pouco que parte da esquerda goste ou não, uma vitória dessa mesma esquerda. De toda a esquerda portuguesa. Quando António Costa, perante os resultados eleitorais, decidiu formar governo com apoio parlamentar do BE, do PCP e do PEV toda a gente ainda está lembrada da tentativa de fronda lançada pela direita, fronda essa que estaria legitimada num conjunto de profecias que anunciavam que o novo governo não duraria seis meses, que o défice iria disparar e que o país estaria à beira do apocalipse. Apesar da situação continuar muito difícil – devido aos problemas da banca e da dívida – a verdade é que o país ganhou bastante com a actual solução política.

E ganhou – fundamentalmente, mas não só – no domínio político. Para perceber o que ganhámos é necessário pensar o que teria sido a outra solução possível. O que poderia acontecer se PSD e CDS tivessem formado governo com a cumplicidade – através da abstenção – do PS? Duas coisas seriam bastante verosímeis. Em primeiro lugar, uma muito maior instabilidade política derivada à falta de apoio da direita no parlamento, o que traria enormes problemas ao nível económico e financeiro. Em segundo lugar, cada vez que o PS se abstivesse para segurar o governo de direita, o BE e PCP – fundamentalmente, o BE – iriam buscar-lhe uma fatia do eleitorado. Os socialistas estavam em vias de serem trucidados, tal como aconteceu na Grécia e em Espanha. A solução de António Costa não lhe salvou apenas a ele a carreira política. Salvou o próprio PS e segurou a democracia portuguesa dentro da moderação e do equilíbrio.

Ganhou-se ainda mais. Os portugueses perceberam que tanto o BE como o PCP+PEV são parte da solução para o país e não representam qualquer ameaça para as instituições. Não existe esquerda radical no parlamento. Esta solução, cujo mérito deve ser distribuído por todos, tornou a democracia portuguesa mais sólida, porque lhe dá mais alternativas viáveis. Por outro lado, Portugal foi poupado a devaneios como os do Syriza na Grécia e impasses como os provocados pelo Podemos em Espanha. Poder-se-á dizer que tivemos sorte, pois as esquerdas tiveram o ensinamento prévio dos acontecimentos da Grécia e de Espanha. É verdade, mas as esquerdas também souberam ler esses acontecimentos e aprender com eles. Hoje somos um país mais moderado, mais sensato e equilibrado do que éramos no tempo do anterior governo e do que seríamos com um governo minoritário de direita. Graças à geringonça. Não é pouco.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Agências de rating »  2017-09-21  »  Jorge Carreira Maia

Há uma tendência – à esquerda do PS – para censurar continuamente as agências de rating e o papel que elas têm tido na dívida portuguesa. E como consequência dessa censura dizer-se que as avaliações delas não devem ser tidas em conta, o que interessa é a vida dos portugueses e não a opinião de agências de especuladores.
(ler mais...)


Peculiaridades Torrejanas »  2017-09-20  »  Jorge Cordeiro Simões

 

Em tempo de balanço e escolha das melhores soluções para o Governo da nossa autarquia, quero deixar aos futuros edis que vierem a ser eleitos para os diversos cargos, contributos que julgo deverem ser tidos em conta para o seu bom desempenho:
- Que consiga recordar, das cidades portuguesas (e mesmo de algumas vilas) que conheço, Torres Novas é a única que não dispõe de qualquer troço de ciclovia ou ecopista, embora tenha nas redondezas zonas belíssimas onde as mesmas podem ser executadas.
(ler mais...)


Vamos? »  2017-09-20  »  Inês Vidal

Dizem que a idade é um posto e que quantos mais anos temos, mais nos negamos aos fretes, aos sapos engolidos, ao que os outros pensam de nós. Das duas uma: ou estou muito velha ou não quero imaginar como serei quando chegar aos 90.
(ler mais...)


A importância dos intestinos na saúde humana »  2017-09-20  »  Juvenal Silva

Às vezes, sinto uma certa frustração, quando repetidamente tento sensibilizar as pessoas para um estilo de vida saudável, evitando excessos e erros alimentares.

Sinto uma inquietação quando as pessoas pensam que tudo se resolve com remédios, sejam de que natureza seja, químicos ou naturais.
(ler mais...)


A "solução" »  2017-09-11  »  Hélder Dias

As eleições em Loures »  2017-09-07  »  Jorge Carreira Maia

De todas as eleições municipais, a mais importante é a de Loures. Isso deve-se à mobilização por André Ventura (PSD) de temas que têm estado afastados da vida política nacional.
(ler mais...)


A cegueira »  2017-08-26  »  Jorge Carreira Maia

Poder-se-á pensar que os ataques terroristas na Europa (à data que escrevo, os últimos deram-se em Espanha e na Finlândia) devem ser tratados como os ataques que, em períodos anteriores da nossa História, ocorreram nesta mesma Europa.
(ler mais...)


Antigo hospital »  2017-08-22  »  António Gomes

Primeiro foi a mentira, seria a sede do município, até fazia algum consenso na sociedade torrejana, as atuais instalações são exíguas, não oferecem as condições de funcionamento que uma instituição como a CM deve ter, mas afinal deixou de ser a sede do município para ser um espaço cultural, não se explica porquê e para quê.
(ler mais...)


Melancia hidrata o corpo e protege o coração »  2017-08-22  »  Juvenal Silva

A melancia é um símbolo das frutas de verão, por ser refrescante e pouco calórica. Além de ser deliciosa, tem propriedades nutricionais muito benéficas, como por exemplo o licopeno, um antioxidante por excelência, superando mesmo o tomate na sua concentração.
(ler mais...)


As relações PCP e BE »  2017-08-03  »  Jorge Carreira Maia

Uma meditação política antes de férias. No actual arranjo governativo há uma situação a que não se dá a atenção que merece. O governo depende dos acordos na Assembleia com o BE e o PCP.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-09-20  »  Inês Vidal Vamos?
»  2017-09-21  »  Jorge Carreira Maia Agências de rating
»  2017-09-20  »  Jorge Cordeiro Simões Peculiaridades Torrejanas