• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 13 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 28° / 15°
Períodos nublados
Sáb.
 28° / 16°
Períodos nublados
Sex.
 28° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  30° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música

Opinião  »  2019-03-22  »  Ana Sentieiro

É com alguma indignação entrelaçada com revolta que exponho um assunto secundário numa panóplia de assuntos, dos quais, o salário do Ronaldo agarra o protagonismo e leva-o de férias para a Grécia no seu jato privado, com direito a champanhe e não espumante! Parece que ninguém está interessado em dar relevo à falta de cultura musical dos millennials.

É importante referir que pertenço orgulhosamente a este grupo geracional destinado à mediocridade das notas musicais. Porém, fui forçada a crescer num ambiente poluído pois os meus pais fumavam solos de guitarra dos Pink Floyd, agudos do Prince, batidas dos AC/DC, snifavam qualquer coisa com Rolling Stones, Foreigner ou The Police e mantinham a janela fechada para evitar qualquer interferência exterior na pura loucura que a música despertava.

Hoje entro no carro, ligo a rádio e salto de estação em estação ao ritmo de Led Zepplin à procura de fugir ao Diogo Piçarra, Fernando Daniel ou Annita. Entro no bar e tenho o Kevinho a servir bebidas, Shawn Mendes a limpar as casas de banho e Katy Perry a beijar o moreno atraente. A discoteca abarrota de animação e fracos passos de dança. O pessoal escorrega em letras intelectualmente pensadas e harmonias trabalhadas com exaustão. Será que as metáforas entraram em vias de extinção e os cantores ficaram restringidos a uma por álbum?

São cinco da manhã, o DJ quer encerrar a loja, a clientela já não sabe distinguir um brócolo de um alho francês: é altura de tocar I want to break free dos Queen e expulsar esta malta, com falta de gosto musical, daqui para fora!

Confesso que me entristece o sentido da corrente cultural, ao sabor da qual, todos nós, millennials, abanamos a cabeça e batemos o pé inconsciente. Sinto vergonha da herança que deixaremos às gerações futuras: pouca e má! Deixamos uma garrafinha de vinho barato, possivelmente um pouco azedo... Mas era entre isso ou um candeeiro fundido do ikea.

Não me parece justo! O universo deveria distribuir os prodígios musicais ao longo das gerações. Ao invés, fez chover um aglomerado deles entre os anos 60 e 80, deixando os restantes numa seca aborrecida e um pouco dolorosa. A culpa foi das Spice Girls! Os outfits coloridos e sensuais distraíram os músicos. Redefiniram o conceito de espetáculo, introduzindo dois novos instrumentos (glitter e padrão tigresa) e colocando os primogénitos de cordas, sopro e percussão no background, onde a luz é suave e a visibilidade não atrapalha as acrobáticas coreografias.

O engraçado é que nós, millennials, vestimos t-shirts com a icónica língua, a cara de Freddie Mercury, o emoji deformado com cruzes nos olhos e língua de fora, quatro tipos a passar na passadeira e o cabelo com condicionador do Kurt Cobain, e não sabemos conjugá-las com um casaco de soul, umas calças de groove ou um par de blues.
Penso que a própria materialidade da música influencia a sua criação e posterior absorção. Conto pelos dedos, o número de álbuns que tenho e que dormem sossegados na penúltima gaveta do móvel do meu quarto. Os meus pais, pelo contrário, decoram a parede do escritório com álbuns: originais, live e acústicos. Para eles, a música ouve-se no toque pois está no estado sólido: podem aquecer-se com ela, abraçá-la, atirá-la à cabeça do amigo estúpido ou polvilhar o arroz com ela. A música que oiço está na net: é um sistema prático e individualizado, no entanto, encontra-se no estado gasoso. O ponto de ebulição, neste caso, atingiu-se à temperatura Bill Gates.

Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música: coloco-os e ninguém repudiará a minha playlist, porque não a ouvem. Na época dos meus pais, a música ouvia-se alto e com total transparência. Estavam sujeitos ao julgamento social e, como tal, elevavam o seu nível musical, transformando-se em mestres versáteis e confiantes da área.

A diferença entre a minha geração e a dos meus pais não é uma gap...é, na verdade, um calabouço, com a largura de um vale e a profundidade de um poema de Fernando Pessoa. A passagem entre ambas é violenta: como se nos atirássemos de um penhasco e caíssemos de chapa nas águas gélidas do Atlântico, que se encontram paradas, criando uma superfície brutamente flat. O ouvido ficará irreversivelmente danificado. O lado positivo é que poderão sair à rua com umas leggings padrão tigresa e glitter na cara e, posteriormente, tirar uma selfie e partilhar nas redes sociais, acompanhada com uma batata à espanhola...Ai, desculpem, uma balada à espanhola!

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-18  »  José Mota Pereira TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  João Carlos Lopes Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  Mariana Varela Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela