• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 21 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qua.
 26° / 14°
Céu limpo
Ter.
 24° / 15°
Períodos nublados
Seg.
 25° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 15°
Períodos nublados com aguaceiros e trovoadas
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Rankings

Opinião  »  2018-02-15  »  José Ricardo Costa

"O que há, como sempre houve, são alunos bons e maus, e alunos que serão sempre bons"

Até ao 5.º ano do liceu (actual 9.º ano) fui um aluno cujo rendimento andou algures entre o mau e o péssimo. Chumbei alegremente dois anos e devo à simpática benevolência docente não terem sido mais. Entretanto, tive a minha estrada de Damasco e tornei-me bom aluno. Acontece que tudo isto aconteceu não em duas escolas mas na mesma escola, então chamada Escola Secundária de Torres Novas.

Acontece ainda que tive excelentes professores em disciplinas que sempre detestei e em que fui péssimo aluno, as quais atravessei como quem rasteja pela areia do deserto em busca de um oásis libertador, do mesmo modo que tive péssimos professores em disciplinas de que gostava e em que fui bom aluno, como foi o caso de uma professora de História cujas aulas eram passadas a ditar apontamentos e nós a escrevê-los como se fossemos monges copistas num scriptorium medieval.

Mas a verdade é que preferia aqueles pedagogicamente miseráveis 50 minutos a escrever apontamentos sobre a Revolução Inglesa ou Francesa, ditados por um robot de saias que olhava para nós como se fossemos filhos de um sucateiro, do que os outros, em que excelentes professores, com sabedoria e competência, explicavam-me trigonometria ou reacções químicas, mas numa fase da vida em que frementes cascatas de testosterona entupiam os circuitos neuronais do meu córtex pré-frontal ou preferia faltar às aulas para ir jogar bilhar na adega do Real, ali nas Tufeiras, e que muito bom proveito me fez.

Entretanto, já como professor, trabalhei em escolas nas quais os resultados escolares eram humildes e escolas com resultados bastante simpáticos, o que deveria provocar-me um certo desnorte esquizofrénico. Salva-me uma certa perspectiva histórica que remete para um tempo em que rankings era mais assunto de volta a Portugal em bicicleta, um tempo em que não havia escolas boas nem más, nem delírios sociológicos que associem o rendimento dos alunos à escola que frequentam.

O que há, como sempre houve, são alunos bons e maus, e alunos que serão sempre bons ou maus independentemente dos professores o serem ou não. Quem faz os rankings não são as escolas e os professores. São os alunos e os pais dos alunos. Se José Mourinho treinasse o Paços de Ferreira, o Bolonha ou o West Ham nunca iria ser campeão nacional e muito menos europeu, se o professor Neca treinasse o Benfica, a Juventus ou o Manchester City bem poderia vir a ser campeão nacional.

Nos anos 70 do século passado, qualquer pessoa dava aulas. Na minha escola havia professores com o 9ºano a dar aulas ao 8º, professores com 11ºano a dar aulas ao 11ºano. Havia professores com perturbações mentais, professores que tinham tanto jeito para ensinar como eu para treinar uma equipa de râguebi. Porém, dessa mesma escola saíram centenas de alunos que hoje são competentes professores, médicos, engenheiros, economistas ou advogados. Antigamente era tudo saudavelmente simples, não estando o discurso sobre a escola ainda contaminado por uma ideologia disfarçada de ciência.

Todas as escolas tinham, e continuam a ter, professores bons, medianos (a classe na qual me revejo) e maus, sendo estes uma minoria. E não existem escolas só com bons, medianos ou maus professores. O que acontece é os professores ensinarem e os alunos aprenderem ou não aprenderem. E se não aprendem é porque não podem ou porque não querem, sabe lá Deus porquê. Tudo o resto são tretas pseudocientíficas que, por isso mesmo, são inesgotáveis para quem as vende, continuando assim a vendê-las enquanto houver quem as compre.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Inês Vidal Passa