• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Seg.
 13° / 2°
Períodos nublados
Dom.
 13° / 2°
Períodos nublados
Sáb.
 14° / 5°
Claro
Torres Novas
Hoje  16° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia?

Opinião  »  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato

"Ora, por aqui onde me encontro, na odorífera capital da pele, vive-se em plenitude"

Afinal, tenho uma boa justificação, científica até,  para a constância desta minha zanga e para este estado de cansaço e ausência de vontade que teimam em desaparecer e me têm feito a vida negra, nestes últimos tempos, além de muito mal cheirosa.

Segundo a ciência, a capacidade de cheirar e sentir odores pode influenciar o humor e provocar sensações de mal estar, caso o odor não seja o melhor, e que o nosso nariz é capaz de sentir até mil milhões  de cheiros diferentes (Ai, meu Deus, tantos cheiros!). Acresce que a capacidade odorífera se “desliga” quando estamos a dormir - é talvez por isso que muitos cheiros gostam particularmente da calada da noite.

Ora, por aqui onde me encontro, na odorífera capital da pele, vive-se em plenitude não sei se uma estratégia de marketing olfativo ou uma cascomia, pois não consigo descortinar. Mas a minha não descortinação só se pode prender com a confusão mental que estes cheiros que por aqui proliferam me têm provocado. A confusão mental, creio, não é só minha. Se houver meia dúzia de pessoas ainda não atingidas é o muito.

E isto porquê? Eis um exemplo: então não é que, não bastando os cheiros virem até nós, mesmo que não os queiramos ou deles desejemos fugir, não há agora um dia por semana em que é possível fazer excursões para aferir bem a origem e natureza  desses cheiros? É o mesmo que abrir, para romaria popular, a sala de operações de um hospital, depois de uma operação ter corrido menos bem. Era talvez uma visita interessante. Não sei é se resolveria o problema.

Talvez se baralhasse o problema, ou então se baralhasse a origem do problema e se baralhassem também as mentes que procuram a razão e a solução para o problema. Aliás, nada há melhor do que baralhar as mentes para que, qualquer dia, as vítimas ou os carrascos, dependendo da perspetiva, sem darem por isso, invertam os papéis. Ou então, está tudo tão misturado e indefinido que a culpa é de todos e não é de ninguém. Uma, entre muitas das inevitabilidades apontadas, é que há que agradecer e ser fiel a um trabalho, mesmo que exija a nossa morte, porque se precisa de viver. O pior é que quem pensa assim já está morto. É tal qual como na fábula “ A rã e o escorpião”. E, seja quem for que coloquemos no lugar da rã ou do escorpião, o resultado será sempre o mesmo: ambos ficam prejudicados, um pela sua bondade e ingenuidade, o outro pela sua natureza.

De tudo quanto tenho lido, creio que se vai generalizando a ideia da inevitabilidade dos cheiros e da incapacidade de se encontrar a sua razão de ser e, consequentemente,  a solução para os maus odores, mesmo que as desodorizações venham a funcionar. A verdade é que eu esperava mais, mais a todos os níveis. Esperava explicações e ações razoáveis que uma leiga cidadã pudesse entender. É a minha confusão mental! Uma coisa eu garanto: não me inscreverei para a dita excursão.

Mesmo imbuída de espírito de romaria, não poderia nunca dar contributos para a resolução do problema, porque acho que isso cabe aos profissionais e aos responsáveis e é para isso que lá estão. E também não gostaria que a minha peregrinação viesse, quiçá, a ser interpretada (ou construída), qual hipálage, como uma declaração de compreensão das  inevitabilidades e decorrente anuência.

É por haver, ou se pensar que há, tantas inevitabilidades que o mundo está como está. Assim, resta-nos aguardar pela intervenção divina e pela sua ação sobre as condições atmosféricas, para que retornemos a uma paz agradavelmente odorífera. Espera-se, também,  e uma vez que o cheiro tem um efeito direto na forma como nos sentimos,  que isso seja motivador para se melhorar, tendo em vista, por exemplo, os desempenhos profissional, escolar, social, cívico, económico e outros que tais... e esta capital bem precisa.

E, a não ser que se esteja a aplicar uma estratégia de marketing olfativo, cuja finalidade ainda não alcancei, ou se sofra de cascomia, o que sei é que isto do mau cheiro cheira mesmo mal.

 

 

 Outras notícias - Opinião


ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A CULTURA LOCAL »  2017-12-13  »  Denis Hickel

Há uma resistência geral na sociedade e especialmente no âmbito político para implementar agendas que tornem o tema das alterações climáticas parte da cultura geral, da economia, do planeamento e do empreendedorismo.
(ler mais...)


Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar »  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões

O IMI Familiar é uma medida de discriminação positiva destinada a aliviar o esforço financeiro das famílias com filhos. Pressupõe um desconto no IMI relativo à habitação própria de cada agregado em função do número de descendentes, que vai continuar a não ter aplicação em Torres Novas em 2018, uma quase excepção no país e uma verdadeira excentricidade na região.
(ler mais...)


Manter as barcaças do passado »  2017-12-13  »  Carlos Tomé

Aqui há uns anos, não muitos, o Bruno Aleixo, um boneco televisivo, um urso que só mexia a boca e revirava os olhos, fazia-nos rir e pensar quando mandava umas atoardas e se vangloriava de ler muito. Ele era anúncios, listas de supermercado, slogans que andavam espalhados por Coimbra, o preçário do café do Aires, algumas mensagens de telemóvel e mais umas dezenas de coisa.
(ler mais...)


O Derbi »  2017-12-13  »  José Ricardo Costa

No dia em que os meus pais casaram era de jogo no Almonda Parque. Despachado o almoço da praxe, foram então os noivos, alegremente seguidos pelos engalanados convidados, rumo ao também chamado quintal do José Maria. O meu pai podia não ser doente do esférico mas era homem de suas rotinas, sendo domingo de futebol uma delas.
(ler mais...)


Falar por falar »  2017-12-12  »  Anabela Santos

Hoje, sentei-me no sofá em frente à lareira. Trouxe comigo caneta e papel – ainda não me sinto conquistada pelas novas tecnologias – e pensei: “Se estou aqui, “munida com estas armas”, é porque me apetece escrever”.
(ler mais...)


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-12-13  »  Jorge Salgado Simões Torres Novas 2018, mais um ano sem IMI Familiar
»  2017-12-13  »  José Ricardo Costa O Derbi
»  2017-12-12  »  Anabela Santos Falar por falar