• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A avó Augusta, a foice e a vassoura

Opinião  »  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato

"Todos os dias, quando contorno uma determinada rotunda, evidenciam-se ao meu olhar umas fogosas ervas, que não sei nomear,"

Esta crónica vai apresentar o formato de duas em uma. É que, apesar das temáticas e problemáticas quotidianas fervilharem na minha cabecinha, não tenho tido tempinho algum para escrever. E o ato de escrever exige pelo menos um bocadinho de tempo. Não é algo que se faça “vou ali e já volto”. Pelo menos comigo não é assim. Mas também não é nenhuma volta ao mundo. E esta eu gostaria de fazer na realidade, ter disponibilidade financeira para isso. Mas, quanto mais trabalho, menos recebo, ou então, recebendo o mesmo há tantos anos, e com as coisas a aumentar é como se recebesse menos. Menos mesmo! Mas vamos ao que interessa, que me dão um número limitado de palavras para usar e eu, abusadora, ultrapasso-as sempre. Mas, a verdade, é que eu gosto mesmo de palavras!

Os meses de maio e junho são meses santos ou com santos. Corria o início de maio, ali pelo dia três (ficou-me na memória, porque eu tenho uma memória de uma manada de elefantes apesar de já ter perdido alguns – isto espanta os meus alunos quando os surpreendo com alguma lembrança que eles pensavam que eu já tinha perdido!!!), quando, a caminho da escola, pelas oito e quinze da manhã, me surpreendo com um garrafão plástico cortado ao meio, ao lado de uns buraquitos que salpicavam a rua e num desses buraquitos mais profundo alguém tinha depositado um ramalhete, não “rubro de papoilas”, mas de malmequeres selvagens, campestres daqueles bem amarelinhos. Claro que me desviei, não só para me safar do meio garrafão de plástico, mas para não pisar os malmequeres. Aliás, já me andava a desviar há muito tempo, mas era para a roda do carro não cair no buraco. Todavia, como sou um bocadinho azelha, não caía naquele e ia cair noutro. Não tinha fuga possível.

Nessa manhã, descrevi a algumas das minhas colegas, com recurso à sinestesia, a imagem que me havia surpreendido e acabámos a valorizar o ato, a subtileza e a ironia de quem o praticou para chamar a atenção para algo que andava a prejudicar quem por ali passava. Mas, o mais interessante, é que no dia imediatamente seguinte os buraquitos haviam sido tapados, mesmo que com pouca perfeição. Os tais buraquitos lá se viram preenchidos por uns pedaços de alcatrão. Fiquei mesmo agradecida “a um ser desconhecido”. Até me lembrei do título da obra de Steinbeck, “A um Deus desconhecido”, se bem que o conteúdo da mesma nada tenha a ver com a simplicidade, mas frutífero ato que descrevi. Por isso, agradeço, mesmo que já esteja atrasada no agradecimento, a esse “ser desconhecido”, que, com uns simples, rústicos, mas, no fundo, majestosos malmequeres amarelos, contribuiu para que os buracos que começavam a grassar pela rua fossem, pelos menos alguns, tapadinhos.

Agora, a outra crónica, que também se pode cruzar com o espírito “epopeico” do “ser desconhecido”.

Todos os dias, quando contorno uma determinada rotunda, evidenciam-se ao meu olhar umas fogosas ervas, que não sei nomear, mas que me lembram as vassouras que a minha avó Augusta, de quem herdei o nome, e que teria hoje 107 anos, se fosse viva, fazia e usava para varrer a casa, o quintal e a rua. Não me lembro nunca de lhe ver outro tipo de vassoura, mesmo que a modernidade já lhe permitisse ter acesso a um objeto que a impediria de andar dobradinha sobre si própria. Talvez tivessem sido esses gestos repetitivos e essa postura que a fizeram ser sempre esguia, magrinha e elegante, como hoje eu gostaria de ser. Ou então talvez tivessem sido as dificuldades da vida, de quem trabalhava no campo, dependente de todas as intempéries e surpresas e tinha de alimentar seis filhos, a maioria das vezes sem condições para isso. Imagino a sua aflição e isso perturba-me, muitas vezes, mesmo que os tempo tenham mudado.

Mas, a lembrança da minha avó é permanente. Por isso, quando vejo aquelas ervas, altas, pomposas, convidando-nos para as cortarmos e juntarmos os caules, bem apertadinhos com uns baracitos que os rodeariam e terminariam num ou dois nós, e daí nasceriam umas vassouras, não consigo deixar de pensar que, se a minha avó fosse viva e estivesse por aqui, nesta terra a que ela nunca veio, agarraria numa foice e cortaria aquelas ervas todas e faria umas boas vassouras, para ela, para mim e para eu oferecer a quem quisesse. Aliás, essa atitude ajudaria a resolver muitas das exigências que parece que se fazem hoje, mas não a todos nem para todos, que é a limpeza de terrenos e bermas das estradas.

O junho dos santos populares foi fecundo nas condições que fizeram aquelas ervas punjantes. Que belas vassouras elas dariam! Era preciso que a avó Augusta aqui estivesse para, com a sua foice, as cortar.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia