• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 14 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 30° / 18°
Períodos nublados com chuva fraca
Dom.
 28° / 15°
Céu limpo
Sáb.
 27° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  28° / 15°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

É lidar

Opinião  »  2020-07-03  »  Margarida Trindade

"O excesso de informação tolda-nos o pensamento. É preciso tempo para ler, para analisar e para digerir e depurar"

Sou constantemente assaltada pela dúvida. Sofro deste desconforto constante. Bem sei que mais felizes são os que nunca têm dúvidas e os que raramente se enganam e que dizer isto pode parecer uma banalidade, mas é a mais pura das verdades.

Onde hei-de posicionar-me? Que hei-de pensar das notícias? Que conclusões se me afiguram? Terei de fazer fé nas deduções imediatas? Poderei acreditar logo nos meus juízos de valor? Estarei até em condições de fazer esses juízos de valor? O que é que estará certo e o que é que estará errado? Será o meu ponto de vista apenas uma miséria de pensamento mal assente, mal fundamentado, cheio de lacunas de conhecimento ou será que posso contribuir com algumas achegas para que o caminho se vá construindo em vez de se desmoronar?

Dou por mim a ler toda a espécie de notícias e hoje, com a facilidade com que respiramos, estamos rodeados de opiniões. Não é que isso seja bom, nem mau. Pior seria haver só uma, poucas ou nenhuma; o que seria a mesma coisa. Salve-se a pluralidade e a democracia. Sempre.

Porém, seja onde for que nos posicionemos perante a informação, factos, notícias ou a realidade que nos circunda, a consciência de que é preciso filtrar tem de estar bem desperta. Aceitar como válido tudo o que nos é infundido pelas redes sociais, comunicação social ou pela voz do povo, ou por um comentador avençado, é um exercício de ingenuidade. Ou de burrice, se quisermos dizer assim.

A construção de uma opinião é algo que exige de nós alguma maturação, Não é um arroto involuntário que damos depois de ingerir as couves, as batatas, as cenouras, os enchidos, a carne de vaca e a carne de porco de um farto cozido à portuguesa. Ou uma sopa que tem os legumes todos misturados e que se engole em dois ou três sorvos.

Comecemos pela distância. É que a perspetiva aqui importa, e muito. Construir opinião significa perceber que não vamos apenas reproduzir o que outros já reproduziram. Isso não é opinião, é repetição, é ressonância. Muitas vezes, é desonestidade.

Depois, o tempo. O excesso de informação tolda-nos o pensamento. É preciso tempo para ler, para analisar e para digerir e depurar. E, acima de tudo é preciso saber que é preciso saber depurar. Não se pode chegar a todo o lado. Costumo dizer que quem está em todo o lado não está em lado nenhum, assim como quem quer fazer tudo não consegue fazer quase nada. Portanto, fazer escolhas é essencial. Perceber ao que vale mesmo a pena dar atenção e o que merece análise. Essa é uma prática fundamental e aconselhável a quem queira construir uma opinião que traga novos contributos, que seja produto de algum pensamento próprio.
E ler, repito, é preciso ler. Ler diversos autores, várias correntes, ler os vivos e os mortos. As bibliotecas públicas, pilares da democracia, dão aqui uma ajuda inestimável. As leituras são gratuitas, os empréstimos também. Ainda bem que que as há e que as estimamos.

Depois, num exercício de humildade imprescindível, conhecer variadas propostas, ler o direito e o avesso, ler o texto e o seu contraditório. É essa aprendizagem na multiplicidade que desperta o espírito crítico. O leitor saberá separar o trigo do joio, bastar-lhe-á continuidade e práxis.
Voltemos ao início, e levemos em conta a dúvida. A dúvida é o início e o fim, a demonstração de inteligência e de sabedoria. A dúvida é o motor, a alavanca do conhecimento e do progresso. Estar fechado a uma só versão dos factos invalida a produção de o que quer que seja credível ao nível do pensamento. Os dogmas, por norma, são pensamento estagnado. E qualquer coisa que estagna acaba por perder a validade, logo não é saudável para consumo.

Mas tudo isto não é cómodo. Dá trabalho, exige que façamos pausas, silêncio, reflexão, exige que dediquemos umas horas por semana a leituras indispensáveis, toma-nos tempo, obriga-nos a um olhar crítico sobre a realidade, valorizado sobretudo se construtivo e comprometido com a boa-fé. E é de se lhe dar cada vez mais valor, mesmo que — inevitável e assumidamente, — esse olhar seja inevitavelmente contaminado pelas circunstâncias individuais de cada um ao exercitar o verbo e a análise.
Todavia, e tomemos isto em consideração, há sempre uma coisa a não esquecer: é que esse olhar, por vezes, traz-nos inimigos. Mas, contra isso, fazer o quê? Como diz o outro, é lidar.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira