• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 26 Fevereiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 19° / 8°
Céu limpo
Dom.
 20° / 8°
Céu limpo
Sáb.
 20° / 8°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  18° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O mundo a seus pés

Opinião  »  2019-12-18  »  José Ricardo Costa

"De cigarro na mão, tão descontraído como se estivesse à porta do café ou à espera de transporte, este homem faz nascer um estádio."

Não faço ideia se esta fotografia, que quase enche a capa do último JT, foi feita com a intenção de se tornar no que é: um extraordinário objecto fotográfico. Se não foi, torna-se assim um daqueles acasos que nos aparecem como se possuíssem a sua própria racionalidade.

Eu já vi esta fotografia, embora como pintura, tendo outras personagens: Infante D. Henrique contemplando o infinito oceano, Marquês do Pombal diante Lisboa, Napoleão Bonaparte sobre o campo de batalha. Imagens em que o olhar de um herói diante da paisagem reflecte a dimensão do seu poder. Neste caso o impacto é ainda maior, não só pela completa descontinuidade nas escalas, fazendo Fernando Cunha subjugar a paisagem como Gulliver em Lilliput mas também pela separação entre os dois níveis de realidade, mostrando-o como uma espécie de Artífice platónico de cuja inteligência depende a existência das coisas materiais.

Mas há ainda um pormenor (apoiando-me em Roland Barthes chamar-lhe-ei o punctum desta imagem) que não pode ser desprezado: o cigarro na mão. Quando as figuras que referi anteriormente foram pintadas, a ideia seria sugerir, graças a uma engenhosa retórica visual, uma espécie de aura sobrenatural de alguém que, sendo humano, estaria para lá da humanidade. Ora, este cigarro, se por um lado, humaniza a personagem, tornando-o um de nós, retirando-lhe, desse modo, a aura de pureza e de super-homem associada aos grandes estadistas que alimentam uma relação paternalista com os seus povos, ao criar esse efeito íntimo enquanto olha para a obra que vai brotando dos seus olhos e dos seus pés, torna-o ainda mais eloquente. Porquê?

Porque, de cigarro na mão, tão descontraído como se estivesse à porta do café ou à espera de transporte, este homem faz nascer um estádio. Uma relação natural e não épica, ao contrário do que sucede com a imagem dos ditadores ou dos heróis mistificados. Tal como um deus, seja pagão ou o judaico-cristão, a obra nasce naturalmente, sem esforço, enquanto fuma um dos vulgaríssimos cigarros que fumará ao longo do dia.

A sua solidão, uma solidão quase romântica (reforçada pelo cigarro), no limite direito da imagem, e que faz dele uma mistura de cowboy da Marlboro e de Citizen Kane, transforma ainda mais esta imagem numa emanação directa da sua vontade ou da sua imaginação criadora: tal como na Criação do Mundo, olhamos para a direita e vemos o criador, olhamos para a esquerda e vemos a criatura. Hegel, um filósofo alemão do século XIX e do qual já pouco se fala, dizia que Cristo reunia numa só figura o transcendente e o imanente. Esta imagem consegue o mesmo efeito. Pela escala, pela pose, pelo ar contemplativo, cria-se a sugestão de estarmos perante alguém que não é um de nós. Mas, com um cigarro na mão, vemos um homem que foi ali com o espírito de “Vou ali e já venho” e que olha para uma grande obra como se esta fosse exalada naturalmente pela sua própria respiração enquanto deita o fumo pela boca e pelo nariz, pouco antes de esmagar o cigarro com o pé e se voltar para ir então à sua vida.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nicolau III - rui anastácio »  2021-02-22  »  Rui Anastácio

Dizia-se do último czar da Rússia, Nicolau II, que a sua opinião era a opinião da última pessoa com quem tinha falado. Cem anos depois, Nicolau II reencarnou em alguma daquela rapaziada que tomou conta dos principais partidos da nossa democracia.
(ler mais...)


Na mouche - josé ricardo costa »  2021-02-22  »  José Ricardo Costa

Quando saí de Torres Novas para ir estudar em Lisboa já sabia que iria depois sair de Lisboa para vir trabalhar em Torres Novas. A primeira razão para voltar foi de natureza umbilical: eu ser de Torres Novas como outros são de Mangualde ou Famalicão.
(ler mais...)


A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira.
(ler mais...)


Altruísmo heróico e outras fábulas - carlos paiva »  2021-02-22  »  Carlos Paiva

O herói nacional, melhor jogador de futebol do mundo de sempre, segundo dizem, foi protagonista numa daquelas histórias que são matéria-prima para solidificar lendas. Nessa história, sublinhando as origens humildes, o estratosférico conquista mais um laço com o Zé comum.
(ler mais...)


A oportunidade da sobra - antónio gomes »  2021-02-22  »  António Gomes

Apesar da limitação de vacinas nesta fase, o país tem vindo a ser confrontado com variados episódios de vacinação fora do que está priorizado. Há sempre alguém que se julga acima das normas ou que faz as suas próprias normas e ultrapassa assim os que estão na fila, ou então por via de terceiros chegam primeiro à seringa.
(ler mais...)


São sobras, Senhor! São sobras! - ana lúcia cláudio »  2021-02-22  »  Ana Lúcia Cláudio

Na falta de acções presenciais, multiplicaram-se, nos últimos meses, as iniciativas on-line sobre os mais diversos assuntos. Num destes eventos em que participei, sensibilizou-me, particularmente, o testemunho de um ex-ministro social-democrata que, quando questionado sobre um eventual regresso à vida política mais activa, reconheceu que não pretende fazê-lo porque, e nas suas palavras, os quatro anos em que foi ministro mudaram-no, levando amigos e familiares mais próximos a dizerem-lhe que, nessa altura, ele não era “o mesmo Nuno”.
(ler mais...)


PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal »  2021-02-20  »  Inês Vidal

 1. O PSD de Torres Novas é uma anedota. Ao mesmo tempo que digo isto, ouço já ao fundo vozes a erguerem-se contra esta forma crua e dura de arrancar com este texto. Imagino até as conclusões de quem tem facilidade de falar sem saber: é do Bloco, dizem uns, comunista desde sempre, atiram outros, indo ainda mais longe, lembrando que dirige aquele pasquim comunista, conforme aprenderam com o ex-presidente socialista.
(ler mais...)


Vacina »  2021-02-18  »  Hélder Dias

Développé - rui anastácio »  2021-02-07  »  Rui Anastácio

Passo de ballet, movimento em que a bailarina estica graciosamente a perna, tem diferentes níveis de dificuldade consoante a direcção da perna e a altura a que chega o pé, requer um grande equilíbrio e um elevado nível de concentração.
(ler mais...)


Não sabemos morrer - inês vidal »  2021-02-05  »  Inês Vidal

Ouço os sinais ao longe. Um pranto gritado bem alto, do alto dos sinos da igreja, por alguém que partiu. É já raro ouvir-se. Por norma, pelo menos na nossa cidade, ecoam apenas pelos que muito deram de si à causa religiosa.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-02-05  »  Carlos Paiva Hill Street Blues - carlos paiva
»  2021-02-20  »  Inês Vidal PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal
»  2021-02-05  »  Jorge Carreira Maia O estranho caso das vacinas - jorge carreira maia
»  2021-02-18  »  Hélder Dias Vacina
»  2021-02-22  »  José Ricardo Costa Na mouche - josé ricardo costa