• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 25 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 18° / 9°
Céu nublado
Qua.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 12°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Agosto, o mar, os livros - margarida trindade

Opinião  »  2020-08-19  »  Margarida Trindade

" Nunca me arrependerei de ter nos livros aquele porto de abrigo que me acolhe na dúvida"

Antes de dar voz ao calor das palavras, ou abandonar-me, infantil, no colo de um certo e esperado Agosto, prova de vida anual, um desabafo.

Dei-me a luxos de leitura no sossego da sombra de uma varanda. A vista é para uma paisagem que se espraia até ao mar. Nunca me arrependerei de ter nos livros aquele porto de abrigo que me acolhe na dúvida, sabendo, é certo, que a única certeza que dali sairá é a honestidade para com a minha própria consciência e a convicção de que não há urgência que nos resolva as inquietações. Neles, nos livros, acerto o meu mapa individual, posiciono-me perante mim própria e o meu colectivo. A exactidão desse lugar de destino aponta para onde a dúvida me leva. Uma rota legítima pelas páginas de um, ou dois volumes (abalanço-me a três se o sono não me der por vencida), lidos de supetão ou mastigados teimosamente para não os deixar a meio. Não gosto, mas fico a conhecer.

Meti-me com autobiografias. Trazia grande satisfação da última incursão numa leitura do género, mas fiquei com amargos de boca com a opção do presente ano. É assim, nada a fazer. Ou é o ego deslumbrado, essa fraqueza que acomete certos autores que, achando-se tão distintos, entregam-se à confissão íntima de surtos psicanalíticos freudianos. Uma seca, digo eu. Ou, à falta de criatividade (e de vazios nunca superados), põem-se a discorrer sobre falhanços amorosos e académicos. Enfim, um mergulho escusado em traumas, com laivos de auto-piedade. Fossem ficcionados e quem sabe outro galo cantaria.

Valeu-me nisto um conhecido e respeitado alter-ego, a bem de umas necessárias verdades que lhe salvaram, ao autobiografado, a honra do convento. E que a mim me devolveram prazer da literatura e também me resgataram de mim mesma, que é o que se deve pedir a um livro em Agosto.

Houve tempos em que fazia dos meus verões de praia uma produção quase diária de fotografias de sardinhas assadas, iguaria sem igual que, havendo possibilidade de uns dias no Algarve, não dispenso. Mas a pandemia fez de mim austera. Quiçá frugal. Nem sardinhas, nem redes sociais. Não deverei ser a única. O pouco luxo a que me dei neste ano foram, para além de uns banhos de mar, o que já não é pouco, uma ou duas refeições em família, circunscritas à varanda, em finais de dias quentes.

Todavia, o pináculo de alguma felicidade foi ter-me dado conta de que consegui, numa inadvertência feliz, alhear-me do factor perigo durante uns minutos de um passeio matinal à beira mar.

Contentando-me assim com este pouco, que já me sabe a tanto, percebo com algum alívio, por ter sido capaz de semelhante fuga à realidade, da importância suprema de, tomados os devidos cuidados, levarmos a vida com uma certa normalidade. A bem da saúde mental e de todas as silly seasons que Agosto ainda nos há-de trazer.

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


MEMÓRIAS DE UM TEMPO OPERÁRIO - josé alves pereira »  2021-01-23  »  José Alves Pereira

Em meados da década de 60 do século passado, ainda o centro da então vila de Torres Novas pulsava ao ritmo das fábricas. Percorrendo-a, víamos também trabalhadores de pequenas oficinas e vários mesteres.
(ler mais...)


Eleições à porta e a abstenção à espreita - antónio gomes »  2021-01-23  »  António Gomes

Votar é decidir, não votar é deixar a decisão que nos cabe nas mãos de outros. Uma verdade, tantas vezes repetida. No entanto, a abstenção tem mantido uma tendência ascendente nos vários actos eleitorais.
(ler mais...)


Funambulista - rui anastácio »  2021-01-23  »  Rui Anastácio

O funambulismo é uma arte circense que consiste em equilibrar-se, caminhando, saltando ou fazendo acrobacias sobre uma corda bamba ou um cabo metálico, esticados entre dois pontos de apoio. Ao funambulista cabe a difícil tarefa de chegar ao segundo ponto de apoio sem partir o pescoço.
(ler mais...)


Os velhos e os fracos - jorge carreira maia »  2021-01-23  »  Jorge Carreira Maia

 

É plausível afirmar que o corpo político, ao contrário do que aconteceu na primeira vaga da pandemia, não tem estado feliz na actual situação. Refiro-me ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro e aos dirigentes das várias oposições.
(ler mais...)


Veni vidi vici - carlos paiva »  2021-01-23  »  Carlos Paiva

 

- Ó querida, sou tão bom. Mas tão bom que até vais trepar pelas paredes.

- Ai sim? E como é que vais conseguir tal proeza?

- Ora… Isso agora é cá comigo. Eu é que sei.
(ler mais...)


Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal »  2021-01-23  »  Inês Vidal

Sinto que estou sempre a dizer o mesmo, que os meus textos são repetições cíclicas dos mesmos assuntos e que estes são, só por si, repetições cíclicas e enfadonhas deles próprios.
(ler mais...)


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  José Ricardo Costa A Pilhagem - josé ricardo costa
»  2021-01-23  »  Inês Vidal Eu voto, mas não gosto do rumo que isto leva - inês vidal