• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 22 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 14° / 6°
Céu nublado
Sex.
 14° / 6°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 11° / 7°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  13° / 6°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Caros Riachenses (II)

Opinião  »  2018-05-03  »  António Gomes

"Perdem as empresas que não têm um canal de acesso directo às vias rápidas, perde a população de Riachos"

Na última crónica que escrevi, falei dos inconvenientes e dos prejuízos para as pessoas que habitam nos arredores da estrada de acesso às zonas industriais ou que circulam com frequência, em movimentos pendulares Riachos - Torres Novas.

Agora, falemos daqueles para os quais este projecto foi pensado e também das consequências para a autarquia.
O principal objectivo deste plano, anunciado pelo primeiro ministro, era a eliminação dos estrangulamentos existentes nos acessos das zonas industriais às principais vias rodoviárias, de forma a encurtar distâncias e rentabilizar ao máximo as actividades económicas.

Ora, os principais beneficiários devem ser as empresas situadas nas respectivas áreas empresariais, mas isso não está garantido porque os estrangulamentos vão continuar, pois não é possível construir uma estrada com quatro vias contínuas da A23 até ao final do troço previsto, próximo da linha férrea, como aliás é admitido pelo próprio presidente da CM de Torres Novas. A não ser que se exproprie todas as áreas necessárias para tal, que inclui para além de terrenos, várias construções/habitações que estão ao longo do traçado.

O mais grave disto tudo é que existiam alternativas credíveis, que serviam em melhores condições os objectivos a que se propunha este projecto, mas a mesquinhez e os interesses pequeninos não permitiram. Neste País continua-se a pensar pequenino e a olhar só para o umbigo. Nem mesmo as instituições nacionais, no caso o próprio ministério através da “Infraestruturas de Portugal”, quiseram ver um pouco mais alto como era sua obrigação. Repete-se aqui o caso dos hospitais do Médio Tejo, temos três e continuamos mal servidos.

Acresce ainda que o trânsito da zona industrial do Entroncamento vai ser canalizado para este acesso, do ponto de vista dos interesses do Entroncamento até nem está mal visto… mas quem vai levar com todo o trânsito é a população de Riachos e os custos da obra imputados à autarquia recaem quase todos no município de Torres Novas: 15% do custo total, mais as expropriações e ainda as obras de iluminação pública, passeios etc..

Perdem as empresas que não têm um canal de acesso directo às vias rápidas, perde a população de Riachos que vai viver com este trânsito e perde a CM de Torres Novas, que fica com enormes custos a suportar. Mais uma oportunidade que se perde para muitas décadas. São opções

 

 

 Outras notícias - Opinião


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)


O PDM e a sua revisão »  2019-12-20  »  António Gomes

Parece que é desta. Ao fim de dezoito anos, o processo de revisão do PDM de Torres Novas dá sinais. Foi preciso o governo ameaçar com cortes nas receitas às autarquias que não completarem a revisão deste importante instrumento de ordenamento do território em 2020, para se iniciar tão importante tarefa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?