• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 15 Dezembro 2018    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 16° / 4°
Céu nublado com chuva moderada
Seg.
 14° / 5°
Períodos nublados
Dom.
 16° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  17° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ali. Além. E aqui também.

Opinião  »  2018-05-03  »  Maria Augusta Torcato

"Não vale a pena falar de liberdade quando as pessoas vivem com medo"

Abril foi ontem. Maio é hoje. O ontem e o hoje devem dar as mãos e refazer o amanhã. É imperioso. Tal como é imperioso que se saibam os verdadeiros sentidos de abril e de maio. Abril e Maio. Um tem um dia que marca o valor e a conquista da liberdade. O outro o valor do trabalhador e as suas conquistas.

Porém, quem está um bocadinho atento já se deve ter apercebido que a liberdade parece que perdeu a cor e a essência e o trabalhador perdeu quase todas as suas conquistas. E isto acontece ali, além e aqui também.

Há uma grande hipocrisia ao falar-se de e em liberdade, quando se vivem, ainda, em muitos locais de trabalho e na sociedade, situações de prepotência que exigem e mantêm a subserviência; situações de bullying e mobbing, atingindo-se a dignidade do trabalhador e da pessoa que é, retirando-se-lhe qualquer réstea de autoestima e autoconfiança e impedindo-se que seja, de facto, um cidadão livre e verdadeiramente interveniente na sociedade de que deveria fazer parte, mas, no fundo, não faz, porque as suas ideias, as suas vontades e as suas ações são condicionadas e manipuladas e retratam não o que deseja, mas o que outros impõem.

Também se pode falar na liberdade que confere coragem, força e determinação a todos os que vivem situações de falsa liberdade. Mas, para se ser honesto, há que pensar nas grandes dificuldades e nas barreiras que isso implica e no esforço e no sacrifício que qualquer ação exige. E o esforço também cansa, também desgasta e também conduz ao vazio e à indiferença. E pode conduzir à miséria, material, social e psicológica, porque a marginalização e o castigo que vêm dos que reagem à coragem são muitas vezes brutais. E são eles que são o poder e tudo podem.

Quando tantos dos nossos jovens tiveram de abandonar o seu país à procura de trabalho, cortar com as suas raízes e pôr em causa a sua identidade, porque não conseguiam sobreviver, isso não é, de todo, liberdade.

Quando tantos dos jovens que ficaram apenas conseguem empregos precários, mal pagos, às vezes sob a forma de bolsas, subsídios ou favores, e isso não lhes garante uma vida minimamente digna sem o apoio dos pais ou dos avós, isso não é, de todo, liberdade.

Quando tantas e tantas pessoas trabalham, recebendo apenas o ordenado mínimo e com esse mísero valor têm de sustentar a família, provendo apenas a sua sobrevivência, isso não é, de todo, liberdade.

Quando, para se colmatarem as falhas do sistema (falhas propositadas de alguns para benefícios próprios) se assumem essas falhas em atitudes de assistencialismo, caridade e misericórdia, isso não é, de todo, liberdade.

Não vale a pena falar de liberdade quando as pessoas vivem com medo. Medo de tudo. Medo de não ter trabalho. Medo de não ser ressarcido pelo trabalho. Medo de não ser reconhecido. Medo de não conseguir alimentar os filhos. Medo de não conseguir pagar a renda ou o empréstimo da casa. Medo de não poder dar aos filhos aquilo que hoje, mesmo que erradamente, a sociedade exige. Medo de falhar e, por isso, falhar a quem se ama e precisa de si. Medo de não agradar. Medo de ser posto de lado. Medo do que diz e não diz e a quem o diz ou não diz. Medo de não conseguir corresponder ao modelo social e profissional imposto. Medo. Medo até de si. Medos... e com razão: há muito tempo que não se assistia a uma desvalorização tão grande do trabalho e do trabalhador. E nós sabemos que o trabalho confere dignidade. Deveria conferir dignidade.

Assim sendo, talvez valha mesmo a pena falar de liberdade. Dizer muitas vezes a palavra liberdade. Soletrar bem a palavra LI-BER-DA-DE. Dizê-la muitas vezes, mas procurando o seu sabor, o seu sentido, sabendo-lhe todo o gosto. Talvez assim, mesmo com os riscos e as consequências que já se conhecem para quem tem a coragem de a provar seja possível juntar o ontem e o hoje e fazer um amanhã claramente melhor. Mais humano. Em que haja dignidade. Em que aqueles que têm poder tenham capacidade de retirar de cada um dos outros o melhor, cultivando a partilha e a cooperação, num aperfeiçoamento da pessoa e da sociedade. Uma sociedade mais fraterna. Mais humana. Mais igual no respeito pela diferença. Mais justa. Mais feliz. Ali, além e aqui também.

Não me sai da cabeça a canção que diz: “Só há liberdade a sério quando houver/Liberdade de mudar e decidir...”. Ali. Além. E aqui também.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O drama dos partidos de poder »  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A crise em que se arrasta o principal partido da oposição, o PSD, é sintomática da natureza dos partidos de poder em Portugal. São fortes e sólidos quando estão no poder; são frágeis e à beira da desagregação quando a governação lhes foge.
(ler mais...)


Mulheres »  2018-12-07  »  Inês Vidal

São mulheres. São presidentes, directoras, empresárias, polícias, bombeiras, autarcas, entre tantas outras profissões ou actividades. Acima de tudo, são mulheres. Ocupam cargos que um dia foram tradicionalmente de homens, ou foram as primeiras a fazê-lo por estas bandas.
(ler mais...)


Direito à indignação »  2018-12-07  »  Fernando Faria Pereira

O conceito deve-se, tanto quanto me lembro a Mário Soares, figura incontornável da democracia, que protagonizou a Presidência Aberta pelo Ambiente em resposta ao artigo 66º da constituição (ambiente e qualidade de vida) que estipula no seu nº 1: todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.
(ler mais...)


Amasso Friday »  2018-12-07  »  Miguel Sentieiro

Vi as imagens daquela massa humana compactada à porta da loja de aspiradores na tal Black Friday. Numa primeira análise temo confessar que também embarquei na tese “ o que passa na cabeça destes mentecaptos para, numa 6ª feira de manhã, se sujeitarem a uma espera de horas neste degredo massivo?”.
(ler mais...)


As estradas do concelho de Torres Novas »  2018-12-07  »  António Gomes

Uma parte muito significativa das estradas, ruas, ruelas, largos, rotundas, somando mais de cem, que fazem parte da rede viária deste concelho, encontram-se em estado de deterioração mais ou menos avançado. Algumas situações estão mesmo num estado miserável, como sabemos.
(ler mais...)


Como funciona a nossa memória »  2018-12-07  »  Juvenal Silva

 

A memória é essencial para a nossa capacidade de gravar, armazenar e recuperar informações. A nossa memória é uma máquina fantástica, que contém as nossas perceções, os nossos sentimentos, as nossas memórias, imaginação e permite-nos pensar e, ser quem somos.
(ler mais...)


Filhos e netos »  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia

Para o meu neto Manuel.

Há uma diferença essencial, para um pai e avô, entre o nascimento de um filho e o de um neto. O nascimento do filho traz com ele, para além do prazer que a sua vinda significa, problemas práticos.
(ler mais...)


Palavra passe »  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira

Estaciono à primeira. Entro no café. Portas automáticas. 3 rapazes: o do lado de lá e outros 2. Boa noite! Bnoite. 1 Água com gás natural sem copo. A televisão está no CM: desgraças, previsíveis ameaças.
(ler mais...)


Biblioteca com vida »  2018-11-21  »  Anabela Santos

Há muitos anos, não quero lembrar quantos para não recordar que já estou na “meia idade”, subia, com alguma regularidade, a ladeira de Salvador e dirigia-me à biblioteca municipal, que ficava junto da igreja.
(ler mais...)


Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados »  2018-11-21  »  Juvenal Silva

Os resfriados podem ocorrer em qualquer época do ano. Todavia, são mais comuns entre as estações de outono e inverno.

Os sintomas mais comuns são: coriza, espirros, congestão nasal, tosse, dor garganta, cansaço, perda de apetite, febre baixa, embora nas crianças possa ser mais elevada ocasionalmente.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia Filhos e netos
»  2018-11-21  »  Juvenal Silva Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados
»  2018-11-21  »  Anabela Santos Biblioteca com vida
»  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira Palavra passe
»  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia O drama dos partidos de poder