• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 29 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 18° / 10°
Céu nublado
Sex.
 17° / 13°
Céu muito nublado com chuva fraca
Qui.
 16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  16° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Deixa arder

Opinião  »  2016-08-24  »  João Carlos Lopes

A acreditar nos dados de um estudo da União Europeia divulgado há um ano, Portugal teve mais incêndios que a Espanha, França, Itália e Grécia juntos no período entre 2000 e 2013. Este pequeno país registou, mais concretamente, 54% do número total de incêndios dos países mediterrânicos, quando a sua área total, no conjunto dos cinco, pouco passa dos 10%. Esta tenebrosa vitória portuguesa foi amplamente projectada acrescentando exactamente os os fogos ocorridos neste verão de má sina.

Recentemente, o responsável da Protecção Civil portuguesa disse categoricamente que o que havia a fazer, em termos de meios, feito está: o país detém todos os meios julgados necessários para combate aos incêndios falando de veículos, homens, recursos, apoios financeiros e outros, aliás sempre aumentados anos após ano porque nunca chegavam, até ao ponto em que já era escandaloso continuar a pedir mais e mais num registo de linguagem que, às vezes, rondava a chantagem.

E já com o pais a arder, foi o próprio ministro que veio dizer publicamente que a indústria do combate aos fogos dá milhões a ganhar a muita gente. Não há nada como ouvir quem sabe.
Postas as coisas assim no ponto em que estão, e acreditando, quem acredita, que o Altíssimo, na sua infinita misericórdia, não terá razões para castigar mais os portugueses que os italianos ou espanhóis, tão filhos Dele como nós, temos razões sólidas para pensar que a indústria do fogo posto em Portugal continua em grande, ajudada pelas televisões com as suas nojentas coberturas dos incêndios, que dão ideias e instigam ao mimetismo os malucos, voyeurs diversos e negociantes de vários ramos. O exemplo da Madeira vai repetir-se: um único tonto foi capaz de pôr uma ilha a ferro e fogo e isto deve-se, não haja hesitações em afirmá-lo e constatá-lo, à cobertura assassina que as televisões fazem dos fogos.

O incêndio da Madeira já mobilizou o governo regional, o da República, fundos de socorro da UE, aviões russos, protecções civis várias, programas de reabilitação, tudo por obra de um tonto que já tinha ateado mais de vinte fogos e que confessou gostar de ver as chamas pela televisão.

Há por isso, é verdade, muito combustível para vender, muitos aviões de negócio sazonal para alugar, muitos recursos necessários à indústria do combate aos fogos, muitos carros dos bombeiros para reparar e manter e tudo isso, afinal de contas, dá a sua contribuiçãozita para o PIB. Teoria da conspiração? Não, apenas o tão singular “deixa arder” português, que encaixa que nem uma luva noutra expressão tão linda e a talhe de foice: não há fumo sem fogo. A televisão escandalosamente faz o resto.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Rui Rio faz o seu caminho »  2020-01-24  »  Jorge Carreira Maia

Rui Rio tornou a vencer as eleições internas do PSD. Isso terá contrariado muita gente à direita, gente despeitada e ansiosa de que se retorne à política de punição das classes populares imposta por Passos Coelho.
(ler mais...)


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor