• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Maio 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 34° / 19°
Céu limpo
Qua.
 33° / 20°
Céu limpo
Ter.
 32° / 20°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

E agora? por João Carlos Lopes

Opinião  »  2020-04-21  »  João Carlos Lopes

Depois de loucos 20 anos e de centenas e centenas de milhões de euros de investimento em escolas, piscinas, bibliotecas, centros escolares, pavilhões, centro de congressos, hospitais e centros de saúde, estradas e centros culturais, mercados e jardins, parques e viadutos, rotundas e avenidas, temos um território em perda de densidade, temos o “interior” já aqui, a 50 km do mar em linha recta e a 50 minutos de Lisboa. Como se nada disto tivesse valido a pena.

Somos cada vez menos e mais velhos, e são cada vez menos os que querem ficar por aqui. Vão-se embora a sete pés os mais habilitados, instruídos e talentosos, deixando-nos em profunda regressão de inteligência instalada e de massa crítica.

A grande vaga de melhoria das condições de vida das vilas e pequenas e médias cidades nada estancou, antes pelo contrário: o novo êxodo é um movimento civilizacional longo, que começou há muitas décadas na fuga das aldeias para as vilas e que agora, esvaziadas as aldeias, leva massas de gente das pequenas cidades para os grandes eixos urbanos do país, três ou quatro apenas.

Há muitas décadas, foram a massificação de escolas pelas aldeias, como janelas abertas ao mundo e à liberdade, e a instrução em sentido lato, que levaram ao impulso de conhecer outras realidades para lá dos limites que duravam há séculos. Agora, quanto mais se atinge a excelência do ensino e as competências dos jovens de uma cidade, mais eles também se vão embora, porque mais preparados para percorrer outros mundos. São os melhores músicos, médicos, jornalistas ou engenheiros. Não há nada a fazer.
As políticas locais, cobertas por decisões nacionais mais amplas, de substituição das economias locais de pequenos circuitos, mas fixadoras de mão-de-obra e de redes sócio-económicas comunitárias, pelos grandes empórios da distribuição de produtos de consumo, levou à destruição completa do comércio local, dos pequenos negócios e das redes de produção agro-industrial locais. Diminuíram os postos de trabalho, precarizaram-se as relações laborais, regrediu a qualidade do emprego.

As administrações locais, erráticas e desorientadas, sem objectivos sólidos, apostam no supérfluo, na vergonhosa gestão pelo facebook, na imagem parola, no gasto de milhares e milhares de euros em acções de “promoção da terra” (pagando iniciativas de outrém, vergando-se em milhares de euros às investidas canibalescas das televisões em programas miseráveis que nada acrescentam, muitos só ridicularizam), esvaem-se em gastos de energia ridículos em concursos de maravilhas, outrora coisas infantis, atiram a tudo o que mexe numa ânsia desesperada de conservar o poder pelo poder, compram escandalosamente tudo em redor com recurso ao subsídio, porque nada mais que estar no poder, apenas e só, alimenta a total inacção prospectiva, planificadora, de médio e longo prazo.

Assim se joga o chamado poder local, entre a impossibilidade de enfrentar tendências gerais e políticas nacionais, mais determinantes na vida das pessoas (que por isso votam mais nas legislativas do que nas autárquicas), e a sua incapacidade de fazer opções tendentes a tornar excelentes as condições concretas de vida dos que cá ficam, único cartão de visita válido para se poder aspirar, a longo prazo, a esperar algum retorno dos que saíram ou que optarão um dia por mudar de vida.

Dramaticamente, este quadro já de si desesperante (traduzido nas tendências explicitadas no artigo http://www.jornaltorrejano.pt/sociedade/noticia/?n-25b2ed1f), cruza-se agora com o pesadelo que se abateu sobre o mundo e este nosso pequeno mundo. Nada podia ter sido pior. Resta-nos a esperança de que a realidade, de tão impressiva e impositiva, nos obrigue a todos, por uma vez, e sobretudo aos que estão transitoriamente no poder, a fixarmo-nos no essencial que temos para fazer e só no essencial: aquilo que eleva e consolida o bem comum, utilizando os recursos com rigor e transparência democrática. A não ser assim, o vírus permanecerá e continuará a dissolver a cidade e as nossa vidas, as vidas dos que cá estamos.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja e a pandemia em Portugal »  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia

Em todo o processo ligado à pandemia provocada pelo coronavírus, a Igreja Católica em geral, e a portuguesa em particular, teve uma atitude que merece louvor. A Igreja portuguesa, e é nela que centro este artigo, mostrou que não é apenas uma instituição guardiã da fé e tradição apostólicas, mas ainda um factor de razoabilidade dos comportamentos sociais, exercendo uma influência muito importante na atitude de muitos portugueses, o que ajudou a minimizar os efeitos da pandemia.
(ler mais...)


Pela janela, por Inês Vidal »  2020-05-09  »  Inês Vidal

Comprei um bilhete de avião para ir visitar o meu primo João, que está na Suécia, por alturas do casamento dele, em Abril. Crescemos juntos, apesar da diferença de idades. Queria dar-lhe um abraço, desejar-lhe que fosse feliz - comigo aqui relativamente perto, de preferência - ao mesmo tempo que nos perguntaria como é que era possível estarmos ali, se ainda no outro dia andei com ele ao colo.
(ler mais...)


2 beijos »  2020-05-09  »  Rui Anastácio

Peúgas escuras, peúgas brancas, peúgas escuras. Um beijo, 2 beijos, um beijo vs 2 beijos.
Tinha três anos no dia 25 de Abril de 1974.

Sou um amante da liberdade e um amante incondicional da liberdade de expressão.
(ler mais...)


25 de Abril Nunca Mais! »  2020-05-09  »  José Ricardo Costa

Sempre que o calendário faz regressar o 25 de Abril, é também o clássico “25 de Abril sempre!” que regressa. A frase é bonita e voluntariosa mas tem um problema: não dá que o 25 de Abril seja para sempre.
(ler mais...)


O meu pai de fato azul escuro e gravata e um bem visível cravo vermelho. Naquele momento. senti-me compensado pela espera de 22 anos desde o negro Abril de 1953. »  2020-05-09  »  José Alves Pereira

De quantos Abris se faz uma vida que já vai longa? Cada um contará os seus, aqueles que não se medem pelo calendário, mas são marcos de destaque e lembrança. É o caso do 25 de Abril, data fronteira entre o antes e o depois; um antes que se vai escoando com a memória dos que o viveram e vão desaparecendo, e um depois que o não pode olvidar.
(ler mais...)


Onde estavas no 25 de Abril de 2020? »  2020-05-09  »  Jorge Salgado Simões

Já se pode falar do 25 de Abril? Já podemos falar do 25 de Abril sem se ser acusado de arreigado comunista ou perigoso fascista? É que isto este ano foi mesmo mau demais para ser verdade.

Eu sou dos que ainda cá não estava em 1974.
(ler mais...)


Não sou digno de ti »  2020-05-09  »  Carlos Tomé

Não foi “E depois do adeus” nem a “Grândola” que me adormeceram nessa noite, mas sim “Non son degno di te” (“Não sou digno de ti”) de Gianni Morandi, suplicada por alguém depois de dizer a frase ao telefone da rádio, o romantismo italiano adocicando-me os ouvidos, embalando-me o sono num colchão renovado com a renovação das camisas de milho.
(ler mais...)


E o futuro? »  2020-05-09  »  AnabelaSantos

Não é o futuro depois da pandemia, é o futuro simplesmente.
Vamos deixar, hoje, de lado este campo lexical que tanto nos tem atormentado e que ocupa as vinte e quatro horas do nosso dia: Covid-19, pandemia, confinamento, desconfinamento, estado de emergência, estado de calamidade, vírus, coronavírus, número de mortos, curados e infetados… Vamos descansar!
Mas, se falo em tormento por causa da situação actual, penso que o meu tema de hoje não será muito mais leve.
(ler mais...)


25 de Abril de 2020 »  2020-04-28  »  Jorge Carreira Maia

A celebração do 25 de Abril deste ano foi, do ponto de vista simbólico, a mais importante de sempre. Tem múltiplos aspectos a merecer realce. Em primeiro lugar a controvérsia lançada por quem, do ponto de vista político, queria que as celebrações não se realizassem.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-04-28  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril de 2020
»  2020-05-09  »  Rui Anastácio 2 beijos
»  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia A Igreja e a pandemia em Portugal
»  2020-05-09  »  Inês Vidal Pela janela, por Inês Vidal
»  2020-05-09  »  José Ricardo Costa 25 de Abril Nunca Mais!