• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 18° / 9°
Céu nublado
Qua.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 12°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

QUE PARECENDO SER PLURAL E DIVERSO - margarida trindade

Opinião  »  2020-09-28  »  Margarida Trindade

"A defesa da mutilação intelectual é só o primeiro passo para essa vitória da barbárie. "

Em cima da mesa da cozinha, em casa dos meus avós, havia sempre um último número do Jornal de Abrantes. A lembrança é de umas folhas muito brancas e rígidas, de um jornal que à época já me parecia antigo, e era comparado com o Expresso ou com A Capital — outros jornais que me habituei a ver também em cima de outra mesa, na sala de estar da casa dos meus pais.

O meu avô materno era, apesar de tudo, um homem esclarecido. Um homem do campo, trabalhador rural, republicano que lia sem falhar o jornal local que trazia para cima da mesa da cozinha, e onde permanecia os dias suficientes para que fosse absorvido devagar e durasse até que um novo número o pudesse substituir. Aprendeu solfejo e tocava trompete na banda filarmónica. Um homem do seu tempo, num Portugal pobre e descalço.

Outros tempos, em que os dias começavam de madrugada e davam para ir e vir para os campos, para a horta, para a mata, para as refeições de couves-com-feijão e pão-de-milho, se o havia, e onde não falhava um copito ou dois de vinho tinto.
O Domingo servia para ir à missa, fazer a barba, e ler devagar o jornal, poupando cada artigo, cada coluna, a ver se as páginas ainda por ler duravam até ao final do mês, como de resto os tostões ou o folhetim diário na rádio que ia esticando os dias. Os mais frios junto ao lume, os mais quentes ao relento, debaixo do escuro do céu.

Dos cinco filhos dos meus avós maternos, dos outros não sei, mas a mais velha foi para a escola já ensinada a ler. Precisamente, letra a letra, no Jornal de Abrantes, recurso só, mas certo, para a vontade de saber mais, de estar a par do mundo.
Quis então o meu avô que a filha, que aprendeu cedo a juntar as letras, fosse já apetrechada com esta ferramenta, ao tempo ainda pouco consagrada a mulheres, para a escola primária, a leitura.

Um avanço, aliás, que lhe valeu para a vida toda. Sem com certeza se dar conta disso, o meu avô fez da filha uma mulher que mais do que juntar letras foi, e é, interventiva, esclarecida, informada, activa na política e na sociedade, à sua maneira. Resultou, no caso, numa mulher de vanguarda, que sempre pensou pela sua cabeça. Ofereceu-me os primeiros livros juvenis sobre sexualidade, as primeiras memórias do Doutor Jivago ou de As Vinhas da Ira. Um perigo, portanto, que encaixaria num qualquer index onomástico que por conta de certas opiniões deveria vigorar no ensino público para afastar da escola o livre pensamento ou a emancipação intelectual.

Ouvi dizer que há para aí quem defenda mutilações físicas. Não admira. A defesa da mutilação intelectual é só o primeiro passo para essa vitória da barbárie.
Nas memórias que guardo do meu avô, tenho grata a lembrança daquele jornal que ali vivia em sua casa. Quantas vezes, em meios menos favorecidos como era o da maioria dos portugueses que morava no interior de Portugal em meados do século passado, não foi a imprensa local e regional o veículo do livre pensamento que insistiu em sobreviver, apesar da pobreza continuar a teimar.

Neste tempo em que a velocidade dos dias nos suprimiu a capacidade de escutar mais do que uma massa de pensamento único, que parecendo ser plural e diverso não o é (nem dá muito jeito que seja), importa continuar a apoiar e a ler a imprensa local e regional, quantas vezes o raro balão de oxigénio e a única consciência de alerta, nas margens de um rio em cuja corrente, por inércia ou comodismo, nos vamos deixando arrastar e submergir.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal