• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 28 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 17° / 13°
Céu muito nublado com chuva fraca
Qui.
 16° / 11°
Céu muito nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  18° / 12°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar.

Opinião  »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos. Já ouvi estrangeiros a desabafar por causa do tempo que passamos a falar de comida, tendo eu de enfiar a carapuça por fazer parte do rol. Mas soubessem eles um bocadinho de Filosofia e calavam-se.

Um filósofo inglês escreveu um livro chamado How To Do Things Words para explicar precisamente que as palavras servem para dizer mas também podem servir para praticar acções. É verdade que deixou de fora conversas sobre comida mas isso explica-se por ele ser inglês e a gastronomia inglesa, ao contrário de tantas coisas boas que há por lá, que certamente não incluem o Boris Johnson, ser a tristeza que se sabe. Mas faria todo o sentido. Há momentos em que não podemos comer o que mais gostamos, o que acontece sobretudo depois de morrermos. Mas também porque nem sempre a comida está à mão de semear como acontece quando se está em Torres Novas e de repente se tem o desejo de uns rojões com papas de sarrabulho, ou porque são dez da manhã e não é a hora mais indicada para um ensopado de borrego como o da semana anterior. Mas cá está: quando três portuguese estão diante de um pires de tremoços a filosofar, recordando com salivar lascívia os rojões com papas de sarrabulho que os encheu de felicidade há oito anos em Ponte de Lima, ocorre um processo bioquímico no cérebro que induz um prazer gastronómico equivalente. E se dez da manhã não é hora para ensopadas ousadias, o enorme prazer em falar delas é reconfortante placebo cuja digestão enleva o espírito sem destrambelhar a tripa.

E não é por acaso. Outro filósofo, neste caso escocês, lembra que as sensações e as ideias têm o mesmo conteúdo, o que ajuda a explicar o que sinto quando falo daqueles doces escandalosamente enjoativos como a Coroa de Abadessa da pastelaria Alcoa ou as trouxas de ovos ali da Chamusca. Eu juro que estou a escrever isto e a sentir a água a crescer-me na boca mas como as ideias não enjoam fico livre para continuar com inócuas volúpias e poder passar longos e felizes momentos a falar sobre o assunto. Estamos pois entendidos no que diz respeito à mais do que legítima relação entre a linguagem e a comida.

Mas parece que estamos em vias de mudar de paradigma na relação entre comensal e comida, assistindo-se ao que Kant, noutro contexto, chamou “Revolução Copernicana”. Há tempos, recebi um mail do TripAdvisor que dizia: «José, estes 14 restaurantes são ótimos para postar no Instagram”. Fiquei estarrecido. Não por não ter Instagram mas por acontecer o mesmo que em tempos com a Astronomia quando passou de um modelo geocêntrico para um outro heliocêntrico. Agora, sim, entendo por que razão passei a ver com frequência pessoas que em vez de estarem regaladas a comer, estão regaladas a fotografar o que comem ou regaladas também a fotografarem-se a comer o que estão a fotografar. Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar.

Perdoem-me a pureza patriótica mas esta gente não pode ser considerada verdadeiramente portuguesa, filhos de um país que deu ao mundo tantos maravilhosos pratos mas também com tanto português que lhes faz justiça, mimando o paladar ou ainda dissertando sobre eles em amena e gulosa cavaqueira. Tudo o resto é pura vaidade pós-moderna, conceito que há muito deixou de ter significado mas também é verdade que há coisas cujo significado mais vale querer esquecer. Neste caso, aproveitando a onda: comer para esquecer. Dizia-se que há as pessoas que comem para viver e outras que vivem para comer. Acrescente-se agora uma terceira espécie: as que comem para serem vistas a comer. Mal empregada comida, nozes dadas por Deus a quem não tem dentes: só olho e polegares.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rui Rio faz o seu caminho »  2020-01-24  »  Jorge Carreira Maia

Rui Rio tornou a vencer as eleições internas do PSD. Isso terá contrariado muita gente à direita, gente despeitada e ansiosa de que se retorne à política de punição das classes populares imposta por Passos Coelho.
(ler mais...)


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor