• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 02 Abril 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 18° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 21° / 5°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  19° / 6°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

ORA VIVA, SENHOR RADETZKY!

Opinião  »  2020-02-07  »  José Alves Pereira

"Hoje, por muitos lados, a Marcha Radetzky perdeu a sua conotação ideológica e política para se transformar numa expressão vibrante e apoteótica no final de concertos"

A celebração de um concerto musical pelo Ano Novo é um ritual que, iniciado em Viena (1939), se estende hoje por muitas salas e cidades. O espectáculo da Filarmónica Vienense, na sala do Musikverein, com transmissão televisiva para milhões de pessoas, riqueza ambiente, bailados e uma lento vaguear pela sala, nos seus dourados, candelabros e frisas, exibe-se também na assistência, revivendo um certo um passado nostálgico do fausto aristocrático. Nas peças tocadas a família Strauss, entre pai e filhos, preenche quase todo o programa, com polcas e valsas, finalizando com a conhecida Marcha Radetzky, da autoria de Johann Strauss I (pai). Mas, antes passamos pelos ousados volteios da valsa mais conhecida, “Danúbio azul”, da autoria de Johann Strauss II (filho mais novo). Pai e filho situavam-se em campos opostos da luta social. O pai, monárquico conservador, defensor da velha ordem, o filho, republicano, enfileirando pelas correntes liberais e revolucionárias. Diz-se que um dia foi detido pelas autoridades porque tocou publicamente a Marselhesa. Situemo-nos agora no ponto em que a música se cruza com a história mais geral e onde vamos encontrar o “nosso” Radetzky.
A monarquia absolutista da França de Luís XVI é abalada nos seus fundamentos pela revolução (1789), lançando a sociedade num turbilhão de conflitualidade. As monarquias conservadoras tremiam perante os desejos de mudança da classe burguesa em ascensão: comerciantes, artesãos, profissões liberais e intelectuais, etc. Em 1815, o czar da Rússia, imperador da Áustria e rei da Prússia, assinam um pacto de Santa Aliança, a que aderem quase todos reis da Europa, como forma de ajuda mútua em caso de revoltas internas.
O ano de 1848 foi data charneira de múltiplos conflitos e movimentações revolucionárias que estalaram praticamente em todos os países da Europa Central e Oriental, com reis e governantes das monarquias absolutistas abdicando. A 22 de Fevereiro, em França, o rei Luís Filipe deixa a coroa e exila-se em Inglaterra. Seguem-se a Prússia, Hungria, Alemanha, Estados italianos e Polónia. Relembre-se que, já em 1820, se deram revoluções liberais em Portugal e Espanha. Neste ano de 48, era publicado em Londres o “Manifesto do Partido Comunista”, de Marx e Engels, que traria um aporte ideológico às lutas dos trabalhadores.
Na Áustria, no dia 13 de Março 1848, trabalhadores, artesãos, burgueses, estudantes, rebelaram-se fazendo tremer a monarquia militar dos Habsburgos e o poder opressivo e tirânico, com mais de 30 anos, do chanceler Klemens Metternich, levando à sua demissão e exílio para Inglaterra. O imperador Ferdinando I ainda tentou algumas reformas para aplacar as revoltas, mas acabou também por abdicar. A administração de Viena ficou entregue a uma comissão de 24 cidadãos. Mas a velha ordem, depois de várias cedências tácticas, retornou violenta e repressiva, comandada entre outras pelas tropas do marechal de campo Joseph Radetzky, senhor de um longo percurso de campanhas militares que lhe valeram 146 condecorações. Morreu em 1858, com 91 anos de idade. Para comemorar os feitos do velho Marechal, foi contratado Johann Strauss I (pai), que compõe a que ficou conhecida como Marcha Radetzky. Esquecida a sua génese, é tocada hoje no final dos concertos num sinal festivo de comunhão colectiva, com o maestro virado para o público marcando a cadência e a intensidade das palmas.
Mas assim não foi, este ano, no La Fenice (Veneza), transmitido no canal ARTE. Quase todo o programa foi preenchido com árias de óperas de Puccini e de Verdi, este como expoente máximo cantado do Risorgimento italiano. Numa primeira fase, o Risorgimento (1848-49) deu-se pela acção de vários movimentos revolucionários que pretendiam a unificação da Itália, na altura um aglomerado de pequenos Estados dominados por potências estrangeiras.
Estas acções deram-se principalmente no norte do país, sendo ocupante o exército da Áustria e o seu comandante, que infligiu pesadas baixas aos revoltosos, o marechal de campo Radestzky, que restaura a autoridade austríaca nas províncias italianas. Um dos derrotados foi o rei da Sardenha, Carlos Alberto de Sabóia, que abdicando, acabou exilado no Porto (Portugal). Talvez isto explique o programa do concerto de ano novo 2020, no La Fenice, e o “viva Itália” e “viva Veneza” gritados no final pelo maestro sul-coreano Myung-Whun Chung. Ali, música vienense e muito menos o Radestzki não entra(ra)m. Opção musical ou ressentimento histórico?
Hoje, por muitos lados, a Marcha Radetzky perdeu a sua conotação ideológica e política para se transformar numa expressão vibrante e apoteótica no final de concertos, seja na Viena aristocrática e burguesa, nos Proms do Albert Hall de Londres, nos espectáculos de André Rieu ou na mais proletária Festa do Avante. A música também pode contribuir para superar desencontros históricos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Três efeitos virais »  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia

POLÍTICA E ECONOMIA. De um momento para o outro todo um modo de compreender a política se alterou. Por influência das duas principais constelações ideológicas nascidas do Iluminismo – o liberalismo e o marxismo – a política tinha, paulatinamente, sucumbido aos imperativos da economia.
(ler mais...)


Extraordinário »  2020-03-19  »  Rui Anastácio

A Henriqueta tem 14 anos, é minha filha e teve a delicadeza de me informar que quem diz extraordinário são os velhos. Claro está, que eu do alto dos meus 49 anos não me considero um velho e vivo sobretudo a pensar no futuro, frequentemente não vivendo o presente e sendo por isso extraordinariamente estúpido.
(ler mais...)


Carso, por Rui Anastácio »  2020-03-09  »  Rui Anastácio

Ao que parece, a CIM do Médio Tejo iniciou a colocação de sinalização da “Grande Rota do Carso”. Hoje, as grandes rotas podem ser um importante instrumento de desenvolvimento turístico. Em Portugal, temos o extraordinário exemplo da Rota Vicentina, que leva todos os anos muitos milhares de turistas, de todo o mundo, ao sudoeste alentejano e à costa vicentina.
(ler mais...)


Outra vez as estradas »  2020-03-07  »  António Gomes

A Assembleia Municipal de Torres Novas foi chamada a pronunciar-se sobre o estado das estradas do concelho e sobre uma solução apresentada pelo Bloco.
A proposta recomendava o levantamento rigoroso da dimensão da rede viária a necessitar de intervenção (o que existe é um levantamento feito pelas juntas de freguesia que nos diz que existem 126 estradas e ruas em mau estado), a abertura de um concurso público para empreitada a realizar nos próximos 3 anos e com um valor de 5 milhões de euros.
(ler mais...)


A SAGA / FUGA DE FRANCISCO DUARTE MENDES »  2020-03-07  »  José Alves Pereira

O título deste texto é uma adaptação, a partir de uma obra de ficção, do escritor galego Gonzalo Torrente Ballester, A Saga e Fuga de J.B. Como veremos, seria difícil encontrar um título que melhor correspondesse aos factos aqui reportados, sendo que são já poucos os viventes que de tal guardam memória.
(ler mais...)


Fabrióleo »  2020-03-07  »  Acácio Gouveia

As notícias sobre processos intentados pela Fabrióleo contra Pedro Triguinho merecem algumas reflexões. Pedro Triguinho, recorde-se, havia acusado a Fabrióleo de ser causadora de cancros na população vítima da poluição produzida por aquela empresa.
(ler mais...)


Um vírus abre uma fresta »  2020-03-06  »  Jorge Carreira Maia

Nos acontecimentos ligados à emergência do coronavírus, podemos dizer que há duas realidades ligadas acidentalmente. A primeira diz respeito à eventual pandemia, à facilidade do contágio que proporciona um mundo aberto e no qual toda gente viaja para todo o lado.
(ler mais...)


Terminal 3 em Tancos? Sim, era mesmo isto. »  2020-03-06  »  Jorge Salgado Simões

Portugal precisa de uma solução aeroportuária para Lisboa. O aeroporto Humberto Delgado está saturado, a sofrer obras que vão permitir aumentar ainda mais o tráfego aéreo na capital e que dão muito jeito à concessionária da ANA, mas que não resolvem o problema de base: aquela localização, no centro da cidade, não tem futuro, não tem capacidade, não é aceitável do ponto de vista da segurança ou da qualidade de vida dos milhares de residentes próximos.
(ler mais...)


Retratos, por Inês Vidal »  2020-03-03  »  Inês Vidal

Matilde é filha de um alfaiate que costurava togas para juízes em Coimbra e de uma modista de alta costura, responsável pelas criações que a mulher de Carmona vestia. Filipe é alentejano e foi atrás de Cristina, que chegou a Torres Novas.
(ler mais...)


Pau de dois bicos »  2020-02-22  »  Anabela Santos

Como sabemos, um pau de dois bicos tem dois lados, o positivo e o negativo. É normalíssimo que, ao longo da vida, se encontrem várias situações que consideramos trazerem, ao mesmo tempo, vantagens e desvantagens por variadas razões.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-03-06  »  Jorge Salgado Simões Terminal 3 em Tancos? Sim, era mesmo isto.
»  2020-03-07  »  Acácio Gouveia Fabrióleo
»  2020-03-06  »  Jorge Carreira Maia Um vírus abre uma fresta
»  2020-03-09  »  Rui Anastácio Carso, por Rui Anastácio
»  2020-03-07  »  António Gomes Outra vez as estradas