• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 27 Outubro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 17°
Céu muito nublado com chuva moderada
Sex.
 19° / 16°
Céu muito nublado com chuva moderada
Qui.
 24° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  26° / 12°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Basta de eleger o fundamentalismo eleitoral - pedro ferreira

Opinião  »  2021-08-30  »  Pedro Ferreira

"A nível local, temos um verdadeiro déspota com idade para ter trinetos, a quem não satisfaz estar no poder durante 28 anos "

Há cartazes nas ruas, há obras inauguradas, há opiniões dadas de bandeja: há autárquicas em Torres Novas. Antes melhores amigos e dupla famosa, os velhos de bigode comportam-se como cachopos que querem ser eleitos delegados de turma. Já as crianças menos populares, cingem-se a conspirar que são capazes de fazer outra coisa, para além de martelar com o martelo que é a nossa república.

Mas, porque eu valorizo o tempo de quem lê o que escrevo, desenganem-se aqueles que pensam que vou continuar a ser redundante ao fazer o típico comentário político que normalmente passa por fazer resumos dos acontecimentos, apontar favoritos e nomear preferidos de forma constrangedoramente explícita. Nada disso. Eu estou aqui para afirmar, informado, consciente e orgulhoso da minha decisão, que nas próximas eleições autárquicas não vou votar em ninguém.

Mas não vou ser o único. Tal como eu, cerca de metade dos munícipes do concelho e do país também vão optar por não credibilizar este sistema político que, de democrático, não tem nada e de representativo muito menos. A nível local, temos um verdadeiro déspota com idade para ter trinetos, a quem não satisfaz estar no poder durante 28 anos porque ambiciona mais um mandato.

Na assembleia nacional, metade dos deputados são juristas e economistas, pessoas que foram educadas nos mais caros estabelecimentos de ensino privado, que fazem a universidade de mercedes e carreira política o resto da vida, sem nunca sair dos círculos elitistas da capital e que ainda assim, de alguma maneira, acham que são a legítima representação do povo. Os casos de corrupção são diários, aqueles que os cometem protegidos pelas leis que eles mesmos fizeram. O bem estar material da maioria está assente na destruição do ambiente e na escravatura dos portugueses marginalizados, nepaleses importados e do extrativismo neo-colonialista de tudo o que não é o “mundo ocidental”.

 Podia continuar aqui o dia todo a enumerar os problemas evidentes do sistema político em que vivemos, mas acho que os pontos enumerados são suficientes para percebermos que a República Portuguesa de democrática não tem nada e que todos aqueles que dizem que se votarmos neles mudamos o mundo, são mentirosos e hipócritas. As regras do jogo estão feitas para beneficiar a elite e só alterando essas mesmas regras é que podemos mudar para melhor. Porque é que digo isto? Digo-o não só por haver mil e uma evidências de que as repúblicas actuais não estão a lidar com as várias pandemias que atacam as pessoas: doenças crónicas e reversíveis, como as cardiovasculares, a falta de saúde mental, as pandemias propriamente ditas (virulentas), as alterações climáticas, guerras e crises de migrantes, da mesma forma que nunca foram capazes de lidar com as anteriores. Digo-o porque antes de haver este tipo de organização política, já muitos eram da opinião de vque a democracia é incompatível com eleições.

 Os próprios “pais” da democracia, os atenienses do século sexto antes de Cristo, em vez de elegerem, como nós, os membros das suas assembleias, estes sorteavam-nos: tiravam à sorte entre todos os cidadãos aqueles que iriam representar todos os atenienses. Isto não só garantia que a assembleia se tornava representativa dos cidadãos, como garantia que todos governavam e eram governados por turnos. Já no século IV a.C., Aristóteles disse que “É aceite como democrático alocar cargos públicos por sorteio; e como oligárquico quando preenchidos por eleições.” Esta é uma ideia que durou até ao renascentismo, com autores como Montesquieu a continuarem a defender que “Votar por sorteio é a natureza da democracia; votar por escolha é a natureza da aristocracia”.

 É apenas no século XIX que a ideia de democracia volta a mudar. No fim de viajar pelos Estados Unidos, enviado pelo governo francês para estudar o seu sistema prisional, Alexis de Tocqueville escreve um livro dos mais vendidos em todo o mundo na altura, intitulado “A democracia na América”, em que argumenta que a prática da tirania da maioria fazia deste país uma terra democrática, ao contrário da república aristocrática que os “pais fundadores” tinham realmente criado.

 Foi através desta redefinição de democracia por parte de Tocqueville, que exclui a prática de sorteios e da participação directa, que estas práticas verdadeiramente democráticas começaram a ser esquecidas e substituídas pelo fundamentalismo eleitoral das várias repúblicas social-democratas (termo cunhado por ele) que não tardaram a aparecer por todo o mundo. Segundo o historiador David Reybrouck, “O fundamentalismo eleitoral é uma crença inabalável na ideia de que a democracia é impensável sem eleições e de que estas são necessárias e uma pré-condição fundamental quando falamos em democracia. O fundamentalismo eleitoral recusa considerar as eleições como uma forma de participar na democracia, vendo-as antes como um fim em si mesmas, como uma doutrina sagrada com um valor intrínseco e inalienável.”

 Caros torrejanos: está na hora de pararmos de argumentar sobre quem tem o bigode mais patético ou sobre a alternativa que vai falhar menos redondamente. Há que pensar e trabalhar para que Torres Novas seja verdadeiramente democrática. Quem melhor do que o próprio povo torrejano para decidir aquilo que é verdadeiramente melhor para ele? Para quê continuarmos com feudos partidários de 4 em 4 anos quando podemos criar uma assembleia de cidadãos verdadeiramente representativa da população e em que todos terão incentivos para cooperar continuamente em vez de lutarem pelo poder? Ou continuar a criticar os sucessivos presidentes a sério e menos a sério, que acabam invariavelmente por ceder à corrupção das grandes superfícies extrativistas e das indústrias poluidoras e destruidoras da nossa qualidade de vida, quando podemos ter toda uma assembleia resistente a estes mecanismos de coação?

 Esta é a primeira parte de 3 crónicas. Na próxima, irei falar sobre o que realmente são assembleias de cidadãos e como se organizam. Na terceira, farei uma proposta a todos os torrejanos daquilo que seria possível criar no nosso concelho, tanto no curto como médio/longo prazo. O futuro é agora.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Fundamentalismo eleitoral (III) - pedro ferreira »  2021-10-21  »  Pedro Ferreira

 Nesta terceira e última parte, vou falar sobre assembleias de cidadãos no contexto do nosso concelho. Há que notar que estas não devem nunca ser vistas como um fim em si mesmas, mas antes como uma ferramenta que pode ajudar todo o tipo de colectivos a tomar decisões que através de outras estruturas não seriam tomadas.
(ler mais...)


Um olhar sobre as eleições concelhias - jorge carreira maia »  2021-10-17  »  Jorge Carreira Maia

Há dias, um médico prescreveu-me um conjunto de exames e, como se pretendesse explicar-me a razão, disse que não praticava uma medicina intuitiva (a que é feita de diagnósticos baseados nas aparências sintomáticas), mas que lidava com resultados empíricos, uma medicina científica.
(ler mais...)


Não adianta lamentarem-se - antónio gomes »  2021-10-17  »  António Gomes

O PS continua com maioria absoluta, contrariando todos os prognósticos, até os dos próprios. O BE sofre uma derrota, contrariando todos os prognósticos, até os dos adversários. Este é o resultado das recentes eleições autárquicas no concelho de Torres Novas: menos democracia, menos escrutínio, menos alternativa política.
(ler mais...)


Ressaca - carlos paiva »  2021-10-17 

Após as eleições autárquicas e conhecidos os seus resultados, li on-line algumas tentativas de pseudojornalismo, outras tantas opiniões de pretensos analistas políticos e, também, algumas declarações de vencedores e vencidos.
(ler mais...)


A Faixa - josé ricardo costa »  2021-10-17  »  José Ricardo Costa

A percepção visual tem as suas leis, que interferem, sem darmos conta, no modo como diante de uma imagem, separamos a figura e o fundo, a visão central e a periférica, o seu motivo e o contexto. E muito antes da ciência estudar essas leis já os artistas do Renascimento as exploravam para criar os efeitos visuais desejados.
(ler mais...)


Juventude centriste… »  2021-10-15  »  Hélder Dias

Um olhar sobre as eleições concelhias - jorge carreira maia »  2021-10-13  »  Jorge Carreira Maia

Há dias, um médico prescreveu-me um conjunto de exames e, como se pretendesse explicar-me a razão, disse que não praticava uma medicina intuitiva (a que é feita de diagnósticos baseados nas aparências sintomáticas), mas que lidava com resultados empíricos, uma medicina científica.
(ler mais...)


O vinho de Almeirim e os “políticos de Lisboa” - joão carlos lopes »  2021-09-20  »  João Carlos Lopes

Arreliado com a legislação que exige alguma contenção aos autarcas em funções, no que diz respeito à difusão de informação relacionada com obras, inaugurações e outras iniciativas durante o período eleitoral, o presidente da Câmara de Almeirim disse que a culpa é dos “políticos de Lisboa”, que fazem leis que só lançam confusão.
(ler mais...)


Apedeuta, insipiente, mentecapto, néscio - carlos paiva »  2021-09-16  »  Carlos Paiva

Por altura do lançamento do programa “Novas Oportunidades” (em 2007), recordo-me de ver uma entrevista na televisão em que a jornalista na rua perguntava a um cidadão jovem se ele achava importante estudar. Respondeu qualquer coisa como: “Sim, é bastante importante.
(ler mais...)


O fundamentalismo eleitoral (II) - pedro ferreira »  2021-09-16  »  Pedro Ferreira

 

Na primeira parte desta crónica, tentei criar no leitor uma postura crítica sobre aquele que acho ser o maior dogma da nossa sociedade, de forma a ficar mais receptivo a alternativas. Se no fim de a leres não ganhaste uma aversão ao uso de eleições para atribuir cargos públicos e nem te questionaste sobre alternativas a este método, ficaste pelo menos a saber qual era a minha intenção.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-10-21  »  Pedro Ferreira Fundamentalismo eleitoral (III) - pedro ferreira
»  2021-10-17  »  José Ricardo Costa A Faixa - josé ricardo costa
»  2021-10-15  »  Hélder Dias Juventude centriste…
»  2021-10-13  »  Jorge Carreira Maia Um olhar sobre as eleições concelhias - jorge carreira maia
»  2021-10-17  Ressaca - carlos paiva