• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 30 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 15° / 5°
Períodos nublados
Qua.
 17° / 6°
Períodos nublados
Ter.
 19° / 8°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  18° / 9°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Rankings

Opinião  »  2018-02-15  »  José Ricardo Costa

"O que há, como sempre houve, são alunos bons e maus, e alunos que serão sempre bons"

Até ao 5.º ano do liceu (actual 9.º ano) fui um aluno cujo rendimento andou algures entre o mau e o péssimo. Chumbei alegremente dois anos e devo à simpática benevolência docente não terem sido mais. Entretanto, tive a minha estrada de Damasco e tornei-me bom aluno. Acontece que tudo isto aconteceu não em duas escolas mas na mesma escola, então chamada Escola Secundária de Torres Novas.

Acontece ainda que tive excelentes professores em disciplinas que sempre detestei e em que fui péssimo aluno, as quais atravessei como quem rasteja pela areia do deserto em busca de um oásis libertador, do mesmo modo que tive péssimos professores em disciplinas de que gostava e em que fui bom aluno, como foi o caso de uma professora de História cujas aulas eram passadas a ditar apontamentos e nós a escrevê-los como se fossemos monges copistas num scriptorium medieval.

Mas a verdade é que preferia aqueles pedagogicamente miseráveis 50 minutos a escrever apontamentos sobre a Revolução Inglesa ou Francesa, ditados por um robot de saias que olhava para nós como se fossemos filhos de um sucateiro, do que os outros, em que excelentes professores, com sabedoria e competência, explicavam-me trigonometria ou reacções químicas, mas numa fase da vida em que frementes cascatas de testosterona entupiam os circuitos neuronais do meu córtex pré-frontal ou preferia faltar às aulas para ir jogar bilhar na adega do Real, ali nas Tufeiras, e que muito bom proveito me fez.

Entretanto, já como professor, trabalhei em escolas nas quais os resultados escolares eram humildes e escolas com resultados bastante simpáticos, o que deveria provocar-me um certo desnorte esquizofrénico. Salva-me uma certa perspectiva histórica que remete para um tempo em que rankings era mais assunto de volta a Portugal em bicicleta, um tempo em que não havia escolas boas nem más, nem delírios sociológicos que associem o rendimento dos alunos à escola que frequentam.

O que há, como sempre houve, são alunos bons e maus, e alunos que serão sempre bons ou maus independentemente dos professores o serem ou não. Quem faz os rankings não são as escolas e os professores. São os alunos e os pais dos alunos. Se José Mourinho treinasse o Paços de Ferreira, o Bolonha ou o West Ham nunca iria ser campeão nacional e muito menos europeu, se o professor Neca treinasse o Benfica, a Juventus ou o Manchester City bem poderia vir a ser campeão nacional.

Nos anos 70 do século passado, qualquer pessoa dava aulas. Na minha escola havia professores com o 9ºano a dar aulas ao 8º, professores com 11ºano a dar aulas ao 11ºano. Havia professores com perturbações mentais, professores que tinham tanto jeito para ensinar como eu para treinar uma equipa de râguebi. Porém, dessa mesma escola saíram centenas de alunos que hoje são competentes professores, médicos, engenheiros, economistas ou advogados. Antigamente era tudo saudavelmente simples, não estando o discurso sobre a escola ainda contaminado por uma ideologia disfarçada de ciência.

Todas as escolas tinham, e continuam a ter, professores bons, medianos (a classe na qual me revejo) e maus, sendo estes uma minoria. E não existem escolas só com bons, medianos ou maus professores. O que acontece é os professores ensinarem e os alunos aprenderem ou não aprenderem. E se não aprendem é porque não podem ou porque não querem, sabe lá Deus porquê. Tudo o resto são tretas pseudocientíficas que, por isso mesmo, são inesgotáveis para quem as vende, continuando assim a vendê-las enquanto houver quem as compre.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Onde pára o PS? - josé mota pereira »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.
(ler mais...)


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia