• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 20 Setembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 24° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 25° / 16°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 26° / 16°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  25° / 17°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Carta aberta a bom entendedor - inês vidal

Opinião  »  2020-06-18  »  Inês Vidal

"Mas eu tenho mau feitio. Temos todos por aqui. Graças a Deus resta-nos uma alma boa"

Tenho mau feitio, quem me conhece sabe. Uma característica que nasceu comigo, mas que nitidamente vai piorando à medida que os anos passam, a vida corre, as experiências se sucedem...

Não deixa de ter graça que simultaneamente, mas num sentido inversamente proporcional, cresça a minha tolerância para com uma série de outras coisas que outrora me custava entender. Percebo os erros, as imperfeições, limites impostos ultrapassados, tudo o que fura os cânones da dita normalidade, que, vai-se a ver, nem sequer existe. Julgo cada vez menos, entendo o outro cada vez melhor, fruto de uma percepção de que a vida nos testa, põe-nos à prova e nos leva ao limite. Cada vida é uma e nós somos apenas humanos a tentar fazer o melhor que conseguimos com ela. Aprendi a ouvir os outros, a perceber que as minhas limitações são muitas vezes os pontos fortes do próximo, bem como as limitações de outrém são muitas vezes as minhas maiores fortalezas. Sinto-me, cada vez mais, uma pessoa melhor. Uma alma boa!

Mas se sou cada vez mais tolerante, sou, em simultâneo e ironicamente, cada vez mais intolerante àquilo que definitivamente não tolero. Respeito as pessoas que reconhecem os seus limites, admitem o erro ou a possibilidade de estar errados. Não tolero mentes flácidas, balofas, arrogantes, daquela arrogância própria de quem é de tal forma limitado que não concebe as suas próprias limitações. Haverá coisa mais triste?

Há pessoas que têm naturalmente essa tendência. Há situações que promovem isso ainda mais. As maiorias absolutas são um bom exemplo disso: tendem a intensificar este tipo de limitações. O complexo de ser Deus, que assola pessoas que não têm capacidade para perceber as suas fronteiras, de que não são ninguém para julgar os outros, de que é importante ser humilde a ponto de nos rodearmos de quem sabe, bem como de que é bom ouvir os outros, como forma de nos superarmos a uma só voz.
As maiorias absolutas são um bom exemplo disso, repito. O facto de legitimarem todas as suas merdas com os votos angariados nas urnas, sem ninguém que lhes consiga fazer frente, sobe à cabeça dos que não estão minimamente preparados para a coisa pública, para o bem comum, mas apenas interessados no que isso trará de vantajoso para o seu quintal.

Em Torres Novas, o edil, que atrai o agrado dos torrejanos pela sua educação, tem sofrido deste mal. Talvez não totalmente por culpa própria e ao mesmo tempo por sua inteira responsabilidade. Ou direi antes, irresponsabilidade. Aquela incapacidade de dar um murro na mesa ou de se rodear de gente que saiba, que lhe sussurre bons conselhos e lhe mostre o caminho que nem sempre consegue - nem tem de - ver sozinho. Escuteiro de alma, instalado num ninho de vespas envergonhadas, deu agora numa de se armar em Deus, gritando alto o que antes lhe sussurraram ao ouvido, decidindo sozinho, ou com os seus, quem tem alma boa ou má.

Entendeu, qual São Pedro às portas do céu, quais os jornais que por terem alma boa merecem o apoio da autarquia e quais os que, por se portarem mal - que é como quem diz os jornais que se atrevem a escrever textos destes - têm alma má e como que de castigo, ficam de fora dos horizontes do município.

Não é orgulho ferido este texto, entenda-se. Há muito que gritamos orgulhosos aos quatro ventos, que somos o único jornal do concelho que não mereceu a medalha de mérito municipal. Continuaremos a lutar por isso.

A nós que gostamos destas coisas da democracia e ainda mais da política local, do jornalismo e do verdadeiro jornalismo, dói-nos simplesmente a alma - boa ou má - quando o poder local não percebe que ninguém o elegeu para dar lições de moral de trazer por causa ou para tratar os munícipes torrejanos conforme os apetites. Há regras, regimentos e regulamentos a ser seguidos. Quem diz nos jornais, diz num conjunto de outros assuntos. Hoje toca-nos a nós, mas ontem tocou a outro e amanhã logo se vê...

Mas isso já não querem eles saber, porque não precisam. Por mais que esperneie a oposição, a decisão é da maioria. E a maioria decidiu que apoiar um jornal é vantajoso, pois garante a parcialidade, a propriedade, o comprometimento e deixa uma réstia de esperança de que seja possível calar quem fala.

Mas eu tenho mau feitio. Temos todos por aqui. Graças a Deus resta-nos uma alma boa. Do mesmo nem todos se podem orgulhar.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)


Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro »  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro

Hoje apetece-me escrever uma história baseada em factos verídicos com algumas notas ficcionadas para se conseguir tornar a narrativa menos densa e nauseabunda. Um indivíduo com 80 anos entra na urgência do Hospital de Torres Novas com fortes dores abdominais.
(ler mais...)


Democracia e representatividade - mariana varela »  2020-09-12  »  Mariana Varela

A democracia é, essencialmente, um sistema político que assenta na soberania popular, isto é, um regime em que a legitimidade do poder político emana do povo. Definir ou explicar a noção de democracia não é difícil.
(ler mais...)


A ruptura do discurso - jorge carreira maia »  2020-09-12  »  Jorge Carreira Maia

Nos últimos tempos três assuntos têm concentrado os interesses das redes sociais que dão atenção ao fenómeno político. O racismo, a festa do Avante e a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no ensino não superior.
(ler mais...)


As cabras do reino - carlos paiva* »  2020-09-12  »  Carlos Paiva

Era uma vez um reino. O rei tomou conhecimento que uma república aliada doava dinheiro a quem quisesse criar cabras com o intuito de limpeza do mato nas serras, de modo a diminuir o risco de incêndios. Uma solução barata, neste caso de borla, e acima de tudo não poluente, amiga do ambiente, tema muito em voga entre os gentios.
(ler mais...)


Fabrióleo: ir até ao fim - antónio gomes »  2020-09-12  »  António Gomes

O encerramento da Fabrióleo é um facto. O sofrimento das pessoas e o atentado ao ambiente estão agora mais próximos do fim. Quem não luta, não alcança.
Durante muitos anos, a poluição dos solos e das linhas de água foram a marca daqueles poluidores, nunca se importando com as consequências dos seus actos.
(ler mais...)


Agricultores - rui anastácio »  2020-09-01  »  Rui Anastácio

Falámos em Inglês. Não sei de onde vinham, vinham de bicicleta de bem longe, pela sua tez seriam originários do centro da Europa. Uma das bicicletas estava furada, com o pneu destroçado. Ofereci-lhes o meu spray antifuro.
(ler mais...)


O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela »  2020-09-01  »  Mariana Varela

Nós, seres humanos, habitamos e partilhamos este mesmo Mundo, algo que nos une enquanto Humanidade. Ainda que todos façamos parte de uma realidade universal, possuímos uma identidade baseada nas nossas próprias experiências pessoais e características únicas.
(ler mais...)


O outro somos nós - margarida trindade »  2020-09-01  »  Margarida Trindade

Numa muito recente viagem de família, a dada altura e já próximos do destino, a fim de sabermos qual o caminho a tomar, parámos numa bomba de gasolina e baixados os vidros das janelas, lançámos às três pessoas sentadas na mesa da esplanada a demanda pela estrada a seguir.
(ler mais...)


O rio do fururo - josé mota pereira »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Jorge Carreira Maia Saudades da ditadura - jorge carreira maia