• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 29 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 18° / 10°
Céu nublado
Sex.
 17° / 13°
Céu muito nublado com chuva fraca
Qui.
 16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Flávia Batista: Histórias de uma jornalista brasileira em terras torrejanas

Opinião  »  2014-09-25  »  mg teste

Era início do ano 2000 e eu era uma jornalista brasileira em início de carreira, sonhando em fazer o caminho inverso de Pedro Álvares Cabral, 500 anos depois do Descobriment eu queria descobrir Portugal, fazer história e marcar meu nome na imprensa lusitana. Desejos de uma jovem, talvez pretenciosa, com apenas 25 anos de idade e com aquele ideal de que ainda se pode mudar o mundo.

Os caminhos me levaram a Torres Novas e não tardou muito para que eu descobrisse, de fato, que a grande aventura da minha vida, até então, estava prestes a acontecer na cidade banhada pelo Rio Almonda, num prédio no Largo da Lamego.

Foi ao responder a um anuncio de ”Procura-se Jornalista”, que fiz o meu primeiro contato com o Jornal Torrejano. Eles procuravam um profissional para substituir temporariamente a repórter Fátima Coelho, que sairia em licença-maternidade. Era a oportunidade da minha vida! Fui cheia de garra à entrevista, com currículo e alguns textos em mãos. Era fim de tarde e quando eu entrei naquela redação, confesso que tive medo. Eu era a brasileira magricela, com quase nenhuma experiência profissional e estava diante de uma equipe formada por Margarida Trincão, João Carlos Lopes e Joaquim Lopes. Embora tenha caído de amores por eles depois, naquele primeiro contato eles eram ”monstros sagrados” a quem eu tinha a missão de conquistar.

Fizemos testes, textos e até simulámos uma entrevista com o presidente da câmara. Eu olhava os outros candidatos e não conseguia deixar de ouvir meu sotaque que destoava de todo contexto. Mas acho que me saí bem. Tanto que alguns dias depois, eu recebi o tão esperado telefonema, em que fui convocada a passar alguns dias de teste no jornal, trabalhando em part time. Não conseguirei nunca descrever a felicidade que senti.

A primeira matéria que escrevi foi sobre uma senhora que tinha uma quantidade enorme de filhos e como ela conseguiu educar a todos, em tempos de dificuldade. Fiz um comparativo com educação dos tempos atuais e como tudo estava diferente. Daí, não parei mais. Todos os dias, no final da tarde, lá ia eu para o meu sonho de jovem jornalista, cumprir o que mais me dava prazer na vida: escrever.

Não tardou e o que era inicialmente part time, virou full time. Estava oficialmente inserida na imprensa portuguesa. E com o retorno da colega Fatima Coelho à rotina laboral, deixei a condição de jornalista substituta e passei a de contratada. Era, enfim, uma profissional da imprensa portuguesa, com direito a carteira de Press e o status de ”a miúda brasileira do Torrejano”. Foi uma realização!

O ”Torrejano” foi essencial e decisivo na minha formação profissional. Foi lá que tive a honra, o prazer e a sorte de encontrar mestres. Ao lado da chefe de redação, Margarida Trincão, eu aprendi, de verdade, a ser jornalista. Dividir matérias, ouvir as histórias de quando ela começou a escrever e ver como ela lapidava meus textos, era muito mais do que uma rotina de trabalho, era um deleite para uma menina de 25 anos que via seu sonho ser realizado todos os dias.

Os desafios eram instigantes. Lembro especialmente de uma matéria em que fui cobrir um evento de cultura, onde estudantes de uma das escolas da cidade não deram o valor que a ocasião sugeria. Escrevi a matéria relatando o descaso do público com o espetáculo e quando o texto foi lida pela direção do jornal, me pediram para escrever um artigo, comparando a realidade brasileira com aquela que tinha encontrado no teatro local. Foi uma grande responsabilidade escrever aquilo. Mas o resultado foi absolutamente gratificante, dada a repercussão que a matéria teve.

Cobrir as sessões na câmara municipal foi outro desafio. Eu passaria a fazer o trabalho que era de responsabilidade da Margarida Trincão. Ora bolas, como eu poderia ser capaz? Mas fui armada em coragem e ousadia e cumpri com o que me pediam. Em pouco tempo, eu já havia domado meu receio e fazia as matérias sem grandes entraves. Fui, de fato, lapidada no dia-a-dia da lida, pelos melhores professores que poderia ter.

E foram tantas matérias, tantas histórias, tantos personagens que me perderia em milhões de palavras para contar todas as maravilhas que vivi durante quase três anos de labuta no ”Jornal Torrejano”.

Mas além da formação profissional, não há como deixar passar ao lado a importância na transformação pessoal que o ”Torrejano” significou para mim. Porque o jornal é feito por pessoas. E as pessoas que fazem o ”Torrejano” enxergam o mundo sob a ótica diferenciada. O que falar de José Ricardo Costa e das conversas incríveis que dividimos na varanda do JT, entre cigarros e boas risadas? E as discussões sobre política, cultura e comportamento brasileiros com João Carlos Lopes? Cresci como ser humano, me formei como profissional.

Estes primeiros anos de experiência foram vitais para os que vieram a seguir. De volta à terra tupiniquins, a bagagem cheia de histórias lusitanas serviu como impulsionadora da jornalista que sou hoje. As lições tomadas de Margarida Trincão, João Carlos Lopes e Joaquim Lopes são revividas diariamente e não é raro eu me ver repassando cada detalhe aos jovens repórteres que começam a estagiar comigo.

Ser convidada a escrever no aniversário de 20 anos do Jornal Torrejano é mais que um privilégio. É uma honra sem descrição. Porque os caminhos da vida me fizeram voltar para o Brasil, mas sempre vou ser a ”miúda brasileira do Torrejano”.

Flávia Batista

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rui Rio faz o seu caminho »  2020-01-24  »  Jorge Carreira Maia

Rui Rio tornou a vencer as eleições internas do PSD. Isso terá contrariado muita gente à direita, gente despeitada e ansiosa de que se retorne à política de punição das classes populares imposta por Passos Coelho.
(ler mais...)


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor