• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 03 Abril 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 18° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Sex.
 21° / 5°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  19° / 6°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Xenovírus, por Inês Vidal

Opinião  »  2020-02-07  »  Inês Vidal

Somos xenófobos por natureza. Também somos racistas, hipócritas, egoístas. Pensamos em nós, nos nossos e os outros que se lixem. E quanto lá mais longe, melhor. Não fosse verdade esta minha pessimista afirmação, não chamaríamos chagas, ou melhor chegas, para a nossa casa-mãe.

Não precisamos de motivos para ser naturalmente xenófobos, ainda que nem sempre assumidos, mas não deixamos escapar um bom pretexto para justificar e validar a nossa, por vezes tímida, intolerância ao que não nos é igual.

O mundo vive actualmente apavorado com o coronavírus. Vem da China, ao que parece. Terá tido a sua origem, provavelmente, num mercado de frutos do mar na cidade de Wuhan. As primeiras notícias surgem, a comunicação social esfrega às mãos de contente porque durante um tempo terá assunto para as suas parangonas, sem ter de se esforçar muito. Não tardam as imagens a inundar redes sociais, fotos e vídeos chocantes de mercados não identificados, apresentando cenas descontextualizadas, que chocam o Ocidente. Imagens não confirmadas, não identificadas, não assumidas. Fracções de um todo que, isoladas, toldam a realidade e, por conseguinte, a perspectiva que vamos ter dela.

E a pretexto de um vírus que terá tido origem no Oriente, mas que poderia ter vindo de qualquer outro ponto do mundo, tecemos juízos e valores, questionamos costumes, mas nunca os nossos. Pomos em causa, fugimos, olhamos de lado, aproveitamos o mal estar geral para enaltecer aquela já nossa desconfiança e desconforto permanente, entretanto oculto por uma questão de correcta politiquice.

Foi assim em 2009, com a gripe que nos chegava do México. Em 2015, quando tememos o Ébola, que vinha de África. Cinco anos depois, em 2020, levamos as mãos à cabeça com o coronavirus, que vem da China. E quando vier da Europa? Que cor lhe vamos dar? Quem vamos temer ou evitar?

E enquanto damos um rosto ao vírus, personificamos o povo chinês e seus costumes como inimigo a abater, este propaga-se. E a comunicação social continua a esfregar as mãos, a lançar o pânico, o horror. Somos bombardeados ao minuto com actualizações sem novidades, da velocidade a que o bicho se espalha, das mortes que faz, do rasto que deixa.

E no meio deste cenário, entre pânicos exacerbados, megalómanas construções para fazer frente aos estragos que o corona acarreta, entre açambarcamentos de máscaras que pouco ou nada poderão fazer na hora do real e eventual confronto, entre atitudes concertadas para salvar concidadãos - ou parte deles -, chegamos à triste e evidente conclusão que por mais sofisticados, informatizados, digitais e rápidos que sejamos, por maior que seja o controlo que a máquina e o homem evocam sobre a natureza, esta ciclicamente, entre esgares de quem ri por último, nos mostra quem é que controla quem.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Três efeitos virais »  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia

POLÍTICA E ECONOMIA. De um momento para o outro todo um modo de compreender a política se alterou. Por influência das duas principais constelações ideológicas nascidas do Iluminismo – o liberalismo e o marxismo – a política tinha, paulatinamente, sucumbido aos imperativos da economia.
(ler mais...)


Extraordinário »  2020-03-19  »  Rui Anastácio

A Henriqueta tem 14 anos, é minha filha e teve a delicadeza de me informar que quem diz extraordinário são os velhos. Claro está, que eu do alto dos meus 49 anos não me considero um velho e vivo sobretudo a pensar no futuro, frequentemente não vivendo o presente e sendo por isso extraordinariamente estúpido.
(ler mais...)


Carso, por Rui Anastácio »  2020-03-09  »  Rui Anastácio

Ao que parece, a CIM do Médio Tejo iniciou a colocação de sinalização da “Grande Rota do Carso”. Hoje, as grandes rotas podem ser um importante instrumento de desenvolvimento turístico. Em Portugal, temos o extraordinário exemplo da Rota Vicentina, que leva todos os anos muitos milhares de turistas, de todo o mundo, ao sudoeste alentejano e à costa vicentina.
(ler mais...)


Outra vez as estradas »  2020-03-07  »  António Gomes

A Assembleia Municipal de Torres Novas foi chamada a pronunciar-se sobre o estado das estradas do concelho e sobre uma solução apresentada pelo Bloco.
A proposta recomendava o levantamento rigoroso da dimensão da rede viária a necessitar de intervenção (o que existe é um levantamento feito pelas juntas de freguesia que nos diz que existem 126 estradas e ruas em mau estado), a abertura de um concurso público para empreitada a realizar nos próximos 3 anos e com um valor de 5 milhões de euros.
(ler mais...)


A SAGA / FUGA DE FRANCISCO DUARTE MENDES »  2020-03-07  »  José Alves Pereira

O título deste texto é uma adaptação, a partir de uma obra de ficção, do escritor galego Gonzalo Torrente Ballester, A Saga e Fuga de J.B. Como veremos, seria difícil encontrar um título que melhor correspondesse aos factos aqui reportados, sendo que são já poucos os viventes que de tal guardam memória.
(ler mais...)


Fabrióleo »  2020-03-07  »  Acácio Gouveia

As notícias sobre processos intentados pela Fabrióleo contra Pedro Triguinho merecem algumas reflexões. Pedro Triguinho, recorde-se, havia acusado a Fabrióleo de ser causadora de cancros na população vítima da poluição produzida por aquela empresa.
(ler mais...)


Um vírus abre uma fresta »  2020-03-06  »  Jorge Carreira Maia

Nos acontecimentos ligados à emergência do coronavírus, podemos dizer que há duas realidades ligadas acidentalmente. A primeira diz respeito à eventual pandemia, à facilidade do contágio que proporciona um mundo aberto e no qual toda gente viaja para todo o lado.
(ler mais...)


Terminal 3 em Tancos? Sim, era mesmo isto. »  2020-03-06  »  Jorge Salgado Simões

Portugal precisa de uma solução aeroportuária para Lisboa. O aeroporto Humberto Delgado está saturado, a sofrer obras que vão permitir aumentar ainda mais o tráfego aéreo na capital e que dão muito jeito à concessionária da ANA, mas que não resolvem o problema de base: aquela localização, no centro da cidade, não tem futuro, não tem capacidade, não é aceitável do ponto de vista da segurança ou da qualidade de vida dos milhares de residentes próximos.
(ler mais...)


Retratos, por Inês Vidal »  2020-03-03  »  Inês Vidal

Matilde é filha de um alfaiate que costurava togas para juízes em Coimbra e de uma modista de alta costura, responsável pelas criações que a mulher de Carmona vestia. Filipe é alentejano e foi atrás de Cristina, que chegou a Torres Novas.
(ler mais...)


Pau de dois bicos »  2020-02-22  »  Anabela Santos

Como sabemos, um pau de dois bicos tem dois lados, o positivo e o negativo. É normalíssimo que, ao longo da vida, se encontrem várias situações que consideramos trazerem, ao mesmo tempo, vantagens e desvantagens por variadas razões.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-03-06  »  Jorge Salgado Simões Terminal 3 em Tancos? Sim, era mesmo isto.
»  2020-03-06  »  Jorge Carreira Maia Um vírus abre uma fresta
»  2020-03-09  »  Rui Anastácio Carso, por Rui Anastácio
»  2020-03-19  »  Rui Anastácio Extraordinário
»  2020-03-20  »  Jorge Carreira Maia Três efeitos virais