• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro

Opinião  »  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro

"Agora, percebo a razão pela qual a maioria das valências cirúrgicas fugiu de Torres Novas para os vanguardistas do hospital de Abrantes. "

Hoje apetece-me escrever uma história baseada em factos verídicos com algumas notas ficcionadas para se conseguir tornar a narrativa menos densa e nauseabunda. Um indivíduo com 80 anos entra na urgência do Hospital de Torres Novas com fortes dores abdominais. O acompanhante tem de ficar de fora. “Por causa do covid, Sabe…”.
“Não tem tosse ou falta de ar?” – Nada disso, só fortes dores abdominais, o que no caso de um transplantado hepático poderia sugerir alguma preocupação. “Não vem de nenhum daqueles lares onde está tudo infectado com covid, pois não?” O doente abana a cabeça negando essa possibilidade e aponta para a barriga dizendo: “Tem é de me resolver esta dor insuportável”.
A urgência estava calma. Poucos doentes, pouco movimento. Voltam a inquirir o senhor sobre os sintomas, desta vez em voz alta. Pode falar mais baixo, que o doente apesar dos 80 anos, ouve, vê e pensa na perfeição. A falta de perfeição está ao nível da sua zona abdominal. Às 4 da manhã chamam uma ambulância para o levar para Abrantes. É lá a especialidade. Parece que a especialidade do Hospital de Torres Novas é enviar doentes, mesmo doentes, para outros hospitais com especialidades a sério. Tornou-se numa espécie de estafeta “recebe e entrega”. Só falta trocar a ambulância por uma motoreta e um tipo com uma mochila térmica às costas que pergunta se quer massa alta e fofa ou fina e estaladiça.
Temos um edifício grande e glamouroso, acessos esplêndidos, uma porta de urgência e tudo, mas se for algo muito especializado (a partir de uma amigdalite já vale), teremos de o levar aos especialistas ali em Abrantes, cidade com um acesso privilegiado nos confins do distrito. Se o senhor tivesse menos de 18 anos, já tínhamos aqui um médico pediatra para o ver com atenção; agora com 80 anos não se safa.
O tipo lá vai a caminho de Abrantes, sem saber o que tem; o diagnóstico é assunto tabu; só pode ser dado por um médico especialista. O familiar acompanhante não o pode acompanhar. “Por causa do covid, sabe…” Em Abrantes as perguntas sobre a tosse e a falta de ar continuam. O paciente explica que já lhe começa a faltar o ar com as dores na barriga que nunca mais aliviam. “Disse falta de ar?...esteve em contacto com muita gente?” Passou a noite e a manhã num corredor vagueando de forma imaginária pelos possíveis cenários: crise de gases, úlcera, gastrite, pancreatite, tumor, indigestão por causa de uma pizza de massa alta e fofa.
Cá fora, os familiares preocupados por não poderem ir lá dentro “por causa do covid, sabe…”, multiplicam-se em esforços para saber alguma coisa. Depois de muita volta, conseguem conquistar um número de telefone; uma espécie de Santo Graal hospitalar: “Este é o número para o qual podem ir ligando e tentar que vos dêem informações.” O “tentar” caracteriza logo a facilidade que se adivinha para falar com alguém do outro lado da linha, num único número de telemóvel para atender todos os familiares de todos os doentes do hospital. Tentaram várias vezes e lá conseguiram ligar. “O doente está a ser acompanhado e já está no serviço de cirurgia.” “Cirurgia!? Mas vai ser operado a quê?...”; “Isso não lhe posso dizer! Só o médico, que não está disponível. Tente ligar mais tarde.”
Então mas que porra de santo Graal é este? Um tipo consegue o feito de ouvir a voz do outro lado, e quando a ouve, ela não diz nada que possa apaziguar ansiedades. Percebendo o logro deste Graal telefónico, seria hora de passar ao Graal do choradinho. Entra-se na urgência e explica-se de forma pedinte que não se sabe nada do familiar, apelando ao lado humano da pessoa que nos recebe. Vem a enfermeira da cirurgia explicar que o doente terá de ser operado em Lisboa. O diagnóstico? “Só o médico pode dizer, mas já o comunicou com certeza ao doente”. Então e a família não pode saber de nada? A enfermeira encolheu os ombros.
Percebendo que o Santo Graal do choradinho não resultou em pleno, a família mergulhou de cabeça no Santo Graal da cunha. Uns telefonemas depois e o diagnóstico foi conseguido nos meandros das travessas mais ocultas. O doente foi para Lisboa. Um familiar conseguiu vislumbrá-lo na breve passagem entre a porta do hospital e a ambulância, afogado no meio de tubos metidos pelo nariz e muita aparelhagem ligada.
Depois da chegada, percebeu-se que ninguém em Abrantes tinha revelado o diagnóstico ao paciente. Ficou a saber o que tinha, em primeira mão, pelos serviços secretos da cunha. Em Lisboa tudo correu bem. Recebeu finalmente o diagnóstico oficial e foi operado com sucesso por uma equipa competente e disponível. No rescaldo deste desafio superado, fica a estratégia do corpo clínico de Abrantes na utilização de uma terapia de choque inovadora à imagem do comboio fantasma da feira popular. Metemos o tipo na ambulância na total escuridão e ele vai a imaginar, no meio do aparato electrónico e abanões, que a sua maleita será muito mais grave do que o diagnóstico real que nós sonegámos. Quando a viagem chegar ao fim e lhe disserem que, afinal, as teias de aranha e os sustos dos mortos vivos do caminho não tinham razão de ser, será um alívio e funcionará como um poderoso antídoto. Agora, percebo a razão pela qual a maioria das valências cirúrgicas fugiu de Torres Novas para os vanguardistas do hospital de Abrantes.
Hoje , em conversa com o meu pai, pessoa de 80 anos que sobreviveu a duas campanhas na guerra do Ultramar, a um grave acidente de viação, a um transplante de fígado e a uma cirurgia em Lisboa, quando lhe falei nesse método terapêutico do comboio-fantasma, na sua lucidez, respondeu-me: Sabes, onde é que eles podem meter o comboio fantasma?… Pergunta só se querem com massa alta e fofa ou fina e estaladiça…

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia