• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 23 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Dom.
 19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
Sáb.
 19° / 9°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  19° / 10°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O ESPELHO - josé mota pereira

Opinião  »  2020-09-28  »  José Mota Pereira

"Olhemos para o espelho, de luz bem acesa e confrontemo-nos com o rosto do mundo que temos"

Em 1992, ainda a RTP era a televisão única. Todas as quartas-feiras à noite o serão é dedicado a entrevistas protagonizadas por Carlos Cruz a uma série de personalidades. O espaço chama-se precisamente “Carlos Cruz - Quarta Feira” e numa noite a entrevista resultou numa conversa amena e franca. Porque entrevistador e entrevistado se entregaram um ao outro deixando para arquivo uma entrevista de invulgar qualidade. Ao fim de hora e meia, é chegado o momento de terminar.

De um lado Carlos Cruz. Do outro o octogenário escritor alentejano Manuel da Fonseca.

O primeiro, estende a mão para o cumprimento final interpelando o escritor:

- É um homem feliz?

Manuel da Fonseca, sorrindo como só ele sabia, de olhos grandes e brilhantes, responde de forma desconcertante:

- Não sou não, nunca! Sabe, os felizes são os indivíduos que, ou são estúpidos ou nunca repararam em nada.

Sorrindo ambos, percebendo a grandeza do momento, terminaram ali a entrevista.

Este pequeno pedaço de sabedoria tão simples, deste vulto maior da literatura portuguesa, tantas vezes esquecido, é uma sublime reflexão sobre a nossa felicidade humana e o nosso olhar sobre o outro.

Manuel da Fonseca serenamente, talvez antevendo estes dias, desafiava-nos para a urgência útil e necessária de olharmos para o outro. Ainda antes até de Saramago nos ter contado da nossa cegueira comum. De formas diferentes, ambos sabiam do que falavam.

Não pode haver felicidade quando todos os dias vamos assistindo à vitória da barbárie sobre a civilização. Silenciosamente, sem darmos conta, vamos permitindo que o relógio da História nos vá fazendo recuar no tempo, como se a sua engrenagem, as suas rodas dentadas, estivessem por inexplicável avaria, recuando os seus ponteiros, numa transformação do tempo em que o amanhã afinal possa ser o anteontem.

Confrontemo-nos.

Olhemos para o espelho, de luz bem acesa e confrontemo-nos com o rosto do mundo que temos. Não nos neguemos. Gostamos do que vemos?

É por aqui que que vamos?

Um mundo desigual e injusto, que aceita que os refugiados fugindo da fome e da miséria, fiquem detidos em Lesbos na porta da civilizada Europa? Um mundo que continua a aceitar a exploração capitalista e global do trabalho, daqueles que tudo produzem, dos “damnés de la terre”, de todas as terras, subjugados aos jogos dos consórcios financeiros transnacionais? Um mundo que continua a aceitar a guerra e os seus jogos, as ameaças à paz e à autodeterminação dos povos promovidas pelas potências de sempre, desde logo pelos EUA e pela Nato, semeando por todo o planeta repetidas manobras de ataque e chantagem militaristas de sempre? Um Mundo onde os ataques à liberdade, à democracia e aos direitos humanos permanecem em constante violação? Um mundo onde se continua a permitir a sobre-exploração dos recursos naturais, destruindo os equilíbrios ecológicos e a vida na nossa casa comum?

Neste canto, entalados entre a serra de Aire e o rio Almonda, no recato da nossa terra, tudo isto nos parece distante.

Vivemos aqui, quase tranquilamente aguardando agora que o Outono se anuncie nos ouriços dos castanheiros semeados pelo passeio da avenida. Sabemos que em breve provaremos os primeiros vinhos, do mosto que já ferve em muitas adegas particulares das aldeias do nosso concelho. Nesta serenidade outonal, a seguir virá a apanha da azeitona, o azeite novo regará os requentados e amassará, entre a erva doce e a canela, as merendeiras dos Santos.

Diríamos, face ao mundo, que somos felizes aqui.

Como talvez Cardílio tenha sido feliz com a sua Avita, tão longe que estava das conspirações que se teciam em Roma, capital do Império.

Mas olhemo-nos ao espelho, também aqui, em Torres Novas.

Ao nosso lado, na nossa rua, no nosso bairro, na nossa terra, há quem precise e muito, que não nos esqueçamos de como é ilusória esta aparente felicidade local. Não vê quem não quer que o mundo também dói deste lado da serra.

No momento em que celebra mais um aniversário, é tempo de escrever com justiça que o Jornal Torrejano tem sido um dos espelhos fundamentais para o confronto devido e necessário com a realidade do mundo da nossa terra. Que assim continue: agitando mansos confortos, que continue sendo um espelho límpido, desembaciado, recto e sem curvas convexas nem côncavas. Nós, leitores ou colunistas de ocasião, agradecemos a permanência e a coerência. Para que os outros não façam de nós, como diria o bom Manuel da Fonseca, cega ou estupidamente felizes.

 


Nota: é possível visualizar a entrevista completa de Carlos Cruz a Manuel da Fonseca no site da RTP Arquivos, nos seguintes links:

Parte 1: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/manuel-da-fonseca-parte-i/

Parte2: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/manuel-da-fonseca-parte-ii/

Parte 3: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/manuel-da-fonseca-parte-iii/

 

 

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou.
(ler mais...)


O pau da República - josé mota pereira »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.
(ler mais...)


A bicicleta - rui anastácio »  2020-10-09  »  Rui Anastácio

No meu concelho há uma terra onde tenho alguns bons amigos. Essa terra chama-se Vila Moreira. Foi lá que encontrei o meu primeiro trabalho. Tinha então 15 anos e uma bicicleta amarela que me levava a quase todos os sítios onde queria ir.
(ler mais...)


Ler os nossos escritores - jorge carreira maia »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago.
(ler mais...)


Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva »  2020-10-09  »  Carlos Paiva

Em amena cavaqueira entre amigos, a discutir o desempenho autárquico, ou a falta dele, surgiu a frase: “…criticar a Câmara Municipal é fácil…”. Concordei de imediato. Aliás, reforcei que é O MAIS fácil.
(ler mais...)


IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes »  2020-10-09  »  António Gomes

O ano que atravessamos, e com toda a certeza também o próximo, são anos de excepção, anos particularmente difíceis para muitas famílias. Os rendimentos são menores, em alguns casos muito menores, muitos negócios fecharam ou estiveram fechados vários meses, o que aí vem ainda não se sabe, mas advinha-se, infelizmente.
(ler mais...)


Crónicas de Timor I - Vida em isolamento - anabela santos »  2020-10-09  »  AnabelaSantos

Este texto será o relato de uma quarentena ou de uma solidão imposta, sem floreamento ou qualquer romantismo pela razão óbvia: é um isolamento e é imposto.
Depois da clausura de vinte e oito horas dentro de um avião que me leva até Timor e que, mesmo fazendo escala no Dubai e na Malásia, não abriu as suas portas para, pelo menos, desentorpecer as pernas e arejar um pouco.
(ler mais...)


A falta de cidadania de quem a recusa - ana lúcia cláudio »  2020-10-09  »  Ana Lúcia Cláudio

Os primeiros dias de regresso às aulas têm sido marcados por dois grandes assuntos. O primeiro, o que nos assola a todos desde Março e que obrigou os responsáveis das escolas a definir e adaptar estratégias e formas de prevenção do coronavírus, na sequência das directrizes definidas pela Direcção-Geral de Saúde.
(ler mais...)


A roleta russa - jorge carreira maia »  2020-09-28  »  Jorge Carreira Maia

A questão do novo coronavírus tornou-se uma espécie de roleta russa em dois momentos. No primeiro, o tambor da pistola roda para descobrirmos se somos ou não contaminados. Caso sejamos, ele torna a rodar, agora de forma decisiva.
(ler mais...)


Boys - rui anastácio »  2020-09-28  »  Rui Anastácio

A palavra parece ser inglesa, mas é apenas aparência. É uma palavra portuguesa, com certeza. Foi proferida, pela primeira vez, nos idos anos 90 pelo actual secretário-geral das nações unidas. “No jobs for the boys”.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-10-09  »  Carlos Paiva Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva
»  2020-10-09  »  António Gomes IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes
»  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia Ler os nossos escritores - jorge carreira maia
»  2020-10-09  »  Rui Anastácio A bicicleta - rui anastácio