• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 22 Março 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 26° / 11°
Céu limpo
Dom.
 24° / 11°
Períodos nublados
Sáb.
 25° / 9°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  22° / 7°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

V de Vingança

Opinião  »  2018-01-17  »  José Ricardo Costa

"O meu verdadeiro baptismo poético foi com um livro de António Ramos Rosa"

Como não entra nas contas um livro de Pablo Neruda que me ofereceram no Natal ainda eu mal sabia ler, o meu verdadeiro baptismo poético foi com um livro de António Ramos Rosa que comprei numa feira do livro do Cine-Clube de Torres Novas. Pouco depois veio o crisma com a Poesia Toda de Herberto Helder, numa feira do livro da Zona Alta, no edifício onde é hoje a GNR e que me custou 600 escudos (uma fortuna), mas que mal folheei percebi logo que não poderia não comprar. Hoje serei, vá, um razoável leitor de poesia, ao ponto de, até com certo orgulho, ser capaz de dizer à segunda ou terceira tentativa nomes de poetas que habitualmente só se consegue à quarta ou quinta, como Wislawa Szymborska, Marina Tsvetáieva ou Ryszard Kapuscinski, embora com aborrecidos efeitos secundários como atirar perdigotos à cara de quem tiver o azar de estar à minha frente.

Falo de livros mas a alvorada da minha sensibilidade poética começara antes. Não, não foi com João Villaret numa roufenha TV a preto e branco mas já em pleno período revolucionário numa parede da ladeira dos Canitos que eu fazia quatro vezes por dia entre casa e a escola. Nessa para mim hoje mítica parede repousou durante anos esta lustrosa pérola poética, digna herdeira do nosso Cancioneiro Medieval: Otelo Saraiva de Carvalho/Que lindo nome tens tu/Tira o v de Carvalho/E mete o resto no cu.

Ler quatro vezes por dia esta pérola numa idade tão importante na formação espiritual de um ser humano, só poderia ter um indelével impacto não só na minha sensibilidade literária como nos meus elevados valores. E teve. Graças àquele trecho literário percebi o que já sabia por via de uma esmerada educação mas sem disso ter consciência: poder exprimir, sem chã grosseria e ausência de pudor, o clássico desejo com que homens zangados ofendem a honra masculina dos seus interlocutores.

Uma ausência de pudor cada vez mais gritante (também em sentido literal) nos jovens de hoje que, por tudo e por nada, estejam onde estiverem e à frente de quem estiverem, invocam com grande estridência o apelido do Fidel Castro português mas já sem o dourado V que naquela parede funcionava como guardião do respeito e da ordem. Claro que dantes se diziam asneiras e os mais velhos continuam a dizê-las. Aliás, se elas existem é para serem ditas, sobretudo em momentos dramáticos da vida como entalar o dedo numa porta, riscar o carro ao sair da garagem ou acabar de saber que o Jonas se lesionou. Eu mesmo, homem polido, fraquejei há dias ao ver com um esgar de horror vir parar às minhas calças um gorduroso pedaço de lula que teimava em não sair da espetada. Mas também por saber onde estava e com quem estava. Estivesse noutro local e tendo na mesa ao lado duas simpáticas velhinhas da Conferência de S. Vicente de Paulo e o dique não teria aberto as suas comportas para libertar o catártico vernáculo que nos ajuda a libertar da dor de existir em certas ocasiões. Por isso, a imagem que me vem à cabeça quando oiço os nossos jovens a falar sem escrúpulos, seja onde for e ao pé de quem for, são ululantes bárbaros a destruir os civilizados e moralmente engenhosos diques romanos, para deixar passar as fétidas águas do vernáculo, uma espécie de Ribeira do Nicho para ouvidos limpos e educados que acabam assim também desgraçadamente empestados.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)


O Nhonhinhas »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial.
(ler mais...)


#Hashtag »  2019-03-22  »  Margarida Oliveira

Se no imediato, os 200 anos estimados pela ONU para o alcance da igualdade entre mulheres e homens parecem uma espécie de eternidade inatingível, na verdade, olhando a linha temporal da humanidade, eles representam apenas o último pedaço do último degrau, desta luta milenar.
(ler mais...)


Prioritário? As estradas. »  2019-03-22  »  António Gomes

Vem isto a propósito das obras de reabilitação do largo do Rossio. Decidiu, a maioria socialista na CM, dar prioridade à realização de obras no Largo General Humberto Delgado (Rossio). O projeto não se sabe bem o que é, visto que o PS decidiu alterar aquilo que foi aprovado em reunião de câmara.
(ler mais...)


Os phones são outro fenómeno que revolucionou o modo como experienciamos a música »  2019-03-22  »  Ana Sentieiro

É com alguma indignação entrelaçada com revolta que exponho um assunto secundário numa panóplia de assuntos, dos quais, o salário do Ronaldo agarra o protagonismo e leva-o de férias para a Grécia no seu jato privado, com direito a champanhe e não espumante! Parece que ninguém está interessado em dar relevo à falta de cultura musical dos millennials.
(ler mais...)


Brasil, China, Entre-os-Rios e Novo Banco »  2019-03-09  »  Jorge Carreira Maia

1. A DOENÇA DO BRASIL. Apesar de sermos latinos e de permitirmos coisas inaceitáveis nos países do centro e do norte da Europa, ainda é difícil para os portugueses compreender a doença que ataca com virulência inusitada o Brasil.
(ler mais...)


Remodelação, Bloco, Greves e Exames »  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia

1. REMODELAÇÃO DO GOVERNO. A importância da remodelação do governo ocorrida no início da semana é, do ponto de vista da orientação política, tendencialmente nula.
(ler mais...)


Mulher »  2019-02-21  »  Margarida Oliveira

Se é adquirido que com o 25 de Abril de 1974, as mulheres alcançaram o reconhecimento dos seus direitos mais fundamentais, exigindo a igualdade na vida, entre mulheres e homens, certo é, que fora o que seria obrigatório conceder, com o objectivo de serenar os ânimos reivindicativos femininos, praticamente tudo continua por fazer.
(ler mais...)


Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar. »  2019-02-21  »  José Ricardo Costa

Por estranho que pareça, houve um tempo em que se ia ao restaurante sobretudo para comer. Sim, também para conviver, comemorar, fazer negócios, mas sempre com o prazer da boa mesa como alvo. Nós, portugueses, para além de comer adoramos falar sobre o que comemos, nem que seja para lembrar, com a expressão lúbrica do lobo dos desenhos animados, o maravilhoso cabrito com grelos que comemos há 20 anos.
(ler mais...)


Aero… coisa, mas muito séria »  2019-02-21  »  António Gomes

A noticia teve origem na informação prestada em reunião de câmara pelo vice-presidente da mesma: aeroporto internacional, 4 Kms de pista, 160 voos/dia, 200 milhões de investimento, etc..

E foi apresentada com pompa e circunstância, uma grande mais valia para Torres Novas e arredores.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-02-22  »  Jorge Carreira Maia Remodelação, Bloco, Greves e Exames
»  2019-02-21  »  António Gomes Aero… coisa, mas muito séria
»  2019-02-21  »  Margarida Oliveira Mulher
»  2019-02-21  »  José Ricardo Costa Em suma, não se fotografa o que se come, come-se para fotografar.
»  2019-02-21  »  Anabela Santos Opções