• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Feira de Março

Opinião  »  2018-03-24  »  José Ricardo Costa

"Graças a Deus que nasci a tempo da mulher-serpente, em bikini, dentro de uma caixa de vidro"

Com a feira medieval é recriado, todos os anos, em Torres Novas, um mundo que se tornou algo exótico. É verdade que exotismo serve para invocar certas comidas, animais, paisagens, culturas ou até alguns políticos, mas também há épocas que a distância tornou exóticas. É só uma questão de trocar a sopa de ninho de pássaros, o tucano, a praia com coqueiros ou políticos como Trump ou Maduro, por jograis, truões, segréis, trovadores ou almocreves. Mesmo profissões mais recentes já passaram de vez para a twilight zone. Pensar hoje em palafreneiro, ardina ou até num polícia sinaleiro em cima de um pedestal no largo da Botica, soa tão excêntrico como um engraxador na floresta amazónica, um alfaiate numa tribo da Papua-Nova Guiné, um bolivarista na Casa Branca.

Março em Torres Novas continua a ser mês de feira de Março. Feira, como a dos frutos secos, num espaço e tempo reais, em ambiente real e pessoas reais em vez de figurantes. Mas se pegarmos numa mesa de pé de galo para chamarmos a alma da velha feira de Março no Rossio de S. Sebastião (“Largo da Feira” para os mais íntimos), o que veremos é já tão irreal como uma carroça a subir a rua Miguel Arnide. A sério, se eu fosse da câmara municipal, passaria a organizar duas feiras históricas: a medieval em Junho e a de Março em Março, dando aos jovens duas experiências históricas em vez de uma.

Mas uma feira de Março mesmo feira de Março, com figurantes a fazer de gente antiga e com o espaço do Rossio cheio como um ovo. Com o radical e tonitruante poço da morte cujo ponto mais alto era o motard vir cá acima de olhos vendados e sem mãos. Com o tenebroso comboio-fantasma, cheio de gritinhos femininos por tanto esqueleto e teia de aranha a roçar os cabelos. Cheia de Benficas-Sportings nos matraquilhos, com uma ou outra excepção para Porto, Belenenses e até Vitória de Setúbal. Com restaurantes e barracas de tiro para caçadores de garrafas de anis, ponche e Eduardinho, ou de finos e luxuosos maços de John Player Special e Dunhill para impressionar o sexo oposto que suspirava por galãs de fotonovela.

Com um carrossel ao som da “Namoradinha de um Amigo Meu”, aviões voando, não com Wagner mas com o “Black is Black” dos Los Bravos, carros de choque movidos a “48 Crash” (com adrenalina) da Suzy Quatro, cadeirinhas girando velozmente com um “Rayo de Sol”, de Los Diablos, também um clássico do Conjunto Niger. Um circo sempre cheio e abrilhantado com sua glamorosa orquestra. A máquina da bruxa para ler a sina, algodão doce, torrão de Alicante e fartura de pinhões para além das farturas propriamente ditas. Já não sou do tempo do Grand Guignol, do homem-elefante, da mulher barbuda, nem nunca cheguei a ver Gabriel Mondlane exposto numa tenda, versão feirante do científico gabinete de curiosidades.

Mas graças a Deus que nasci a tempo da mulher-serpente, em bikini, dentro de uma caixa de vidro, com cobras enormes e gordas, rodopiando com ofídica volúpia pelo seu corpo lascivo, isto num tempo em que o cabelo da Florbela Queiroz era o que mais se aproximava de uma sensualidade cosmopolita e europeia. Deve ter sido nesse dia, com 7 ou 8 anos, que decidi ser heterossexual, como agora se diz. Enfim, uma feira de Março com colheres de pau, Salazares e tantos outros artigos, imprescindíveis numa casa portuguesa com certeza, e que era na feira que se compravam.

Há muito de medieval na feira de Março, não pela feira em si, mas por um impacto social que ficou retido no tempo. Hoje vai-se aos destroços que restam da feira para pôr o menino a dar uma voltinha no carrossel e assim descansar um bocadinho os olhos do gadget, mas houve um tempo em que a feira de Março era um acontecimento social que mobilizava milhares de pessoas, de todas as classes e idades, que aguardavam por ela para se divertirem de uma maneira que só na feira de Março seria possível e que enchia esta pacata vila de luz e de Graça.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa