• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 21 de Fevereiro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 16° / 2°
Céu limpo
Sex.
 16° / 3°
Céu limpo
Qui.
 16° / 3°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  18° / 6°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia?

Opinião  »  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato

"Ora, por aqui onde me encontro, na odorífera capital da pele, vive-se em plenitude"

Afinal, tenho uma boa justificação, científica até,  para a constância desta minha zanga e para este estado de cansaço e ausência de vontade que teimam em desaparecer e me têm feito a vida negra, nestes últimos tempos, além de muito mal cheirosa.

Segundo a ciência, a capacidade de cheirar e sentir odores pode influenciar o humor e provocar sensações de mal estar, caso o odor não seja o melhor, e que o nosso nariz é capaz de sentir até mil milhões  de cheiros diferentes (Ai, meu Deus, tantos cheiros!). Acresce que a capacidade odorífera se “desliga” quando estamos a dormir - é talvez por isso que muitos cheiros gostam particularmente da calada da noite.

Ora, por aqui onde me encontro, na odorífera capital da pele, vive-se em plenitude não sei se uma estratégia de marketing olfativo ou uma cascomia, pois não consigo descortinar. Mas a minha não descortinação só se pode prender com a confusão mental que estes cheiros que por aqui proliferam me têm provocado. A confusão mental, creio, não é só minha. Se houver meia dúzia de pessoas ainda não atingidas é o muito.

E isto porquê? Eis um exemplo: então não é que, não bastando os cheiros virem até nós, mesmo que não os queiramos ou deles desejemos fugir, não há agora um dia por semana em que é possível fazer excursões para aferir bem a origem e natureza  desses cheiros? É o mesmo que abrir, para romaria popular, a sala de operações de um hospital, depois de uma operação ter corrido menos bem. Era talvez uma visita interessante. Não sei é se resolveria o problema.

Talvez se baralhasse o problema, ou então se baralhasse a origem do problema e se baralhassem também as mentes que procuram a razão e a solução para o problema. Aliás, nada há melhor do que baralhar as mentes para que, qualquer dia, as vítimas ou os carrascos, dependendo da perspetiva, sem darem por isso, invertam os papéis. Ou então, está tudo tão misturado e indefinido que a culpa é de todos e não é de ninguém. Uma, entre muitas das inevitabilidades apontadas, é que há que agradecer e ser fiel a um trabalho, mesmo que exija a nossa morte, porque se precisa de viver. O pior é que quem pensa assim já está morto. É tal qual como na fábula “ A rã e o escorpião”. E, seja quem for que coloquemos no lugar da rã ou do escorpião, o resultado será sempre o mesmo: ambos ficam prejudicados, um pela sua bondade e ingenuidade, o outro pela sua natureza.

De tudo quanto tenho lido, creio que se vai generalizando a ideia da inevitabilidade dos cheiros e da incapacidade de se encontrar a sua razão de ser e, consequentemente,  a solução para os maus odores, mesmo que as desodorizações venham a funcionar. A verdade é que eu esperava mais, mais a todos os níveis. Esperava explicações e ações razoáveis que uma leiga cidadã pudesse entender. É a minha confusão mental! Uma coisa eu garanto: não me inscreverei para a dita excursão.

Mesmo imbuída de espírito de romaria, não poderia nunca dar contributos para a resolução do problema, porque acho que isso cabe aos profissionais e aos responsáveis e é para isso que lá estão. E também não gostaria que a minha peregrinação viesse, quiçá, a ser interpretada (ou construída), qual hipálage, como uma declaração de compreensão das  inevitabilidades e decorrente anuência.

É por haver, ou se pensar que há, tantas inevitabilidades que o mundo está como está. Assim, resta-nos aguardar pela intervenção divina e pela sua ação sobre as condições atmosféricas, para que retornemos a uma paz agradavelmente odorífera. Espera-se, também,  e uma vez que o cheiro tem um efeito direto na forma como nos sentimos,  que isso seja motivador para se melhorar, tendo em vista, por exemplo, os desempenhos profissional, escolar, social, cívico, económico e outros que tais... e esta capital bem precisa.

E, a não ser que se esteja a aplicar uma estratégia de marketing olfativo, cuja finalidade ainda não alcancei, ou se sofra de cascomia, o que sei é que isto do mau cheiro cheira mesmo mal.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja, o espírito e o sexo »  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia

A recente declaração do cardeal Clemente sobre abstinência sexual dos católicos recasados e a intensa luta, ao mais alto nível da hierarquia católica, sobre problemas de ordem moral tornam manifesta, mais uma vez, a grande dificuldade que a Igreja Católica enfrenta nas sociedades modernas.
(ler mais...)


A HISTÓRIA DAS TERAPIAS NÃO CONVENCIONAIS »  2018-02-15  »  Juvenal Silva

Quando o ser humano surgiu no planeta, os animais já o habitavam e as plantas já existiam há mais de 400 milhões de anos. As plantas conforme hoje as conhecemos, evoluíram a partir de espécies de algas primitivas.
(ler mais...)


Rankings »  2018-02-15  »  José Ricardo Costa

Até ao 5.º ano do liceu (actual 9.º ano) fui um aluno cujo rendimento andou algures entre o mau e o péssimo. Chumbei alegremente dois anos e devo à simpática benevolência docente não terem sido mais.
(ler mais...)


Gritos mudos »  2018-02-15  »  José Mota Pereira

Cada noite de frio, cada rajada deste vento polar convocam-nos para escutarmos aqueles a quem falta o conforto mínimo do agasalho. Esses são muito mais do que aqueles que se recolhem nos recantos das ruas e recebem nestes dias o aparato mediático com políticos de afecto, oportunidade (ia a escrever oportunista vejam lá) e verbo fácil.
(ler mais...)


A culpa é da árvore? »  2018-02-15  »  Denis Hickel

Ninguém pode ter deixado de reparar que já vamos em Fevereiro e a chuva ainda não foi o suficiente para sairmos da situação de seca e fazer correr os pequenos ribeiros. Ou ainda, que circula nos media que estão 40 milhões de mudas de eucalipto prontas para ir para o solo, seja para recuperar as perdas das áreas ardidas, ou mesmo ampliar a plantação para a indústria da pasta de papel.
(ler mais...)


A efetividade nos postos de trabalho ajuda tudo e todo »  2018-02-15  »  António Gomes

Encontra-se em fase de aplicação o PREVPAP – Programa de Regularização Extraordinário dos Vínculos Precários na Administração Pública.
A lei 112/2017 prevê os procedimentos do processo de regularização dos precários do Estado, onde se incluem os trabalhadores das autarquias locais.
(ler mais...)


Democratizar a mobilidade »  2018-02-15  »  Nuno Curado

Dada a sua dimensão, tenho cada vez mais a opinião de que Torres Novas teria muito a beneficiar com a promoção e melhoria das suas condições de mobilidade suave. Isto é, os meios de deslocação que não envolvem veículos motorizados, seja de bicicleta, a pé ou outro meio não motorizado.
(ler mais...)


"Passeio" pela cidade com o Gustavo »  2018-02-15  »  Anabela Santos

Há convites irrecusáveis…
- Gustavo, vamos à festa de aniversário do LIJ (Lar de Infância e Juventude), na alcaidaria do castelo?
O Gustavo com um sorriso de gozo, olhou para baixo e respondeu:
- Não posso! Ei!!! É o Gustavo.
(ler mais...)


O lado esquerdo da vida »  2018-02-15  »  Margarida Oliveira

É no lado esquerdo do peito que nos bate o coração. É lá o refúgio sagrado da nossa generosidade, abnegação e um profundo amor ao próximo.
Um músculo magnífico, que nos alimenta a razão, também mais assente no lado esquerdo do cérebro, a metade sentimental.
(ler mais...)


Associativismo »  2018-02-15  »  Inês Vidal

Tenho inúmeras vezes vontade de fugir de Torres Novas. Cansa-me o mesmo de sempre, o tudo igual. As mesmas caras, as mesmas políticas, os mesmos políticos, os mesmos problemas, os mesmos passeios, as mesmas vistas, os mesmos limites, e estes sempre tão curtos.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia A Igreja, o espírito e o sexo
»  2018-02-15  »  Anabela Santos "Passeio" pela cidade com o Gustavo
»  2018-02-15  »  Inês Vidal Associativismo