• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 21 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 15° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 16° / 8°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 15° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

E agora? por João Carlos Lopes

Opinião  »  2020-04-21  »  João Carlos Lopes

Depois de loucos 20 anos e de centenas e centenas de milhões de euros de investimento em escolas, piscinas, bibliotecas, centros escolares, pavilhões, centro de congressos, hospitais e centros de saúde, estradas e centros culturais, mercados e jardins, parques e viadutos, rotundas e avenidas, temos um território em perda de densidade, temos o “interior” já aqui, a 50 km do mar em linha recta e a 50 minutos de Lisboa. Como se nada disto tivesse valido a pena.

Somos cada vez menos e mais velhos, e são cada vez menos os que querem ficar por aqui. Vão-se embora a sete pés os mais habilitados, instruídos e talentosos, deixando-nos em profunda regressão de inteligência instalada e de massa crítica.

A grande vaga de melhoria das condições de vida das vilas e pequenas e médias cidades nada estancou, antes pelo contrário: o novo êxodo é um movimento civilizacional longo, que começou há muitas décadas na fuga das aldeias para as vilas e que agora, esvaziadas as aldeias, leva massas de gente das pequenas cidades para os grandes eixos urbanos do país, três ou quatro apenas.

Há muitas décadas, foram a massificação de escolas pelas aldeias, como janelas abertas ao mundo e à liberdade, e a instrução em sentido lato, que levaram ao impulso de conhecer outras realidades para lá dos limites que duravam há séculos. Agora, quanto mais se atinge a excelência do ensino e as competências dos jovens de uma cidade, mais eles também se vão embora, porque mais preparados para percorrer outros mundos. São os melhores músicos, médicos, jornalistas ou engenheiros. Não há nada a fazer.
As políticas locais, cobertas por decisões nacionais mais amplas, de substituição das economias locais de pequenos circuitos, mas fixadoras de mão-de-obra e de redes sócio-económicas comunitárias, pelos grandes empórios da distribuição de produtos de consumo, levou à destruição completa do comércio local, dos pequenos negócios e das redes de produção agro-industrial locais. Diminuíram os postos de trabalho, precarizaram-se as relações laborais, regrediu a qualidade do emprego.

As administrações locais, erráticas e desorientadas, sem objectivos sólidos, apostam no supérfluo, na vergonhosa gestão pelo facebook, na imagem parola, no gasto de milhares e milhares de euros em acções de “promoção da terra” (pagando iniciativas de outrém, vergando-se em milhares de euros às investidas canibalescas das televisões em programas miseráveis que nada acrescentam, muitos só ridicularizam), esvaem-se em gastos de energia ridículos em concursos de maravilhas, outrora coisas infantis, atiram a tudo o que mexe numa ânsia desesperada de conservar o poder pelo poder, compram escandalosamente tudo em redor com recurso ao subsídio, porque nada mais que estar no poder, apenas e só, alimenta a total inacção prospectiva, planificadora, de médio e longo prazo.

Assim se joga o chamado poder local, entre a impossibilidade de enfrentar tendências gerais e políticas nacionais, mais determinantes na vida das pessoas (que por isso votam mais nas legislativas do que nas autárquicas), e a sua incapacidade de fazer opções tendentes a tornar excelentes as condições concretas de vida dos que cá ficam, único cartão de visita válido para se poder aspirar, a longo prazo, a esperar algum retorno dos que saíram ou que optarão um dia por mudar de vida.

Dramaticamente, este quadro já de si desesperante (traduzido nas tendências explicitadas no artigo http://www.jornaltorrejano.pt/sociedade/noticia/?n-25b2ed1f), cruza-se agora com o pesadelo que se abateu sobre o mundo e este nosso pequeno mundo. Nada podia ter sido pior. Resta-nos a esperança de que a realidade, de tão impressiva e impositiva, nos obrigue a todos, por uma vez, e sobretudo aos que estão transitoriamente no poder, a fixarmo-nos no essencial que temos para fazer e só no essencial: aquilo que eleva e consolida o bem comum, utilizando os recursos com rigor e transparência democrática. A não ser assim, o vírus permanecerá e continuará a dissolver a cidade e as nossa vidas, as vidas dos que cá estamos.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  António Gomes Resíduos urbanos - antónio gomes