• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A entrevista que ficou por escrever - inês vidal (texto integral)

Opinião  »  2020-12-03  »  Inês Vidal

Tenho o péssimo hábito (péssimo para mim, óptimo para quem me rodeia) de não poupar elogios, ao mesmo tempo que guardo para mim grande parte das críticas, num jeito conveniente de evitar o confronto que me incomoda, mas que é tantas vezes, se não sempre, fulcral em qualquer saudável relacionamento, seja ele de que cariz for.
Mas como dizia, não costumo poupar elogios. Tento não deixar nada de bom por dizer. Das poucas vezes em que tive consciência de que me estava a despedir de alguém, agradeci sempre, disse o quanto amava, beijei, abracei (naqueles tempos idos em que ainda o podíamos fazer), frisei o quanto me ensinaram e a tamanha falta que me iriam fazer. Consigo lembrar-me de umas tantas vezes que o fiz. Foi bom. Facilita a partida de quem vai, pelo menos para quem cá fica. Egoísmo, talvez.

Sinto, por tudo isso, um sufocante aperto no peito neste momento. A cabeça não pára quando a deito, as ideias correm num encadeamento alucinante. Sinto-me frustrada. Sinto que pela primeira vez, não me despedi de alguém, que deixei tudo por dizer, tanto por escrever...

Fernando Duque Simões, facilmente identificado pela maioria como proprietário da Fótica, mas muito mais do que apenas isso por quem o conheceu, morreu na passada semana. E eu não me despedi. Não lhe disse tudo o que gostava de lhe ter dito, o que ele merecia ter ouvido. Se, por um lado, não esperava que o fim chegasse tão cedo, por outro uma pandemia e um desprezível “afastamento social” roubaram-nos oito meses de partilha e convívio.

Sou uma privilegiada. Tenho tido a sorte de cair nas graças de pessoas geniais. Não sei se pelo meu lado arisco, às vezes, se pela ironia que carrego nos dias bons. Não sei porquê. A verdade é que tenho tido a sorte de me cruzar com pessoas com histórias de vida fantásticas, inteligentes, seres superiores que, gostando de mim, fazem questão de me transformar com as suas experiências, que absorvo como dogmas.

Foram várias as vezes que lhe pedi uma entrevista. Não queria que toda aquela história morresse ali. Para mim, as histórias são para ser contadas, partilhadas, para correr gerações... Nunca ma deu. Gostava de mim. Se o fizesse, faria-o comigo. Mas não o podia fazer. Os princípios de gente como já não se faz nos dias que correm, impediam-no. Tinha uma casa aberta ao público e não queria ferir susceptibilidades. A sua história era a sua, mas os clientes eram todos. Percebi. Respeitei. Mas nunca me perdoarei por não ter deixado escrita aquela história.

Eu e Fernando Duque Simões tínhamos um ritual. Ele entrava na farmácia, sentava-se no banco de braços cruzados, no seu casaco cinzento e, com um jeito de cabeça que eu já tão bem percebia, chamava-me para o seu lado. Era dos poucos sobreviventes do verdadeiro espírito do largo da botica: parar para colocar a conversa em dia.

Dizia-me sempre que anos antes também ali se sentava, mas com o meu avô. Agora, era a minha vez. E ali, durante uns minutos, que poderiam ser horas, discutíamos o mundo, olhávamos moribundos o nosso centro passado à história, riamo-nos das politiquices de trazer por casa que nos rodeavam. Ao ouvido, sussurrava-me que as minhas linhas andavam brandas de mais. Espicaçava-me. Não queria que me acomodasse a uma terra que era, no seu entender, pequena de mais para mim. Lutava comigo, insistia: “Inês, está sub-aproveitada aqui”. Queria que eu visse em mim o que ele conseguia ver.

São poucas as pessoas que se cruzam no nosso caminho, que realmente no vêem, nos conhecem e reconhecem... Eu já tive a sorte de me cruzar com duas ou três. E uma delas foi, sem sombra de dúvida, Fernando Duque Simões, que agora nos deixou. Não sei se lhe agradeci convenientemente o privilégio que tive em se ter cruzado no meu caminho, em ter sido meu amigo, em me ter visto com olhos de quem sabe ver. Espero, pelo menos, estar à altura de não deixar cair em vão os sonhos que tinha para mim.

A entrevista, essa, nunca a poderei escrever. Mas uma história assim não morre aqui.
Obrigada.

N.R. Por lapso, este texto foi publicado incompleto  inicialmente.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia