• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 08 Dezembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 14° / 5°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 15° / 5°
Períodos nublados
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  15° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música

Opinião  »  2019-03-22  »  Ana Sentieiro

É com alguma indignação entrelaçada com revolta que exponho um assunto secundário numa panóplia de assuntos, dos quais, o salário do Ronaldo agarra o protagonismo e leva-o de férias para a Grécia no seu jato privado, com direito a champanhe e não espumante! Parece que ninguém está interessado em dar relevo à falta de cultura musical dos millennials.

É importante referir que pertenço orgulhosamente a este grupo geracional destinado à mediocridade das notas musicais. Porém, fui forçada a crescer num ambiente poluído pois os meus pais fumavam solos de guitarra dos Pink Floyd, agudos do Prince, batidas dos AC/DC, snifavam qualquer coisa com Rolling Stones, Foreigner ou The Police e mantinham a janela fechada para evitar qualquer interferência exterior na pura loucura que a música despertava.

Hoje entro no carro, ligo a rádio e salto de estação em estação ao ritmo de Led Zepplin à procura de fugir ao Diogo Piçarra, Fernando Daniel ou Annita. Entro no bar e tenho o Kevinho a servir bebidas, Shawn Mendes a limpar as casas de banho e Katy Perry a beijar o moreno atraente. A discoteca abarrota de animação e fracos passos de dança. O pessoal escorrega em letras intelectualmente pensadas e harmonias trabalhadas com exaustão. Será que as metáforas entraram em vias de extinção e os cantores ficaram restringidos a uma por álbum?

São cinco da manhã, o DJ quer encerrar a loja, a clientela já não sabe distinguir um brócolo de um alho francês: é altura de tocar I want to break free dos Queen e expulsar esta malta, com falta de gosto musical, daqui para fora!

Confesso que me entristece o sentido da corrente cultural, ao sabor da qual, todos nós, millennials, abanamos a cabeça e batemos o pé inconsciente. Sinto vergonha da herança que deixaremos às gerações futuras: pouca e má! Deixamos uma garrafinha de vinho barato, possivelmente um pouco azedo... Mas era entre isso ou um candeeiro fundido do ikea.

Não me parece justo! O universo deveria distribuir os prodígios musicais ao longo das gerações. Ao invés, fez chover um aglomerado deles entre os anos 60 e 80, deixando os restantes numa seca aborrecida e um pouco dolorosa. A culpa foi das Spice Girls! Os outfits coloridos e sensuais distraíram os músicos. Redefiniram o conceito de espetáculo, introduzindo dois novos instrumentos (glitter e padrão tigresa) e colocando os primogénitos de cordas, sopro e percussão no background, onde a luz é suave e a visibilidade não atrapalha as acrobáticas coreografias.

O engraçado é que nós, millennials, vestimos t-shirts com a icónica língua, a cara de Freddie Mercury, o emoji deformado com cruzes nos olhos e língua de fora, quatro tipos a passar na passadeira e o cabelo com condicionador do Kurt Cobain, e não sabemos conjugá-las com um casaco de soul, umas calças de groove ou um par de blues.
Penso que a própria materialidade da música influencia a sua criação e posterior absorção. Conto pelos dedos, o número de álbuns que tenho e que dormem sossegados na penúltima gaveta do móvel do meu quarto. Os meus pais, pelo contrário, decoram a parede do escritório com álbuns: originais, live e acústicos. Para eles, a música ouve-se no toque pois está no estado sólido: podem aquecer-se com ela, abraçá-la, atirá-la à cabeça do amigo estúpido ou polvilhar o arroz com ela. A música que oiço está na net: é um sistema prático e individualizado, no entanto, encontra-se no estado gasoso. O ponto de ebulição, neste caso, atingiu-se à temperatura Bill Gates.

Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música: coloco-os e ninguém repudiará a minha playlist, porque não a ouvem. Na época dos meus pais, a música ouvia-se alto e com total transparência. Estavam sujeitos ao julgamento social e, como tal, elevavam o seu nível musical, transformando-se em mestres versáteis e confiantes da área.

A diferença entre a minha geração e a dos meus pais não é uma gap...é, na verdade, um calabouço, com a largura de um vale e a profundidade de um poema de Fernando Pessoa. A passagem entre ambas é violenta: como se nos atirássemos de um penhasco e caíssemos de chapa nas águas gélidas do Atlântico, que se encontram paradas, criando uma superfície brutamente flat. O ouvido ficará irreversivelmente danificado. O lado positivo é que poderão sair à rua com umas leggings padrão tigresa e glitter na cara e, posteriormente, tirar uma selfie e partilhar nas redes sociais, acompanhada com uma batata à espanhola...Ai, desculpem, uma balada à espanhola!

 

 

 Outras notícias - Opinião


A questão ambiental »  2019-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A generalidade dos cidadãos, onde se incluem as elites políticas, não tem qualquer capacidade para julgar se as alterações climáticas em curso são de origem humana ou se são apenas efeitos de uma alteração do clima que ocorre independentemente das acções humanas.
(ler mais...)


No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados” »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas.
(ler mais...)


Há um elefante na sala: o ensino superior da região! »  2019-12-05  »  Jorge Salgado Simões

Podemos não falar do assunto. Podemos todos ir pensando nisto sem dizer o que quer que seja, ou fazer do tema não mais do que uma conversa de café, para não melindrar ninguém.

Temos um problema na região com o ensino superior público: dois Institutos Politécnicos, Tomar e Santarém (IPT e IPS), demasiado pequenos e demasiado sozinhos, desligados entre si, pouco atrativos, pouco diferenciadores e com uma sustentabilidade mais do que duvidosa.
(ler mais...)


A biblioteca no mercado semanal »  2019-12-05  »  António Gomes

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes mudou-se para o mercado, literalmente. Às terças, quinzenalmente, é lá que se encontra.

Misturar as couves, as cebolas, o pão, o queijo, as flores e as pessoas com os livros é uma ideia que deve ser valorizada e apreciada.
(ler mais...)


O senhor da maquineta »  2019-12-05  »  Anabela Santos

Estamos no outono, muito perto da chegada do inverno. Uma estação bonita, de cores únicas, temperatura amena e blá, blá, blá… tudo de bom para dizer desta época do ano.

É também a altura em que as árvores de folha caduca se despem totalmente e deixam os seus ramos apanhar sol, ganhando assim força até à chegada da primavera, momento em que nos presenteiam, novamente, com a sombra das suas folhas.
(ler mais...)


A cantiga é uma arma... »  2019-11-29  »  Hélder Dias

O desafio da direita democrática »  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia

Comecemos pelo trivial, mas que muitas vezes é esquecido. O papel do PSD e do CDS tem sido fundamental para a consolidação de um regime democrático-liberal no nosso país. Uma democracia representativa não pode subsistir sem a existência de pluralidade política e de partidos de direita e de esquerda.
(ler mais...)


Deixaram morrer a tarambola »  2019-11-21  »  António Gomes

Pode dizer-se que é desolador, uma tristeza, que não querem saber, quem pode não quer, está tudo desprezado, é uma grande irresponsabilidade, é um desconsolo e mais uns quantos adjectivos, mas creio que é mais do que isso e mais grave.
(ler mais...)


Eu é que sei »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.
(ler mais...)


Nazismo e comunismo »  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia

No mês passado o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de condenação dos regimes nazi e comunista. Na verdade, ambos os regimes perseguiram e mataram adversários e o Estado teve neles uma configuração totalitária.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia Nazismo e comunismo
»  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia O desafio da direita democrática
»  2019-11-21  »  António Gomes Deixaram morrer a tarambola
»  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro Eu é que sei
»  2019-11-29  »  Hélder Dias A cantiga é uma arma...