• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 26 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qui.
 17° / 10°
Céu nublado
Qua.
 19° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Carta para a pequenina e doce Alice

Opinião  »  2017-01-04  »  Maria Augusta Torcato

"Alice, minha pequenina e doce Alice, não fazes ideia da sorte que temos por sermos a família que somos"

Natal, 2016
Minha pequenina e doce Alice, este foi o teu primeiro Natal. O teu primeiro Natal connosco. A verdade é que foi no Natal do ano passado que te anunciaste, mas não sabíamos que eras tu. Agora já sabemos. E estamos todos, todinhos, muito felizes contigo.
Daqui a uns anos, quando puderes ler e entender, questionar-te-ás acerca do motivo que me levou a escrever-te quando tinhas apenas cinco meses de vida.
A verdade é que a tia já não vai para nova. E quero partilhar contigo, mesmo que só compreendas bem mais tarde, a alegria, o prazer e a doçura que foi ter-te connosco neste Natal. Não imaginas, sequer, o quão contagiantes são a energia, os sorrisos e as expectativas que nos despertas. Olhamos para ti, tão bebé, tão simpática, tão liberta das coisas do mundo e o que nos fazes sentir e querer é que te possamos dar tudo o que mereces, é que possamos corresponder às tuas necessidades e possamos garantir aquilo a que todas as crianças do mundo têm direito.
Alice, minha pequenina e doce Alice, não fazes ideia da sorte que temos por sermos a família que somos. O amor que nos une, incondicional, a preocupação de cada um por cada um e por todos, o modo como nos sentimos únicos e especiais vão ser aprendidos e sentidos por ti, ao longo de cada dia, e verás que cada Natal mais não é do que a reunião e a renovação dos sentimentos, do respeito, e da responsabilidade que há entre nós, a tua e nossa família.
Todos, sem exceção, beneficiaram da tua presença. És mais uma bênção, como foram todas as crianças antes de ti e serão as que vierem depois de ti. As avós ficaram, decididamente, mais jovens, mais seguras de si, porque conscientes da sua sabedoria e do espaço infinito que o seu coração tem para acolher os netos; a prima, mais velha, incorpora já a tradição e os valores familiares, preservando-os e até reforçando-os, quer pelos laços quer pela necessidade de proteger a agregação de todos; os teus irmãos, ainda crianças, já percebem e executam na perfeição o seu papel de irmãos e não abdicam do estatuto que isso lhes confere, tão orgulhosos estão de ti. Os teus pais olham para todos vós e o seu olhar diz tudo o que há para dizer, diz, se é possível ali caber, todo o amor de pais. E eu, tolamente feliz e orgulhosa, olho para a nossa família com um imenso alento de que, enquanto houver replicação do amor, da amizade, do respeito e da preocupação com o outro, há esperança para o mundo.
Alice, minha doce pequenina, ainda por cima, o teu nome lembra-me a Alice do “país das maravilhas” e, independentemente das significações e simbologias que possam estar associadas à história, o que evoco é a sua capacidade de sonhar, de recriar e de, com um coração grande, conseguir interagir com um mundo do mundo que escapa a tantos de nós.
Admiro nela também, como vou admirar em ti, a coragem de dizer, nos momentos oportunos e imperativos, “Não me calo!”, como aconteceu perante a ordem da rainha “Cale a boca!”.
E fantasio, à semelhança da irmã desta Alice do País das Maravilhas, que tu, minha pequenina e doce Alice, serás, no futuro, uma mulher adulta que conservará, nos anos que ainda vêm longe, o coração simples e amorável e os olhos transparentes e brilhantes da infância. E que isto é o melhor que podes ter para seres uma pessoa espetacular.
Beijos da tia, minha pequenina e doce Alice. Amo-te muito. Obrigada pelo que já me deste.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia