• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 19 de Fevereiro de 2018
Pesquisar...
Qui.
 15° / 4°
Céu limpo
Qua.
 19° / 6°
Céu limpo
Ter.
 20° / 6°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  19° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ir à Praça

Opinião  »  2017-11-14  »  José Ricardo Costa

"Cá temos a praça como lugar onde se projecta espacialmente esta nova identidade"

Qualquer jovem de Lisboa sabe que ir “ao bairro” é Bairro Alto. No Porto, ir “ao palácio” é Palácio de Cristal. Em Torres Novas “ir à praça” é Praça 5 de Outubro. Mas houve um tempo em que a expressão tinha outro sentido: ir à 2ª feira comprar fruta, legumes, hortaliças, queijos, enchidos, animais, loiças, móveis em pinho e até a famosa banha da cobra ali em frente onde foi o Rogério. Isto, porque o mercado ocorria, como noutras terras, na sua praça mais nobre e central. E a coisa ficou tão impregnada nas mentes que ainda hoje pessoas mais velhas, graças a uma feliz casmurrice semântica, continuam a ir “à praça” de cestinha no braço.

Para um jovem de hoje, devido a uma nova fisionomia -e fisiologia- social e económica deste espaço urbano, “ir à praça” não tem que ver com matinais hortaliças ou necessidades quotidianas mas sair à noite e divertimento. Houve tempos em que, para além de ser uma zona habitada, havia uma loja de impressos e selos, armazém de tecidos, policlínica, papelaria, oculista, ourivesaria, posto de polícia, barbearia com jornais e revistas, fotógrafo, dois bancos (sim, dois!), um edifício institucional para o que desse e viesse e…uau!, sim, um restaurante, o incontornável Rogério. A vidinha “nine to five”. Depois, a grande metamorfose, não kafkiana, graças a Deus, mas mais tipo tender is the night: dois hotéis, cinema, posto de turismo, três restaurantes, cafés e bares com esplanadas e, vá, duas lojas, um banco, e este com bem menos funcionários a chegar de manhã e a sair à tarde por causa de quem já lá não vai porque faz tudo no Multibanco e na conta on line. E perda de residentes.

Aconteceu o mesmo que nos centros de outras cidades: uma perda da sua tradicional identidade social e económica, dando lugar a uma cultura de lazer, mudando a percepção da cidade. Assim um bocadinho como restaurar a casa de aldeia, transformando a velha horta num jardim com piscina e barbecue. Uma nova mentalidade, mais afastada das necessidades primárias, sendo maior a pulsão para o lazer e divertimento, cujo apogeu está no sair à noite.

Mentalidade mais urbana e iluminada, vindo substituir o lânguido lazer das tabernas, casas de pasto ou pacatos cafés de bairro, das tacinhas enquanto se vê os Portugal-Espanha em hóquei em patins, a preto e branco, que isto do mundo a cores era só para lá dos Pirinéus e a Benetton ainda iria demorar. Mentalidade com uma geografia mais pombalina, sendo até as bebedeiras mais cosmopolitas com os seus gins tónicos, shots, vodkas ou cervejas artesanais, em contraste com as ainda medievais ou pré-iluministas bebedeiras dos anos 60 com bagaço e carrascão, numa espécie de casamento entre a underground e ácida fuligem de Dickens com uma salazarista melancolia. E, pronto, cá temos a praça como lugar onde se projecta espacialmente esta nova identidade, após os anos de chumbo de meados de 70, em que viveu sem eira nem beira e aromatizada com charros, entre a ressaca do regime anterior e a europeização da pátria com a sua adesão à CEE. Que assim continue.

 

 

 Outras notícias - Opinião


A Igreja, o espírito e o sexo »  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia

A recente declaração do cardeal Clemente sobre abstinência sexual dos católicos recasados e a intensa luta, ao mais alto nível da hierarquia católica, sobre problemas de ordem moral tornam manifesta, mais uma vez, a grande dificuldade que a Igreja Católica enfrenta nas sociedades modernas.
(ler mais...)


A HISTÓRIA DAS TERAPIAS NÃO CONVENCIONAIS »  2018-02-15  »  Juvenal Silva

Quando o ser humano surgiu no planeta, os animais já o habitavam e as plantas já existiam há mais de 400 milhões de anos. As plantas conforme hoje as conhecemos, evoluíram a partir de espécies de algas primitivas.
(ler mais...)


Rankings »  2018-02-15  »  José Ricardo Costa

Até ao 5.º ano do liceu (actual 9.º ano) fui um aluno cujo rendimento andou algures entre o mau e o péssimo. Chumbei alegremente dois anos e devo à simpática benevolência docente não terem sido mais.
(ler mais...)


Gritos mudos »  2018-02-15  »  José Mota Pereira

Cada noite de frio, cada rajada deste vento polar convocam-nos para escutarmos aqueles a quem falta o conforto mínimo do agasalho. Esses são muito mais do que aqueles que se recolhem nos recantos das ruas e recebem nestes dias o aparato mediático com políticos de afecto, oportunidade (ia a escrever oportunista vejam lá) e verbo fácil.
(ler mais...)


A culpa é da árvore? »  2018-02-15  »  Denis Hickel

Ninguém pode ter deixado de reparar que já vamos em Fevereiro e a chuva ainda não foi o suficiente para sairmos da situação de seca e fazer correr os pequenos ribeiros. Ou ainda, que circula nos media que estão 40 milhões de mudas de eucalipto prontas para ir para o solo, seja para recuperar as perdas das áreas ardidas, ou mesmo ampliar a plantação para a indústria da pasta de papel.
(ler mais...)


A efetividade nos postos de trabalho ajuda tudo e todo »  2018-02-15  »  António Gomes

Encontra-se em fase de aplicação o PREVPAP – Programa de Regularização Extraordinário dos Vínculos Precários na Administração Pública.
A lei 112/2017 prevê os procedimentos do processo de regularização dos precários do Estado, onde se incluem os trabalhadores das autarquias locais.
(ler mais...)


Democratizar a mobilidade »  2018-02-15  »  Nuno Curado

Dada a sua dimensão, tenho cada vez mais a opinião de que Torres Novas teria muito a beneficiar com a promoção e melhoria das suas condições de mobilidade suave. Isto é, os meios de deslocação que não envolvem veículos motorizados, seja de bicicleta, a pé ou outro meio não motorizado.
(ler mais...)


"Passeio" pela cidade com o Gustavo »  2018-02-15  »  Anabela Santos

Há convites irrecusáveis…
- Gustavo, vamos à festa de aniversário do LIJ (Lar de Infância e Juventude), na alcaidaria do castelo?
O Gustavo com um sorriso de gozo, olhou para baixo e respondeu:
- Não posso! Ei!!! É o Gustavo.
(ler mais...)


O lado esquerdo da vida »  2018-02-15  »  Margarida Oliveira

É no lado esquerdo do peito que nos bate o coração. É lá o refúgio sagrado da nossa generosidade, abnegação e um profundo amor ao próximo.
Um músculo magnífico, que nos alimenta a razão, também mais assente no lado esquerdo do cérebro, a metade sentimental.
(ler mais...)


Associativismo »  2018-02-15  »  Inês Vidal

Tenho inúmeras vezes vontade de fugir de Torres Novas. Cansa-me o mesmo de sempre, o tudo igual. As mesmas caras, as mesmas políticas, os mesmos políticos, os mesmos problemas, os mesmos passeios, as mesmas vistas, os mesmos limites, e estes sempre tão curtos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-02-09  »  Jorge Carreira Maia A esquerda e os rankings escolares
»  2018-02-16  »  Jorge Carreira Maia A Igreja, o espírito e o sexo
»  2018-02-15  »  Anabela Santos "Passeio" pela cidade com o Gustavo