• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 19 Fevereiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 7°
Períodos nublados
Sex.
 21° / 7°
Céu limpo
Qui.
 19° / 5°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  19° / 5°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Nos 100 anos de Vergílio Ferreira

Opinião  »  2016-01-30  »  Adelino Pires

"Não fôra o tio Manuel, padre da aldeia, Vergílio Ferreira estaria destinado a ser mais um a apascentar o gado, a cabritar pela serra, a mergulhar no volfrâmio ou a dar o salto noutro azimute."

Quando, naquela fria tarde de 28 de Janeiro de 1916, há precisamente 100 anos, Josefa de Oliveira suava nas suas dores de parto, talvez já não se lembrasse do que lhe havia dito sua mãe, alguns meses antes, ao subirem a rampa para a missa de domingo.

Josefa, que então hesitara com uma inesperada tontura, parou e apoiando-se na mãe terá dito: - Não sei o que tenho, minha mãe. Ela, a mãe, fulminando-a com o olhar, lá lhe terá respondido: - Não me digas! Não me digas que já arranjaste outra desgraça!

E a “desgraça” ali estava agora, acabadinha de chegar. Vergílio de seu nome. Em Melo, pequena aldeia serrana a dois passos de Gouveia, os Ferreira aumentavam a prole, mas poucos anos depois partiam para as Américas deixando o pequeno Vergílio entregue às tias maternas, ao destino e, sobretudo, a si próprio como o futuro nos revelaria.

Não fôra o tio Manuel, padre da aldeia, Vergílio Ferreira estaria destinado a ser mais um a apascentar o gado, a cabritar pela serra, a mergulhar no volfrâmio ou a dar o salto noutro azimute. O “padrinho-prior”, percebendo que o miúdo aprendia como poucos o latinório da missa, desencaminhou-o do gado, empurrando-o para Deus.

Aos dez anos, Vergílio cruzava os portões do Seminário do Fundão, numa «Manhã Submersa» que magistralmente relevou para memória futura. Mas ao perceber que não era por ali o carreiro, fez-se à estrada rumo à Guarda e a Coimbra o que lhe permitiria a formatura para o ensino que o levou a Faro, a Bragança e acima de tudo a Évora onde durante dezasseis anos bebe do Alentejo profundo uma «Aparição» existencial e imemorial. Nunca como naquele Alentejo revivera o espaço, a angústia e a solidão da serra onde nascera.

E se «O caminho Fica Longe», quando Lisboa e o velho Liceu Camões com ele se cruzam, Vergílio Ferreira tem a consciência de, como diz na sua autobiografia, “Lisboa é um sítio onde se está, não um lugar onde se vive... Quando for para Lisboa, levo a província comigo e instalo-me nela...”. Por lá ficou dezoito anos da sua vida, salpicada pela ausência de afectos, que compensa nos milhares de páginas que nos legou, nas várias polémicas que não evitou  e na procura incessante de si próprio.

Vergílio Ferreira foi um escritor maior da nossa literatura. Infelizmente, é ensurdecedor o silêncio sobre a sua obra, comparável apenas aos invernos soturnos das suas memórias de infância.

E agora, que passam cem anos sobre o seu nascimento, curvo-me perante a “desgraça” de Josefa de Oliveira, lá, em Melo, na subida da rampa para a missa de domingo.

 

(Adelino Correia-Pires, Janeiro 2016)

 

Imagem: colagem da Ana Paula Lopes.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Entre o redil e o prado »  2020-02-08  »  Jorge Carreira Maia

Num dos artigos anteriores falou-se aqui do discurso do rancor que se desenvolve em Portugal. Esse discurso não é específico do nosso país, atinge os países ocidentais, nos quais, por um motivo ou outro, lavra uma cólera não disfarçada, um desejo de confronto cada vez maior, onde a normal divergência política ameaçar radicalizar-se, dividindo os campos entre amigos e inimigos.
(ler mais...)


ORA VIVA, SENHOR RADETZKY! »  2020-02-07  »  José Alves Pereira

A celebração de um concerto musical pelo Ano Novo é um ritual que, iniciado em Viena (1939), se estende hoje por muitas salas e cidades. O espectáculo da Filarmónica Vienense, na sala do Musikverein, com transmissão televisiva para milhões de pessoas, riqueza ambiente, bailados e uma lento vaguear pela sala, nos seus dourados, candelabros e frisas, exibe-se também na assistência, revivendo um certo um passado nostálgico do fausto aristocrático.
(ler mais...)


“Xuxu” »  2020-02-07  »  Rui Anastácio

“Não há pior ameaça à paz do que os que foram cobardes em tempo de guerra: eles têm contas a ajustar consigo mesmos e os outros é que as pagam”.

A frase é do Miguel Sousa Tavares, com quem não concordo muitas vezes, mas que leio religiosamente todas as semanas, a ele e à Clara Ferreira Alves.
(ler mais...)


Mobilidade e descarbonização »  2020-02-07  »  António Gomes

Este é o grande desafio que está colocado à humanidade e em particular aos decisores políticos: garantir transportes em qualidade e quantidade e não poluentes.
Também assim é na cidade de Torres Novas.
(ler mais...)


O (de) mérito de Chicão »  2020-02-07  »  Ana Lúcia Cláudio


A questão da paridade e da (pouca) intervenção das mulheres na política voltou à ordem do dia, na sequência da eleição do novo presidente do CDS. O jovem Chicão, que, curiosamente, veio ocupar o lugar deixado vago pela primeira mulher-presidente na história do partido – Assunção Cristas –, encabeça uma Comissão Política em que nos 59 nomes que a integram existem apenas seis mulheres.
(ler mais...)


Xenovírus, por Inês Vidal »  2020-02-07  »  Inês Vidal

Somos xenófobos por natureza. Também somos racistas, hipócritas, egoístas. Pensamos em nós, nos nossos e os outros que se lixem. E quanto lá mais longe, melhor. Não fosse verdade esta minha pessimista afirmação, não chamaríamos chagas, ou melhor chegas, para a nossa casa-mãe.
(ler mais...)


Hipocrisia colectiva, por Inês Vidal »  2020-01-30  »  Inês Vidal

Este ano há festa da Benção do Gado, em Riachos. Uma festa de raízes, uma homenagem às origens do povo riachense. Pelo menos é essa a sua intenção primeira. Recordo, a propósito, quando numa das vezes em que percorri as ruas engalanadas da vila por altura das festas, uma das coisas que me chamou a atenção nos quadros populares que recriam essas tais raízes riachenses, foi o facto de tão natural e repetidamente se recordar a personagem do homem embriagado, copo na mão, garrafão aos pés.
(ler mais...)


Em memória de um velho camarada »  2020-01-30  »  José Alves Pereira

Um facto recente – desaparecimento de um velho camarada - leva esta habitual crónica por caminhos não previstos, rememorarando factos de há cinquenta anos, fragmentos da resistência antifascista em Torres Novas.
Em Outubro de 1969, haviam-se realizado “eleições” para deputados à Assembleia Nacional.
(ler mais...)


O IVA e o desenvolvimento »  2020-01-30  »  António Gomes

A última tentativa do PS/Torres Novas para branquear a situação em que tem vindo a transformar o concelho desmoronou-se como um castelo de cartas.

A Lei das Finanças Locais sofreu uma alteração positiva para as autarquias, ao passar a atribuir a estas 7,5% do IVA cobrado no respectivo concelho e relativo a restauração, hotelaria, electricidade, gás, comunicações e água.
(ler mais...)


O João »  2020-01-30  »  Rui Anastácio

“O João é gente boa! Sabe o que acontece? A cabeça dele é que não funciona na hora certa.”
O sotaque era brasileiro, pintor de fachadas e alguma sabedoria tolerante na voz, trazidas certamente por uma longa e dura vida pendurada em andaimes.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-30  »  António Gomes O IVA e o desenvolvimento
»  2020-01-30  »  Rui Anastácio O João
»  2020-01-30  »  Inês Vidal Hipocrisia colectiva, por Inês Vidal
»  2020-01-24  »  Jorge Carreira Maia Rui Rio faz o seu caminho
»  2020-01-30  »  José Alves Pereira Em memória de um velho camarada