• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 20 Maio 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 26° / 12°
Períodos nublados
Qua.
 27° / 12°
Períodos nublados
Ter.
 24° / 11°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  23° / 10°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Venha daí um refrigerante fresquinho!

Opinião  »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

"Vou ali beber um sumol fresquinho, que não há maneira de baixarem as temperaturas..."

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar. Parece que o gangue dos refrigerantes se juntou para assaltar a nossa preciosa saúde. Vai daí, o justiceiro do bem estar, pegou nas suas armas fiscais e tratou de disparar taxas sobre as frescas coca-colas, as apetecíveis 7-ups, os espalhafatosos Ice teas, os lusitanos frisumos. O açúcar faz mal aos dentes e à diabetes e parece que essas bebidas refrigerantes têm carradas dele. Não pode ser; tomem um agravamento de impostos que é p’ra aprenderem a ser saudáveis. Assim, as pessoas já não consumirão essas maléficas bebidas açucaradas e virar-se-ão para os batidos de beterraba, rúcula e cenoura, se possível biológicos.

Fico contente por os órgãos decisores tributários pensarem de forma tão afectiva e preocupada no nosso bem estar. Esta decisão vem na sequência dos quase imperceptíveis aumentos de impostos no global plano de profilaxia da saúde dos portugueses. A gasolina é a mais cara da Europa, porquê? Porque os impostos colocados no combustível são também os maiores da Europa, a bem da saúde geral. O portuga andará menos de carro, como tal fará mais atividade física, logo ficará mais saudável. Mas eu trabalho a 80 km de casa!?...logo ficará ainda com mais saúde, podendo dedicar-se ao ciclismo de longa distância. Se não tem bicicleta, burro ou uma motoreta movida a painéis solares, pode ir de carro, sabendo que não lhe sobrará muito dinheiro para gastar em bebidas açucaradas e continuará cheio de saúde. Mas espera aí, a beterraba e aquela erva, a rúcula, também não estão pela hora da morte?...

No meio da discussão dos impostos sobre os refrigerantes e da saúde pública, apareceu a notícia (um pouco menos relevante) da substituição da procuradora geral da República, Joana Marques Vidal. Parece que ela estaria a “tratar da saúde” de algumas deprimentes e corruptas personagens deste país, até então intocáveis, e foi aí que o equívoco surgiu: “Tratar da saúde dos bandidos? Temos é de tratar da saúde dos portugueses, pá! Ainda ontem estive com o meu Rafael cinco horas à espera na urgência do hospital de Santa Maria! Uma vergonha! Deixem lá esses malandros e pensem nos mais desfavorecidos, caneco!”. Quando alguém quis explicar que “tratar da saúde” pode apresentar-se como uma forma de expressão idiomática, podendo significar “tratar de meter na choldra a bandidagem”, do outro lado, confundiu-se com o “tratar da saúde do doente com amigdalite, no consultório médico”.

Mudou-se a procuradora e o tal juiz, Carlos Alexandre, este último uma espécie de força especial no tratamento da saúde da apavorada bandidagem. Parece assim que a bandidagem, agora, possa tratar da sua saúde à vontade (sem expressão idiomática) e continuar a tratar da saúde dos portugueses (de forma violentamente idiomática) se possível com a falência de mais uns quantos bancos e o aluguer de casas em Paris, com dinheiros provenientes da saúde de outros. É que os marqueses do processo são muitos e parecem ter uma saúde férrea. Sinto que a minha saúde está bem entregue, ou antes, tratada, pelo outro juiz eleito por sorteio informático à terceira tentativa (problemas de saúde do computador?), que parece ter o historial e as ferramentas necessárias para tratar da saúde (idiomática) dos dossiers mais complexos e remetê-los para a reciclagem dos resíduos “hospitalares judiciais”.

Uma coisa é certa: enquanto assisto a esta preocupação comovente com a nossa saúde colectiva, vou ali beber um sumol fresquinho, que não há maneira de baixarem as temperaturas, e assim, no caso de me tratarem de vez da saúde, não correrei o risco de estar a digerir um saudável sumo de beterraba com rúcula.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Crise, Professores, Brexit e Venezuela »  2019-05-11  »  Jorge Carreira Maia

1. CRISE POLÍTICA. A questão da contagem do tempo de serviço congelado dos professores foi uma bênção caída do céu para os socialistas. Deu-lhes oportunidade de se mostrarem responsáveis, e mostrou uma oposição de direita desorientada, perdida entre o eleitoralismo puro e duro e, quando confrontada com a reacção de António Costa, em recuo humilhante perante a opinião pública.
(ler mais...)


Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame »  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia

AS SONDAGENS E AS FAMÍLIAS. As sondagens reflectem já o desgaste que os socialistas estão a sofrer devido à trapalhada em que se meteram com as ligações familiares na governação.
(ler mais...)


O porco »  2019-04-20  »  Inês Vidal

Sentei-me no café a tentar escrever este “vinte”. Erro. A ideia que trazia, rapidamente se confundiu com a voz que esganiçada me ecoava repetidamente ao ouvido, vinda de uma televisão em altos berros, a história do terror – muito terror – de um jovem, um homem e um cão.
(ler mais...)


A FALTA DE ÉTICA QUE ANDA POR AÍ »  2019-04-20  »  João Lérias

Com os recentes casos das nomeações de pais e filhas, maridos e mulheres, primos e sei lá que mais, o país parece ter acordado para uma nova realidade que, não sendo nova, desta vez, sobretudo pela sua dimensão, é censurável.
(ler mais...)


A vitória do Chile »  2019-04-20  »  José Ricardo Costa

Torres Novas é uma terra cheia de ruínas, o que dá uma enorme tristeza e uma espécie de infelicidade urbana para a qual não conheço palavra. Ruínas não deveriam ser onde vivem pessoas mas em Pompeia, castelos na Escócia, abadias em Inglaterra ou anfiteatros na Grécia, onde apenas vivem fantasmas pacificamente misturados com turistas que chegam e logo partem.
(ler mais...)


A transparência das águas »  2019-04-20  »  António Gomes

Neste novo ano entrou em vigor um novo tarifário: pode-se mesmo dizer um novo e radical tarifário da empresa “Águas do Ribatejo”. A Águas do Ribatejo é uma empresa pública detida a 100% por 7 municípios do Ribatejo e que tem vindo a reerguer os sistemas de abastecimento de água e de saneamento que se encontravam na generalidade dos casos em péssimas condições.
(ler mais...)


Amor, vamos dar um tempo »  2019-04-20  »  Ana Sentieiro

Puberdade, temo que interpretes as minhas palavras de modo leviano, mas penso que chegámos àquele momento da relação em que já não faz sentido continuar. Desculpa, não tenciono desvalorizar o teu impacto em mim ou na minha vida nestes últimos anos que tivemos juntos, aliás, qualquer pessoa perceberia, ao olhar para a minha cara, iluminada por um tímido sorriso, que a tua presença era constante, quase como se fossemos um só.
(ler mais...)


Legislativas, Rui Rio, Refundações e Turquia »  2019-04-06  »  Jorge Carreira Maia

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS. Ainda há que passar pelas eleições para o Parlamento Europeu, mas o acto político decisivo só chega com as legislativas. Aquilo que até aqui parecia inevitável, uma vitória com maioria relativa do PS e uma derrota da direita, não estará completamente seguro.
(ler mais...)


A família socialista, a democracia comunista, a transferência centrista e o terrorismo »  2019-03-23  »  Jorge Carreira Maia

A FAMÍLIA SOCIALISTA. O governo parece um lugar de convívio de famílias amigas. Não bastava já haver um casal de ministros e um ministro pai e uma ministra filha desse pai, agora a mulher de um outro ministro foi nomeada chefe de gabinete do Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, cargo ocupado anteriormente pelo marido.
(ler mais...)


Como dantes não se falava, também não se dava por ela. »  2019-03-22  »  José Ricardo Costa


Qualquer pessoa normal é contra a violência doméstica. Acontece que não gosto da expressão “violência doméstica”, demasiado sociológica, urbana, abstracta, mera etiqueta que não faz jus ao tipo de aberração que pretende traduzir.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-04-20  »  Jorge Carreira Maia Sondagens, Marcelo, Anos Sessenta e Notre-Dame
»  2019-04-20  »  José Ricardo Costa A vitória do Chile
»  2019-04-20  »  Ana Sentieiro Amor, vamos dar um tempo
»  2019-04-20  »  António Gomes A transparência das águas
»  2019-04-20  »  Inês Vidal O porco