• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Pesquisar...
Qui.
 18° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 13° / 4°
Céu nublado
Ter.
 13° / 6°
Claro
Torres Novas
Hoje  15° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Tubarões e mortos-vivos

Opinião  »  2017-02-01  »  Maria Augusta Torcato

"Mas que o nosso mundo, na realidade, tem tubarões e mortos vivos, ai isso tem! "

Ultimamente (infelizmente, nada que me surpreenda) temos assistido a comportamentos e atitudes tão surreais para o século XXI, que as anacronias são permanentes. Mas, o tipo de anacronia que se deteta é, quase sempre, a analepse. E o que é a analepse? É o recuo no tempo, ou seja, uma personagem-narrador revive, retorna ou reconstrói informações ou acontecimentos do passado e este torna-se presente.

Sinceramente, eu já havia sentido alguma estagnação, cansaço e indiferença nas sociedades em geral. O pior disto é a abdicação das responsabilidades sociais, por parte das pessoas, e o deixar-se nas mãos de apenas de uns tantos (poucos) as decisões que dizem respeito a muitos, muitos mesmo. O que se verifica, em democracia, é que se devem respeitar as vontades e as opções das maiorias. O pior é quando essas vontades e essas opções põem tudo em causa, nomeadamente o respeito e o reconhecimento que essas opções obtiveram. Ou seja, aquilo que conduziu à sua assunção é precisamente o que é objeto de destruição. Paradoxal. Se não houvesse liberdade, nunca se poderia pôr em causa a própria liberdade. Possivelmente, não se poderia pôr nada em causa.

A verdade é que eu, às vezes, apenas mental e momentaneamente, penso: “muito bem, bem feita, agora é que vão ver como é”. Mas, é apenas momentaneamente, porque sei, tenho consciência disso, que não é com revanchismos que lá vamos. E o que, exceto nesses momentos, me perpassa e permanece é a tristeza, a desilusão pelo fracasso dos homens (e, claro, também das mulheres). Pela sua ignorância. Pela sua intolerância. Pela sua insensibilidade. Pela sua tacanhez. Pela sua vaidade e narcisismo. Pela sua ganância. Pela sua indiferença. Pela sua falta de empatia e altruísmo (o que é isto?).

Já que, segundo alguns, a violência se combate com violência (é claro que eu não acredito nisto, de todo, e até nem sou de dar a outra face!), resolvi combater a preguiça com a preguiça, a falta de vontade com a falta de vontade, a inércia com a inércia e o que fiz? O que faço tão pouco, mas tenho de começar a fazer mais: refastelar-me no meu sofá, tapadinha com uma manta quentinha, agora nos dias frios, e fazer zapping, porque focar-me num programa específico (se forem notícias ou reportagens é melhor desligar a tv, de tão tristes que são. Atenção que o que é mesmo triste é haver tantas coisas tristes, que fazem notícias e reportagens tristes que entristecem estes espaços informativos) obriga-me a pensar, pelo menos um bocadinho e o Pessoa, que eu muito admiro e respeito, já mostrava que pensar dói. E dói mesmo (aliás, talvez seja para evitar a dor que há tanta gente que não pensa ou não quer pensar).

E, o que é que eu vi? Vi que os filmes ou séries mais recorrentes eram de tubarões e mortos-vivos! Até me parecia impossível haver tantas variedades desta temática! Porém, dadas as minhas características (como é que diz Pessoa? Ah, é: “Se a flor flore sem querer/Sem querer a gente pensa”), não consegui deixar de desconstruir as mensagens. E lá fui ter às alegorias. As alegorias são um recurso especial para a leitura do mundo.

E não é que achei que a arte cinematográfica conseguiu, neste caso, através da prolepse (que é o avanço no tempo) representar tão bem o nosso mundo atual e a realidade que nos envolve e nos assusta? Basta pensarmos um bocadinho: há tubarões no gelo, há tubarões no ar, há tubarões na terra e há tubarões na água (aqui já sabíamos). Até há tubarões fantasmas. A verdade é que atacam tudo e todos e conduzem-nos à morte. Até lá, andamos numa aflição, com muito medo e sempre a escondermo-nos e em fuga. Depois, há os mortos-vivos. Na sequência de um vírus que atinge a humanidade, morre-se sem se morrer, ou melhor, vive-se morto. E o mais grave é que os mortos-vivos devoram os vivos, que renascem mortos.

Isto tudo parece muito confuso, mas não é. É apenas uma leitura. As alegorias fazem destas coisas. Mas que o nosso mundo, na realidade, tem tubarões e mortos vivos, ai isso tem! E que é difícil escapar a uns e a outros também é!

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O que se perfila »  2017-11-30  »  Jorge Carreira Maia

Apesar dos trágicos acontecimentos ligados aos incêndios e de algumas patetices governamentais, a esquerda continua, nas sondagens, a ser largamente maioritária. O problema começa agora que os acordos, que estabeleceram a coligação parlamentar, estão praticamente cumpridos.
(ler mais...)


O sentido da vida »  2017-11-29  »  Carlos Tomé

Há pessoas que vivem toda a vida sem se dar por elas. No fundo parece que não calcam o mesmo chão, que não bebem o seu café na Praça, uma italiana com adoçante faxavor, parece que não andam cá por estas bandas, são como o homem invisível, por vezes só se vê o contorno do casaco, remetendo-se a um silêncio exasperante e a uma invisibilidade que nos alimenta a ilusão de termos alguma importância ao pé deles.
(ler mais...)


TRANSIÇÃO EM CURSO »  2017-11-29  »  Denis Hickel

Nos dias que correm, quando falamos sobre o futuro das cidades, devemos acrescentar à lista dos problemas ambientais em curso o futuro robótico que se avizinha e o impacto geral que a tecnologia poderá trazer para as nossas vidas.
(ler mais...)


Palermas de serviço »  2017-11-29  »  Maria Augusta Torcato

Pode inferir-se uma modalidade depreciativa a partir do título, mas esta classe, que se pode subdividir em subclasses, tem um papel fundamental na orgânica da vida e das estruturas organizacionais do sistema (ou sistemas) em que nos integramos e de que dependemos.
(ler mais...)


ORU »  2017-11-29  »  António Gomes

A operação de reabilitação urbana – ORU – que tem estado em discussão pública, é um documento importante pelas consequências que poderá trazer à cidade de Torres Novas.
(ler mais...)


Deus 2.0 »  2017-11-29  »  José Ricardo Costa

O problema da existência de Deus foi, até ao século XIX, tema incontornável da Filosofia, não havendo filósofo que não metesse a sua colherada nem que fosse para deitar veneno. Depois, quase recebeu a extrema-unção.
(ler mais...)


Propólis: um poderoso antibiótico natural »  2017-11-29  »  Juvenal Silva

As abelhas protegem com segurança o seu reduto, a colmeia: contra os fungos, os vírus e as bactérias que se formam com a decomposição dos bichos que tentam entrar nos seus enxames, como ratos, vermes, aranhas, etc.
(ler mais...)


Os corvos-marinhos estão de volta. »  2017-11-29  »  Nuno Curado

Já há alguns anos que os choupos encostados à ponte da Levada são o pouso matinal de um grupo de corvos-marinhos que frequenta a cidade. Para quem não os conhece, parecem umas garças de cor preta e bico mais grosso, com uma mancha branca e amarela na face.
(ler mais...)


“A política é como os amigos” »  2017-11-29  »  Rosa Amora

A política, meus amigos, é como vocês. Por vezes leve, às vezes pesada, pode ser tão brincalhona como tão séria que chega a doer.
E a amizade é mesmo como a política. Tem altos e baixos, é inspiração, é luta, é carinho pelos outros.
(ler mais...)


A Nikita em Torres Novas (ou uma crónica pessoal pouco ou nada revolucionária no Centenário da Revolução de Outubro) »  2017-11-29  »  José Mota Pereira

Recuemos a 1985. Ao final desse ano. Elton John lançou “Nikita” um dos seus maiores sucessos musicais. A temática era claramente influenciada pelo ambiente de mudança que se começava a viver na Europa de Leste, desde que em março, na União Soviética, Gorbachev chegara a secretário geral do PCUS, anunciando um plano de reformas – a Perestroyka – que viria a alterar o mapa do mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)