• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 18° / 9°
Céu nublado
Qua.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 12°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

É lidar

Opinião  »  2020-07-03  »  Margarida Trindade

"O excesso de informação tolda-nos o pensamento. É preciso tempo para ler, para analisar e para digerir e depurar"

Sou constantemente assaltada pela dúvida. Sofro deste desconforto constante. Bem sei que mais felizes são os que nunca têm dúvidas e os que raramente se enganam e que dizer isto pode parecer uma banalidade, mas é a mais pura das verdades.

Onde hei-de posicionar-me? Que hei-de pensar das notícias? Que conclusões se me afiguram? Terei de fazer fé nas deduções imediatas? Poderei acreditar logo nos meus juízos de valor? Estarei até em condições de fazer esses juízos de valor? O que é que estará certo e o que é que estará errado? Será o meu ponto de vista apenas uma miséria de pensamento mal assente, mal fundamentado, cheio de lacunas de conhecimento ou será que posso contribuir com algumas achegas para que o caminho se vá construindo em vez de se desmoronar?

Dou por mim a ler toda a espécie de notícias e hoje, com a facilidade com que respiramos, estamos rodeados de opiniões. Não é que isso seja bom, nem mau. Pior seria haver só uma, poucas ou nenhuma; o que seria a mesma coisa. Salve-se a pluralidade e a democracia. Sempre.

Porém, seja onde for que nos posicionemos perante a informação, factos, notícias ou a realidade que nos circunda, a consciência de que é preciso filtrar tem de estar bem desperta. Aceitar como válido tudo o que nos é infundido pelas redes sociais, comunicação social ou pela voz do povo, ou por um comentador avençado, é um exercício de ingenuidade. Ou de burrice, se quisermos dizer assim.

A construção de uma opinião é algo que exige de nós alguma maturação, Não é um arroto involuntário que damos depois de ingerir as couves, as batatas, as cenouras, os enchidos, a carne de vaca e a carne de porco de um farto cozido à portuguesa. Ou uma sopa que tem os legumes todos misturados e que se engole em dois ou três sorvos.

Comecemos pela distância. É que a perspetiva aqui importa, e muito. Construir opinião significa perceber que não vamos apenas reproduzir o que outros já reproduziram. Isso não é opinião, é repetição, é ressonância. Muitas vezes, é desonestidade.

Depois, o tempo. O excesso de informação tolda-nos o pensamento. É preciso tempo para ler, para analisar e para digerir e depurar. E, acima de tudo é preciso saber que é preciso saber depurar. Não se pode chegar a todo o lado. Costumo dizer que quem está em todo o lado não está em lado nenhum, assim como quem quer fazer tudo não consegue fazer quase nada. Portanto, fazer escolhas é essencial. Perceber ao que vale mesmo a pena dar atenção e o que merece análise. Essa é uma prática fundamental e aconselhável a quem queira construir uma opinião que traga novos contributos, que seja produto de algum pensamento próprio.
E ler, repito, é preciso ler. Ler diversos autores, várias correntes, ler os vivos e os mortos. As bibliotecas públicas, pilares da democracia, dão aqui uma ajuda inestimável. As leituras são gratuitas, os empréstimos também. Ainda bem que que as há e que as estimamos.

Depois, num exercício de humildade imprescindível, conhecer variadas propostas, ler o direito e o avesso, ler o texto e o seu contraditório. É essa aprendizagem na multiplicidade que desperta o espírito crítico. O leitor saberá separar o trigo do joio, bastar-lhe-á continuidade e práxis.
Voltemos ao início, e levemos em conta a dúvida. A dúvida é o início e o fim, a demonstração de inteligência e de sabedoria. A dúvida é o motor, a alavanca do conhecimento e do progresso. Estar fechado a uma só versão dos factos invalida a produção de o que quer que seja credível ao nível do pensamento. Os dogmas, por norma, são pensamento estagnado. E qualquer coisa que estagna acaba por perder a validade, logo não é saudável para consumo.

Mas tudo isto não é cómodo. Dá trabalho, exige que façamos pausas, silêncio, reflexão, exige que dediquemos umas horas por semana a leituras indispensáveis, toma-nos tempo, obriga-nos a um olhar crítico sobre a realidade, valorizado sobretudo se construtivo e comprometido com a boa-fé. E é de se lhe dar cada vez mais valor, mesmo que — inevitável e assumidamente, — esse olhar seja inevitavelmente contaminado pelas circunstâncias individuais de cada um ao exercitar o verbo e a análise.
Todavia, e tomemos isto em consideração, há sempre uma coisa a não esquecer: é que esse olhar, por vezes, traz-nos inimigos. Mas, contra isso, fazer o quê? Como diz o outro, é lidar.

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal