• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 06 Julho 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 37° / 16°
Céu limpo
Qua.
 32° / 16°
Céu limpo
Ter.
 38° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  39° / 18°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Dois mitos do desenvolvimento em Torres Novas - josé mota pereira

Opinião  »  2020-06-18  »  José Mota Pereira

O mito do emprego da “porta norte”

Nos últimos anos, a partir do posicionamento entre a A1 e a A23 que a estratégia(?) de desenvolvimento da economia e do emprego tem sido quase em exclusivo a instalação de bases logísticas das cadeias de distribuição/hipermercados. De facto, hoje quase todas as principais cadeias têm aqui instaladas bases de distribuição logística rodoviária. Tal facto é celebrado de forma insistente como um sinal de dinamismo e desenvolvimento. Não seria grave se toda a estratégia de captação de emprego e de empresas não se baseasse nesta monocultura assente no que foi chamado a “porta norte” de Lisboa.

Fraca visão e fraco futuro para Torres Novas! Se ficarmos presos em 2020 a este modelo de progresso baseado em emprego de mão de obra pouco qualificada e em tecnologia de “empilhador-camião“ estaremos a cometer um grave erro.

A logística têm trazido emprego? Tem.

Mas quem pode acreditar que este modelo actual de distribuição vai durar mais dez ou até cinco anos?

A crescente procura de alternativas ambientalmente mais sustentáveis ao transporte rodoviário de mercadorias; a previsível crescente introdução da robótica nos armazéns diminuindo a mão de obra necessária; a introdução de novas tecnologias de gestão de stocks em rede on-line em que cada loja da cadeia reporta directamente ao fornecedor; a introdução de veículos auto-transportados; o desenvolvimento das tecnologias de impressão 3D e da Internet das Coisas; a valorização da produção local, cada vez mais pronta a dar respostas locais, diminuindo a necessidade de instalar grandes armazéns; constituem, entre outras, tendências sérias e consistentes na área da distribuição logística com reflexos nos seus níveis de empregabilidade, nas suas dimensões físicas e até na sua existência.

Acresce a tudo isto, o estado de pandemia em que vivemos, cujas consequências nas pequenas empresas que ainda por cá vão sobrevivendo poderão vir a ser devastadoras.
E que respostas municipais se vão vendo? Nada ou quase nada.

Apenas um optimismo mal amanhado com o pleno emprego que as bases de distribuição têm oferecido, sem que se vislumbre uma preocupação com a defesa das restantes empresas que existem, nem se vislumbrando qualquer estratégia na captação de novas empresas e de novos empregos que vá para além deste modelo em fase de esgotamento.
Se ficarmos agarrados a isto, desconfio que o concelho de Torres Novas ainda vai ficar entalado na tal “Porta Norte”.

O mito do ensino superior
Ouve-se e lê-se muitas vezes que em Torres Novas falta ensino superior (que até já cá esteve) e que essa lacuna tem comprometido o futuro do concelho.
Sucede que aqui, e reportando apenas ao nível da oferta pública, temos a menos de 30 km os Politécnicos de Santarém e de Tomar com os seus pólos de Abrantes e Rio Maior. Um pouco mais longe, mas ainda assim aqui tão perto, temos o Politécnico de Leiria. E, obviamente, temos todas as imensas e diversas ofertas universitárias que Lisboa e Coimbra oferecem a menos de uma hora daqui. Já para não falarmos de Évora, Setúbal, Castelo Branco e Aveiro, que completam uma espécie de segundo círculo.

Associar algum problema de desenvolvimento local à falta de ensino superior é ignorar esta realidade. Nem os jovens torrejanos têm falta de oferta formativa nem me parece que em Torres Novas se pudesse oferecer actualmente alternativas credíveis de ensino a estas instituições.
Para mais há que assumir: uma universidade não é uma paróquia.

Pessoalmente, acho até muito bem que os jovens torrejanos vão estudar para fora da sua rua e do seu bairro. Que partam e vão pelo país, pela Europa e pelo Mundo!
Que aproveitem as possibilidades que hoje existem de estudarem noutros países, conhecendo outras culturas e alargando horizontes.
A nossa tarefa é incentivá-los a irem.

A nossa exigência é criarmos condições para regressem e nos tragam o Mundo e partilhem connosco tudo quanto viveram na sua vida académica. Esse sim, é o nosso desafio. Não nos podemos continuar a dar ao luxo de ver partir os nossos jovens sem lhes oferecermos a oportunidade de regressarem e aqui construírem a sua vida com todos os benefícios para a comunidade.

Para isso, é preciso investir a sério em emprego, na sustentabilidade ambiental, na cultura (e não apenas numa política de realização eventos culturais), na habitação e no desenvolvimento integral do território, da cidade às freguesias rurais, promovendo o seu povoamento e a sua revitalização.
Enfim, dar as boas vindas aqueles que podem construir um outro futuro para a nossa terra.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)


Cada um escolhe os seus amigos - antónio gomes »  2020-07-03  »  António Gomes

A proposta do Bloco para apoio ao comércio local foi rejeitada. O PS mostrou insensibilidade e ignorância com este sector da economia local. O PS não quer saber das dificuldades de quem teve de encerrar os negócios durante três meses e por isso não conseguiu realizar dinheiro, apesar de manter os compromissos regulares como as rendas, entre outros.
(ler mais...)


A justa distância - jorge carreira maia »  2020-07-03  »  Jorge Carreira Maia

Começamos a descobrir que eram exorbitantes as expectativas de que a pandemia fosse um pesadelo que passaria na manhã seguinte. Quando se confinou, a esperança era que tudo voltasse ao habitual passadas duas semanas, talvez quatro.
(ler mais...)


SEQUESTRADOS - josé mota pereira »  2020-07-03  »  José Mota Pereira

Parece inevitável que no próximo ano, ano e meio, possamos desconfinar mais do que estamos. A surgirem alterações, será sempre no sentido do aumento do confinamento e não o seu contrário. Sem prazo à vista para que nos libertemos disto.
(ler mais...)


É lidar »  2020-07-03  »  Margarida Trindade

Sou constantemente assaltada pela dúvida. Sofro deste desconforto constante. Bem sei que mais felizes são os que nunca têm dúvidas e os que raramente se enganam e que dizer isto pode parecer uma banalidade, mas é a mais pura das verdades.
(ler mais...)


Capitalismo e saúde mental - mariana varela »  2020-07-03  »  Mariana Varela

Num mundo onde os problemas mentais se alastram, em que domina a ansiedade diária, o stress, a depressão, em que a prescrição de medicação como os ansiolíticos e antidepressivos tem vindo a aumentar, urge detetar as raízes desta verdadeira crise de saúde mental, ao invés de nos restringirmos ao tratamento de sintomas.
(ler mais...)


São Pedro, o Ferreira, pesando as almas - joão carlos lopes »  2020-06-19  »  João Carlos Lopes

Na reunião camarária do passado dia 2 de Junho, a respeito de mais uma trapalhada relacionada com o apoio unilateral da maioria socialista ao jornal “O Almonda”, uma vereadora dizia que se sentia enganada e mais disse que o PS, que tinha votado a favor, também devia sentir-se enganado.
(ler mais...)


Carta aberta a bom entendedor - inês vidal »  2020-06-18  »  Inês Vidal

Tenho mau feitio, quem me conhece sabe. Uma característica que nasceu comigo, mas que nitidamente vai piorando à medida que os anos passam, a vida corre, as experiências se sucedem...

Não deixa de ter graça que simultaneamente, mas num sentido inversamente proporcional, cresça a minha tolerância para com uma série de outras coisas que outrora me custava entender.
(ler mais...)


Radicais e moderados - jorge carreira maia »  2020-06-18  »  Jorge Carreira Maia

Na segunda-feira passada, o Presidente da República fez uma intervenção na televisão sobre a vandalização da estátua do Padre António Vieira. Chamou a atenção para que nenhum dos verdadeiros problemas da pobreza, da discriminação e do racismo se resolve com estas acções.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-06-18  »  Inês Vidal Carta aberta a bom entendedor - inês vidal
»  2020-06-19  »  João Carlos Lopes São Pedro, o Ferreira, pesando as almas - joão carlos lopes
»  2020-06-07  »  Margarida Trindade Sabiam - margarida trindade
»  2020-06-07  »  Rui Anastácio Roçadora - rui anastácio
»  2020-06-18  »  José Mota Pereira Dois mitos do desenvolvimento em Torres Novas - josé mota pereira