• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 19 Julho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 36° / 15°
Períodos nublados
Dom.
 31° / 15°
Céu nublado
Sáb.
 30° / 17°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Por quem os foguetes dobram

Opinião  »  2014-09-12  »  Manuel Filipe

O fim da Turrisespaços e a forma como o mesmo se processou pareceram motivar ”foguetes” em alguns setores da sociedade torrejana. Mas, bem vistas as coisas, importa esclarecer se o momento é festivo ou fúnebre e daí procurar saber por quem os foguetes dobram.

Pela lei. Sumariamente, e passando pelo bizarro de ter de votar (com que liberdade de voto?) o encerramento de um projeto em que se acreditou, basta dizer o seguinte: enquanto a lei dizia que em Torres Novas se devia encerrar uma empresa municipal porque o seu financiamento público não poderia ser superior a 50% da sua despesa, os jornais nacionais davam destaque ao facto do Governo financiar a 60% o salário de empregados recentemente colocados em empresas privadas. Num caso, uma entidade pública contraria a lei; noutro caso idêntico, outra entidade pública não. Sabe-se como a lei não é igual para todos, ainda que os compêndios digam o contrário. E sabe-se como a lei muda, como a lei tem de mudar para sustentar poderosos escritórios de advogados. Que num dia uma coisa é legal, no outro dia muda a lei e deixa de o ser. E vice-versa. Pena é que, com isso, se descaracterize a democracia e se desvalorize a Justiça.

Pela despesa. Nada indica, antes pelo contrário, que o Município não tenha de pagar bem mais que a verba que desembolsava para a Turrisespaços. Isto se quiser conservar serviços e manter a qualidade. Uma empresa municipal tem um enquadramento legal diferente e não padece de constrangimentos que o Município tem. O funcionamento laboral tem outras regras, nomeadamente horários rígidos, limitações de pagamento de horas extraordinárias e restrições à contratação de pessoal. Embora, por estranho que pareça, possa contratar uma empresa privada que, por valor geralmente superior, vá executar o mesmo serviço.

Pelos trabalhadores. Houve quem tentasse pôr trabalhadores contra trabalhadores, os da Câmara contra os da empresa. A internalização dos segundos foi aprovada, embora alguns não possam ser integrados e outros recusem a equiparação do estatuto e respetiva remuneração agregada. Porque o setor público não paga assim tão bem. O mais certo é uma qualquer empresa privada os acolher, aproveitar a sua experiência, atribuir-lhe um salário mais elevado e, com alguma sorte, conhecimento ou contacto, conseguir que o Estado lhe pague 60% do ordenado. Na Turrisespaços é que não podia ser.

Pela Esquerda. Bem podem as forças mais à esquerda fazer manifestações, editar criativas palavras de ordem no sentido de reivindicarem que a cultura não tem que dar lucro e que ela deve ser subsidiada. Em Torres Novas passa-se o contrário. Por força de uma lei que as mesmas forças políticas não deixaram de bajular. Na Assembleia Municipal coube à Esquerda defender o ponto de vista de quem fez a lei. As forças que suportam o Governo nem precisaram de abrir a boca. Alguém fez o trabalho delas, por elas, numa prova evidente do voto útil.

É, por tudo isso, estranho o clamor dos foguetes. Ou não se dê o caso de, na falta de oportunidade de os usar, se aproveite qualquer circunstância para o fazer. O que, só por si, não torna o momento sombrio numa festa.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Umbigos, por Inês Vidal »  2019-07-05  »  Inês Vidal

A política sempre foi um dos assuntos que me deu mais gozo acompanhar enquanto jornalista. Não é novo, já o disse aqui muitas vezes. Encanta-me o jogo, perceber as redes, as pessoas, ver o que as move, como se movem, como a política puxa pelo melhor e revela o pior de quem se envolve.
(ler mais...)


Bloco de Esquerda, Rui Rio, União Europeia e Igreja Católica »  2019-07-05  »  Jorge Carreira Maia

O BLOCO DE ESQUERDA E OS DEPUTADOS. Parece haver divergências entre a distrital de Santarém e a direcção nacional sobre quem deve encabeçar a lista de candidatos pelo distrito às eleições legislativas.
(ler mais...)


PLANTAR ÁRVORES »  2019-07-04  »  António Gomes

As alterações climáticas a que estamos a assistir, e aquelas que nos são anunciadas por estudos científicos, devem ser para levar a sério. O equilíbrio climático a que nos habituámos está em mudança acelerada.
(ler mais...)


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-19  »  Inês Vidal Democracia, por Inês Vidal
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Problemas de memória
»  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia Autarquias, professores, padres casados e futebol
»  2019-06-19  »  José Ricardo Costa O Tempo dos Gelados