• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 20 Janeiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 12° / 7°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 13° / 7°
Períodos nublados com chuva fraca
Ter.
 14° / 5°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  12° / 4°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ

Opinião  »  2019-04-20  »  João Lérias

"Já agora que a lei, se vier à luz do dia, seja clarificadora para todos os planos da administração pública"

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.

Trata-se sobretudo de questões do plano ético, e portanto parece pouco viável, que se procure encontrar na lei, mudando-a, ou criando de novo, o que no plano ético não se consegue resolver.

Ouviu-se falar numa alteração ao Código do Procedimento Administrativo, o que é só por si parece uma situação absurda. O CPA é a lei que regula a atuação dos órgãos da administração pública, quando esta, munida de autoridade, e tendo por base princípios como os da legalidade, da igualdade, da proporcionalidade, imparcialidade e da justiça entre outros, se relaciona com os particulares. Visa-se sobretudo regular as tomadas de decisão dos órgãos, e até mesmo quando se estabelecem alguns impedimentos, isso acontece, porque poderão existir sempre terceiros que são afetados nesse procedimento.

Ora no caso das nomeações, nomeadamente as nomeações para gabinetes, na prática trata-se de um ato isolado, que nem tem, nem deve afetar terceiros. Daí, e salvo melhor opinião, só por absurdo, se poderia alterar o Código do Procedimento Administrativo

Mas se o absurdo existe quanto à alteração da Lei Administrativa, também sucede caso se opte pela criação de uma nova lei, pois será bastante difícil regular tudo o que de mau a ética reprova e que anda por aí. Ainda assim, porque muitos a ignoram, que venha então a Lei. Não para regular o que a ética por si já condena, mas pelo menos, para garantir que aqueles que continuam num registo autista de indiferença, no plano ético, não possam causar mais erosão à nossa democracia.

Sim, é verdade. Para muitos, quiçá até defensores da ética republicana, o que interessa é verdadeiramente o seu umbigo, o seu ego. Para esses, que gastam anos na leitura de propagandas políticas, afinal parece que nunca descobriram em tais leituras quaisquer princípios éticos, e por isso, a lei parece tão urgente, porque para eles se torna necessária.

Já agora que a lei, se vier à luz do dia, seja clarificadora para todos os planos da administração pública, e porquê?

Porque para mim, a falta de ética não existe apenas na nomeação do primo para o seu gabinete governamental, mas existe também, quando eleitos para as Assembleias Municipais, fazem parte integrante dos gabinetes dos presidentes de Câmara. Eticamente é censurável, que quem convive diariamente com o órgão executivo, ajudando na tomada de decisão, faça parte também do órgão, cuja principal missão é apreciar e fiscalizar o órgão no qual trabalha e ajudou na tomada de decisão.

Enfim, a rutura entre políticos e cidadãos é de facto cada vez maior. Os políticos parecem prosperar no tal registo verdadeiramente autista, que só a eles interessa. Os segundos, esses oscilam entre a indiferença e a hostilidade ao mundo em que vivem os primeiros, daí preferirem ficar em casa no dia do voto.

E assim se avança numa perigosa erosão da nossa democracia!

 

 

      

 

 

 Outras notícias - Opinião


O discurso do rancor »  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia

Vivemos num país cordato e seguro, onde a violência é diminuta e o respeito pelos outros é significativo. Somos, ao mesmo tempo, medianamente ricos e medianamente pobres e, ao longo destes anos de democracia, temos sabido resolver os problemas com que nos deparámos.
(ler mais...)


As ciclovias e o debate público »  2020-01-09  »  João Quaresma

No último mês de Dezembro, em duas reuniões de câmara sucessivas, discutiu-se o programa base de uma rede de ciclovias para a cidade de Torres Novas, com cerca de 24 Km na sua totalidade, a construir por fases, bem como uma dessas fases na zona da Quinta da Silvã, com cerca de 6 Km, que será a primeira a ser realizada.
(ler mais...)


Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato »  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato

Madrugada. Janeiro, dia 4. De 2019.

O comboio deslizava nas linhas com o seu ritmo sereno, como se não tivesse pressa ou tivesse de respeitar passagem ou não quisesse, com brusquidão, ferir o ferro.
Há muito que não andava de comboio.
(ler mais...)


CONSIDERAÇÕES A PROPÓSITO DO BREXIT »  2020-01-09  »  José Alves Pereira

As eleições realizadas a 12 de Dezembro passado estão, tal como a situação na Grã-Bretanha, envoltas em tantas contradições que alinhavar comentários, com alguma linearidade e coerência, não é tarefa fácil.
(ler mais...)


O medo »  2020-01-09  »  António Gomes

Temos vindo a assistir, com alguma insistência por parte do presidente da câmara municipal de Torres Novas, ao anúncio da sua candidatura nas próximas eleições autárquicas. Devido à insistência, até parece que o presidente anda obcecado com tal objectivo.
(ler mais...)


A imprensa »  2020-01-09  »  Anabela Santos

Feliz Natal, boas festas, bom ano, foram os votos das últimas semanas do mês de Dezembro. Em ambiente de festa, de partilha e de solidariedade, cumpriu-se mais uma época festiva que iniciou lá para meados do mês e terminou no dia 1 de Janeiro.
(ler mais...)


Brio »  2020-01-09  »  Rui Anastácio


“Um café bem tirado e com bons modos.”
Fiquei com esta frase na cabeça. Foi dita em tom brincalhão por uma Senhora septuagenária, algures num quiosque à beira mar plantado. Uma forma simples e simpática de pedir competência e brio profissional.
(ler mais...)


Ano novo, Torres “Novas”? »  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Cada início de ano é, frequentemente, marcado pelo balanço das coisas que não fizemos nos 365 dias anteriores e que, consequentemente, se transformam, agora, em projectos para o novo ano. Nos primeiros dias de Janeiro, todos os anos se repete o mesmo ritual.
(ler mais...)


Serviços públicos, superavit, sistemas eleitorais e vergonha »  2019-12-20  »  Jorge Carreira Maia

DEGRADAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS. Existe a ideia de que a degradação dos serviços públicos se resolveria com uma melhor gestão. Qualquer partido a defende desde que esteja na oposição.
(ler mais...)


O PDM e a sua revisão »  2019-12-20  »  António Gomes

Parece que é desta. Ao fim de dezoito anos, o processo de revisão do PDM de Torres Novas dá sinais. Foi preciso o governo ameaçar com cortes nas receitas às autarquias que não completarem a revisão deste importante instrumento de ordenamento do território em 2020, para se iniciar tão importante tarefa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-09  »  Maria Augusta Torcato Saída de Emergência (uma crónica em atraso), por Maria Augusta Torcato
»  2020-01-09  »  António Gomes O medo
»  2020-01-09  »  Rui Anastácio Brio
»  2020-01-09  »  Ana Lúcia Cláudio Ano novo, Torres “Novas”?
»  2020-01-10  »  Jorge Carreira Maia O discurso do rancor