• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Odores a granel: marketing olfativo ou cascomia?

Opinião  »  2017-11-15  »  Maria Augusta Torcato

"Ora, por aqui onde me encontro, na odorífera capital da pele, vive-se em plenitude"

Afinal, tenho uma boa justificação, científica até,  para a constância desta minha zanga e para este estado de cansaço e ausência de vontade que teimam em desaparecer e me têm feito a vida negra, nestes últimos tempos, além de muito mal cheirosa.

Segundo a ciência, a capacidade de cheirar e sentir odores pode influenciar o humor e provocar sensações de mal estar, caso o odor não seja o melhor, e que o nosso nariz é capaz de sentir até mil milhões  de cheiros diferentes (Ai, meu Deus, tantos cheiros!). Acresce que a capacidade odorífera se “desliga” quando estamos a dormir - é talvez por isso que muitos cheiros gostam particularmente da calada da noite.

Ora, por aqui onde me encontro, na odorífera capital da pele, vive-se em plenitude não sei se uma estratégia de marketing olfativo ou uma cascomia, pois não consigo descortinar. Mas a minha não descortinação só se pode prender com a confusão mental que estes cheiros que por aqui proliferam me têm provocado. A confusão mental, creio, não é só minha. Se houver meia dúzia de pessoas ainda não atingidas é o muito.

E isto porquê? Eis um exemplo: então não é que, não bastando os cheiros virem até nós, mesmo que não os queiramos ou deles desejemos fugir, não há agora um dia por semana em que é possível fazer excursões para aferir bem a origem e natureza  desses cheiros? É o mesmo que abrir, para romaria popular, a sala de operações de um hospital, depois de uma operação ter corrido menos bem. Era talvez uma visita interessante. Não sei é se resolveria o problema.

Talvez se baralhasse o problema, ou então se baralhasse a origem do problema e se baralhassem também as mentes que procuram a razão e a solução para o problema. Aliás, nada há melhor do que baralhar as mentes para que, qualquer dia, as vítimas ou os carrascos, dependendo da perspetiva, sem darem por isso, invertam os papéis. Ou então, está tudo tão misturado e indefinido que a culpa é de todos e não é de ninguém. Uma, entre muitas das inevitabilidades apontadas, é que há que agradecer e ser fiel a um trabalho, mesmo que exija a nossa morte, porque se precisa de viver. O pior é que quem pensa assim já está morto. É tal qual como na fábula “ A rã e o escorpião”. E, seja quem for que coloquemos no lugar da rã ou do escorpião, o resultado será sempre o mesmo: ambos ficam prejudicados, um pela sua bondade e ingenuidade, o outro pela sua natureza.

De tudo quanto tenho lido, creio que se vai generalizando a ideia da inevitabilidade dos cheiros e da incapacidade de se encontrar a sua razão de ser e, consequentemente,  a solução para os maus odores, mesmo que as desodorizações venham a funcionar. A verdade é que eu esperava mais, mais a todos os níveis. Esperava explicações e ações razoáveis que uma leiga cidadã pudesse entender. É a minha confusão mental! Uma coisa eu garanto: não me inscreverei para a dita excursão.

Mesmo imbuída de espírito de romaria, não poderia nunca dar contributos para a resolução do problema, porque acho que isso cabe aos profissionais e aos responsáveis e é para isso que lá estão. E também não gostaria que a minha peregrinação viesse, quiçá, a ser interpretada (ou construída), qual hipálage, como uma declaração de compreensão das  inevitabilidades e decorrente anuência.

É por haver, ou se pensar que há, tantas inevitabilidades que o mundo está como está. Assim, resta-nos aguardar pela intervenção divina e pela sua ação sobre as condições atmosféricas, para que retornemos a uma paz agradavelmente odorífera. Espera-se, também,  e uma vez que o cheiro tem um efeito direto na forma como nos sentimos,  que isso seja motivador para se melhorar, tendo em vista, por exemplo, os desempenhos profissional, escolar, social, cívico, económico e outros que tais... e esta capital bem precisa.

E, a não ser que se esteja a aplicar uma estratégia de marketing olfativo, cuja finalidade ainda não alcancei, ou se sofra de cascomia, o que sei é que isto do mau cheiro cheira mesmo mal.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia