• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Domingo, 17 de Junho de 2018
Pesquisar...
Qua.
 33° / 18°
Períodos nublados com chuva fraca
Ter.
 34° / 21°
Céu limpo
Seg.
 37° / 19°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  33° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Não é uma doença, mas sim um sintoma relacionado com uma desordem física

Opinião  »  2018-03-08  »  Juvenal Silva

Não sendo um problema novo, cada vez mais têm surgido casos de incontinência urinária, que tanto afecta homens como mulheres.

A incontinência urinária resulta em perdas de urina incontroláveis e não intencionais, que podem ocorrer durante o dia e durante a noite. Não é uma doença, mas sim um sintoma relacionado com uma desordem física mais comum com a idade. Todavia, não são apenas as pessoas mais velhas a sofrerem deste constrangimento.

As principais causas da incontinência urinária variam de acordo com o tipo de incontinência:
Enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico (períneo). Estes músculos estão localizados na parte inferior da pelve, que são usados para manter a bexiga no lugar e para controlar a evacuação das fezes e urinas. A gravidez e os partos vaginais podem enfraquecer a musculatura e podem relaxar com o envelhecimento e a perda de aptidão física.

A bexiga descaída apenas afecta as mulheres e ocorre quando os tecidos entre a bexiga e a vagina estão fragilizados e não suportam o peso da bexiga. Maioritariamente o fortalecimento muscular é suficiente para reposicionar a bexiga no seu lugar, evitando a cirurgia.

Outros transtornos como a hipertrofia da próstata, a neuropatia diabética, a doença de Parkinson, esclerose múltipla ou lesão da espinhal medula, podem provocar a incontinência.

Determinados medicamentos antidepressivos, descongestionantes nasais, relaxantes musculares, obstipação intestinal, podem desencadear também incontinência urinária. Uma das causas pouco relatada, mas com impacto, está relacionada com a dificuldade em andar, que impossibilita muitas vezes de chegar atempadamente à casa de banho.

A incontinência urinária no exercício é o tipo mais comum em mulheres, que consiste na libertação de uma pequena quantidade de urina devido ao aumento da pressão sobre o abdómen pressionando a bexiga, o que acontece também com o ato de tossir, espirrar, rir ou choro convulso. Nos homens, este tipo de incontinência pode surgir com problemas de natureza prostática ou após a remoção parcial ou total da próstata (prostatectomia), quando no ato cirúrgico, o esfíncter, (localizado no fundo da bexiga), seja atingido acidentalmente.

A bexiga hiperativa pode desenvolver micções mais frequentes e, com ocorrências do tipo apressado para chegar a casa e abrir a porta para ir rápido à casa de banho, ou ouvir a água a correr. As infeções urinárias provocam normalmente incontinência transitória, quando devidamente tratada é facilmente revertida. Outras situações são potenciadas pela ingestão de álcool, café ou outros estimulantes.A incontinência urinária psicológica pode afetar homens, mulheres e crianças em todas as idades e exigem um tratamento adequado.

A incontinência urinária total é caracterizada por um fluxo contínuo de urina, dia e noite.

As pessoas afectadas não têm controle voluntário da sua bexiga. A incontinência urinária total está relacionada com lesões físicas com origem em acidentes ou doenças que atingem a espinhal medula ou pela destruição parcial ou total do esfíncter que controla a saída da urina.

Entre as medidas básicas preventivas são de realçar a eliminação de peso em excesso, por exercer pressão sobre a bexiga e os músculos ao redor. A prática de atividades físicas que consagrem o fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico. Nos homens quando surge a necessidade de urinar várias vezes durante a noite, ou tenham dificuldade em urinar, ou com jato urinário fraco, poderá ocorrer incontinência urinária urgente, com probabilidades de hiperplasia benigna da próstata ou até outras situações mais agressivas.

Nestas situações deverão ser realizados exames da especialidade por profissionais de saúde qualificados.

Os tratamentos não invasivos mais utilizados são a fitoterapia, acupuntura, fisioterapia de reforço pélvico, hipnoterapia clínica, pilates.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O governo e os professores »  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia

O que terá levado o ministro da Educação a afirmar que, perante a posição dos sindicatos, o governo, que tinha prometido recuperar quase três anos do tempo em que as carreiras dos professores estiveram congeladas, não contará qualquer tempo para a progressão docente? O ministro pode achar que é uma estratégia brilhante para enfrentar os sindicatos, mas não percebeu como ela é humilhante para os professores, que se sentem tratados como crianças que são castigadas por um ministro a quem, na verdade, não reconhecem qualquer autoridade política ou educativa.
(ler mais...)


Torres Novas está lá dentro »  2018-06-06  »  Carlos Tomé

Casa Espanhol, uma das três lojas mais antigas de Torres Novas, fechou as suas portas no passado dia 30 de Maio. Torres Novas nunca mais será a mesma terra. Com este encerramento encerra-se uma determinada forma de estar na vida, a generosidade e a inteligência de conseguir estar quase 80 anos à frente de um estabelecimento comercial que marcou indelevelmente a vida da cidade.
(ler mais...)


As Claques »  2018-06-06  »  José Ricardo Costa

Há quatro anos, naquela derradeira fase em que cada jogo é uma final, fui a Aveiro ver o Benfica-Arouca. Indo inocentemente para trás de uma baliza acabei engolido por uma ubérrima claque encarnada transformada num grupo de ménades em pleno desvario, que, apesar do meu cachecol também encarnado, fizeram-me sentir tão em casa como a atravessar o cruzamento de Shibuya em hora de ponta.
(ler mais...)


Empurrar com a barriga »  2018-06-06  »  António Gomes

O edifício dos “Lourenços”, ocupado há 14 anos pela câmara, vai ser adquirido pelo município (390 mil euros). A ocupação do edificio foi acordada por um período de 18 meses, em 2004, sem hipóteses de renovação.
(ler mais...)


A medicina na idade antiga e as plantas medicinais »  2018-06-06  »  Juvenal Silva

A medicina sempre foi considerada uma arte sagrada e era ensinada nos templos. O diagnóstico da doença estava associado ao pecado, e o paciente era isolado para evitar a contaminação a outras pessoas, tanto físicas como espirituais e psicológicas.
(ler mais...)


Espanhol »  2018-06-06  »  Inês Vidal

A minha filha pedia-me hoje que a ajudasse a escolher um local e uma figura da nossa terra. Procurava uma resposta para um trabalho de estudo do meio. Lembrei-me do castelo, por conhecer o seu gosto pela história dos reis e rainhas de Portugal, mas quanto às figuras, andámos por ali as duas a deambular entre várias hipóteses, mas nenhum que nos arrebatasse de uma só vez.
(ler mais...)


A eutanásia, dois problemas »  2018-05-30  »  Jorge Carreira Maia

Ontem foram discutidos na Assembleia da República quatro projectos de lei que visavam legalizar a eutanásia. Todos os projectos foram chumbados. Contudo, segundo alguns deputados, o problema voltará ao parlamento na próxima legislatura.
(ler mais...)


Maio de 68 e democracia »  2018-05-18  »  Jorge Carreira Maia

Passam este mês 50 anos dos acontecimentos que ficaram conhecidos por Maio de 68, um conjunto de revoltas estudantis que se prolongaram numa onda grevista, sem precedentes, dos operários franceses. Por norma, salienta-se a natureza excepcional desses acontecimentos, onde se aliaram reivindicações libertárias dos estudantes, na área dos comportamentos sociais e sexuais, com as exigências sindicais bem mais prosaicas por parte significativa da mão-de-obra francesa.
(ler mais...)


Uma questão de memória? »  2018-05-17  »  Eduarda Gameiro

Sempre fui portadora de uma lacuna de grandes dimensões: a memória. E, quando sou confrontada com uma situação em que esta faculdade tem grande importância, e eu me encontro na sua ausência, há sempre quem me relembre:
- ‘’Andas a comer muito queijo!’’.
(ler mais...)


Bonés há muitos »  2018-05-17  »  José Ricardo Costa

Há um romance chamado A Montanha Mágica cuja acção se passa num sanatório. Numa altura em que o cérebro humano já só está preparado para aguentar livros de “figuras públicas”, auto-ajuda, espiritualidades e receitas de cozinha, ou então estados de alma no Facebook e meia dúzia de palavras chilreadas a conta-gotas, torna-se bizarro haver quem se lembre de escrever romances passados em sanatórios e de ainda precisar de 700 páginas para o fazer.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-06-07  »  Jorge Carreira Maia O governo e os professores