• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ler os nossos escritores - jorge carreira maia

Opinião  »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

"É preciso que os cidadãos tomem nas suas mãos a memória da sua literatura."

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago. No entanto, a ficção portuguesa não vive apenas dos autores canónicos, um pequeno número que se distingue pela diferenciação das suas obras. Hoje ainda se ouve falar de Ferreira de Castro e Aquilino Ribeiro, Vergílio Ferreira e Agustina Bessa Luís, de Jorge de Sena e José Cardoso Pires. Há, todavia, um número muito significativo de autores de especial competência que começam a desaparecer da memória colectiva.

Rodrigues Miguéis, Augusto Abelaira, Urbano Tavares Rodrigues, Fernando Namora, Fernanda Botelho, Joaquim Paço d’Arcos, Maria Judite de Carvalho, Nuno Bragança, José Régio, Carlos de Oliveira, Rúben A, todos estes escritores ainda são conhecidos, terão leitores, mas a sombra do esquecimento cai já sobre eles. Desde o século XIX que Portugal produziu imensos romancistas, novelistas e contistas. Não serão todos excepcionais, mas a maioria tem obras interessantes e que nos dão a ver aquilo que somos. Merecem ser lidos por vários motivos. Em primeiro lugar, porque será possível encontrar na sua leitura prazer estético e tratamento depurado da língua portuguesa. Serão também um complemento ao conhecimento histórico do que temos sido. A História lida com a factualidade, com os acontecimentos, mas a ficção dá-nos a ver o que desejámos, o que nos fez sofrer e o que nos incitou a enfrentar obstáculos e a viver.

Um estudo recente mostra que os alunos do terceiro ciclo e do ensino secundário lêem cada vez menos. Temo que os jovens adultos e as gerações na casa dos quarenta e cinquenta anos sigam pelo mesmo caminho. O esquecimento dos nossos escritores e a desistência da leitura serão dois fenómenos que andam de mãos dadas e que deveriam merecer a maior das atenções da sociedade civil e dos cidadãos, mais até do que do Estado. É preciso que os cidadãos tomem nas suas mãos a memória da sua literatura. É preciso ler porque isso proporciona prazer e amplia a nossa capacidade de interpretar o mundo. É preciso ler os nossos escritores, os do cânone, mas também os outros, porque ali está a raiz da nossa imaginação, porque ali está um poder para, confrontando-nos com essas visões do mundo, termos capacidade para nos reinventar no presente e nos imaginar um futuro. A literatura também serve para isso.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia