• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 11 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 24° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 22° / 11°
Céu nublado
Seg.
 22° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  20° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A polémica das sobras ou as sobras da polémica - acácio gouveia

Opinião  »  2021-03-08  »  Acácio Gouveia

“É de sábios mudar de opinião”, Miguel Cervantes

 O ruído provocado pelo uso de “sobras” da vacina anticovid merece-me alguns esclarecimentos, enquanto profissional envolvido no processo. Muitos dos comentários que têm vindo a público são injustos, ainda não dolosamente, já que são proferidos no desconhecimento da complexidade e exigência dos procedimentos desta vacina. Desde já fique assente que, por igualmente estar eu ignorante (e exclusivamente por este motivo) dos contornos do caso específico do vereador Carlos Ramos, me abstenho de tomar posição sobre esse episódio em particular.

Para que os leitores tenham uma ideia do que estamos a falar, começo por dizer que a simples manipulação de cada ampola desta vacina é executada por dois enfermeiros, caso único no que se refere a vacinas. De cada ampola podem ser retiradas seis doses, sendo necessária alguma perícia para não ficarmos pelas cinco. Estas doses, uma vez preparadas, devem ser administradas nos locais onde foram preparadas, não podendo ser transportadas para outros locais, sem tolerância para delongas. Assim sendo, os candidatos à vacinação deveriam ser agrupados em múltiplos de seis para evitar desperdícios de um bem que, além de caro, é escasso.

Na fase actual da vacinação, em que estamos a chamar a população para ser vacinada, é fácil agrupá-la em múltiplos de seis (ainda que, mesmo assim, tenhamos de contar com faltosos, ou utentes excluídos à entrada por apresentarem condições que desaconselhem vacinação). Contudo, aquando da campanha de vacinação em casas de acolhimento e instituições (a que gerou polémica), previsivelmente, só numa em cada seis encontraríamos grupos múltiplos de seis. Relembro que as “sobras” não se podiam guardar ou sequer transportar para outro local. Por outro lado, passar utentes de uma instituição para outra, com o fito de constituir grupos múltiplos de seis, está fora de questão em tempos de pandemia.

Perante estas apertadas regras restam duas soluções quando se verifica que a instituição em causa não apresenta uma lista de candidatos múltipla de seis (quase 83% das situações, segundo nos ensina a estatística mais básica): a primeira, inaceitável, desperdiçar um considerável número de doses de vacina; a segunda, planear o uso das chamadas “sobras” preenchendo os grupos não múltiplos de seis com outras pessoas exteriores ao universo dos seus utentes ou trabalhadores. Foi este o expediente usado para vacinar parte dos profissionais de saúde dos centros de saúde do ACES. Mas, como se nos deparam imprevistos no terreno, é frequente sobrarem uma ou duas doses que urge usar em alguém, se possível, pessoas preenchendo os critérios. Se tal não for possível, é licito aplicá-las na primeira pessoa elegível, independente de quaisquer critérios.

Em Torres Novas, vacinámos deste modo um pequeno número de bombeiros, antes mesmo do programado para esse grupo, ao contrário do que li na imprensa local. Insisto: não sendo possível cumprir prioridades, vacinar alguém, nem que seja a primeira pessoa que vá a passar na rua, é o correcto. Vacina desperdiçada não traz proveito aos putativos preteridos. Portanto, fica claro que a complexidade e relativa rapidez com que o processo de vacinação deve progredir entram em conflito com respeito pelos critérios de prioridades rígidos.

É óbvio que nada do que foi explicado dá cobertura a vários casos de ética muitíssimo duvidosa e que foram relatados pela comunicação social. Mas vacinar membros da direcção de instituições ou seus familiares não me parece condenável, antes de se esclarecer qual o seu grau de exposição a riscos ou se exercem voluntariado nesses locais. Quero dizer: não podemos meter no mesmo saco pessoas que, tudo leva a crer, foram incluídas abusivamente em listas de vacinação sem qualquer razão aceitável e aqueles que o foram por boas razões ou os que tendo em conta as circunstâncias, mais não fizeram que evitar desperdício.

Não posso terminar sem referir o desconsolo que este bruaá causou entre os profissionais dos cuidados de saúde primários. A vacinação contra a covid levada a cabo nas instituições de solidariedade social foi a mais complexa de todas, não se comparando às efectuadas nos hospitais, noutras instituições, ou a presente vacinação da população não institucionalizada. Exigiu um planeamento difícil e meticuloso, ao ponto de ter obrigado a providenciar refeições para as equipes no terreno, e envolveu todos os grupos de profissionais dos centros de saúde, com especial relevo para o sector da enfermagem. Implicou a articulação com a protecção civil (contrariamente ao que vi escrito), bombeiros e autarquia, que forneceu as instalações onde funcionou mais de 12 horas por dia um centro de comando indispensável ao bom prosseguimento das operações. Traduziu-se por um esforço suplementar para os cuidados de saúde primários. O profissionalismo e o sentido de responsabilidade com que todos, desde a direcção do ACES a todos os que actuaram no terreno, não esquecendo os elementos exteriores aos centros de saúde, se empenharam nesta operação foi ofuscado pela denúncia de uns tantos casos deploráveis e outros tantos injustamente a eles associados. Resumindo: da vaga, somente sobrou a espuma da polémica, o acessório.

 

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorga carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)


Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes »  2021-03-23  »  João Carlos Lopes

Dir-se-ia, de uma câmara socialista, esperar que se perseguissem os valores e ideais que aqui e ali, somados, vão concorrendo para um mundo melhor e para uma relação mais harmoniosa e avançada entre todos e tudo o que habita uma casa comum que é o território natural de um pequeno concelho.
(ler mais...)


Depois de casa roubada, trancas à porta - antónio gomes »  2021-03-20  »  António Gomes

Na política, ou se tem ideias, rasgo e capacidade de antecipação para marcar a diferença, ou andamos sempre no rengo-rengo.

As vítimas da pandemia estão aí, agora com maior visibilidade, mais desemprego, mais encerramentos de pequenas empresas, comércio, restauração, serviços, trabalhadores independentes sem rendimentos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-03-20  »  Carlos Paiva São rosas, senhor - carlos paiva