• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Terça, 18 de Setembro de 2018
Pesquisar...
Sex.
 31° / 16°
Céu limpo
Qui.
 31° / 18°
Céu limpo
Qua.
 32° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 17°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Cancro: a doença maldita

Opinião  »  2016-11-29  »  Juvenal Silva

"Não seria mais fácil e mais vantajoso procurar a principal causa destas doenças?"

As doenças cancerosas representam um grave problema de saúde a nível mundial e, não se vislumbra retrocesso…
Em 2015, a Organização Mundial de Saúde estimou que no ano de 2030 poderão existir 27 milhões de pessoas cancerosas, 17 milhões de mortes por cancro e 75 milhões de casos cancerosos.
Em Portugal e de acordo com o INE, em 2015 o cancro já é a primeira causa de morte.
Este aumento, cada vez mais crescente, é verdadeiramente assustador e prova de forma inequívoca, que apesar dos inegáveis progressos da medicina e da cirurgia, a nossa civilização multiplicou mais rapidamente as causas da doença que os meios de cura.
Caso para dizer que estamos perante uma grave doença civilizacional.
Esta é uma situação que me intriga, porque não só está destruindo a humanidade, como também tem um impacto negativo e brutal nas contas da saúde pública de todos as Nações.
Pergunto:
Não seria mais fácil e mais vantajoso procurar a principal causa destas doenças?
Não seria mais fácil sensibilizar e educar as populações para hábitos alimentares e estilos de vida mais saudáveis?
Não seria mais fácil e mais honroso, que todos os profissionais de saúde se dedicassem seriamente a esta causa humanitária?
Para análise e reflexão, analisemos um estudo deveras inquietante:
No segundo decénio do século 20, morriam anualmente com doenças cancerosas, nos países civilizados, cerca de 500.000 pessoas.
No período equivalente do século 21, morrem cerca de 8 milhões de pessoas com cancro e cerca de 35.000 milhões de pessoas com cancro lutam pela vida!
Para dor e sofrimento da humanidade, mas alimentando a indústria da doença…
Andam por aí tantas pessoas preocupadas pelas evidências científicas e tão pouco preocupados pelos valores humanos!
Enquanto não existir uma educação social, orientada para a verdadeira saúde pública, cabe aos profissionais de saúde ensinar às populações a essência e os segredos da vida, promovendo as bases do equilíbrio vital.
É importante fazer compreender que a doença não começa no dia em que se manifesta e que, quando se declara, há muito que o organismo sofria de toxicidade e ou carências alimentares.
Considerando este princípio, somente a medicina preventiva baseada na natureza, poderá contrariar a evolução da doença.
Acerca da doença e na persistência do erro que a desencadeia, Gandhi dizia: “O erro não se transforma em verdade só porque se propaga e multiplica”.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O quarto milagre de Fátima »  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia

O começo do ano lectivo é marcado pela generalização de uma nova reforma do sistema educativo. A ideia que está na base de mais uma aventura na educação portuguesa prende-se com a convicção da actual equipa do Ministério da Educação de que o trabalho realizado pelo professorado está globalmente desadequado às exigências do século XXI.
(ler mais...)


Poesia nos posters »  2018-09-12  »  José Mota Pereira

Eu não entendia. Nem poderia entender (aos seis, sete, oito anos de idade) o alcance daquelas palavras. Mas havia naqueles dois posters um magnetismo, uma espécie de magia que me prendiam às palavras que deles saltavam para os meus olhos.
(ler mais...)


Rentrée »  2018-09-12  »  Anabela Santos

O mês de Agosto já passou, acabaram as férias, o verão vai deixar-nos e aproxima-se o Outono.

Chegou Setembro, o mês do(s) recomeço(s). Na minha opinião, seria a altura de abrirmos uma garrafa de champanhe, de fazer um brinde à nova época, um brinde à vida.
(ler mais...)


Ansiedade: uma doença da sociedade moderna »  2018-09-12  »  Juvenal Silva

O que é a ansiedade?

A ansiedade é uma emoção causada por uma ameaça observada ou experimentada e, que o organismo utiliza como mecanismo para reagir de forma saudável às pressões da vida ou até a situações de perigo.
(ler mais...)


Olha, a gaivota! Olha a gaivota! »  2018-09-01  »  Maria Augusta Torcato

 As ideias estão ainda de férias. Se a palavra não fosse tão feia, eu até a utilizaria mais – procrastinação. Meu Deus, que palavra horrível para dizer apenas que se anda com  preguiça, sem vontade, a adiar o que tem de ser feito.
(ler mais...)


O passado e a tradição »  2018-08-30  »  Jorge Carreira Maia

Graças a um artigo de António Guerreiro, no Público, descobri dois versos extraordinários do realizador e poeta italiano Pier Paolo Pasolini. Deste, conheço alguns filmes, mas nunca li a sua poesia.
(ler mais...)


Ética »  2018-08-29  »  Inês Vidal

As novas tecnologias e a Internet - admirável mundo este que nos leva ao outro lado do globo num segundo - vieram mudar os nossos dias, rotinas, até o tom e a forma das nossas conversas. “O meio é a mensagem”, já anunciavam há muito alguns teóricos destas coisas da comunicação.
(ler mais...)


Agosto »  2018-08-29  »  José Mota Pereira

O mês de Agosto vai-se despedindo, a pouco e pouco, nestes dias e noites quentes.

Não há novidade nisto: Agosto ainda é o mês em que, por todo o país, se toma conta dos largos e se dança, canta, convive nas festas populares, trazendo vida aos territórios a que chamamos aldeias e de onde, se há notícias ao longo do ano, é para contar do abandono e da desertificação.
(ler mais...)


Uso e abuso de substancias químicas: a dependência de drogas e álcool »  2018-08-29  »  Juvenal Silva

O uso e abuso de substâncias químicas caracteriza-se por uma dependência, tanto psicológica como física, de drogas, incluindo-se medicamentos com receita médica e álcool.

O que é uma dependência química? Acontece quando um indivíduo necessita de uma droga para funcionar.
(ler mais...)


Protectorado »  2018-08-16  »  Jorge Carreira Maia

O Verão teve, até agora, dois acontecimentos políticos maiores. O caso Robles e o fogo de Monchique. Maiores para os mass media e para uma certa direita social. Por direita social não me refiro aos partidos políticos de direita, os quais não estiveram particularmente mal em ambos os casos, mas àqueles que se manifestam nas redes sociais, nas caixas de comentários dos jornais online, que surgem como espontâneos nos directos das televisões, isto é, a uma militância informe, mas muito activa, que vive despeitada pelos seus não estarem no governo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-09-13  »  Jorge Carreira Maia O quarto milagre de Fátima
»  2018-09-12  »  José Mota Pereira Poesia nos posters
»  2018-09-12  »  Anabela Santos Rentrée