• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 18 de Junho de 2018
Pesquisar...
Qui.
 29° / 19°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
Qua.
 35° / 19°
Períodos nublados
Ter.
 34° / 21°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  37° / 19°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Tubarões e mortos-vivos

Opinião  »  2017-02-01  »  Maria Augusta Torcato

"Mas que o nosso mundo, na realidade, tem tubarões e mortos vivos, ai isso tem! "

Ultimamente (infelizmente, nada que me surpreenda) temos assistido a comportamentos e atitudes tão surreais para o século XXI, que as anacronias são permanentes. Mas, o tipo de anacronia que se deteta é, quase sempre, a analepse. E o que é a analepse? É o recuo no tempo, ou seja, uma personagem-narrador revive, retorna ou reconstrói informações ou acontecimentos do passado e este torna-se presente.

Sinceramente, eu já havia sentido alguma estagnação, cansaço e indiferença nas sociedades em geral. O pior disto é a abdicação das responsabilidades sociais, por parte das pessoas, e o deixar-se nas mãos de apenas de uns tantos (poucos) as decisões que dizem respeito a muitos, muitos mesmo. O que se verifica, em democracia, é que se devem respeitar as vontades e as opções das maiorias. O pior é quando essas vontades e essas opções põem tudo em causa, nomeadamente o respeito e o reconhecimento que essas opções obtiveram. Ou seja, aquilo que conduziu à sua assunção é precisamente o que é objeto de destruição. Paradoxal. Se não houvesse liberdade, nunca se poderia pôr em causa a própria liberdade. Possivelmente, não se poderia pôr nada em causa.

A verdade é que eu, às vezes, apenas mental e momentaneamente, penso: “muito bem, bem feita, agora é que vão ver como é”. Mas, é apenas momentaneamente, porque sei, tenho consciência disso, que não é com revanchismos que lá vamos. E o que, exceto nesses momentos, me perpassa e permanece é a tristeza, a desilusão pelo fracasso dos homens (e, claro, também das mulheres). Pela sua ignorância. Pela sua intolerância. Pela sua insensibilidade. Pela sua tacanhez. Pela sua vaidade e narcisismo. Pela sua ganância. Pela sua indiferença. Pela sua falta de empatia e altruísmo (o que é isto?).

Já que, segundo alguns, a violência se combate com violência (é claro que eu não acredito nisto, de todo, e até nem sou de dar a outra face!), resolvi combater a preguiça com a preguiça, a falta de vontade com a falta de vontade, a inércia com a inércia e o que fiz? O que faço tão pouco, mas tenho de começar a fazer mais: refastelar-me no meu sofá, tapadinha com uma manta quentinha, agora nos dias frios, e fazer zapping, porque focar-me num programa específico (se forem notícias ou reportagens é melhor desligar a tv, de tão tristes que são. Atenção que o que é mesmo triste é haver tantas coisas tristes, que fazem notícias e reportagens tristes que entristecem estes espaços informativos) obriga-me a pensar, pelo menos um bocadinho e o Pessoa, que eu muito admiro e respeito, já mostrava que pensar dói. E dói mesmo (aliás, talvez seja para evitar a dor que há tanta gente que não pensa ou não quer pensar).

E, o que é que eu vi? Vi que os filmes ou séries mais recorrentes eram de tubarões e mortos-vivos! Até me parecia impossível haver tantas variedades desta temática! Porém, dadas as minhas características (como é que diz Pessoa? Ah, é: “Se a flor flore sem querer/Sem querer a gente pensa”), não consegui deixar de desconstruir as mensagens. E lá fui ter às alegorias. As alegorias são um recurso especial para a leitura do mundo.

E não é que achei que a arte cinematográfica conseguiu, neste caso, através da prolepse (que é o avanço no tempo) representar tão bem o nosso mundo atual e a realidade que nos envolve e nos assusta? Basta pensarmos um bocadinho: há tubarões no gelo, há tubarões no ar, há tubarões na terra e há tubarões na água (aqui já sabíamos). Até há tubarões fantasmas. A verdade é que atacam tudo e todos e conduzem-nos à morte. Até lá, andamos numa aflição, com muito medo e sempre a escondermo-nos e em fuga. Depois, há os mortos-vivos. Na sequência de um vírus que atinge a humanidade, morre-se sem se morrer, ou melhor, vive-se morto. E o mais grave é que os mortos-vivos devoram os vivos, que renascem mortos.

Isto tudo parece muito confuso, mas não é. É apenas uma leitura. As alegorias fazem destas coisas. Mas que o nosso mundo, na realidade, tem tubarões e mortos vivos, ai isso tem! E que é difícil escapar a uns e a outros também é!

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)


A eutanásia, dois problemas »  2018-05-30  »  Jorge Carreira Maia

Ontem foram discutidos na Assembleia da República quatro projectos de lei que visavam legalizar a eutanásia. Todos os projectos foram chumbados. Contudo, segundo alguns deputados, o problema voltará ao parlamento na próxima legislatura.
(ler mais...)


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)