• SOCIEDADE  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sexta, 28 de Abril de 2017
Pesquisar...
Seg.
 23° / 7°
Claro
Dom.
 19° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 20° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  15° / 8°
Céu muito nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Tubarões e mortos-vivos

Opinião  »  2017-02-01  »  Maria Augusta Torcato

"Mas que o nosso mundo, na realidade, tem tubarões e mortos vivos, ai isso tem! "

Ultimamente (infelizmente, nada que me surpreenda) temos assistido a comportamentos e atitudes tão surreais para o século XXI, que as anacronias são permanentes. Mas, o tipo de anacronia que se deteta é, quase sempre, a analepse. E o que é a analepse? É o recuo no tempo, ou seja, uma personagem-narrador revive, retorna ou reconstrói informações ou acontecimentos do passado e este torna-se presente.

Sinceramente, eu já havia sentido alguma estagnação, cansaço e indiferença nas sociedades em geral. O pior disto é a abdicação das responsabilidades sociais, por parte das pessoas, e o deixar-se nas mãos de apenas de uns tantos (poucos) as decisões que dizem respeito a muitos, muitos mesmo. O que se verifica, em democracia, é que se devem respeitar as vontades e as opções das maiorias. O pior é quando essas vontades e essas opções põem tudo em causa, nomeadamente o respeito e o reconhecimento que essas opções obtiveram. Ou seja, aquilo que conduziu à sua assunção é precisamente o que é objeto de destruição. Paradoxal. Se não houvesse liberdade, nunca se poderia pôr em causa a própria liberdade. Possivelmente, não se poderia pôr nada em causa.

A verdade é que eu, às vezes, apenas mental e momentaneamente, penso: “muito bem, bem feita, agora é que vão ver como é”. Mas, é apenas momentaneamente, porque sei, tenho consciência disso, que não é com revanchismos que lá vamos. E o que, exceto nesses momentos, me perpassa e permanece é a tristeza, a desilusão pelo fracasso dos homens (e, claro, também das mulheres). Pela sua ignorância. Pela sua intolerância. Pela sua insensibilidade. Pela sua tacanhez. Pela sua vaidade e narcisismo. Pela sua ganância. Pela sua indiferença. Pela sua falta de empatia e altruísmo (o que é isto?).

Já que, segundo alguns, a violência se combate com violência (é claro que eu não acredito nisto, de todo, e até nem sou de dar a outra face!), resolvi combater a preguiça com a preguiça, a falta de vontade com a falta de vontade, a inércia com a inércia e o que fiz? O que faço tão pouco, mas tenho de começar a fazer mais: refastelar-me no meu sofá, tapadinha com uma manta quentinha, agora nos dias frios, e fazer zapping, porque focar-me num programa específico (se forem notícias ou reportagens é melhor desligar a tv, de tão tristes que são. Atenção que o que é mesmo triste é haver tantas coisas tristes, que fazem notícias e reportagens tristes que entristecem estes espaços informativos) obriga-me a pensar, pelo menos um bocadinho e o Pessoa, que eu muito admiro e respeito, já mostrava que pensar dói. E dói mesmo (aliás, talvez seja para evitar a dor que há tanta gente que não pensa ou não quer pensar).

E, o que é que eu vi? Vi que os filmes ou séries mais recorrentes eram de tubarões e mortos-vivos! Até me parecia impossível haver tantas variedades desta temática! Porém, dadas as minhas características (como é que diz Pessoa? Ah, é: “Se a flor flore sem querer/Sem querer a gente pensa”), não consegui deixar de desconstruir as mensagens. E lá fui ter às alegorias. As alegorias são um recurso especial para a leitura do mundo.

E não é que achei que a arte cinematográfica conseguiu, neste caso, através da prolepse (que é o avanço no tempo) representar tão bem o nosso mundo atual e a realidade que nos envolve e nos assusta? Basta pensarmos um bocadinho: há tubarões no gelo, há tubarões no ar, há tubarões na terra e há tubarões na água (aqui já sabíamos). Até há tubarões fantasmas. A verdade é que atacam tudo e todos e conduzem-nos à morte. Até lá, andamos numa aflição, com muito medo e sempre a escondermo-nos e em fuga. Depois, há os mortos-vivos. Na sequência de um vírus que atinge a humanidade, morre-se sem se morrer, ou melhor, vive-se morto. E o mais grave é que os mortos-vivos devoram os vivos, que renascem mortos.

Isto tudo parece muito confuso, mas não é. É apenas uma leitura. As alegorias fazem destas coisas. Mas que o nosso mundo, na realidade, tem tubarões e mortos vivos, ai isso tem! E que é difícil escapar a uns e a outros também é!

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Marcelo, Marcelo »  2017-04-20  »  Jorge Carreira Maia

A imagem das pessoas e o desejo que delas sentimos são regulados pelos mesmos mecanismos que regem os mercados onde se transaccionam os bens de consumo. Sempre que um produto é escasso o preço sobe.
(ler mais...)


O clube dos escritores traídos »  2017-04-06  »  Jorge Carreira Maia

Há umas semanas noticiou-se que a editora de Agustina Bessa-Luís mandara retirar do mercado os livros desta autora. Parece que já não vendia o suficiente. Há claramente um conflito negocial, digamos assim, entre a editora e representantes da escritora.
(ler mais...)


Primavera - época de limpeza e renovação »  2017-04-05  »  Juvenal Silva

É principalmente na Primavera que se manifestam insuficiências orgânicas e alguns tipos de enfermidades, caraterizadas por cansaço e diversos tipos de toxicidade, a que normalmente chamamos impurezas no sangue.
As curas de depuração na Primavera são importantes e necessárias para reativar o metabolismo, normalizá-lo e estimulá-lo, condição para a sua força vital.
(ler mais...)


Inspiring future »  2017-03-23  »  Jorge Carreira Maia

Assisti há dias, na escola onde lecciono, a uma intervenção da Yorn Inspiring Future que, para além de trazer consigo um conjunto de sessões e workshops, onde 37 universidades e politécnicos tentaram cativar os alunos do 12º ano, explicou, numa sessão de pouco mais de uma hora, o processo de candidatura.
(ler mais...)


Aaaaaaaargh! »  2017-03-21  »  Hélder Dias

Breve reflexão sobre a origem das doenças »  2017-03-21  »  Juvenal Silva

O que origina a doença?
O organismo degrada-se, fundamentalmente, por dois motivos, pela intoxicação e pela falta de nutrientes para se constituir e renovar.
As substâncias nutritivas contidas nos alimentos servem para a elaboração das células e dos líquidos orgânicos; além disso, o nosso corpo funciona graças a elas.
(ler mais...)


Thomas Bernhard »  2017-03-10  »  Jorge Carreira Maia

A obra do escritor austríaco Thomas Bernhard é daquelas que colocam com mais acuidade a relação entre a biografia pessoal e a obra de arte. É verdade que o princípio, presente na hermenêutica de Paul Ricœur, que nos ordena ler uma obra como se nada soubéssemos do seu autor continua válido.
(ler mais...)


Fantoche... »  2017-02-25  »  Hélder Dias

BENDITOS OS PEIXES DO AZUL ( há 30 anos o Zeca emalou a trouxa e zarpou) »  2017-02-23  »  João Carlos Lopes

Pelos 14 anos, quando me meti nas militâncias revolucionárias logo a seguir ao dia inicial, mais que as ideologias e as cartilhas, vejo eu agora, havia uma espécie de programa poético que em fundo embalava gestos e ousadias, esperanças e coragens: pelas praias do mar nos vamos à procura da manhã clara.
(ler mais...)


O PEDU segundo Mateus, o augusto »  2017-02-16  »  João Carlos Lopes

“Torres Novas.pt- ponte para todos” será, muito provavelmente, o último trabalho deste cariz, feito nesta autarquia, com vista à definição de uma estratégia global para o concelho na perspectiva de candidaturas comunitárias”: eram estas as palavras de António Rodrigues a abrir o prefácio do plano estratégico 2007/2015, elaborado pela empresa do ex-ministro socialista e consultor-mor Mateus, o augusto dos planos e eixos estratégicos (os mais grisalhos ainda se lembram do célebre “eixo estratégico Torres Novas/Entroncamento” sobre o qual o antigo vereador Carlos Tomé, o maior poeta que alguma vez passou por esta pobre autarquia, lavrou, lapidar: “No eixo é um descanso”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2017-04-20  »  Jorge Carreira Maia Marcelo, Marcelo