• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 20 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 15° / 8°
Céu muito nublado com chuva fraca
Sex.
 15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção

Opinião  »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

"Impõe-se, por isso, também ao nível local, unir esforços, antecipar problemas e pensar em soluções - ana lúcia cláudio"

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham. A poucos metros do local onde escrevo estas linhas, na Estefânia, em Lisboa, numas instalações de um quartel desativado da GNR onde eu em criança me encolhia cada vez que passava em frente ao militar que, de arma em riste, impunha respeito e medo, encolhem-se agora centenas de pessoas, envergonhadas por se terem visto votadas a uma nova condição de pobreza e fome. Também no Porto o último domingo de Junho foi dia de uma iniciativa isolada do Banco Alimentar naquele distrito. Diz um voluntário que os pedidos, habitualmente de 40 por ano, viram esse número passar a ser diário.

Os cidadãos torrejanos não terão, aparentemente, sofrido de forma tão penalizadora o mesmo abanão que se verificou naqueles municípios. No entanto, ainda é cedo para avaliarmos a verdadeira dimensão dos efeitos desta crise nas vidas de todos nós. O fim dos “layoffs” e das moratórias e uma eventual segunda vaga da doença, no Outono, são alguns dos factores que poderão jogar cartadas importantes nos destinos de todos nós.

Impõe-se, por isso, também ao nível local, unir esforços, antecipar problemas e pensar em soluções. Logo no início desta crise, a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) fez saber que se pretende juntar ao governo e encontrar soluções para uma realidade para que ninguém estava devidamente preparado. Para a ANMP, “os municípios têm de ser envolvidos nas políticas públicas que venham a ser definidas para a prestação de apoios às pessoas em situação de vulnerabilidade, bem como às micro e pequenas empresas”.

Assim, quando há uns meses o executivo municipal torrejano anunciou que iria receber uma verba de quase um milhão e meio de euros, correspondentes aos 7,5% do IVA destinados pelo Governo a cada concelho, acrescentando que não tinha, àquela data, qualquer projecto para alocar essa verba, a comissão política concelhia do PSD defendeu, desde logo, uma alocação desses recursos excepcionais através de uma distribuição de forma justa por quem realmente precisa. O mesmo sucedeu, entretanto, com o destino dos montantes orçamentais disponíveis em virtude do cancelamento de diversos eventos desportivos, recreativos e culturais.

Entre as várias medidas apresentadas pelos eleitos do PSD na Assembleia Municipal, no último dia 20 de Junho, salientam-se as seguintes: “(i) devolução em vale comércio local, restauração ou serviços essenciais (água, luz ou gás) em 50% do valor correspondente ao IMI pago ou a pagar em 2020, para todas as empresas e empresários que foram obrigados a fechar devido ao estado de emergência; (ii) devolução em vale comércio local, ou prestadores de serviços essenciais de 25% do IMI, para empresas que tenham reduzido a sua atividade em 30% no âmbito da crise; (iii) devolução em vale comércio local restauração, ou prestadores de serviços essenciais (água, luz ou gás) correspondente em 20% o IMI a pagar pelas famílias em 2020; (iv) isenção do IMI em 2020 (com reflexo em 2021) às famílias que tenham perdido rendimentos na sequência do despedimento de algum elemento do agregado familiar por força da pandemia.”

Na resposta, o executivo camarário, na pessoa do seu presidente, recusou aquela proposta, remetendo para um parecer dos respeptivos serviços jurídicos sobre a isenção ou devolução dos impostos que, invocando o artigo 2.º da Lei 6/2020, concluiu que “não existe possibilidade, ao abrigo das medidas excepcionais de apoio Covid, para quaisquer impostos”. O normativo em causa define o regime excepcional para promover a capacidade de resposta das autarquias locais no âmbito da pandemia. Dispõe, desde logo, o mencionado artigo 2.º sob a epígrafe, “Isenções no âmbito do regime financeiro das autarquias locais e das entidades intermunicipais”, que o reconhecimento do direito à isenção de impostos municipais previsto no n.º 9 do artigo 16.º da Lei n.º 73/2013 é da competência da câmara municipal, dispensando-se em situações excepcionais, devidamente fundamentadas, e directamente relacionadas com as medidas de combate à COVID-19, a aprovação prévia habitual de regulamento pela assembleia municipal. Acrescenta o n.º 2, numa construção algo discutível, que o ali disposto não abrange quaisquer impostos previstos na Lei n.º 73/2013.

Sendo que, no normativo estabelecido pela Lei n.º 73/2013 o que se trata é, precisamente, de impostos e do procedimento definido para os isentar, parece-me, salvo melhor juízo, que, ao contrário do defendido pelos serviços jurídicos da Câmara, o que naquele n.º 2 se quererá dizer é que, tratando-se de impostos, não haverá dispensa da aprovação prévia de regulamento pela assembleia municipal, mas nunca que a isenção dos mesmos não é possível. Parece-me, por isso, que o entendimento apontado pelo executivo torrejano para recusar a proposta apresentada pelos representantes social-democratas não se afigura, desde logo, compatível com uma interpretação actualista, necessária no contexto tão difícil que atravessamos e em que todas as soluções justas e humanistas como esta encontrarão, certamente, de uma forma ou de outra, o mínimo de correspondência na lei.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  António Gomes Resíduos urbanos - antónio gomes