• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 27 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 18° / 9°
Períodos nublados
Dom.
 16° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 16° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  17° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Feira de Março

Opinião  »  2018-03-24  »  José Ricardo Costa

"Graças a Deus que nasci a tempo da mulher-serpente, em bikini, dentro de uma caixa de vidro"

Com a feira medieval é recriado, todos os anos, em Torres Novas, um mundo que se tornou algo exótico. É verdade que exotismo serve para invocar certas comidas, animais, paisagens, culturas ou até alguns políticos, mas também há épocas que a distância tornou exóticas. É só uma questão de trocar a sopa de ninho de pássaros, o tucano, a praia com coqueiros ou políticos como Trump ou Maduro, por jograis, truões, segréis, trovadores ou almocreves. Mesmo profissões mais recentes já passaram de vez para a twilight zone. Pensar hoje em palafreneiro, ardina ou até num polícia sinaleiro em cima de um pedestal no largo da Botica, soa tão excêntrico como um engraxador na floresta amazónica, um alfaiate numa tribo da Papua-Nova Guiné, um bolivarista na Casa Branca.

Março em Torres Novas continua a ser mês de feira de Março. Feira, como a dos frutos secos, num espaço e tempo reais, em ambiente real e pessoas reais em vez de figurantes. Mas se pegarmos numa mesa de pé de galo para chamarmos a alma da velha feira de Março no Rossio de S. Sebastião (“Largo da Feira” para os mais íntimos), o que veremos é já tão irreal como uma carroça a subir a rua Miguel Arnide. A sério, se eu fosse da câmara municipal, passaria a organizar duas feiras históricas: a medieval em Junho e a de Março em Março, dando aos jovens duas experiências históricas em vez de uma.

Mas uma feira de Março mesmo feira de Março, com figurantes a fazer de gente antiga e com o espaço do Rossio cheio como um ovo. Com o radical e tonitruante poço da morte cujo ponto mais alto era o motard vir cá acima de olhos vendados e sem mãos. Com o tenebroso comboio-fantasma, cheio de gritinhos femininos por tanto esqueleto e teia de aranha a roçar os cabelos. Cheia de Benficas-Sportings nos matraquilhos, com uma ou outra excepção para Porto, Belenenses e até Vitória de Setúbal. Com restaurantes e barracas de tiro para caçadores de garrafas de anis, ponche e Eduardinho, ou de finos e luxuosos maços de John Player Special e Dunhill para impressionar o sexo oposto que suspirava por galãs de fotonovela.

Com um carrossel ao som da “Namoradinha de um Amigo Meu”, aviões voando, não com Wagner mas com o “Black is Black” dos Los Bravos, carros de choque movidos a “48 Crash” (com adrenalina) da Suzy Quatro, cadeirinhas girando velozmente com um “Rayo de Sol”, de Los Diablos, também um clássico do Conjunto Niger. Um circo sempre cheio e abrilhantado com sua glamorosa orquestra. A máquina da bruxa para ler a sina, algodão doce, torrão de Alicante e fartura de pinhões para além das farturas propriamente ditas. Já não sou do tempo do Grand Guignol, do homem-elefante, da mulher barbuda, nem nunca cheguei a ver Gabriel Mondlane exposto numa tenda, versão feirante do científico gabinete de curiosidades.

Mas graças a Deus que nasci a tempo da mulher-serpente, em bikini, dentro de uma caixa de vidro, com cobras enormes e gordas, rodopiando com ofídica volúpia pelo seu corpo lascivo, isto num tempo em que o cabelo da Florbela Queiroz era o que mais se aproximava de uma sensualidade cosmopolita e europeia. Deve ter sido nesse dia, com 7 ou 8 anos, que decidi ser heterossexual, como agora se diz. Enfim, uma feira de Março com colheres de pau, Salazares e tantos outros artigos, imprescindíveis numa casa portuguesa com certeza, e que era na feira que se compravam.

Há muito de medieval na feira de Março, não pela feira em si, mas por um impacto social que ficou retido no tempo. Hoje vai-se aos destroços que restam da feira para pôr o menino a dar uma voltinha no carrossel e assim descansar um bocadinho os olhos do gadget, mas houve um tempo em que a feira de Março era um acontecimento social que mobilizava milhares de pessoas, de todas as classes e idades, que aguardavam por ela para se divertirem de uma maneira que só na feira de Março seria possível e que enchia esta pacata vila de luz e de Graça.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Onde pára o PS? - josé mota pereira »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.
(ler mais...)


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-06  »  José Mota Pereira FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira