• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 09 Maio 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 20° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 18° / 9°
Períodos nublados
Seg.
 17° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  19° / 11°
Períodos nublados com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela

Opinião  »  2020-07-18  »  Mariana Varela

"Como nos sentiríamos se fôssemos obrigados a abandonar o lugar onde nascemos e crescemos?"

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção. Mas, a realidade miserável em que estas pessoas vivem permanece, aumentando, assim, as necessidades de fuga e de acolhimento por parte de países estrangeiros.

Não podemos confundir o refugiado e o imigrante, pois a sua situação legal é bem diferente, tal como aquilo que o leva a sair do seu país de origem, deixando para trás tudo o que construiu, o seu lar, a sua família e amigos, sem garantia de retorno. A insegurança e perigo a que estas pessoas estão condenadas, por força de guerras civis e conflitos antigos, discriminação e perseguição em função da raça, orientação sexual ou nacionalidade, coloca-as num beco sem saída, não tendo outra escolha senão continuar a correr riscos (tais como as viagens para os países de acolhimento, sem quaisquer condições, em que muitos ficam para trás), em prol da dignidade e segurança de que qualquer ser humano carece.

Para além de segurança física e meios de sobrevivência, aqueles que se refugiam procuram bem-estar, saúde e educação, para si e para os seus. No entanto, como se já não bastasse o panorama terrífico a que estão sujeitos, também a resposta a nível global não é a melhor. Os refugiados, ainda que acolhidos por uma grande quantidade de países, concentram-se essencialmente em territórios que enfrentam situações de pobreza, como a África, o sul da Ásia, a Jordânia, o Paquistão, entre outros, assistindo-se a um enorme desequilíbrio na sua distribuição pelo mundo, sobrecarregando comunidades em situações já frágeis e obrigando muitas pessoas a viver em campos de refugiados por longos períodos de tempo.

A crença nas implicações económicas que o acolhimento de refugiados pode ter, a discriminação de que a comunidade muçulmana é alvo, interferem na abertura e receptividade global, no acolhimento atencioso e cuidado, no proporcionar de iguais oportunidades e igual tratamento e na integração destas pessoas. Ainda que as leis internacionais de proteção consagrem direitos fundamentais aos refugiados (como o direito à segurança, que se traduz na proibição de enviar novamente refugiados para o país de origem, caso isso coloque em causa a sua segurança) e que organizações mundiais colaborem para melhorar esta situação, ainda há um longo caminho a percorrer no sentido da melhoria de qualidade de vida dos refugiados e do seu estatuto, bem como da transformação de mentalidades para que se atinja uma consciência global destas problemáticas e uma verdadeira cooperação e sentido de humanidade.

Para isso, nada melhor do que calçar os sapatos dos outros. Como é viver como um refugiado? Quais as consequências, a curto e longo prazo? Como nos sentiríamos se fôssemos obrigados a abandonar o lugar onde nascemos e crescemos, sem qualquer promessa de um dia voltar? Mais do que acolher, é importante acolher bem, oferecer a ajuda psicológica necessária, favorecer a integração, respeitar a sua cultura e entender que estamos perante seres humanos, entre eles crianças indefesas. Até quando iremos ver um mundo dividido e limitado por fronteiras, discriminar o que é diferente e maltratar os nossos semelhantes?

 

 

 Outras notícias - Opinião


Doutor Amnésia »  2021-05-05  »  Hélder Dias

Isaltix »  2021-04-29  »  Hélder Dias

Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-13  »  Hélder Dias Empréstimo
»  2021-04-13  »  Hélder Dias Sombra suspeita
»  2021-04-10  »  José Ricardo Costa #torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa
»  2021-04-29  »  Hélder Dias Isaltix
»  2021-05-05  »  Hélder Dias Doutor Amnésia