• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 18 Setembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 17°
Céu nublado com chuva moderada
Sex.
 29° / 16°
Céu nublado
Qui.
 29° / 16°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  30° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A culpa é da árvore?

Opinião  »  2018-02-15  »  Denis Hickel

"A inspiração para a mudança está aí, à mão de semear"

Ninguém pode ter deixado de reparar que já vamos em Fevereiro e a chuva ainda não foi o suficiente para sairmos da situação de seca e fazer correr os pequenos ribeiros. Ou ainda, que circula nos media que estão 40 milhões de mudas de eucalipto prontas para ir para o solo, seja para recuperar as perdas das áreas ardidas, ou mesmo ampliar a plantação para a indústria da pasta de papel. A mesma que até o momento vai sufocando de morte o rio Tejo.

Em meio a tudo isso é comum buscar culpados: Ora o eucalipto, ora os políticos ou empresários gananciosos. Dá sempre jeito. O problema de querer buscar culpados e respostas em coisas terceiras é que nos isenta da reflexão e da responsabilidade de sermos nós os consumidores de tudo que alimenta este fazer. Mas e a árvore, hein?
A razão de culparmos uma árvore pelos nossos graves problemas ambientais acontece por não questionarmos o andar das coisas. O mundo surge dos significados que nós lhe atribuímos, de um processo emergente de relações que retroalimentam e legitimam toda uma cultura de degradação ambiental. É mais do que tempo de admitir que é necessário olhar para as coisas que nos afligem de forma diferente.

É comum ver nos discursos que habitam o noticiário e mesmo a legislação, que não distingue-se monocultura de floresta. O que hoje chamam de floresta nada mais são do que monoculturas que desconsideram aspectos ecológicos e até mesmo culturais, com o propósito de atender intenções estritamente económico-financeiras; as mais imediatas em detrimento das de longo prazo. Neste caso, podemos plantar eucaliptos, pinheiros, exóticas, ou autóctones; se as formas, intenções e aspirações não mudam, também não mudam as relações, o fazer e os problemas daí advindos.

Uma floresta não é simplesmente um aglomerado de árvores, mas antes um sistema vivo, diverso e complexo que envolve relações entre diferentes espécies de animais, fungos, bactérias e plantas, incluindo nós seres humanos. Se entendermos a floresta e suas dinâmicas, entenderemos que podemos abrir todo um leque de oportunidades para o fazer humano, tão diverso e rico, como um ecossistema pode ser (redes, ecoliteracia, biomímese, permacultura, agroecologia, são alguns dos novos entendimentos).

Com este conhecimento, podemos planear e plantar florestas não só por motivos económicos e mono funcionais, mas também tão complexas e ricas como florestas naturais, onde para além da produção, poderíamos regenerar ecossistemas e beneficiar dos serviços que estes nos prestam. Como diz Ernst Gotsch (e outros nomes que poderia citar), podemos plantar água! Mas para isso devemos transmutar a nossa matriz cultural e produtiva (e consumista), das coisas aos alimentos.

A inspiração para a mudança está aí, à mão de semear. Toda a poluição e processos de impacto negativo no ambiente são resultados de valores, escolhas, de planeamento e de estratégias que envolvem desde a criação dos recursos, sua distribuição, consumo e disposição final. Ainda sim, em última instância, somos nós, que não questionamos, apenas consumimos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)


Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade? »  2019-08-25  »  Anabela Santos

Falar da valorização de um espaço que é tão importante para uma grande parte dos torrejanos é imperativo mas não é novidade.
Já muitos falaram e escreveram sobre o assunto, desejando que alguma mente iluminada e com vontade de fazer o melhor pela cidade tome alguma iniciativa no sentido de valorizar o património arquitectónico e histórico de uma fábrica que deu tanto à nossa cidade.
(ler mais...)


Repuxos, por Inês Vidal »  2019-08-25  »  Inês Vidal

Esta malta dos jornais é lixada. Parece que está do contra, sempre a dizer coisas. Ou então é de esquerda, só pode. Atrevem-se a noticiar as coisas que acontecem, esses filhos da mãe. Caso contrário, íamos fazendo as coisas à mesma, a nosso bel-prazer, mas ninguém dava por elas ou as questionava.
(ler mais...)


A greve dos motoristas »  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia

PÔR O REGIME À PROVA. Na greve dos motoristas de matérias perigosas coincidiram duas vertentes que, para os próprios interessados, não deveriam ter coincidido. A luta laboral por reivindicações que merecerão respeito e um desafio às instituições políticas e ao regime.
(ler mais...)


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-25  »  Inês Vidal Repuxos, por Inês Vidal
»  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia A greve dos motoristas
»  2019-08-25  »  Anabela Santos Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade?
»  2019-09-06  »  João Carlos Lopes O nome da terra, por João Carlos Lopes
»  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno