• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 17 Janeiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 14° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 16° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 13° / 3°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  14° / 6°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A avó Augusta, a foice e a vassoura

Opinião  »  2018-07-12  »  Maria Augusta Torcato

"Todos os dias, quando contorno uma determinada rotunda, evidenciam-se ao meu olhar umas fogosas ervas, que não sei nomear,"

Esta crónica vai apresentar o formato de duas em uma. É que, apesar das temáticas e problemáticas quotidianas fervilharem na minha cabecinha, não tenho tido tempinho algum para escrever. E o ato de escrever exige pelo menos um bocadinho de tempo. Não é algo que se faça “vou ali e já volto”. Pelo menos comigo não é assim. Mas também não é nenhuma volta ao mundo. E esta eu gostaria de fazer na realidade, ter disponibilidade financeira para isso. Mas, quanto mais trabalho, menos recebo, ou então, recebendo o mesmo há tantos anos, e com as coisas a aumentar é como se recebesse menos. Menos mesmo! Mas vamos ao que interessa, que me dão um número limitado de palavras para usar e eu, abusadora, ultrapasso-as sempre. Mas, a verdade, é que eu gosto mesmo de palavras!

Os meses de maio e junho são meses santos ou com santos. Corria o início de maio, ali pelo dia três (ficou-me na memória, porque eu tenho uma memória de uma manada de elefantes apesar de já ter perdido alguns – isto espanta os meus alunos quando os surpreendo com alguma lembrança que eles pensavam que eu já tinha perdido!!!), quando, a caminho da escola, pelas oito e quinze da manhã, me surpreendo com um garrafão plástico cortado ao meio, ao lado de uns buraquitos que salpicavam a rua e num desses buraquitos mais profundo alguém tinha depositado um ramalhete, não “rubro de papoilas”, mas de malmequeres selvagens, campestres daqueles bem amarelinhos. Claro que me desviei, não só para me safar do meio garrafão de plástico, mas para não pisar os malmequeres. Aliás, já me andava a desviar há muito tempo, mas era para a roda do carro não cair no buraco. Todavia, como sou um bocadinho azelha, não caía naquele e ia cair noutro. Não tinha fuga possível.

Nessa manhã, descrevi a algumas das minhas colegas, com recurso à sinestesia, a imagem que me havia surpreendido e acabámos a valorizar o ato, a subtileza e a ironia de quem o praticou para chamar a atenção para algo que andava a prejudicar quem por ali passava. Mas, o mais interessante, é que no dia imediatamente seguinte os buraquitos haviam sido tapados, mesmo que com pouca perfeição. Os tais buraquitos lá se viram preenchidos por uns pedaços de alcatrão. Fiquei mesmo agradecida “a um ser desconhecido”. Até me lembrei do título da obra de Steinbeck, “A um Deus desconhecido”, se bem que o conteúdo da mesma nada tenha a ver com a simplicidade, mas frutífero ato que descrevi. Por isso, agradeço, mesmo que já esteja atrasada no agradecimento, a esse “ser desconhecido”, que, com uns simples, rústicos, mas, no fundo, majestosos malmequeres amarelos, contribuiu para que os buracos que começavam a grassar pela rua fossem, pelos menos alguns, tapadinhos.

Agora, a outra crónica, que também se pode cruzar com o espírito “epopeico” do “ser desconhecido”.

Todos os dias, quando contorno uma determinada rotunda, evidenciam-se ao meu olhar umas fogosas ervas, que não sei nomear, mas que me lembram as vassouras que a minha avó Augusta, de quem herdei o nome, e que teria hoje 107 anos, se fosse viva, fazia e usava para varrer a casa, o quintal e a rua. Não me lembro nunca de lhe ver outro tipo de vassoura, mesmo que a modernidade já lhe permitisse ter acesso a um objeto que a impediria de andar dobradinha sobre si própria. Talvez tivessem sido esses gestos repetitivos e essa postura que a fizeram ser sempre esguia, magrinha e elegante, como hoje eu gostaria de ser. Ou então talvez tivessem sido as dificuldades da vida, de quem trabalhava no campo, dependente de todas as intempéries e surpresas e tinha de alimentar seis filhos, a maioria das vezes sem condições para isso. Imagino a sua aflição e isso perturba-me, muitas vezes, mesmo que os tempo tenham mudado.

Mas, a lembrança da minha avó é permanente. Por isso, quando vejo aquelas ervas, altas, pomposas, convidando-nos para as cortarmos e juntarmos os caules, bem apertadinhos com uns baracitos que os rodeariam e terminariam num ou dois nós, e daí nasceriam umas vassouras, não consigo deixar de pensar que, se a minha avó fosse viva e estivesse por aqui, nesta terra a que ela nunca veio, agarraria numa foice e cortaria aquelas ervas todas e faria umas boas vassouras, para ela, para mim e para eu oferecer a quem quisesse. Aliás, essa atitude ajudaria a resolver muitas das exigências que parece que se fazem hoje, mas não a todos nem para todos, que é a limpeza de terrenos e bermas das estradas.

O junho dos santos populares foi fecundo nas condições que fizeram aquelas ervas punjantes. Que belas vassouras elas dariam! Era preciso que a avó Augusta aqui estivesse para, com a sua foice, as cortar.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As eleições europeias »  2019-01-11  »  Jorge Carreira Maia

Das três eleições que decorrerão este ano – Regionais da Madeira, Legislativas e Europeias – serão estas últimas as mais importantes para o nosso destino a médio prazo.
(ler mais...)


O desassossego »  2019-01-11  »  Anabela Santos

Ou eu estou num estado de loucura que me faz confundir o real com o irreal, ou vivo num país imaginário, num sonho (menos bom) permanente, ou totalmente enganada vinte e quatro horas por dia.

Não são poucas as vezes que ouço ou leio nos meios de comunicação que o país vive tempos tranquilos.
(ler mais...)


E o Zeca revisitou-nos »  2019-01-11  »  António Gomes

Não foi um qualquer concerto, foi mesmo a sério. O Zeca revisitou-nos, desta vez no Estúdio Alfa, pela mão dos “LaFontinha”. Tal como há 50 anos, José Afonso esteve entre nós, em Torres Novas.
(ler mais...)


Como a dor desfolha o peito »  2019-01-11  »  Carlos Tomé

1.Embora uma das imagens de marca do antigo regime fosse a opressão, felizmente existem histórias de resistência espalhadas por muitos locais. A resistência contra o fascismo não foi uma expressão meramente teórica, antes foi preenchida com muitos exemplos reais, episódios de coragem, gente de carne e osso que trocou as voltas ao destino, lutando contra ventos e marés.
(ler mais...)


O negócio dos extremos »  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia

Uma das questões que parece atormentar certos comentadores políticos é a da ausência de uma extrema-direita em Portugal. Apesar de isso não ser completamente verdade – não existe uma extrema-direita organizada politicamente, mas existe uma extrema-direita social, ainda inorgânica –, há uma outra questão que deveria merecer atenção.
(ler mais...)


A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE »  2018-12-19  »  Juvenal Silva

A obesidade é um problema de saúde e também um fator de risco para diversas doenças. Pessoas com mais de 20% de peso acima do recomendado para a sua altura e sexo, são mais vulneráveis a doenças degenerativas, nomeadamente problemas cardíacos, determinados tipos de doenças cancerosas, diabetes, artrite, etc.
(ler mais...)


Os(as) caixas de supermercado »  2018-12-19  »  António Gomes

Todos os anos por esta altura, sou confrontado com os episódios que se repetem quase mecanicamente nas grandes superfícies comerciais - estou a falar daquele dueto entre cliente e o caixa – “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”, “quer um saco?”, “tem cartão cliente e factura com número de contribuinte, deseja?”

Dias, semanas seguidas, ali estão elas ou eles sempre disponíveis e na esmagadora maioria bem-humorados.
(ler mais...)


Haja fé »  2018-12-19  »  Anabela Santos

Assim, em pouco mais de um abrir e fechar de olhos, estamos, de novo, em Dezembro. Mês de festa, de família, de celebrar o aniversário de Jesus Cristo, presépio, árvore de Natal, luzes, música, afetos, união e solidariedade.
(ler mais...)


O Cacetete »  2018-12-19  »  Miguel Sentieiro

Neste momento de convulsão social, com inúmeras classes profissionais em greve, existe uma em particular que não me consegue deixar indiferente. A greve dos guardas prisionais acontece por uma clara falta de diálogo e de desconhecimento por parte dos sindicatos do plano estratégico mais profundo que se trata da criação de um novo super herói tuga chamado “Guarda Prisional numa cadeia portuguesa” ou GPCP.
(ler mais...)


Alheados »  2018-12-19  »  Inês Vidal

Afastámo-nos da coisa pública. Por descrédito, por falta de tempo, por egoísmo. Seja por que motivo for, andamos tendencialmente longe de tudo o que diz respeito à gestão das nossos destinos e deixamos em mãos alheias as decisões da nossa vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-12-19  »  Inês Vidal Alheados
»  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia O negócio dos extremos
»  2018-12-19  »  António Gomes Os(as) caixas de supermercado
»  2018-12-19  »  Juvenal Silva A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE
»  2018-12-19  »  Anabela Santos Haja fé