• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 27 Fevereiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 19° / 8°
Períodos nublados
Seg.
 19° / 7°
Períodos nublados
Dom.
 20° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  21° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

JOGO AMIGÁVEL

Opinião  »  2015-07-01  »  José Ricardo Costa

"Na sociedade pode haver vencedores, não tem é de haver derrotados."

Vale a pena ver estes cinco golos. Pelos golos em si, obras de arte de elevada fineza, mas também para pensar nas putativas reacções dos guarda-redes que os sofreram. Golos destes são um hino ao futebol e fazem a alegria de quem gosta do desporto-rei. Mas pensar na reacção dos guarda-redes que os sofreram pode revelar-se um pedagógico exercício. 


Um economista ou um político pode ou não apreciar futebol. Um guarda-redes, por inerência, é alguém que o aprecia e o vive com intenso prazer. Se os guarda-redes que sofreram estes belos golos os vissem a partir de uma posição neutra e imparcial, iriam apreciá-los com um prazer tão intenso como qualquer outro adepto de bom futebol. Mas isso é impossível. Guarda-redes que os sofrem e avançados que os marcam, sendo ambos apreciadores de futebol, estão comprometidos numa situação de inexorável incompatibilidade na qual a alegria de uns só pode existir à custa da tristeza dos outros. O avançado fica feliz por marcar, mas, por muito belo que seja o golo, leva o guarda-redes a um estado de tristeza, frustração, irritação, desespero. Se, pelo contrário, os guarda-redes defendessem aquelas bolas, ficariam felizes e orgulhosos mas milhares de pessoas, incluindo os jogadores adversários, teriam perdido a alegria por estes belos golos.


Como superar este estado agónico? Má notícia: não se supera. No desporto não há qualquer hipótese de o superar, daí a sua dimensão trágica. Um jogo de futebol não é uma realidade moral. Tem regras, claro, mas regras que, como no código da estrada, servem apenas para lhe conferir alguma racionalidade, impedir o caos e a pura arbitrariedade. Mas não é uma realidade moral na qual os interesses de uns não devem poder ser satisfeitos à custa do prejuízo de outros. Bem, pelo contrário, como numa guerra, trata-se de uma espécie de contrato tácito entre dois inimigos que aceitam o facto de, no final, haver vencedores e vencidos.


E na sociedade, será também assim? Depende. Se encararmos as relações sociais e económicas como uma espécie de jogo no qual a vitória de uns implica a derrota de outros, então, neste caso, os conflitos sociais e económicos estarão no mesmo registo de um conflito entre um guarda-redes que defende e um avançado que marca. Ora, isso pode acontecer se retirarmos a moral da política e da economia e, como no futebol, limitarmos as relações sociais e económicas a um básico conjunto de regras que visam apenas impedir que a sociedade caia numa caótica situação de guerra, não de todos contra todos como dizia Hobbes, mas de alguns contra muitos.

 
Isso, porém, não deve acontecer. Tal como no Evangelho de S. Marcos se diz que o sábado foi feito por causa do homem e não o homem por causa do sábado, também a economia e a política existem por causa do homem, não é o homem que existe para política e a economia e onde a vitória de uns é feita à custa da derrota de muitos. A política e a economia não devem ser vistas como um jogo sem regras, mas como actividades cujas regras impedem a ideia de a sociedade se poder transformar num casino onde poucos são felizes e muitos são infelizes.


Os golos são belos como é belo o acesso a bens sociais como a saúde, a educação, a protecção dos mais desfavorecidos devido aos azares da vida ou até uma vida materialmente decente. Acontece que no futebol não existe o conceito mas uma sociedade sem ela é necessariamente doente: chama-se justiça social. No futebol são onze contra onze e no final ganha a Alemanha. Socialmente, os interesses de uns não são necessariamente os interesses de outros. Não há volta a dar. E muito bem, pode haver vencedores. Não tem é de haver derrotados.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nicolau III - rui anastácio »  2021-02-22  »  Rui Anastácio

Dizia-se do último czar da Rússia, Nicolau II, que a sua opinião era a opinião da última pessoa com quem tinha falado. Cem anos depois, Nicolau II reencarnou em alguma daquela rapaziada que tomou conta dos principais partidos da nossa democracia.
(ler mais...)


Na mouche - josé ricardo costa »  2021-02-22  »  José Ricardo Costa

Quando saí de Torres Novas para ir estudar em Lisboa já sabia que iria depois sair de Lisboa para vir trabalhar em Torres Novas. A primeira razão para voltar foi de natureza umbilical: eu ser de Torres Novas como outros são de Mangualde ou Famalicão.
(ler mais...)


A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira.
(ler mais...)


Altruísmo heróico e outras fábulas - carlos paiva »  2021-02-22  »  Carlos Paiva

O herói nacional, melhor jogador de futebol do mundo de sempre, segundo dizem, foi protagonista numa daquelas histórias que são matéria-prima para solidificar lendas. Nessa história, sublinhando as origens humildes, o estratosférico conquista mais um laço com o Zé comum.
(ler mais...)


A oportunidade da sobra - antónio gomes »  2021-02-22  »  António Gomes

Apesar da limitação de vacinas nesta fase, o país tem vindo a ser confrontado com variados episódios de vacinação fora do que está priorizado. Há sempre alguém que se julga acima das normas ou que faz as suas próprias normas e ultrapassa assim os que estão na fila, ou então por via de terceiros chegam primeiro à seringa.
(ler mais...)


São sobras, Senhor! São sobras! - ana lúcia cláudio »  2021-02-22  »  Ana Lúcia Cláudio

Na falta de acções presenciais, multiplicaram-se, nos últimos meses, as iniciativas on-line sobre os mais diversos assuntos. Num destes eventos em que participei, sensibilizou-me, particularmente, o testemunho de um ex-ministro social-democrata que, quando questionado sobre um eventual regresso à vida política mais activa, reconheceu que não pretende fazê-lo porque, e nas suas palavras, os quatro anos em que foi ministro mudaram-no, levando amigos e familiares mais próximos a dizerem-lhe que, nessa altura, ele não era “o mesmo Nuno”.
(ler mais...)


PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal »  2021-02-20  »  Inês Vidal

 1. O PSD de Torres Novas é uma anedota. Ao mesmo tempo que digo isto, ouço já ao fundo vozes a erguerem-se contra esta forma crua e dura de arrancar com este texto. Imagino até as conclusões de quem tem facilidade de falar sem saber: é do Bloco, dizem uns, comunista desde sempre, atiram outros, indo ainda mais longe, lembrando que dirige aquele pasquim comunista, conforme aprenderam com o ex-presidente socialista.
(ler mais...)


Vacina »  2021-02-18  »  Hélder Dias

Développé - rui anastácio »  2021-02-07  »  Rui Anastácio

Passo de ballet, movimento em que a bailarina estica graciosamente a perna, tem diferentes níveis de dificuldade consoante a direcção da perna e a altura a que chega o pé, requer um grande equilíbrio e um elevado nível de concentração.
(ler mais...)


Não sabemos morrer - inês vidal »  2021-02-05  »  Inês Vidal

Ouço os sinais ao longe. Um pranto gritado bem alto, do alto dos sinos da igreja, por alguém que partiu. É já raro ouvir-se. Por norma, pelo menos na nossa cidade, ecoam apenas pelos que muito deram de si à causa religiosa.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-02-05  »  Carlos Paiva Hill Street Blues - carlos paiva
»  2021-02-20  »  Inês Vidal PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal
»  2021-02-05  »  Jorge Carreira Maia O estranho caso das vacinas - jorge carreira maia
»  2021-02-18  »  Hélder Dias Vacina
»  2021-02-22  »  José Ricardo Costa Na mouche - josé ricardo costa