• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 18 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 1°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  14° / 2°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ganha fama e senta-te à sombra da bananeira

Opinião  »  2018-08-15  »  Maria Augusta Torcato

"não ganhei fama nem me sentei à sombra da bananeira, porque continuo preocupada, gosto da perfeição e do brio"

Esta é uma crónica pequenina, muito ligeira, leve e fresca, como devem ser as refeições nos dias de muito calor e em período de férias. A crónica “das férias” virá na seguinte ronda de escritaria. Esta é, assim, uma crónica de férias.

Desde a crónica anterior (e não última, como me “repreendeu” um amigo), não tenho deixado de pensar nos momentos de fragilidade por que tenho passado ao evidenciar algumas falhas na escrita, quando sou, ou tenho sido, tão amiga e adepta do rigor, da perfeição e, até em algumas situações, da elevação e da erudição na escrita. Porém, isto não quer dizer que o rigor, a perfeição, a elevação e a erudição não se alcancem com uma linguagem simples, um discurso espontâneo, sem grandes complexidades sintáticas, lexicais ou semânticas. É o que eu acho.

Aliás, uma das coisas que mais me agrada é o facto de encontrar muitas pessoas que me dizem que gostam muito do que escrevo e que do que gostam mesmo é que percebem tudo e isso nem sempre lhes acontece quando leem outros textos. Ora aí está. Pelos vistos o meu gosto e prazer em escrever, em usar e articular as palavras, de que tanto gosto, até têm algum efeito e o que talvez seja importante é que não só me fazem pensar a mim, mas fazem pensar também quem tem a bondade de as ler e, assim, tem de tentar perceber ou intuir o que a sua amálgama pode querer dizer. Porque as palavras revelam-nos e revelam a nossa realidade e há uma obrigação moral e social em mostrar a realidade, no que tem de mais belo, para se apreciar, valorizar e reproduzir e no que há de mais feio, para se denunciar, condenar e impedir a sua existência ou, pelo menos, o seu crescimento.
Mas o início da crónica era simplesmente para me desculpar por algumas falhas gráficas: vírgulas fora do lugar, pois, às vezes, ou surgem em excesso ou em falta (se bem que em lugares muito importantes, como, por exemplo, entre o sujeito e o predicado e entre o verbo, núcleo principal desse predicado, e os seus complementos ou predicativos não haja habitualmente falhas, há mais quando se envolvem modificadores); concordâncias que o não são ou deveriam ser, com um singular em vez do plural ou vice versa, ou o inverso entre o sujeito e o verbo ou complexo verbal do predicado (pois ambos devem ser solidários entre si); a falta de um til, que pode confundir a palavra manha com manhã (ou manhazinha, a qual todos recorremos de vez em quando e manhãzinha que, quando nasce, é para todos) e por aí adiante. A verdade é que se for reler, tornar a “re-reler” ou “tri-ler” (atenção que “treler” pode ser dizer disparates, tagarelar, conversar despretensiosamente, que é o que já me está a acontecer...), encontro sempre falhas. Já me resigno! E eu até sou de poucas resignações! A idade e a experiência fazem-nos isto.

Por isso, vou concluir: não ganhei fama nem me sentei à sombra da bananeira, porque continuo preocupada, gosto da perfeição e do brio e de aprender sempre. Também gosto de me rir de mim própria, por isso os erros que me atribuo acabam por me fazer abanar negativamente a cabeça, que é uma espécie de exercício, e reforçam a humildade que é o avesso da vaidade e da prepotência.

Acabarei com algo que me faz sempre rir e desperta grande carinho: já há uns bons anos, apresentava eu, publicamente, em representação de um grupo de colegas, um trabalho em que a palavra “comunicação” era reiteradamente empregue e no diapositivo (“slide”) suporte do trabalho, que estava projetado nas minhas costas aparecia a palavra “comicação” (lia-se com dificuldade por estar expressa na vertical). Alguns dos meus colegas e amigos, nos seus lugares de espetadores comentaram entre si: “A Augusta enganou-se. Escreveu “comicação” em vez de “comunicação””. E riam-se, porque me reconheciam o gosto e o cuidado pela perfeição. Claro que eu não entendia porquê. Mas havia razão para isso. No meio destas vozes, alguém verdadeiramente amigo e cegamente crente nas minhas capacidades retorquiu para esse grupo: “Não, não, se foi a Augusta que escreveu, é porque existe, nós é que não sabemos!”.

Estão a ver como é bom ganhar fama e reconhecimento, mas nunca nos devemos sentar à sombra da bananeira confiantes que a fama e o reconhecimento são eternos? É que não são. E somos nós, os próprios, que devemos ter consciência disso e humildade q.b. para assumir os nossos erros e aprender e melhorar sempre. Até porque errar é humano e relembrar ou reler ou recontar a história da Lebre e da Tartaruga a alguém próximo e que é criança é sempre um gosto! E é sempre uma aprendizagem. “Aprender até morrer!”.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia