• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Fico em (que) casa

Opinião  »  2020-04-05  »  Ana Lúcia Cláudio

"Mas estes tempos são difíceis também para quem vive no seio de uma família (aparentemente) “normal”"

“Quando, no dia 31 de dezembro de 2019, ao comer aquela passa, desejei passar mais tempo com a minha família, não era bem nisto que estava a pensar” - É uma das muitas frases com alguma graça que circula por estes dias nas redes sociais, provando que o terror psicológico da gestão de um vírus e dos seus efeitos colaterais ainda consegue aguçar a criatividade e o sentido de humor.

Na verdade, estes dias que passamos confinados a isolamento, quarentena, encerro, prisão domiciliária ou qualquer outra expressão que pretenda significar que a vida que tínhamos até aqui, com todos os hábitos e rotinas que a caraterizavam, ficou em pausa, não são fáceis para ninguém.

“Fique em casa” é uma ordem e uma espécie de senha que, se noutra altura, podia soar a um conselho agradável, agora semeia o terror nas nossas cabeças. Porque o estar em casa de modo permanente e involuntário é difícil para todos, seja qual for a sua situação pessoal ou familiar.

A começar, desde logo, por aqueles que não têm casa o que levou municípios como Lisboa a adaptarem os seus planos de contingência à realidade dos sem-abrigo. Mas é difícil também para os que vivem sozinhos e que se vêm obrigados a um isolamento agora mais permanente, mas pouco diferente daquele a que muitas vezes a sociedade egoísta em que vivemos já os votava.

Dificuldade acrescida e estado de alerta para quem (con)vive com agressores e agora neste momento de tensão confinado 24h sobre 24h, com o seu carrasco se encontra ainda mais à mercê da sua (má sorte). O receio de que o número de casos de violência doméstica aumente de uma forma exponencial é, assim, grande, uma vez que todo este stresse psicológico que se sente nesta altura é um rastilho para as agressões no seio familiar.

Mas estes tempos são difíceis também para quem vive no seio de uma família (aparentemente) “normal”. Dizem as estatísticas que é em Setembro, depois de um período de férias e de convivência mais intensa, que se verifica o maior número de divórcios. Na agitação do dia-a-dia os casais mal se cruzam e portam-se quase como desconhecidos, mas, quando confrontados com a presença permanente do outro, descobrem que afinal aquele outro não lhe faz sentido. Neste momento, estão enjaulados, o que ainda agrava mais a situação.

Também para os que já se encontram divorciados e que têm filhos em comum esta situação não é fácil. Não obstante o decreto do Governo, que regulamenta o estado de emergência, prever a circulação de pais que estejam em regime de guarda partilhada, por uma questão de saúde pública, a Associação Portuguesa para a Igualdade Parental recomenda que as crianças transitem entre residências o menor número de vezes possível, o que será, naturalmente, quer causa de sobrecarga para um dos progenitores, quer gerador de conflitos, se não imperar o bom senso.

E, por último, difícil para todos os que encerrados sozinhos ou com a sua família nuclear sofrem pela distância dos respetivos progenitores ou outros familiares mais velhos, grupo de altíssimo risco nesta doença, tendo inclusive muitos deles colocado os descendentes com os nervos em franja com a resistência que ofereciam em ficarem a casa, quando à solta anda um vírus que ameaça a sua saúde.

Estamos, pois, perante uma alteração brutal nas nossas vidas que se torna tanto mais assustadora quanto maior é a incerteza de quando é que isto tudo irá passar. Confinados a quatro paredes, tentemos ultrapassar com distinção este verdadeiro teste à nossa paciência e à nossa resistência emocional.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia