• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 05 Agosto 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 27° / 14°
Céu limpo
Sáb.
 27° / 17°
Céu nublado
Sex.
 27° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A Rosa do Nome - josé ricardo costa

Opinião  »  2021-03-20  »  José Ricardo Costa

"Há terras cujo nome é bonito, enaltecendo quem lá vive, como Vila do Paço, Ribeira Branca, Bom Amor, Lapas, Cardais, Vale da Serra "

Faço uma bela caminhada matinal que me leva a passar pela Caveira, Bonflorido e Vale de Carvão e sou levado a pensar em três pessoas, uma de cada aldeia, escrevendo as suas moradas para uma encomenda. O que pensarão lá longe destes nomes? Ao contrário das sensações que nos obrigam a ver uma cadeira se estamos diante de uma cadeira ou a cheirar frango assado se for frango assado, ao contrário da razão que nos obriga a dizer que o dobro de dois é quatro e não cinco, a imaginação, graças às suas livres jogadas, tem a capacidade de prodigalizar o que não existe.

O que lembra Caveira? Pois, uma caveira é uma caveira é uma caveira. Em suma, uma caveira. Se quisermos sublimar um bocadinho, podemos ainda pensar num título de um conto de Edgar Allan Poe ou um daqueles filmes de terror dos anos 70 em que se vê bem que o sangue é molho de tomate. Uma coisa é certa: jamais abonará a favor de quem lá vive. Imagina-se uma população esquálida, desvitalizada, noctívagas almas penadas num romântico locus horrendus. Já Bonflorido, ah, Bonflorido, transpira lirismo por todos os poros. Podia ser tirada de um poema de António Ramos Rosa ou Eugénio de Andrade, um jovial pedaço de Bernardim Ribeiro. Na cabeça da pessoa que envia a encomenda lê «Bonflorido» começa logo a soar “Feno de Portugal, aroma da natureza” ou a voz de Meredith Monk na Memory Song "Trees… trees… birds… birds… coffee, coffee, coffee". Pois, mas com Vale Carvão voltamos a regredir. Vale de Carvão poderia ser uma versão portuguesa de uma aldeia inglesa algures entre Manchester e Liverpool, casas com telhados pretos da fuligem e cuja população caminha pelas ruas a tossir e a lamentar How green was my valley, neste caso, na língua de Camões.

Eis, pois, a indomável imaginação a fazer o seu trabalho. Mas ao passar pelas três terras, encostadinhas umas às outras, vejo-as como se fossem uma só. A nossa percepção do mundo é bem diferente a pé ou de carro e mais ainda do que simples nomes. Percebi que o ar puro que respirava era o mesmo, como era a mesma a luz do Sol ou o encantador chilrear dos passarinhos, as casas, as ruas, enfim, três terras cujos nomes as separam com a mesma distância ontológica de um Dr Jekyll e de um Mr Hyde, e que se tornam tão iguais na sua natureza, como na Divina Trindade.

Há anos tive uma aluna chamada Cátia Vanessa e que sofria imenso com o seu desgraçado destino. Eu dizia, vá, é só um nome, que importância tem um nome, mas ela tinha toda a razão. É muito mais do que um nome, é todo um programa. Ela era inteligente, boa aluna, bonita, tinha bom gosto, mas será toda a vida perseguida pelo nome. Dói um dente e a pessoa sabe de uma dentista chamada Cátia Vanessa. Como pode uma pessoa sentir-se confiante ao abrir a boca para uma drª Cátia Vanessa? Precisa-se de um arquitecto para desenhar uma casa. Sisa, Souto de Moura, Gonçalo Byrne, Carrilho da Graça? Sim, tudo nomes bem perfumados. Até Taveira, enfim. Agora, alguém pediria a uma Cátia Vanessa, ainda que com um apelido sonante, para desenhar uma casa? Viriam logo à cabeça as casas do engº Sócrates no distrito da Guarda, que até tem nome de filósofo com pedigree mas seria a última pessoa a quem quase (pobres quase!) 10 milhões de portugueses comprariam um carro em segunda mão e mesmo em primeira sabe Deus.

No caso das terras também não há volta a dar. As pessoas não escolhem as terras pelo nome. Porém, têm de se mentalizar que tal como o carro em que andam também o nome da terra pode ser importante para o seu estatuto social, isto, porque a imaginação não perdoa. Já houve quem pensasse que Torres Novas fosse uma cidade nova e toda moderna por causa do seu nome. Não, o Entroncamento é que é, Torres Novas é antiga com cortes e tudo e famílias com nome sonante. É como confundir Chambord com a Trump Tower.

Se querem Pé de Cão já sabem que não se livram de ficar associados a um chefe índio apesar de em Portugal só os ter havido na Meia Praia. Terras Pretas faz lembrar uma aldeia da Beira Alta dos anos 60, com velhas de cabeça coberta a espreitar pelo postigo numa casa por cima do estábulo. A aliteração de Carreiro da Areia é horrível e a semântica não é melhor, mais parecendo um daqueles caminhos que vão dar a uma obra. Pafarrão poderia ser uma personagem de Rabelais, Molière ou de uma ópera de Rossini. Videla faz arrepiar, remetendo para uma ditadura militar sul-americana. E por falar em militar, Boquilobo sugere pessoas que vão mesmo enfiar-se na boca do lobo, terra onde, por isso, é perigoso nascer. Fungalvaz lembra constipações. Valhelhas parece uma mistura de velha com balhelhas. Rexaldia poderia ser palavra para som estridente. Gavata não existe no Houaiss mas bem poderia ser um buraco feito por uma galinha. Borreco até é fofinho mas tem ao mesmo tempo algo de cómico, retirando alguma gravitas social a quem lá mora. Rendufas podiam ser uns chinelos de quarto do século XVIII, elegância barroca sem dúvida, mas se pensarmos que naquele tempo as pessoas não tomavam banho ficamos conversados. Lamarosa tem rosa mas também tem lama. Assentiz parece uma noção matemática, até tem a sua graça, bem poderia ser uma das ilhas das Viagens de Gulliver, mas a sua pura racionalidade tira-lhe alguma vinculação comunitária. Enfim, Alcorriol é uma desgraça onomástica tão grande que nem merece comentários. 

Mas há terras cujo nome é bonito, enaltecendo quem lá vive, como Vila do Paço, Ribeira Branca, Bom Amor, Lapas, Cardais, Vale da Serra, Casal dos Ramos (ao contrário de Casal do Cepo, um verdadeiro anátema para quem lá more), Carvalhal da Aroeira ou Chancelaria. Seja como for, nomes são nomes são nomes e, como diria um medieval, não passam de flatus vocis. Mas, como diria a minha aluna, não é bem assim. A imaginação humana quando ligada à perversão e ao cinismo é implacável. Por isso, pelo sim, pelo não, se quisesse comprar um terreno na zona do Vale Carvão ou Caveira, creio que o iria comprar uns metros mais à frente só para poder morar no Bonflorido.

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Ministro de peso... »  2021-07-23  »  Hélder Dias

Alguma seriedade - antónio gomes »  2021-07-17  »  António Gomes

A campanha eleitoral das próximas autárquicas teve o seu inicio, como é normal. As candidatas e candidatos vão-se conhecendo, vão-se anunciando, algumas ideias também vão aparecendo, para o concelho e para as freguesias, é o processo democrático de disputa eleitoral para que os eleitores possam decidir livremente, pois o voto não pertence a nenhum partido, coligação e nem a nenhum candidato.
(ler mais...)


Maria de Lourdes - inês vidal »  2021-07-17  »  Inês Vidal

Há uns anos, quando passeava pela vila de Riachos visitando aquelas ruas engalanadas a propósito da festa Bênção do Gado, deparei-me com uma realidade que na altura me levou, inclusive, a escrever um texto nestas páginas.
(ler mais...)


Justiça, Educação, Pandemia e Claudio Magris - jorge carreira maia »  2021-07-17  »  Jorge Carreira Maia

Justiça. O sistema judicial começou, há tempos, a incomodar pessoas que, por um motivo ou outro, tinham poder no país. Do ponto de vista da defesa do regime democrático, as coisas são sempre complexas.
(ler mais...)


Obras - josé mota pereira »  2021-07-17  »  José Mota Pereira

 O privilégio de vivermos em 2021 e de dispormos da internet permite que através das redes sociais ou nalguns sites mais específicos (visitem o Ephemera, de Pacheco Pereira) possamos ir acompanhando as apresentações e os programas eleitorais das diversas candidaturas autárquicas, dos diversos partidos, coligações e movimentos de independentes, um pouco por todo o país.
(ler mais...)


Ao trabalho. Ao trabalho. Ao trabalho, ao trabalho. - carlos paiva »  2021-07-17  »  Carlos Paiva

 

 Recentemente um amigo, empresário em Torres Novas, telefonou-me. Precisava de contratar um recurso com competências altamente especializadas e perfil adequado ao projecto empresarial que lidera. Não oferecia trabalho mal pago, precário, temporário, nem tampouco uma posição congelada no tempo, sem possibilidade de evolução.
(ler mais...)


Parque urbano/mata municipal »  2021-07-17 

Como estamos em momento pré-eleitoral autárquico, regressam as velhas “promessas”, tais como a defunta e agora ressuscitada “mata municipal”, também adicionada com umas piscinas de verão já que, quem agora promete, mandou destruir as anteriores para lá instalar um mamarracho a que chamaram piscinas municipais Fernando Cunha, que não teve culpa nenhuma dos erros cometidos e que foram atribuídos, pasme-se, à ASAE.
(ler mais...)


Pensar a cidade - mariana varela »  2021-07-14  »  Mariana Varela

A aproximação das Eleições Autárquicas de 2021 convoca, ou deve convocar, em cada um de nós, enquanto seres humanos, cidadãos, estudantes ou trabalhadores, uma reflexão acerca daquilo que se deseja, em abstrato, para uma comunidade e para o território em que esta se move, e em particular, para a cidade e todo o Concelho de Torres Novas.
(ler mais...)


Timor, Portugal e o futebol - anabela santos »  2021-07-13  »  AnabelaSantos

Quase terminada a minha caminhada por Timor Lorosae, a ilha com a história e cultura escritas a sangue, tento fazer um balanço de todo o meu percurso vivido em Díli. Como em tudo na vida, há o bom e o menos bom, mas o resultado é, sem dúvida, positivo.
(ler mais...)


Se eu for presidente... »  2021-07-04  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-07-17  Parque urbano/mata municipal
»  2021-07-14  »  Mariana Varela Pensar a cidade - mariana varela
»  2021-07-23  »  Hélder Dias Ministro de peso...
»  2021-07-17  »  Jorge Carreira Maia Justiça, Educação, Pandemia e Claudio Magris - jorge carreira maia
»  2021-07-17  »  Inês Vidal Maria de Lourdes - inês vidal