• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 06 Abril 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 19° / 13°
Céu muito nublado com chuva moderada
Qua.
 19° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  19° / 12°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Três efeitos virais

Opinião  »  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia

"Além da tragédia humana, haveria uma tragédia civilizacional se a política voltasse ao primeiro lugar, mas assente na herança de Hobbes e no despedimento da democracia política por maus serviços."

POLÍTICA E ECONOMIA. De um momento para o outro todo um modo de compreender a política se alterou. Por influência das duas principais constelações ideológicas nascidas do Iluminismo – o liberalismo e o marxismo – a política tinha, paulatinamente, sucumbido aos imperativos da economia. Sem ameaças no horizonte, os homens pensam nos seus interesses, nos negócios que promovem ou na escassez de que se sentem vítimas na distribuição do bolo produtivo. Na verdade, as eleições ganhavam-se ou perdiam-se devido às conjunturas económicas e a qualidade das políticas tinha como núcleo central a economia. Agora, ninguém pensa na economia, na distribuição de rendimentos, seja no que for. Toda a gente reza para que a gestão política seja eficaz na oposição à ameaça viral. Primeiro vem a política, depois a economia, como deveria acontecer sempre. Quanto tempo vamos levar para esquecer esta dura lição?

HOBBES E LOCKE. Duas narrativas modernas alimentam as explicações do laço político que une as pessoas em comunidades dotados de Estado. Por um lado, a de Thomas Hobbes. Os homens associam-se num Estado, fundamentalmente, para poderem viver em segurança, sacrificando a esta tudo. Por outro, a de John Locke. O Estado existe para defender os nossos direitos naturais e assegurar uma arbitragem justa nos conflitos. Enquanto a vida corre sem problemas, a explicação de Locke parece imbatível. O que o coronavírus mostra, porém, é outra coisa. A segurança hobbesiana em primeiro lugar. Não que, neste momento, estejamos à beira da guerra de todos contra todos, mas estamos em guerra com uma ameaça em que todos podem ser os seus portadores. Todos somos suspeitos e, de certa maneira, lobos uns dos outros, apesar da solidariedade inegável que tem percorrido o país.

DEMOCRACIA E AUTORITARISMO. O que se está a passar é um teste de stress para todos os regimes políticos que têm de lidar com a situação. As democracias, pela sua própria natureza, são mais atreitas a problemas se este combate à insegurança sanitária correr mal. A Itália parece perdida, muitos dos países europeus apresentam sintomas de confusão e as duas mais sólidas democracias liberais não têm à sua frente nem um Churchill nem um Roosevelt. É possível que os regimes democráticos estejam num combate decisivo pela sua própria vida, eles que estão já infectadas pelo vírus do autoritarismo. Para além da tragédia humana, haveria uma outra tragédia civilizacional se a política voltasse ao primeiro lugar, mas assente na herança de Hobbes e no despedimento da democracia política por maus serviços.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Barbárie ou bem comum »  2020-04-05  »  João Carlos Lopes

O perigoso anarquista e cripto-comunista Papa Francisco já tinha dito e vem dizendo, desde 2013, que “esta economia mata”. Mais recentemente, na saudação ao Ano Novo e falando de paz, desmascarou a hipocrisia dos países e governantes que enchem a boca de paz e todos os anos aumentam escandalosamente as despesas com armamento e com os seus exércitos.
(ler mais...)


Estudar em casa »  2020-04-05  »  Anabela Santos

Devido às Covid-19, este mal que assombra todo o mundo em geral, cerca de dois milhões de alunos, em Portugal, foram retirados da escola e enviados para casa onde, até ao dia de hoje, têm de permanecer, sabendo que “não estão de férias”, como afirma Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação.
(ler mais...)


E depois do “corona”? »  2020-04-05  »  António Gomes

Não se conhece a cura para o corona vírus. Mandaram-nos ficar em casa para fazer o combate. E é assim mesmo. Não havendo cura, o melhor é apostar na prevenção. O isolamento social é pois o melhor remédio.
(ler mais...)


Intervalo »  2020-04-05  »  Jorge Salgado Simões

O que mais me impressiona nos últimos dias é o silêncio. A sensação de que alguém carregou num botão e que, de repente, travámos a fundo, como se tudo isto fosse um grande intervalo indefinido.
(ler mais...)


OS VENTOS DA NOSSA INQUIETAÇÃO »  2020-04-05  »  José Alves Pereira

Os tempo preocupantes que vivemos não são propícios a pensamentos e análises com lucidez e serenidade, mergulhando-nos em múltiplos casos colaterais, em detrimento do essencial. Teorias da conspiração, responsabilizações de países e entidades num clima em que a desorientação e o medo levam a um irracional desabafar de sentimentos, transportando por arrastão, de forma descontextualizada, modos de vida e de sociabilidade.
(ler mais...)


Não há fartura que não dê em fome »  2020-04-05  »  Maria Augusta Torcato

Eu sei que o ditado popular é ao contrário, “não há fome que não dê em fartura”. Mas, aqui, na realidade que hoje vivemos , e dependendo da perspetiva de análise, creio que se aplica melhor o inverso.
(ler mais...)


Fico em (que) casa »  2020-04-05  »  Ana Lúcia Cláudio

“Quando, no dia 31 de dezembro de 2019, ao comer aquela passa, desejei passar mais tempo com a minha família, não era bem nisto que estava a pensar” - É uma das muitas frases com alguma graça que circula por estes dias nas redes sociais, provando que o terror psicológico da gestão de um vírus e dos seus efeitos colaterais ainda consegue aguçar a criatividade e o sentido de humor.
(ler mais...)


Um arco-íris em tons de cinza, por Inês Vidal »  2020-04-05  »  Inês Vidal

Por estes dias, pedi às minhas filhas que pintassem um arco-íris para pendurarmos na porta de casa. Algo que dissesse, em todas as línguas latinas, e a quem por ali passasse, “vai ficar tudo bem”. No fundo, acho que me queria sentir uma boa mãe, daquelas que passaram os últimos quinze dias em casa a fazer de ponte entre seus filhos, uma escola fechada e uma resma de aulas online que mais parecia trabalhos forçados.
(ler mais...)


Uma comunidade de seres racionais »  2020-04-04  »  Jorge Carreira Maia

A senhora Thatcher terá escrito, num livro de memórias sobre o tempo em que foi primeira-ministra, que “não existe essa coisa de sociedade, o que há e sempre haverá são indivíduos”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-03-09  »  Rui Anastácio Carso, por Rui Anastácio
»  2020-03-19  »  Rui Anastácio Extraordinário
»  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia Três efeitos virais
»  2020-04-05  »  Inês Vidal Um arco-íris em tons de cinza, por Inês Vidal
»  2020-04-05  »  Maria Augusta Torcato Não há fartura que não dê em fome