• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 30 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 15° / 5°
Períodos nublados
Qua.
 17° / 6°
Períodos nublados
Ter.
 19° / 8°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  18° / 9°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar.

Opinião  »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos. Já ouvi estrangeiros a desabafar por causa do tempo que passamos a falar de comida, tendo eu de enfiar a carapuça por fazer parte do rol. Mas soubessem eles um bocadinho de Filosofia e calavam-se.

Um filósofo inglês escreveu um livro chamado How To Do Things Words para explicar precisamente que as palavras servem para dizer mas também podem servir para praticar acções. É verdade que deixou de fora conversas sobre comida mas isso explica-se por ele ser inglês e a gastronomia inglesa, ao contrário de tantas coisas boas que há por lá, que certamente não incluem o Boris Johnson, ser a tristeza que se sabe. Mas faria todo o sentido. Há momentos em que não podemos comer o que mais gostamos, o que acontece sobretudo depois de morrermos. Mas também porque nem sempre a comida está à mão de semear como acontece quando se está em Torres Novas e de repente se tem o desejo de uns rojões com papas de sarrabulho, ou porque são dez da manhã e não é a hora mais indicada para um ensopado de borrego como o da semana anterior. Mas cá está: quando três portuguese estão diante de um pires de tremoços a filosofar, recordando com salivar lascívia os rojões com papas de sarrabulho que os encheu de felicidade há oito anos em Ponte de Lima, ocorre um processo bioquímico no cérebro que induz um prazer gastronómico equivalente. E se dez da manhã não é hora para ensopadas ousadias, o enorme prazer em falar delas é reconfortante placebo cuja digestão enleva o espírito sem destrambelhar a tripa.

E não é por acaso. Outro filósofo, neste caso escocês, lembra que as sensações e as ideias têm o mesmo conteúdo, o que ajuda a explicar o que sinto quando falo daqueles doces escandalosamente enjoativos como a Coroa de Abadessa da pastelaria Alcoa ou as trouxas de ovos ali da Chamusca. Eu juro que estou a escrever isto e a sentir a água a crescer-me na boca mas como as ideias não enjoam fico livre para continuar com inócuas volúpias e poder passar longos e felizes momentos a falar sobre o assunto. Estamos pois entendidos no que diz respeito à mais do que legítima relação entre a linguagem e a comida.

Mas parece que estamos em vias de mudar de paradigma na relação entre comensal e comida, assistindo-se ao que Kant, noutro contexto, chamou “Revolução Copernicana”. Há tempos, recebi um mail do TripAdvisor que dizia: «José, estes 14 restaurantes são ótimos para postar no Instagram”. Fiquei estarrecido. Não por não ter Instagram mas por acontecer o mesmo que em tempos com a Astronomia quando passou de um modelo geocêntrico para um outro heliocêntrico. Agora, sim, entendo por que razão passei a ver com frequência pessoas que em vez de estarem regaladas a comer, estão regaladas a fotografar o que comem ou regaladas também a fotografarem-se a comer o que estão a fotografar. Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar.

Perdoem-me a pureza patriótica mas esta gente não pode ser considerada verdadeiramente portuguesa, filhos de um país que deu ao mundo tantos maravilhosos pratos mas também com tanto português que lhes faz justiça, mimando o paladar ou ainda dissertando sobre eles em amena e gulosa cavaqueira. Tudo o resto é pura vaidade pós-moderna, conceito que há muito deixou de ter significado mas também é verdade que há coisas cujo significado mais vale querer esquecer. Neste caso, aproveitando a onda: comer para esquecer. Dizia-se que há as pessoas que comem para viver e outras que vivem para comer. Acrescente-se agora uma terceira espécie: as que comem para serem vistas a comer. Mal empregada comida, nozes dadas por Deus a quem não tem dentes: só olho e polegares.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Onde pára o PS? - josé mota pereira »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.
(ler mais...)


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia