• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 27 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 18° / 9°
Períodos nublados
Dom.
 16° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 16° / 7°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  17° / 8°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

25 de Abril Nunca Mais!

Opinião  »  2020-05-09  »  José Ricardo Costa

"O 25 de Abril é como o primeiro atleta de uma estafeta 4x400 metros. Arrancou, fez o melhor que pôde mas termina a sua prova mal passa o testemunho."

Sempre que o calendário faz regressar o 25 de Abril, é também o clássico “25 de Abril sempre!” que regressa. A frase é bonita e voluntariosa mas tem um problema: não dá que o 25 de Abril seja para sempre. Ao invés, será mesmo caso para dizer “25 de Abril nunca mais!”.
Claro que me lembro bem do 25 de Abril. Um dia cinzento mas que começou muito bem graças a um madrugador telefonema de um tio de Lisboa que fez com que não me deixassem ir à escola, passado o dia alegremente na cama a ler e a ouvir canções de intervenção que a rádio transmitiu todo o dia, algumas das quais já conhecidas lá de casa e que estranhei estar a ouvir por não ser o habitual na rádio ao longo daqueles pubescentes anos.
Só que o dia 25 de Abril não foi dia 25 de Abril nenhum. Nem para mim nem para ninguém. Como a Revolução Francesa não foi Revolução Francesa nenhuma para um francês de 1789, o Renascimento nada significa para um italiano do século XVI, nem um ateniense da Grécia Antiga sabe que está na Grécia Antiga e a viver antes de Cristo, não sabendo o próprio Cristo que nasceu antes de Cristo e morreu depois de Cristo. Só depois se começou a perceber melhor o que foi o dia 25 de Abril, formando-se a ideia de que não foi um dia desenxabido e sem história como um qualquer 22 de Novembro ou 15 de Fevereiro, mas que o 25 de Abril era o “25 de Abril”, como o 1 de Dezembro é “1 de Dezembro” e o 5 de Outubro “5 de Outubro”.
Daí não ser possível viver para sempre o tal dia inicial e limpo de que fala a poeta. Não se pode estar viver uma coisa e ao mesmo tempo a sentir a nostalgia que temos dela. Querer o 25 de Abril para sempre é como querer estar sempre a ouvir pela primeira vez o “Dark Side of the Moon”. Não dá. Até porque o próprio tempo, sendo um grande escultor, é também um vento que causa erosões nas paisagens históricas, separando as coisas da memória que temos delas.
Mas não é só por isso que o 25 de Abril é para ser nunca mais. É também “nunca mais” naquele sentido em que se está muito à espera de alguma coisa, por exemplo, as prendas de Natal, o primeiro dia de férias ou o Sporting ser campeão, levando o desespero a dizer “Fogo, nunca mais!”. No caso do 25 de Abril será “Fogo, nunca mais!” sobretudo para quem pede “25 de Abril sempre!”, uma vez que continuam à espera daquilo para que o 25 de Abril nunca serviu.
O 25 de Abril foi muito bom porque acabou com um regime que era um atraso de vida no seio de uma Europa que, à excepção da Espanha e da Grécia, era livre e arejada até à Cortina de Ferro, onde outras horríveis ditaduras esmagavam os seus povos. Foi mais ou menos assim como andar duas semanas com uma horrenda dor de dentes e tomar um antibiótico graças ao qual se acorda no dia seguinte sem dor. Dois ou três dias depois ainda vamos tendo uma memória vívida da dor de dentes, porém, meses depois, embora guardando a episódica memória da dor de dentes, os já muitos dias passados sem essa horrenda dor, afastam-nos cada vez mais dessa sensação.
Pronto, o 25 de Abril também é um bocadinho assim. Eu gosto da memória do 25 de Abril mas o facto de já termos quase tantos anos pós- 25 de Abril como os 48 da longa noite com dor de dentes, faz com que pensemos cada vez menos na dor dentes e menos ainda no antibiótico que acabou com a dor de dentes. E, hoje, estar sem dor de dentes, é o nosso normal: uma sociedade democrática, livre e aberta, a qual iria sempre surgir mais cedo ou mais tarde. Se não fosse no dia 25 de Abril de 1974 teria sido, mais coisa menos coisa, antes ou depois, como aconteceu logo com a Grécia e a Espanha e anos depois com o que estava para lá da Cortina de Ferro.
Mas para muitos o 25 de Abril não foi apenas isso. Houve dois 25 de Abril: um, que é o meu, para fazer um país simplesmente normal, com as suas virtudes e defeitos, outro para criação de uma utopia (eu diria distopia) à revelia do que à época já seria o mais elementar bom senso social, político, económico e até cultural. Daí que, para muitos, ainda falte “Cumprir Abril” ou as supostas “Conquistas de Abril” e, por isso mesmo, bem podem esperar a gritar “Abril nunca mais” pois é mesmo caso ser nunca mais.
O 25 de Abril é como o primeiro atleta de uma estafeta 4x400 metros. Arrancou, fez o melhor que pôde mas termina a sua prova mal passa o testemunho. O que Portugal tem hoje de mau e de bom, os seus vícios e virtudes, os problemas que conseguiu ou não resolver, já nada têm que ver com o 25 de Abril mas apenas com os méritos e deméritos de um secularíssimo pequeno país do canto ocidental da Europa e em relação ao que tem vindo a acontecer no mundo.
Há um pequeno conto de Borges chamado “O Último Homem” onde se fala de um último homem da história a ter um contacto com a cultura pagã numa cultura já completamente cristianizada. Também um dia irá morrer o último homem da história que ainda viveu o 25 de Abril, tornando-se este, assim, definitivamente nunca mais e definitivamente para sempre o que estava destinado a ser: uma importante personagem no panteão das históricas datas de Portugal. Nesse dia, então, cumpre-se o que disse o poeta alemão Hans Magnus Enzensberger sobre o 25 de Abril quando cá regressou em 1986: “Coisa inesquecível que já se esqueceu”.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Onde pára o PS? - josé mota pereira »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.
(ler mais...)


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-06  »  José Mota Pereira FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira