• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ali. Além. E aqui também.

Opinião  »  2018-05-03  »  Maria Augusta Torcato

"Não vale a pena falar de liberdade quando as pessoas vivem com medo"

Abril foi ontem. Maio é hoje. O ontem e o hoje devem dar as mãos e refazer o amanhã. É imperioso. Tal como é imperioso que se saibam os verdadeiros sentidos de abril e de maio. Abril e Maio. Um tem um dia que marca o valor e a conquista da liberdade. O outro o valor do trabalhador e as suas conquistas.

Porém, quem está um bocadinho atento já se deve ter apercebido que a liberdade parece que perdeu a cor e a essência e o trabalhador perdeu quase todas as suas conquistas. E isto acontece ali, além e aqui também.

Há uma grande hipocrisia ao falar-se de e em liberdade, quando se vivem, ainda, em muitos locais de trabalho e na sociedade, situações de prepotência que exigem e mantêm a subserviência; situações de bullying e mobbing, atingindo-se a dignidade do trabalhador e da pessoa que é, retirando-se-lhe qualquer réstea de autoestima e autoconfiança e impedindo-se que seja, de facto, um cidadão livre e verdadeiramente interveniente na sociedade de que deveria fazer parte, mas, no fundo, não faz, porque as suas ideias, as suas vontades e as suas ações são condicionadas e manipuladas e retratam não o que deseja, mas o que outros impõem.

Também se pode falar na liberdade que confere coragem, força e determinação a todos os que vivem situações de falsa liberdade. Mas, para se ser honesto, há que pensar nas grandes dificuldades e nas barreiras que isso implica e no esforço e no sacrifício que qualquer ação exige. E o esforço também cansa, também desgasta e também conduz ao vazio e à indiferença. E pode conduzir à miséria, material, social e psicológica, porque a marginalização e o castigo que vêm dos que reagem à coragem são muitas vezes brutais. E são eles que são o poder e tudo podem.

Quando tantos dos nossos jovens tiveram de abandonar o seu país à procura de trabalho, cortar com as suas raízes e pôr em causa a sua identidade, porque não conseguiam sobreviver, isso não é, de todo, liberdade.

Quando tantos dos jovens que ficaram apenas conseguem empregos precários, mal pagos, às vezes sob a forma de bolsas, subsídios ou favores, e isso não lhes garante uma vida minimamente digna sem o apoio dos pais ou dos avós, isso não é, de todo, liberdade.

Quando tantas e tantas pessoas trabalham, recebendo apenas o ordenado mínimo e com esse mísero valor têm de sustentar a família, provendo apenas a sua sobrevivência, isso não é, de todo, liberdade.

Quando, para se colmatarem as falhas do sistema (falhas propositadas de alguns para benefícios próprios) se assumem essas falhas em atitudes de assistencialismo, caridade e misericórdia, isso não é, de todo, liberdade.

Não vale a pena falar de liberdade quando as pessoas vivem com medo. Medo de tudo. Medo de não ter trabalho. Medo de não ser ressarcido pelo trabalho. Medo de não ser reconhecido. Medo de não conseguir alimentar os filhos. Medo de não conseguir pagar a renda ou o empréstimo da casa. Medo de não poder dar aos filhos aquilo que hoje, mesmo que erradamente, a sociedade exige. Medo de falhar e, por isso, falhar a quem se ama e precisa de si. Medo de não agradar. Medo de ser posto de lado. Medo do que diz e não diz e a quem o diz ou não diz. Medo de não conseguir corresponder ao modelo social e profissional imposto. Medo. Medo até de si. Medos... e com razão: há muito tempo que não se assistia a uma desvalorização tão grande do trabalho e do trabalhador. E nós sabemos que o trabalho confere dignidade. Deveria conferir dignidade.

Assim sendo, talvez valha mesmo a pena falar de liberdade. Dizer muitas vezes a palavra liberdade. Soletrar bem a palavra LI-BER-DA-DE. Dizê-la muitas vezes, mas procurando o seu sabor, o seu sentido, sabendo-lhe todo o gosto. Talvez assim, mesmo com os riscos e as consequências que já se conhecem para quem tem a coragem de a provar seja possível juntar o ontem e o hoje e fazer um amanhã claramente melhor. Mais humano. Em que haja dignidade. Em que aqueles que têm poder tenham capacidade de retirar de cada um dos outros o melhor, cultivando a partilha e a cooperação, num aperfeiçoamento da pessoa e da sociedade. Uma sociedade mais fraterna. Mais humana. Mais igual no respeito pela diferença. Mais justa. Mais feliz. Ali, além e aqui também.

Não me sai da cabeça a canção que diz: “Só há liberdade a sério quando houver/Liberdade de mudar e decidir...”. Ali. Além. E aqui também.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia