• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 21 Setembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 22° / 14°
Períodos nublados
Qua.
 24° / 18°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 25° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  25° / 15°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Deixa arder

Opinião  »  2016-08-24  »  João Carlos Lopes

A acreditar nos dados de um estudo da União Europeia divulgado há um ano, Portugal teve mais incêndios que a Espanha, França, Itália e Grécia juntos no período entre 2000 e 2013. Este pequeno país registou, mais concretamente, 54% do número total de incêndios dos países mediterrânicos, quando a sua área total, no conjunto dos cinco, pouco passa dos 10%. Esta tenebrosa vitória portuguesa foi amplamente projectada acrescentando exactamente os os fogos ocorridos neste verão de má sina.

Recentemente, o responsável da Protecção Civil portuguesa disse categoricamente que o que havia a fazer, em termos de meios, feito está: o país detém todos os meios julgados necessários para combate aos incêndios falando de veículos, homens, recursos, apoios financeiros e outros, aliás sempre aumentados anos após ano porque nunca chegavam, até ao ponto em que já era escandaloso continuar a pedir mais e mais num registo de linguagem que, às vezes, rondava a chantagem.

E já com o pais a arder, foi o próprio ministro que veio dizer publicamente que a indústria do combate aos fogos dá milhões a ganhar a muita gente. Não há nada como ouvir quem sabe.
Postas as coisas assim no ponto em que estão, e acreditando, quem acredita, que o Altíssimo, na sua infinita misericórdia, não terá razões para castigar mais os portugueses que os italianos ou espanhóis, tão filhos Dele como nós, temos razões sólidas para pensar que a indústria do fogo posto em Portugal continua em grande, ajudada pelas televisões com as suas nojentas coberturas dos incêndios, que dão ideias e instigam ao mimetismo os malucos, voyeurs diversos e negociantes de vários ramos. O exemplo da Madeira vai repetir-se: um único tonto foi capaz de pôr uma ilha a ferro e fogo e isto deve-se, não haja hesitações em afirmá-lo e constatá-lo, à cobertura assassina que as televisões fazem dos fogos.

O incêndio da Madeira já mobilizou o governo regional, o da República, fundos de socorro da UE, aviões russos, protecções civis várias, programas de reabilitação, tudo por obra de um tonto que já tinha ateado mais de vinte fogos e que confessou gostar de ver as chamas pela televisão.

Há por isso, é verdade, muito combustível para vender, muitos aviões de negócio sazonal para alugar, muitos recursos necessários à indústria do combate aos fogos, muitos carros dos bombeiros para reparar e manter e tudo isso, afinal de contas, dá a sua contribuiçãozita para o PIB. Teoria da conspiração? Não, apenas o tão singular “deixa arder” português, que encaixa que nem uma luva noutra expressão tão linda e a talhe de foice: não há fumo sem fogo. A televisão escandalosamente faz o resto.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)


Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro »  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro

Hoje apetece-me escrever uma história baseada em factos verídicos com algumas notas ficcionadas para se conseguir tornar a narrativa menos densa e nauseabunda. Um indivíduo com 80 anos entra na urgência do Hospital de Torres Novas com fortes dores abdominais.
(ler mais...)


Democracia e representatividade - mariana varela »  2020-09-12  »  Mariana Varela

A democracia é, essencialmente, um sistema político que assenta na soberania popular, isto é, um regime em que a legitimidade do poder político emana do povo. Definir ou explicar a noção de democracia não é difícil.
(ler mais...)


A ruptura do discurso - jorge carreira maia »  2020-09-12  »  Jorge Carreira Maia

Nos últimos tempos três assuntos têm concentrado os interesses das redes sociais que dão atenção ao fenómeno político. O racismo, a festa do Avante e a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no ensino não superior.
(ler mais...)


As cabras do reino - carlos paiva* »  2020-09-12  »  Carlos Paiva

Era uma vez um reino. O rei tomou conhecimento que uma república aliada doava dinheiro a quem quisesse criar cabras com o intuito de limpeza do mato nas serras, de modo a diminuir o risco de incêndios. Uma solução barata, neste caso de borla, e acima de tudo não poluente, amiga do ambiente, tema muito em voga entre os gentios.
(ler mais...)


Fabrióleo: ir até ao fim - antónio gomes »  2020-09-12  »  António Gomes

O encerramento da Fabrióleo é um facto. O sofrimento das pessoas e o atentado ao ambiente estão agora mais próximos do fim. Quem não luta, não alcança.
Durante muitos anos, a poluição dos solos e das linhas de água foram a marca daqueles poluidores, nunca se importando com as consequências dos seus actos.
(ler mais...)


Agricultores - rui anastácio »  2020-09-01  »  Rui Anastácio

Falámos em Inglês. Não sei de onde vinham, vinham de bicicleta de bem longe, pela sua tez seriam originários do centro da Europa. Uma das bicicletas estava furada, com o pneu destroçado. Ofereci-lhes o meu spray antifuro.
(ler mais...)


O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela »  2020-09-01  »  Mariana Varela

Nós, seres humanos, habitamos e partilhamos este mesmo Mundo, algo que nos une enquanto Humanidade. Ainda que todos façamos parte de uma realidade universal, possuímos uma identidade baseada nas nossas próprias experiências pessoais e características únicas.
(ler mais...)


O outro somos nós - margarida trindade »  2020-09-01  »  Margarida Trindade

Numa muito recente viagem de família, a dada altura e já próximos do destino, a fim de sabermos qual o caminho a tomar, parámos numa bomba de gasolina e baixados os vidros das janelas, lançámos às três pessoas sentadas na mesa da esplanada a demanda pela estrada a seguir.
(ler mais...)


O rio do fururo - josé mota pereira »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Jorge Carreira Maia Saudades da ditadura - jorge carreira maia