• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 10 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 29° / 16°
Céu limpo
Qua.
 29° / 19°
Céu nublado
Ter.
 30° / 17°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  30° / 17°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

E agora? por João Carlos Lopes

Opinião  »  2020-04-21  »  João Carlos Lopes

Depois de loucos 20 anos e de centenas e centenas de milhões de euros de investimento em escolas, piscinas, bibliotecas, centros escolares, pavilhões, centro de congressos, hospitais e centros de saúde, estradas e centros culturais, mercados e jardins, parques e viadutos, rotundas e avenidas, temos um território em perda de densidade, temos o “interior” já aqui, a 50 km do mar em linha recta e a 50 minutos de Lisboa. Como se nada disto tivesse valido a pena.

Somos cada vez menos e mais velhos, e são cada vez menos os que querem ficar por aqui. Vão-se embora a sete pés os mais habilitados, instruídos e talentosos, deixando-nos em profunda regressão de inteligência instalada e de massa crítica.

A grande vaga de melhoria das condições de vida das vilas e pequenas e médias cidades nada estancou, antes pelo contrário: o novo êxodo é um movimento civilizacional longo, que começou há muitas décadas na fuga das aldeias para as vilas e que agora, esvaziadas as aldeias, leva massas de gente das pequenas cidades para os grandes eixos urbanos do país, três ou quatro apenas.

Há muitas décadas, foram a massificação de escolas pelas aldeias, como janelas abertas ao mundo e à liberdade, e a instrução em sentido lato, que levaram ao impulso de conhecer outras realidades para lá dos limites que duravam há séculos. Agora, quanto mais se atinge a excelência do ensino e as competências dos jovens de uma cidade, mais eles também se vão embora, porque mais preparados para percorrer outros mundos. São os melhores músicos, médicos, jornalistas ou engenheiros. Não há nada a fazer.
As políticas locais, cobertas por decisões nacionais mais amplas, de substituição das economias locais de pequenos circuitos, mas fixadoras de mão-de-obra e de redes sócio-económicas comunitárias, pelos grandes empórios da distribuição de produtos de consumo, levou à destruição completa do comércio local, dos pequenos negócios e das redes de produção agro-industrial locais. Diminuíram os postos de trabalho, precarizaram-se as relações laborais, regrediu a qualidade do emprego.

As administrações locais, erráticas e desorientadas, sem objectivos sólidos, apostam no supérfluo, na vergonhosa gestão pelo facebook, na imagem parola, no gasto de milhares e milhares de euros em acções de “promoção da terra” (pagando iniciativas de outrém, vergando-se em milhares de euros às investidas canibalescas das televisões em programas miseráveis que nada acrescentam, muitos só ridicularizam), esvaem-se em gastos de energia ridículos em concursos de maravilhas, outrora coisas infantis, atiram a tudo o que mexe numa ânsia desesperada de conservar o poder pelo poder, compram escandalosamente tudo em redor com recurso ao subsídio, porque nada mais que estar no poder, apenas e só, alimenta a total inacção prospectiva, planificadora, de médio e longo prazo.

Assim se joga o chamado poder local, entre a impossibilidade de enfrentar tendências gerais e políticas nacionais, mais determinantes na vida das pessoas (que por isso votam mais nas legislativas do que nas autárquicas), e a sua incapacidade de fazer opções tendentes a tornar excelentes as condições concretas de vida dos que cá ficam, único cartão de visita válido para se poder aspirar, a longo prazo, a esperar algum retorno dos que saíram ou que optarão um dia por mudar de vida.

Dramaticamente, este quadro já de si desesperante (traduzido nas tendências explicitadas no artigo http://www.jornaltorrejano.pt/sociedade/noticia/?n-25b2ed1f), cruza-se agora com o pesadelo que se abateu sobre o mundo e este nosso pequeno mundo. Nada podia ter sido pior. Resta-nos a esperança de que a realidade, de tão impressiva e impositiva, nos obrigue a todos, por uma vez, e sobretudo aos que estão transitoriamente no poder, a fixarmo-nos no essencial que temos para fazer e só no essencial: aquilo que eleva e consolida o bem comum, utilizando os recursos com rigor e transparência democrática. A não ser assim, o vírus permanecerá e continuará a dissolver a cidade e as nossa vidas, as vidas dos que cá estamos.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-18  »  José Mota Pereira TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  João Carlos Lopes Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  Mariana Varela Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela