• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 25 de Abril de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 17° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sex.
 17° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 26° / 11°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  24° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ir ao dentista

Opinião  »  2018-04-04  »  José Ricardo Costa

"No tempo em que ainda era uma pacata vila, havia quatro dentistas em Torres Novas: Silva Mendes, Faria, Aurelina e Orlando"

Na Idade Média, um italiano chamado Dante Alighieri escreveu uma obra chamada “Divina Comédia”, cuja primeira parte se chama “Inferno”. Sim, é muita chama para uma só frase mas vem a calhar pois bastou aquele ígneo título para o escritor ser promovido a padroeiro dos jornalistas-que-fazem-directos-durante-a-época-dos-incêndios, falando em “cenário dantesco” com a mesma naturalidade com que o Ronaldo marca golos, mas, no caso deste, sem a mesma volúpia literária, pois a caixa craniana com que se marcam os golos é menos dada à fineza intelectual dos clássicos do que o seu interior. Conta o poeta que o Inferno tem nove círculos, sendo verdade que em nenhum deles vamos encontrar dentistas. E nem podíamos encontrar, uma vez que nem o Quadrivium e muito menos o Trivium incluíam já o curso de Medicina Dentária. Mas no imaginário de grande parte das pessoas que sofreu o infortúnio de frequentar dentistas no século passado, bem se justificaria um décimo círculo só para eles.

No tempo em que ainda era uma pacata vila, havia quatro dentistas em Torres Novas: Silva Mendes, Faria, Aurelina e Orlando. Nomes, apenas nomes, mas que soavam aos quatro cavaleiros do Apocalipse. Não por acaso, uma das principais angústias dos torrejanos era tentar perceber, embora com versões contraditórias e muita contra-informação, qual deles seria o mais feroz ou o mais misericordioso. Atenção, não me refiro às pessoas. O meu dentista, Silva Mendes, era um homem gentil e de quem não tenho razões de queixa…fora do consultório. Mas pronto, eram dentistas e era o que bastava para olharmos para eles e ver o Peter Lorre de broca na mão dentro de um consultório que tanto faria lembrar o gabinete do dr. Caligari como o do dr. Mabuse.

Quem é velho como eu percebe-me. O dentista era possuidor de uma aura sinistra e ir a uma consulta transformava cada um de nós no Dustin Hoffman de boca aberta em «O Homem da Maratona». Uma tortura que, entretanto, começava antes de chegar à tétrica cadeira. Logo à entrada, com o tristemente famoso “cheiro a dentista”, que fazia logo aumentar os batimentos cardíacos e os níveis de stress no organismo e na psique. Depois, já na sala de espera, era o sinistro som da broca, vindo lá de dentro, intercalado com gritos de aflição, fazendo com que chegada a nossa vez lá chegássemos tão exangues como uma mulher que acabou de dar à luz. Conheço pessoas que desistiam enquanto esperavam e até quem deixasse apodrecer os dentes por se recusar sequer a marcar consulta. Compreende-se. Em Toledo, há um museu com instrumentos que eram usados pela Inquisição para tratar da saúde dos seus utentes. Se lá constasse a cadeira de um dentista com toda a sua horrenda parafernália, incluindo o cínico holofote, muitos nem dariam pelo anacronismo. Ora, é precisamente para evitar anacronismos e referências descontextualizadas que não posso falar em «cenário dantesco» como fazem os nossos repórteres. Mas se disser «cenário dentesco», consigo respeitar a verdade histórica e sem trair o seu mórbido significado.

Os tempos mudaram e ir hoje ao dentista é uma experiência nova, assim mais ou menos como chegar ao Evangelho, acabadinho de sair do Levítico. Nada de ameaça ou condenação. Os próprios consultórios são mais airosos e luminosos e os dentistas já não lembram o Peter Lorre, sendo antes uma mistura de José Carlos Malato e Sónia Araújo, de bata branca, sim, mas ar fofinho. Até porque quem é jovem vai ao dentista sobretudo para enfiar um aparelho nos dentes. Ou seja, um dentista já não é mais visto como furioso psicopata, um desventrador de bocas que arranca, broca, esburaca, destroça gengivas e olha para um dente arrancado como um tarado para um soutien, mas como esteticista que ilumina e embeleza sorrisos. Em suma, hoje vai-se ao dentista para, como na bela gastronomia italiana, ficar com a boca “al dente”. De novo a Itália mas já nada que ver com uma Itália dantesca.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O desafio »  2018-04-20  »  Jorge Carreira Maia

Tenho estado a ler The Benedict Option: A Strategy for Christians in a post-Christian Nation, um livro do conservador Rod Dreher. O autor, um cristão ortodoxo americano, defende que os Estados Unidos são já uma sociedade pós-cristã.
(ler mais...)


ATIVIDADE FÍSICA É UM MEIO DE PREVENÇÃO REGULADOR DA VIDA »  2018-04-20  »  Juvenal Silva

Cada vez se verifica mais que grande parte das pessoas se poderia tratar e curar, exercitando-se todos os dias ao ar puro. Podemos citar, entre outros tipos de doenças a obesidade, diabetes, colesterol, depressão, sistema cardiovascular, respiratório, etc.
(ler mais...)


Caros Riachenses (I) »  2018-04-20  »  António Gomes

O processo de decisão sobre a rede viária de acesso às zonas industriais de Riachos e Entroncamento chegou ao fim. A decisão tomada pelo governo (Infraestruturas de Portugal IP), câmaras municipais do Entroncamento e Torres Novas e com o apoio da junta de freguesia de Riachos (com os votos contra do BE) é a proposta que liga a A23, Torreshoping, à rotunda dos boieiros e esta à zona do terminal de contentores junto à linha férrea.
(ler mais...)


O Janota nunca entrou na Abidis »  2018-04-20  »  Carlos Tomé

Quando saiu de casa, o Janota ia com a intenção de finalmente ter coragem de beber um chá e comer um duchese na Abidis, a pastelaria mais fina do burgo. Especialista em navalhas de ponta e mola, limpa-unhas, bilhetes falsos, ilusões cheias e carteiras vazias, as suas relações sociais e profissionais subiam até às subcaves de Alcântara e aos vendedores de vigésimos premiados.
(ler mais...)


Angústia no Supermercado »  2018-04-20  »  José Ricardo Costa

Resolvi fazer há dias um risoto. Precisava por isso de queijo parmesão ralado. Tudo na vida há-de ter um sentido e se na ordem universal das coisas coube ao parmesão a grata missão de dar alma ao risoto, a ordem lá terá as suas razões.
(ler mais...)


A história da gente »  2018-04-20  »  Anabela Santos

Sem saber muito sobre o assunto, tenho a certeza de que para entendermos melhor o mundo e a nós próprios, é muito importante conhecermos a história da gente e a gente da história.

É o passado que temos em comum que nos serve como referência e nos ajuda a compreender o presente e a preparar o futuro.
(ler mais...)


PERDER EM CASA »  2018-04-20  »  Eduarda Gameiro

Sou uma vítima do fanatismo pelo futebol e como tal, não preciso de estar a ver um jogo para saber se o Benfica perdeu ou ganhou, porque assim que uma bola atinge a baliza, os meus ouvidos fazem questão de me avisar que há ruído na sala e, das duas, uma: ou algo está correr muito bem, ou algo está a correr muito mal.
(ler mais...)


Escola...escola, quem és tu? »  2018-04-20  »  Maria da Luz Lopes

Quase a terminar mais um ano letivo, muitos e grandes desafios se colocam à Escola Pública no próximo ano. Flexibilização Curricular ou a Educação Inclusiva são apenas alguns. Abraçá-los, exige um compromisso e um envolvimento de todos há muito reclamado.
(ler mais...)


A anemia democrática »  2018-04-05  »  Jorge Carreira Maia

Se olharmos para as três principais ideologias políticas que estruturaram as democracias representativas, conservadorismo, liberalismo e socialismo (cada uma delas com diversas nuances), descobrimos que resultaram da implosão da visão cristã do mundo.
(ler mais...)


Um sobreiro em Águas de Moura, ondas na Nazaré e eucaliptos em Riachos »  2018-04-04  »  Carlos Tomé

Sempre me arrependi de não ter aceitado o convite, faz agora 40 anos, do Victor Silvino para irmos à Nazaré na sua Vespa ver uma onda enorme que estava a chamar curiosos. Mas na altura a imagem que me apareceu de imediato à frente dos olhos, não foi a do mar em polvorosa, foi a do pendura da motorizada a esbardalhar-se todo pela serra abaixo quando o mais célebre chofer da biblioteca itinerante da Gulbenkian fizesse as curvas de Porto de Mós mais direito do que um fuso, e isso deu razão à nega.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-04-20  »  Eduarda Gameiro PERDER EM CASA
»  2018-04-20  »  Jorge Carreira Maia O desafio
»  2018-04-20  »  José Ricardo Costa Angústia no Supermercado