• SOCIEDADE  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 27 de Fevereiro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 19° / 3°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 18° / 6°
Céu nublado
Ter.
 16° / 8°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Tubarões e mortos-vivos

Opinião  »  2017-02-01  »  Maria Augusta Torcato

"Mas que o nosso mundo, na realidade, tem tubarões e mortos vivos, ai isso tem! "

Ultimamente (infelizmente, nada que me surpreenda) temos assistido a comportamentos e atitudes tão surreais para o século XXI, que as anacronias são permanentes. Mas, o tipo de anacronia que se deteta é, quase sempre, a analepse. E o que é a analepse? É o recuo no tempo, ou seja, uma personagem-narrador revive, retorna ou reconstrói informações ou acontecimentos do passado e este torna-se presente.

Sinceramente, eu já havia sentido alguma estagnação, cansaço e indiferença nas sociedades em geral. O pior disto é a abdicação das responsabilidades sociais, por parte das pessoas, e o deixar-se nas mãos de apenas de uns tantos (poucos) as decisões que dizem respeito a muitos, muitos mesmo. O que se verifica, em democracia, é que se devem respeitar as vontades e as opções das maiorias. O pior é quando essas vontades e essas opções põem tudo em causa, nomeadamente o respeito e o reconhecimento que essas opções obtiveram. Ou seja, aquilo que conduziu à sua assunção é precisamente o que é objeto de destruição. Paradoxal. Se não houvesse liberdade, nunca se poderia pôr em causa a própria liberdade. Possivelmente, não se poderia pôr nada em causa.

A verdade é que eu, às vezes, apenas mental e momentaneamente, penso: “muito bem, bem feita, agora é que vão ver como é”. Mas, é apenas momentaneamente, porque sei, tenho consciência disso, que não é com revanchismos que lá vamos. E o que, exceto nesses momentos, me perpassa e permanece é a tristeza, a desilusão pelo fracasso dos homens (e, claro, também das mulheres). Pela sua ignorância. Pela sua intolerância. Pela sua insensibilidade. Pela sua tacanhez. Pela sua vaidade e narcisismo. Pela sua ganância. Pela sua indiferença. Pela sua falta de empatia e altruísmo (o que é isto?).

Já que, segundo alguns, a violência se combate com violência (é claro que eu não acredito nisto, de todo, e até nem sou de dar a outra face!), resolvi combater a preguiça com a preguiça, a falta de vontade com a falta de vontade, a inércia com a inércia e o que fiz? O que faço tão pouco, mas tenho de começar a fazer mais: refastelar-me no meu sofá, tapadinha com uma manta quentinha, agora nos dias frios, e fazer zapping, porque focar-me num programa específico (se forem notícias ou reportagens é melhor desligar a tv, de tão tristes que são. Atenção que o que é mesmo triste é haver tantas coisas tristes, que fazem notícias e reportagens tristes que entristecem estes espaços informativos) obriga-me a pensar, pelo menos um bocadinho e o Pessoa, que eu muito admiro e respeito, já mostrava que pensar dói. E dói mesmo (aliás, talvez seja para evitar a dor que há tanta gente que não pensa ou não quer pensar).

E, o que é que eu vi? Vi que os filmes ou séries mais recorrentes eram de tubarões e mortos-vivos! Até me parecia impossível haver tantas variedades desta temática! Porém, dadas as minhas características (como é que diz Pessoa? Ah, é: “Se a flor flore sem querer/Sem querer a gente pensa”), não consegui deixar de desconstruir as mensagens. E lá fui ter às alegorias. As alegorias são um recurso especial para a leitura do mundo.

E não é que achei que a arte cinematográfica conseguiu, neste caso, através da prolepse (que é o avanço no tempo) representar tão bem o nosso mundo atual e a realidade que nos envolve e nos assusta? Basta pensarmos um bocadinho: há tubarões no gelo, há tubarões no ar, há tubarões na terra e há tubarões na água (aqui já sabíamos). Até há tubarões fantasmas. A verdade é que atacam tudo e todos e conduzem-nos à morte. Até lá, andamos numa aflição, com muito medo e sempre a escondermo-nos e em fuga. Depois, há os mortos-vivos. Na sequência de um vírus que atinge a humanidade, morre-se sem se morrer, ou melhor, vive-se morto. E o mais grave é que os mortos-vivos devoram os vivos, que renascem mortos.

Isto tudo parece muito confuso, mas não é. É apenas uma leitura. As alegorias fazem destas coisas. Mas que o nosso mundo, na realidade, tem tubarões e mortos vivos, ai isso tem! E que é difícil escapar a uns e a outros também é!

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Fantoche... »  2017-02-25  »  Hélder Dias

BENDITOS OS PEIXES DO AZUL ( há 30 anos o Zeca emalou a trouxa e zarpou) »  2017-02-23  »  João Carlos Lopes

Pelos 14 anos, quando me meti nas militâncias revolucionárias logo a seguir ao dia inicial, mais que as ideologias e as cartilhas, vejo eu agora, havia uma espécie de programa poético que em fundo embalava gestos e ousadias, esperanças e coragens: pelas praias do mar nos vamos à procura da manhã clara.
(ler mais...)


O PEDU segundo Mateus, o augusto »  2017-02-16  »  João Carlos Lopes

“Torres Novas.pt- ponte para todos” será, muito provavelmente, o último trabalho deste cariz, feito nesta autarquia, com vista à definição de uma estratégia global para o concelho na perspectiva de candidaturas comunitárias”: eram estas as palavras de António Rodrigues a abrir o prefácio do plano estratégico 2007/2015, elaborado pela empresa do ex-ministro socialista e consultor-mor Mateus, o augusto dos planos e eixos estratégicos (os mais grisalhos ainda se lembram do célebre “eixo estratégico Torres Novas/Entroncamento” sobre o qual o antigo vereador Carlos Tomé, o maior poeta que alguma vez passou por esta pobre autarquia, lavrou, lapidar: “No eixo é um descanso”.
(ler mais...)


Os benefícios terapêuticos da sauna »  2017-02-16  »  Juvenal Silva

A sauna é um benefício por muitos desconhecido e por outros negligenciado, sendo contudo, um dos melhores métodos para o aperfeiçoamento da forma física e da beleza, constituindo um tratamento de excelência na depuração orgânica e de extraordinária eficácia para o fortalecimento dos músculos, das articulações e,no aumento do rendimento da atividade, tanto física como intelectual.
(ler mais...)


Assim não! – caderno primeiro »  2017-02-16  »  Gabriel Feitor

Poderia abordar na crónica desta semana a questão dos refugiados acolhidos em Alcanena – assunto que, curiosamente, preencheu o espaço político da semana que passou – e a sua a sensacional recepção que envergonhou todos quantos primam pelo bom senso.
(ler mais...)


Pós-verdade e obras públicas »  2017-02-16  »  Jorge Salgado Simões

Para quem não deu por isso, António Costa veio cá no passado dia sete apresentar um programa nacional de valorização das áreas empresariais. São 180 milhões de euros para todo o país, dos quais cerca de 100 para acessibilidades a áreas empresariais já existentes, incluindo-se, neste caso, a ligação das zonas industriais do Entroncamento e Riachos à A23.
(ler mais...)


O castelo, o jardim e os outros »  2017-02-16  »  António Gomes

O bom senso aconselha a que se alargue o tempo de debate público e que se promova o mesmo, projeto a projeto.
Só assim podemos garantir as melhores soluções, as mais equilibradas e as mais consensuais. A aplicação dos dinheiros públicos em torno do PEDU vai muito para além dos mandatos autárquicos, é a cidade para as próximas gerações.
(ler mais...)


Autárquicas »  2017-02-16  »  Inês Vidal

Está dado o pontapé de saída para as eleições autárquicas, em Torres Novas. João Quaresma, líder da concelhia social-democrata, assume-se como candidato à Câmara Municipal, na frente de uma coligação com o CDS-PP, naquela que é uma tentativa de unir o eleitorado de direita.
(ler mais...)


Graças à geringonça »  2017-02-16  »  Jorge Carreira Maia

Os recentes elogios da Comissão Europeia ao desempenho de Portugal representam, por pouco que parte da esquerda goste ou não, uma vitória dessa mesma esquerda. De toda a esquerda portuguesa. Quando António Costa, perante os resultados eleitorais, decidiu formar governo com apoio parlamentar do BE, do PCP e do PEV toda a gente ainda está lembrada da tentativa de fronda lançada pela direita, fronda essa que estaria legitimada num conjunto de profecias que anunciavam que o novo governo não duraria seis meses, que o défice iria disparar e que o país estaria à beira do apocalipse.
(ler mais...)


Joseph de Maistre »  2017-02-03  »  Jorge Carreira Maia

Agora que uma certa direita política está a chegar ao poder é altura de olhar para o seu longínquo fundamento. Joseph de Maistre (1753-1821) – juntamente com Louis de Bonnald, Edmund Burke e Giambattista Vico – está na sua origem.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-02-23  »  João Carlos Lopes BENDITOS OS PEIXES DO AZUL ( há 30 anos o Zeca emalou a trouxa e zarpou)
»  2017-02-25  »  Hélder Dias Fantoche...