• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Xenovírus, por Inês Vidal

Opinião  »  2020-02-07  »  Inês Vidal

Somos xenófobos por natureza. Também somos racistas, hipócritas, egoístas. Pensamos em nós, nos nossos e os outros que se lixem. E quanto lá mais longe, melhor. Não fosse verdade esta minha pessimista afirmação, não chamaríamos chagas, ou melhor chegas, para a nossa casa-mãe.

Não precisamos de motivos para ser naturalmente xenófobos, ainda que nem sempre assumidos, mas não deixamos escapar um bom pretexto para justificar e validar a nossa, por vezes tímida, intolerância ao que não nos é igual.

O mundo vive actualmente apavorado com o coronavírus. Vem da China, ao que parece. Terá tido a sua origem, provavelmente, num mercado de frutos do mar na cidade de Wuhan. As primeiras notícias surgem, a comunicação social esfrega às mãos de contente porque durante um tempo terá assunto para as suas parangonas, sem ter de se esforçar muito. Não tardam as imagens a inundar redes sociais, fotos e vídeos chocantes de mercados não identificados, apresentando cenas descontextualizadas, que chocam o Ocidente. Imagens não confirmadas, não identificadas, não assumidas. Fracções de um todo que, isoladas, toldam a realidade e, por conseguinte, a perspectiva que vamos ter dela.

E a pretexto de um vírus que terá tido origem no Oriente, mas que poderia ter vindo de qualquer outro ponto do mundo, tecemos juízos e valores, questionamos costumes, mas nunca os nossos. Pomos em causa, fugimos, olhamos de lado, aproveitamos o mal estar geral para enaltecer aquela já nossa desconfiança e desconforto permanente, entretanto oculto por uma questão de correcta politiquice.

Foi assim em 2009, com a gripe que nos chegava do México. Em 2015, quando tememos o Ébola, que vinha de África. Cinco anos depois, em 2020, levamos as mãos à cabeça com o coronavirus, que vem da China. E quando vier da Europa? Que cor lhe vamos dar? Quem vamos temer ou evitar?

E enquanto damos um rosto ao vírus, personificamos o povo chinês e seus costumes como inimigo a abater, este propaga-se. E a comunicação social continua a esfregar as mãos, a lançar o pânico, o horror. Somos bombardeados ao minuto com actualizações sem novidades, da velocidade a que o bicho se espalha, das mortes que faz, do rasto que deixa.

E no meio deste cenário, entre pânicos exacerbados, megalómanas construções para fazer frente aos estragos que o corona acarreta, entre açambarcamentos de máscaras que pouco ou nada poderão fazer na hora do real e eventual confronto, entre atitudes concertadas para salvar concidadãos - ou parte deles -, chegamos à triste e evidente conclusão que por mais sofisticados, informatizados, digitais e rápidos que sejamos, por maior que seja o controlo que a máquina e o homem evocam sobre a natureza, esta ciclicamente, entre esgares de quem ri por último, nos mostra quem é que controla quem.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia