• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 08 Dezembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 14° / 5°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 15° / 5°
Períodos nublados
Seg.
 16° / 7°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  15° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Por quem os foguetes dobram

Opinião  »  2014-09-12  »  Manuel Filipe

O fim da Turrisespaços e a forma como o mesmo se processou pareceram motivar ”foguetes” em alguns setores da sociedade torrejana. Mas, bem vistas as coisas, importa esclarecer se o momento é festivo ou fúnebre e daí procurar saber por quem os foguetes dobram.

Pela lei. Sumariamente, e passando pelo bizarro de ter de votar (com que liberdade de voto?) o encerramento de um projeto em que se acreditou, basta dizer o seguinte: enquanto a lei dizia que em Torres Novas se devia encerrar uma empresa municipal porque o seu financiamento público não poderia ser superior a 50% da sua despesa, os jornais nacionais davam destaque ao facto do Governo financiar a 60% o salário de empregados recentemente colocados em empresas privadas. Num caso, uma entidade pública contraria a lei; noutro caso idêntico, outra entidade pública não. Sabe-se como a lei não é igual para todos, ainda que os compêndios digam o contrário. E sabe-se como a lei muda, como a lei tem de mudar para sustentar poderosos escritórios de advogados. Que num dia uma coisa é legal, no outro dia muda a lei e deixa de o ser. E vice-versa. Pena é que, com isso, se descaracterize a democracia e se desvalorize a Justiça.

Pela despesa. Nada indica, antes pelo contrário, que o Município não tenha de pagar bem mais que a verba que desembolsava para a Turrisespaços. Isto se quiser conservar serviços e manter a qualidade. Uma empresa municipal tem um enquadramento legal diferente e não padece de constrangimentos que o Município tem. O funcionamento laboral tem outras regras, nomeadamente horários rígidos, limitações de pagamento de horas extraordinárias e restrições à contratação de pessoal. Embora, por estranho que pareça, possa contratar uma empresa privada que, por valor geralmente superior, vá executar o mesmo serviço.

Pelos trabalhadores. Houve quem tentasse pôr trabalhadores contra trabalhadores, os da Câmara contra os da empresa. A internalização dos segundos foi aprovada, embora alguns não possam ser integrados e outros recusem a equiparação do estatuto e respetiva remuneração agregada. Porque o setor público não paga assim tão bem. O mais certo é uma qualquer empresa privada os acolher, aproveitar a sua experiência, atribuir-lhe um salário mais elevado e, com alguma sorte, conhecimento ou contacto, conseguir que o Estado lhe pague 60% do ordenado. Na Turrisespaços é que não podia ser.

Pela Esquerda. Bem podem as forças mais à esquerda fazer manifestações, editar criativas palavras de ordem no sentido de reivindicarem que a cultura não tem que dar lucro e que ela deve ser subsidiada. Em Torres Novas passa-se o contrário. Por força de uma lei que as mesmas forças políticas não deixaram de bajular. Na Assembleia Municipal coube à Esquerda defender o ponto de vista de quem fez a lei. As forças que suportam o Governo nem precisaram de abrir a boca. Alguém fez o trabalho delas, por elas, numa prova evidente do voto útil.

É, por tudo isso, estranho o clamor dos foguetes. Ou não se dê o caso de, na falta de oportunidade de os usar, se aproveite qualquer circunstância para o fazer. O que, só por si, não torna o momento sombrio numa festa.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A questão ambiental »  2019-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A generalidade dos cidadãos, onde se incluem as elites políticas, não tem qualquer capacidade para julgar se as alterações climáticas em curso são de origem humana ou se são apenas efeitos de uma alteração do clima que ocorre independentemente das acções humanas.
(ler mais...)


No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados” »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas.
(ler mais...)


Há um elefante na sala: o ensino superior da região! »  2019-12-05  »  Jorge Salgado Simões

Podemos não falar do assunto. Podemos todos ir pensando nisto sem dizer o que quer que seja, ou fazer do tema não mais do que uma conversa de café, para não melindrar ninguém.

Temos um problema na região com o ensino superior público: dois Institutos Politécnicos, Tomar e Santarém (IPT e IPS), demasiado pequenos e demasiado sozinhos, desligados entre si, pouco atrativos, pouco diferenciadores e com uma sustentabilidade mais do que duvidosa.
(ler mais...)


A biblioteca no mercado semanal »  2019-12-05  »  António Gomes

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes mudou-se para o mercado, literalmente. Às terças, quinzenalmente, é lá que se encontra.

Misturar as couves, as cebolas, o pão, o queijo, as flores e as pessoas com os livros é uma ideia que deve ser valorizada e apreciada.
(ler mais...)


O senhor da maquineta »  2019-12-05  »  Anabela Santos

Estamos no outono, muito perto da chegada do inverno. Uma estação bonita, de cores únicas, temperatura amena e blá, blá, blá… tudo de bom para dizer desta época do ano.

É também a altura em que as árvores de folha caduca se despem totalmente e deixam os seus ramos apanhar sol, ganhando assim força até à chegada da primavera, momento em que nos presenteiam, novamente, com a sombra das suas folhas.
(ler mais...)


A cantiga é uma arma... »  2019-11-29  »  Hélder Dias

O desafio da direita democrática »  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia

Comecemos pelo trivial, mas que muitas vezes é esquecido. O papel do PSD e do CDS tem sido fundamental para a consolidação de um regime democrático-liberal no nosso país. Uma democracia representativa não pode subsistir sem a existência de pluralidade política e de partidos de direita e de esquerda.
(ler mais...)


Deixaram morrer a tarambola »  2019-11-21  »  António Gomes

Pode dizer-se que é desolador, uma tristeza, que não querem saber, quem pode não quer, está tudo desprezado, é uma grande irresponsabilidade, é um desconsolo e mais uns quantos adjectivos, mas creio que é mais do que isso e mais grave.
(ler mais...)


Eu é que sei »  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro

Vinha a ouvir no rádio do carro a rubrica “Eu é que sei!” A ideia passa por lançar perguntas às crianças para elas opinarem sobre o que pensam de cada temática. Eu é que sei…. “O que é um estetoscópio”, “porque há pessoas boas e más”, “porque as pessoas usam malas”, “porque é que as aranhas têm 8 olhos” , “o que é um pirilampo”, “para que serve a manete de mudanças.
(ler mais...)


Nazismo e comunismo »  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia

No mês passado o Parlamento Europeu aprovou uma resolução de condenação dos regimes nazi e comunista. Na verdade, ambos os regimes perseguiram e mataram adversários e o Estado teve neles uma configuração totalitária.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-11-09  »  Jorge Carreira Maia Nazismo e comunismo
»  2019-11-22  »  Jorge Carreira Maia O desafio da direita democrática
»  2019-11-21  »  António Gomes Deixaram morrer a tarambola
»  2019-11-21  »  Miguel Sentieiro Eu é que sei
»  2019-11-29  »  Hélder Dias A cantiga é uma arma...