• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 11 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 24° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 22° / 11°
Céu nublado
Seg.
 22° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  20° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A ruptura do discurso - jorge carreira maia

Opinião  »  2020-09-12  »  Jorge Carreira Maia

"Para nos entendermos é necessário que partilhemos significados e um certo sentido comum da linguagem"

Nos últimos tempos três assuntos têm concentrado os interesses das redes sociais que dão atenção ao fenómeno político. O racismo, a festa do Avante e a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no ensino não superior. Todos eles suscitaram uma enorme turbulência – muito para além daquilo que esses assuntos possam pesar na vida dos portugueses. Foram tratados com tal fervor, que se chega a ter a impressão de se estar perante casos decisivos para o futuro da comunidade. Mais importante do que aduzir razões para um ou outro dos lados, é tentar perceber o que se está a passar. Este artigo foca-se no problema da ruptura do discurso entre a direita e a esquerda sociais.

Racismo, cidadania, género, privilégio, risco, etc. são palavras entendidas de forma diferente pelas partes em confronto. Dois exemplos. Para uns, não ser racista significa tratar qualquer pessoa enquanto indivíduo, mas não reconhecer que ser negro – ou cigano, etc. – seja uma categoria política. Para outros, porém, esta concepção é ela mesmo racista, pois nega a situação histórica em que ser negro foi condição de ser oprimido. Um segundo exemplo, liga-se com o ensino da cidadania. Uns acham que esta deve incluir as questões de género e da sua formação social, outros nem sequer julgam que o conceito de género seja pertinente ou tenha significado. As partes em confronto na sociedade não se entendem sobre o significado dos conceitos que usam. Esta ruptura na linguagem é bastante preocupante e contém em si germes de situações de clivagem política que poderão colocar a democracia em apuros. Porquê?

Em primeiro lugar, porque a linguagem é um veículo de entendimento. Para nos entendermos é necessário que partilhemos significados e um certo sentido comum da linguagem. Sem isso não há entendimento. Em segundo lugar, porque estão a desaparecer os mecanismos de mediação (de tradução). Na vida democrática não é novidade a existência de diferenças no uso dos conceitos políticos. No entanto, havia mecanismos sólidos, como a comunicação social de referência ou a universidade, que faziam interpretações aceitáveis globalmente e proporcionavam o entendimento. Isso desapareceu levado pelo hooliganismo das redes sociais. Nem a comunicação social nem a universidade possuem já prestígio para fazer uma espécie de tradução aceitável dos conceitos por uma ampla maioria. Está bem enganado quem pensar que os conflitos em torno de palavras são jogos florais ou guerras de alecrim e manjerona. São um problema muito perigoso para o qual não se avista solução.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorga carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)


Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes »  2021-03-23  »  João Carlos Lopes

Dir-se-ia, de uma câmara socialista, esperar que se perseguissem os valores e ideais que aqui e ali, somados, vão concorrendo para um mundo melhor e para uma relação mais harmoniosa e avançada entre todos e tudo o que habita uma casa comum que é o território natural de um pequeno concelho.
(ler mais...)


Depois de casa roubada, trancas à porta - antónio gomes »  2021-03-20  »  António Gomes

Na política, ou se tem ideias, rasgo e capacidade de antecipação para marcar a diferença, ou andamos sempre no rengo-rengo.

As vítimas da pandemia estão aí, agora com maior visibilidade, mais desemprego, mais encerramentos de pequenas empresas, comércio, restauração, serviços, trabalhadores independentes sem rendimentos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-03-20  »  Carlos Paiva São rosas, senhor - carlos paiva