• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 21 Setembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 24° / 18°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 25° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 25° / 15°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  28° / 17°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O "Torrejano" e o pedroguense

Opinião  »  2014-09-25  »  Paulo Simões

A minha colaboração com o Jornal Torrejano teve início a Dezembro de 2012. A minha história com este Jornal resume-se pois, não a vinte anos, mas apenas ao último ano e meio! Antes disso, a minha atenção ao JT enquanto leitor, admito, ia-se fazendo de períodos mais assíduos, intercalados com períodos de maior afastamento.

Vamos então ao início de Dezembro de 2012, quando esta relação começou.

À data, confesso, não tinha mais que uma pequena ”meia dúzia” de coisas escrevinhadas cá por casa, de forma completamente aleatória e desordenada, as quais nunca me tinha sequer atrevido a mostrar a ninguém. No entanto, de tempos a tempos, sentia o impulso de as voltar a ler, de lhes voltar a juntar letras e parágrafos, pontos e vírgulas, e outras tantas formas gramaticais, no sentido de criar com isso alguma coisa que pudesse ser lido não só por mim, mas também por outros. Seria porventura uma secreta vontade, talvez, que ia mantendo em lume brando, mas que pelas mais diversas razões ia guardando apenas para mim…

Num acesso de coragem, e após umas quantas consultas prévias entre amigos e familiares, acabaria então por enviar um texto para a caixa postal do Jornal Torrejano. Chamei-lhe ”A Alma do Povo”, e não era mais que um elogio à minha terra, Pedrógão, e a todos os que nela vivem. Apenas isso. O motivo era por isso bastante simples, mas curiosamente seria esse primeiro tema a dar o mote para o que se viria a desenvolver a seguir. Na dúvida acerca das qualidades do escrito e com grandes reservas a respeito dos interesses editoriais que o mesmo pudesse gerar, aguardei. Quando chegou, o feedback da parte do JT não podia ter sido melhor. As primeiras palavras de incentivo transformaram-se rapidamente em palavras de orientação na abordagem a futuros textos. E de imediato, o desafio para uma colaboração assídua. Apesar de alguns receios iniciais e já refeito da surpresa, rapidamente e ainda antes do final do ano de 2012, a rubrica ”Ligação à Terra” via a luz do dia.

Enquanto pedroguense de alma e coração, a ”Ligação à Terra” procuraria transportar consigo a visão de alguém que vive numa aldeia e que ama viver na aldeia. Aqui, onde ainda se fazem sentir as ligações afectivas de proximidade entre as pessoas e onde os vizinhos ainda se conhecem pelo nome. Esta rubrica visaria falar sobre esse universo bem particular dos meios pequenos, muitas vezes ausente dos jornais e em tudo distante do mundo urbano, mas ao mesmo tempo não deixar de olhar o mundo global a partir daqui. Esse foi o desafio e essa foi a expectativa com que arranquei para esta colaboração.

Até hoje, foram publicadas sensivelmente trinta crónicas neste espaço. Já escrevi sobre desemprego, velhice, as angústias que as perspectivas de futuro nos levantam a todos, sobre o luto, ou até como me sinto finlandês a viver em Pedrógão, imagine-se! Já escrevi sobre o Amor e sobre a Morte, bem como de todos esses laços invisíveis que nos unem e separam. Já escrevi sobre o ambiente, a amizade, e como hoje podemos viver numa aldeia e ter o mundo à distância de um click. Já escrevi enquanto pai, irmão ou filho, sempre na busca constante de trazer diferentes aspectos da vida a esta crónica de jornal.

Normalmente, escrevo sobre pontos de vista, formas de estar e de observar a vida e o mundo. Transmito opinião, é claro, a minha opinião! Mas, fundamentalmente, escrevo sobre sentimentos e faço-o sempre com uma grande paixão. Não me interessa absolutamente nada escrever, se não for para me desnudar. Para que eu próprio me questione a mim mesmo ao ler aquilo que acabo de escrever. E são tantas as vezes que isso acontece…

Sejam os textos mais ou menos emocionais, ou com mais ou menos sentido de humor, gosto que quem lê aquilo que escrevo me possa conhecer melhor. Porque a vida, tal como nós, é feita de todas essas coisas, boas e más, o essencial é que a genuinidade de que devemos todos ser feitos, transpareça no final.

E porque as colaborações positivas e francas devem ser assim, proveitosas para ambos os lados, o meu obrigado ao JT pela oportunidade que me deu e continua a dar, de eu também me desenvolver enquanto escrevo.

Muitos parabéns pelos vinte anos de vida com votos de um longo futuro.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)


Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro »  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro

Hoje apetece-me escrever uma história baseada em factos verídicos com algumas notas ficcionadas para se conseguir tornar a narrativa menos densa e nauseabunda. Um indivíduo com 80 anos entra na urgência do Hospital de Torres Novas com fortes dores abdominais.
(ler mais...)


Democracia e representatividade - mariana varela »  2020-09-12  »  Mariana Varela

A democracia é, essencialmente, um sistema político que assenta na soberania popular, isto é, um regime em que a legitimidade do poder político emana do povo. Definir ou explicar a noção de democracia não é difícil.
(ler mais...)


A ruptura do discurso - jorge carreira maia »  2020-09-12  »  Jorge Carreira Maia

Nos últimos tempos três assuntos têm concentrado os interesses das redes sociais que dão atenção ao fenómeno político. O racismo, a festa do Avante e a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no ensino não superior.
(ler mais...)


As cabras do reino - carlos paiva* »  2020-09-12  »  Carlos Paiva

Era uma vez um reino. O rei tomou conhecimento que uma república aliada doava dinheiro a quem quisesse criar cabras com o intuito de limpeza do mato nas serras, de modo a diminuir o risco de incêndios. Uma solução barata, neste caso de borla, e acima de tudo não poluente, amiga do ambiente, tema muito em voga entre os gentios.
(ler mais...)


Fabrióleo: ir até ao fim - antónio gomes »  2020-09-12  »  António Gomes

O encerramento da Fabrióleo é um facto. O sofrimento das pessoas e o atentado ao ambiente estão agora mais próximos do fim. Quem não luta, não alcança.
Durante muitos anos, a poluição dos solos e das linhas de água foram a marca daqueles poluidores, nunca se importando com as consequências dos seus actos.
(ler mais...)


Agricultores - rui anastácio »  2020-09-01  »  Rui Anastácio

Falámos em Inglês. Não sei de onde vinham, vinham de bicicleta de bem longe, pela sua tez seriam originários do centro da Europa. Uma das bicicletas estava furada, com o pneu destroçado. Ofereci-lhes o meu spray antifuro.
(ler mais...)


O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela »  2020-09-01  »  Mariana Varela

Nós, seres humanos, habitamos e partilhamos este mesmo Mundo, algo que nos une enquanto Humanidade. Ainda que todos façamos parte de uma realidade universal, possuímos uma identidade baseada nas nossas próprias experiências pessoais e características únicas.
(ler mais...)


O outro somos nós - margarida trindade »  2020-09-01  »  Margarida Trindade

Numa muito recente viagem de família, a dada altura e já próximos do destino, a fim de sabermos qual o caminho a tomar, parámos numa bomba de gasolina e baixados os vidros das janelas, lançámos às três pessoas sentadas na mesa da esplanada a demanda pela estrada a seguir.
(ler mais...)


O rio do fururo - josé mota pereira »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Jorge Carreira Maia Saudades da ditadura - jorge carreira maia