• SOCIEDADE  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 28 de Abril de 2017
Pesquisar...
Seg.
 23° / 7°
Claro
Dom.
 19° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 20° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu muito nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Graças à geringonça

Opinião  »  2017-02-16  »  Jorge Carreira Maia

"Hoje somos um país mais moderado, mais sensato e equilibrado do que éramos no tempo do anterior governo e do que seríamos com um governo minoritário de direita."

Os recentes elogios da Comissão Europeia ao desempenho de Portugal representam, por pouco que parte da esquerda goste ou não, uma vitória dessa mesma esquerda. De toda a esquerda portuguesa. Quando António Costa, perante os resultados eleitorais, decidiu formar governo com apoio parlamentar do BE, do PCP e do PEV toda a gente ainda está lembrada da tentativa de fronda lançada pela direita, fronda essa que estaria legitimada num conjunto de profecias que anunciavam que o novo governo não duraria seis meses, que o défice iria disparar e que o país estaria à beira do apocalipse. Apesar da situação continuar muito difícil – devido aos problemas da banca e da dívida – a verdade é que o país ganhou bastante com a actual solução política.

E ganhou – fundamentalmente, mas não só – no domínio político. Para perceber o que ganhámos é necessário pensar o que teria sido a outra solução possível. O que poderia acontecer se PSD e CDS tivessem formado governo com a cumplicidade – através da abstenção – do PS? Duas coisas seriam bastante verosímeis. Em primeiro lugar, uma muito maior instabilidade política derivada à falta de apoio da direita no parlamento, o que traria enormes problemas ao nível económico e financeiro. Em segundo lugar, cada vez que o PS se abstivesse para segurar o governo de direita, o BE e PCP – fundamentalmente, o BE – iriam buscar-lhe uma fatia do eleitorado. Os socialistas estavam em vias de serem trucidados, tal como aconteceu na Grécia e em Espanha. A solução de António Costa não lhe salvou apenas a ele a carreira política. Salvou o próprio PS e segurou a democracia portuguesa dentro da moderação e do equilíbrio.

Ganhou-se ainda mais. Os portugueses perceberam que tanto o BE como o PCP+PEV são parte da solução para o país e não representam qualquer ameaça para as instituições. Não existe esquerda radical no parlamento. Esta solução, cujo mérito deve ser distribuído por todos, tornou a democracia portuguesa mais sólida, porque lhe dá mais alternativas viáveis. Por outro lado, Portugal foi poupado a devaneios como os do Syriza na Grécia e impasses como os provocados pelo Podemos em Espanha. Poder-se-á dizer que tivemos sorte, pois as esquerdas tiveram o ensinamento prévio dos acontecimentos da Grécia e de Espanha. É verdade, mas as esquerdas também souberam ler esses acontecimentos e aprender com eles. Hoje somos um país mais moderado, mais sensato e equilibrado do que éramos no tempo do anterior governo e do que seríamos com um governo minoritário de direita. Graças à geringonça. Não é pouco.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Marcelo, Marcelo »  2017-04-20  »  Jorge Carreira Maia

A imagem das pessoas e o desejo que delas sentimos são regulados pelos mesmos mecanismos que regem os mercados onde se transaccionam os bens de consumo. Sempre que um produto é escasso o preço sobe.
(ler mais...)


O clube dos escritores traídos »  2017-04-06  »  Jorge Carreira Maia

Há umas semanas noticiou-se que a editora de Agustina Bessa-Luís mandara retirar do mercado os livros desta autora. Parece que já não vendia o suficiente. Há claramente um conflito negocial, digamos assim, entre a editora e representantes da escritora.
(ler mais...)


Primavera - época de limpeza e renovação »  2017-04-05  »  Juvenal Silva

É principalmente na Primavera que se manifestam insuficiências orgânicas e alguns tipos de enfermidades, caraterizadas por cansaço e diversos tipos de toxicidade, a que normalmente chamamos impurezas no sangue.
As curas de depuração na Primavera são importantes e necessárias para reativar o metabolismo, normalizá-lo e estimulá-lo, condição para a sua força vital.
(ler mais...)


Inspiring future »  2017-03-23  »  Jorge Carreira Maia

Assisti há dias, na escola onde lecciono, a uma intervenção da Yorn Inspiring Future que, para além de trazer consigo um conjunto de sessões e workshops, onde 37 universidades e politécnicos tentaram cativar os alunos do 12º ano, explicou, numa sessão de pouco mais de uma hora, o processo de candidatura.
(ler mais...)


Aaaaaaaargh! »  2017-03-21  »  Hélder Dias

Breve reflexão sobre a origem das doenças »  2017-03-21  »  Juvenal Silva

O que origina a doença?
O organismo degrada-se, fundamentalmente, por dois motivos, pela intoxicação e pela falta de nutrientes para se constituir e renovar.
As substâncias nutritivas contidas nos alimentos servem para a elaboração das células e dos líquidos orgânicos; além disso, o nosso corpo funciona graças a elas.
(ler mais...)


Thomas Bernhard »  2017-03-10  »  Jorge Carreira Maia

A obra do escritor austríaco Thomas Bernhard é daquelas que colocam com mais acuidade a relação entre a biografia pessoal e a obra de arte. É verdade que o princípio, presente na hermenêutica de Paul Ricœur, que nos ordena ler uma obra como se nada soubéssemos do seu autor continua válido.
(ler mais...)


Fantoche... »  2017-02-25  »  Hélder Dias

BENDITOS OS PEIXES DO AZUL ( há 30 anos o Zeca emalou a trouxa e zarpou) »  2017-02-23  »  João Carlos Lopes

Pelos 14 anos, quando me meti nas militâncias revolucionárias logo a seguir ao dia inicial, mais que as ideologias e as cartilhas, vejo eu agora, havia uma espécie de programa poético que em fundo embalava gestos e ousadias, esperanças e coragens: pelas praias do mar nos vamos à procura da manhã clara.
(ler mais...)


O PEDU segundo Mateus, o augusto »  2017-02-16  »  João Carlos Lopes

“Torres Novas.pt- ponte para todos” será, muito provavelmente, o último trabalho deste cariz, feito nesta autarquia, com vista à definição de uma estratégia global para o concelho na perspectiva de candidaturas comunitárias”: eram estas as palavras de António Rodrigues a abrir o prefácio do plano estratégico 2007/2015, elaborado pela empresa do ex-ministro socialista e consultor-mor Mateus, o augusto dos planos e eixos estratégicos (os mais grisalhos ainda se lembram do célebre “eixo estratégico Torres Novas/Entroncamento” sobre o qual o antigo vereador Carlos Tomé, o maior poeta que alguma vez passou por esta pobre autarquia, lavrou, lapidar: “No eixo é um descanso”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-04-20  »  Jorge Carreira Maia Marcelo, Marcelo