• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 21 de Maio de 2018
Pesquisar...
Qui.
 20° / 14°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 26° / 13°
Períodos nublados
Ter.
 26° / 11°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  25° / 12°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ali. Além. E aqui também.

Opinião  »  2018-05-03  »  Maria Augusta Torcato

"Não vale a pena falar de liberdade quando as pessoas vivem com medo"

Abril foi ontem. Maio é hoje. O ontem e o hoje devem dar as mãos e refazer o amanhã. É imperioso. Tal como é imperioso que se saibam os verdadeiros sentidos de abril e de maio. Abril e Maio. Um tem um dia que marca o valor e a conquista da liberdade. O outro o valor do trabalhador e as suas conquistas.

Porém, quem está um bocadinho atento já se deve ter apercebido que a liberdade parece que perdeu a cor e a essência e o trabalhador perdeu quase todas as suas conquistas. E isto acontece ali, além e aqui também.

Há uma grande hipocrisia ao falar-se de e em liberdade, quando se vivem, ainda, em muitos locais de trabalho e na sociedade, situações de prepotência que exigem e mantêm a subserviência; situações de bullying e mobbing, atingindo-se a dignidade do trabalhador e da pessoa que é, retirando-se-lhe qualquer réstea de autoestima e autoconfiança e impedindo-se que seja, de facto, um cidadão livre e verdadeiramente interveniente na sociedade de que deveria fazer parte, mas, no fundo, não faz, porque as suas ideias, as suas vontades e as suas ações são condicionadas e manipuladas e retratam não o que deseja, mas o que outros impõem.

Também se pode falar na liberdade que confere coragem, força e determinação a todos os que vivem situações de falsa liberdade. Mas, para se ser honesto, há que pensar nas grandes dificuldades e nas barreiras que isso implica e no esforço e no sacrifício que qualquer ação exige. E o esforço também cansa, também desgasta e também conduz ao vazio e à indiferença. E pode conduzir à miséria, material, social e psicológica, porque a marginalização e o castigo que vêm dos que reagem à coragem são muitas vezes brutais. E são eles que são o poder e tudo podem.

Quando tantos dos nossos jovens tiveram de abandonar o seu país à procura de trabalho, cortar com as suas raízes e pôr em causa a sua identidade, porque não conseguiam sobreviver, isso não é, de todo, liberdade.

Quando tantos dos jovens que ficaram apenas conseguem empregos precários, mal pagos, às vezes sob a forma de bolsas, subsídios ou favores, e isso não lhes garante uma vida minimamente digna sem o apoio dos pais ou dos avós, isso não é, de todo, liberdade.

Quando tantas e tantas pessoas trabalham, recebendo apenas o ordenado mínimo e com esse mísero valor têm de sustentar a família, provendo apenas a sua sobrevivência, isso não é, de todo, liberdade.

Quando, para se colmatarem as falhas do sistema (falhas propositadas de alguns para benefícios próprios) se assumem essas falhas em atitudes de assistencialismo, caridade e misericórdia, isso não é, de todo, liberdade.

Não vale a pena falar de liberdade quando as pessoas vivem com medo. Medo de tudo. Medo de não ter trabalho. Medo de não ser ressarcido pelo trabalho. Medo de não ser reconhecido. Medo de não conseguir alimentar os filhos. Medo de não conseguir pagar a renda ou o empréstimo da casa. Medo de não poder dar aos filhos aquilo que hoje, mesmo que erradamente, a sociedade exige. Medo de falhar e, por isso, falhar a quem se ama e precisa de si. Medo de não agradar. Medo de ser posto de lado. Medo do que diz e não diz e a quem o diz ou não diz. Medo de não conseguir corresponder ao modelo social e profissional imposto. Medo. Medo até de si. Medos... e com razão: há muito tempo que não se assistia a uma desvalorização tão grande do trabalho e do trabalhador. E nós sabemos que o trabalho confere dignidade. Deveria conferir dignidade.

Assim sendo, talvez valha mesmo a pena falar de liberdade. Dizer muitas vezes a palavra liberdade. Soletrar bem a palavra LI-BER-DA-DE. Dizê-la muitas vezes, mas procurando o seu sabor, o seu sentido, sabendo-lhe todo o gosto. Talvez assim, mesmo com os riscos e as consequências que já se conhecem para quem tem a coragem de a provar seja possível juntar o ontem e o hoje e fazer um amanhã claramente melhor. Mais humano. Em que haja dignidade. Em que aqueles que têm poder tenham capacidade de retirar de cada um dos outros o melhor, cultivando a partilha e a cooperação, num aperfeiçoamento da pessoa e da sociedade. Uma sociedade mais fraterna. Mais humana. Mais igual no respeito pela diferença. Mais justa. Mais feliz. Ali, além e aqui também.

Não me sai da cabeça a canção que diz: “Só há liberdade a sério quando houver/Liberdade de mudar e decidir...”. Ali. Além. E aqui também.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)


Magnésio, uma fonte de bem estar para o organismo »  2018-05-17  »  Juvenal Silva

O magnésio é um mineral muito importante para o organismo, para a produção de energia e a saúde do sistema nervoso, cuja deficiência pode causar sintomas como irritabilidade, cãimbras e fadiga, que podem ser atenuados por meio de alimentos ou suplementos naturais.
(ler mais...)


Admirável Mundo Novo... »  2018-05-17  »  Maria da Luz Lopes

Escrever é um ato que decorre do conhecimento, da cultura e dos valores que convictamente seguimos. Nesta linha de pensamento, não poderia começar esta crónica sem falar de Abril.
Inequivocamente para todos, reconhecemos que 44 anos depois da madrugada de Abril, vivemos uma Democracia quase plena que queremos defender para as gerações vindouras.
(ler mais...)


Nós só queremos um parque na cidade. E porquê? »  2018-05-17  »  Nuno Curado

Existe actualmente a necessidade de complementar o desenvolvimento urbano clássico com elementos ecológicos e naturais. Isto passa não só pela correcta manutenção do arvoredo existente, como da criação de outras áreas de valor ecológico.
(ler mais...)


Sua excelência o Mês de Maio »  2018-05-17  »  Anabela Santos

São doze os meses do ano, todos com um significado importante, especial, particular que depende das vivências e das recordações de cada um de nós.
Novembro deveria ser o meu mês de eleição pois, ao contrário de Luís de Camões, eu não maldigo o dia ou o mês em que nasci.
(ler mais...)


Maior quê? »  2018-05-17  »  Inês Vidal

Quando criei pela primeira vez o meu e-mail pessoal havia uma coisa que me atormentava: a quantidade de e-mails disparatados que me chegavam. Uns a felicitar-me por ter ganho carros de alta cilindrada, outros, bem mais divertidos por sinal, a perguntar se eu estaria interessada em aumentar o tamanho do meu pénis.
(ler mais...)


A nossa pátria »  2018-05-04  »  Jorge Carreira Maia

Ao comprar a nova tradução de Frederico Lourenço da Odisseia de Homero, lembrei-me da célebre frase de Fernando Pessoa ou, melhor, de Bernardo Soares: Minha pátria é a língua portuguesa.
(ler mais...)


Sons bons »  2018-05-03  »  Inês Vidal

Tenho esta coisa de achar que não sou capaz, de que não é para mim, que só os outros é que conseguem. É trabalhoso, não estou à altura, não tenho tempo, não sei como fazer. É uma fraca auto-estima que me acompanha.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia Maio de 68 e democracia
»  2018-05-17  »  José Ricardo Costa Bonés há muitos
»  2018-05-17  »  Inês Vidal Maior quê?