• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Do “Fique em casa – seja um agente de saúde pública” ao “Saia de casa – seja um agente de recuperação da economia”

Opinião  »  2020-04-17  »  Ana Lúcia Cláudio

"E se foi mais ou menos fácil convencer as pessoas a ficarem em casa, vai ser provavelmente mais difícil convencer algumas delas a sair"

A acrescer ao receio de ficar doente, uma das coisas que mais ansiedade causa nestes tempos sombrios de Covid 19 é não sabermos quando é que tudo isto acaba e quando é que poderemos voltar ao normal. Quanto tempo vai demorar até nos aproximarmos, minimamente, dessa normalidade que existia antes.

Depois da crise sanitária é fácil antever-se a crise económica que se vai seguir. “Lay offs” moratórias, subvenções, linhas de crédito e todas as estratégias para fazer face a quem se viu financeiramente afectado pelos efeitos da pandemia, ocupam já os noticiários e as páginas dos jornais. Algumas pessoas, talvez famílias inteiras, vão passar mal com o desemprego e a consequente falta de rendimentos. Muitas pessoas não voltarão, facilmente, à tal vida que tinham antes e enfrentarão grandes dificuldades.

E os outros? Aqueles que por terem trabalhos mais estáveis e que de certa forma permaneceram incólumes a esta crise? Será que esses vão voltar a fazer o que faziam antes? Será que pelo facto de terem sido financeiramente pouco afectados, o impacto emocional não irá condicionar o seu “modus operandi” no regresso à desejada normalidade? Será que uma vez abertas as portas, vamos sair com vontade de comer o mundo ou vamos retrair-nos com receio que o mundo nos coma a nós outra vez?

Neste momento, estamos numa situação em que para taparmos a cabeça, destapamos os pés. Em se, por um lado nos regozijamos pelo planalto que afastou o cenário de tragédia dos picos exponenciais que outros países viveram, isso significa, por outro, que estamos longe de uma percentagem razoável de imunização. Ou seja, a maior parte das pessoas não contraiu o vírus, continuando por isso a ser um alvo potencial da doença.

E se foi mais ou menos fácil convencer as pessoas a ficarem em casa, vai ser provavelmente mais difícil convencer algumas delas a sair, com o receio de que se deite tudo a perder. Porque o vírus vai continuar a andar nas ruas e a ameaçar as nossas vidas.
Um assunto tratado com pinças pelos responsáveis políticos que colocam, permanentemente, as duas coisas nos pratos da balança e tentam encontrar um equilíbrio entre o risco de uma economia parada e o perigo de um novo golpe na saúde pública.

E será que, depois deste período que nos pareceu tão longo, vamos regressar logo às rotinas habituais e aos pequenos luxos do quotidiano? Ou percebemos que até podemos viver bem sem eles? Como aquela história que me contavam em criança sobre um primo afastado que a mãe colocou de castigo no quarto, sem poder sair durante um período de tempo, e quando finalmente achou que ele podia ir à sua vida, o petiz, orgulhoso, respondeu: “Agora não quero. Estou aqui tão bem!” Esta atitude algo caricatural pode caracterizar os dias imediatamente a seguir. Mas, aos poucos, desconfio que vamos recuperar a tal normalidade. Até porque a nossa memória é curta e rapidamente voltaremos aos restaurantes, aos cafés, aos cabeleireiros, aos cinemas e às discotecas, às férias cá dentro e no estrangeiro. E, no fundo, isso revestir-se-á (para quem pode) de um espírito de missão para revitalizarmos a economia e com isso ajudarmos também quem de momento não pode voltar, rapidamente, a poder.
Dentro de dias, o slogan: “Fique em casa – seja um agente de saúde pública”, terá de dar lugar a um novo “Saia de casa – seja um agente de recuperação da economia”.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia