• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 18° / 9°
Céu nublado
Qua.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 12°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Grandes medos, grandes esperanças: entendimento e confiança.

Opinião  »  2020-04-15  »  Margarida Trindade

"Procuro nos livros compreensão. Vejo nos livros a manifestação inequívoca da sobrevivência."

A História, hoje mais do que nunca, lembra-nos da peste negra, da lepra, da tosse convulsa, da tuberculose, da varíola, do sarampo, da gripe, de doenças e pragas cujo medo levou ao enclausuramento das cidades, à marginalização social, ao desprezo pelo doente, ao recurso a crendices populares quantas vezes fatais para o enfermo. Fora de qualquer compreensão à época, escapavam ao controlo das pessoas, dizimavam populações, condicionavam comportamentos e transformavam inevitavelmente mentalidades.

Noutros tempos em que as infeções quotidianas, a falta de higiene, de água, de saneamento, e a sobrelotação de territórios, públicos e domésticos, ditavam a morte precoce, o medo impunha as regras. Cego a afectos ou a qualquer condição social, vingava o mais forte que se safasse ou sobrevivesse ao contágio. O medo, a ignorância e a miséria eram (como hoje) terrenos férteis para crescerem saques, disputas, guerras e fanatismos. E eram o futuro certeiro e devastador.

Por outro lado, resistiam nestes contextos de desespero e agruras alguns oásis como confrarias e irmandades, muitas ainda assim de pendor laico, como lugares de solidariedade e de entre-ajuda. Lugares onde cabia uma certa esperança. Pensar nisto e arrumar ideias, ajuda-me a perspetivar uma miragem de futuro, que me é essencial, ainda que bastante difusa.

Fui à estante buscar três livros que trago comigo há décadas* e andei pela Europa dos séculos XIII ao século XIX, aos sustos da varíola, à cólera, às vagas de peste, ao terror perante uma pequena tosse de um filho ou vizinho, aos guetos da lepra. Nas cidades, nas casas ricas, nas cortes, nos bairros pobres, nas ruas. Nos navios. Nas quarentenas ao largo antes de qualquer desembarque, depois de meses em alto mar. Nas rotas comerciais com a Ásia, às populações também dizimadas do lado de lá do Atlântico por falta de anticorpos que as defendessem das doenças introduzidas nas comunidades por portugueses e espanhóis.

Procuro nos livros compreensão. Vejo nos livros a manifestação inequívoca da sobrevivência. São a evidência disso: nós somos os bisnetos, netos e filhos dos sobreviventes. E se temos nos livros âncoras, como prova dessa vitória, por outro lado é neles que se espelham anónimas e múltiplas derrotas.

Mas é a partir do erro que o mundo avança. Aprender a encarar o erro e vencê-lo é avançar e progredir. E quantas vezes o erro não é senão a escuridão, a ignorância a que o medo nos submete?

O saber, o conhecimento, a informação e o esclarecimento são os maiores inimigos do medo. Afinal, os melhores aliados da esperança, os alicerces do futuro e podem estar mesmo aqui à mão, num livro aberto perto de nós.
E, ainda que hoje a utopia seja a irmandade, que esta seja sempre um farol. E mesmo que essa luz seja só um lugar-comum para um abraço possível, a gente vai continuar.

* DUBY, Georges, A EUROPA NA IDADE MÉDIA, Teorema, Lisboa, 1989.
LE GOFF, Jacques, A CIVILIZAÇÃO DO OCIDENTE MEDIEVAL, vol. I, Editorial Estampa, Lisboa, 1983 e AS DOENÇAS TÊM HISTÓRIA, Terramar, Lisboa, 1991.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal